Balanço Blast: confira as principais notas das nossas análises de março de 2024

Entre as principais análises de março estão Unicorn Ovelord, Top Racer Collection, Final Fantasy VII Rebirth, A Ascensão do Ronin e Dragon's Dogma 2.



Aqui, no Balanço Blast, trazemos a você, leitor, uma curadoria com as nossas principais análises do mês que se passou e, de quebra, te convidamos a ler e conhecer mais sobre os games que analisamos, sejam eles grandes AAA que decepcionaram (ou não), jogos independentes de exímia qualidade que poderiam passar batido ou ainda nosso aviso para fugir de alguns títulos de qualidade extremamente questionável — além de compilar uma tabela completa com todas as notas que publicamos ao longo do período. 

Confira também outros destaques de meses anteriores
Janeiro | Fevereiro | Março

Top Racer Collection

Autoria: Carlos França Jr.
Data de Publicação: 4 de março
Plataformas: PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Switch, Xbox One, Xbox Series
Plataforma utilizada para análise: PlayStation 4
Nota: 9.0

Prós

  • A funcionalidade dos títulos tem qualidade superior a simples ports;
  • Poder remapear os botões livremente torna a jogatina mais convidativa;
  • Possibilidade de salvar a qualquer momento da Campanha;
  • Introdução de novos modos de jogo, como a Copa Personalizada e opção de aproveitar todos eles online;
  • Galeria com itens interessantes e detalhados;
  • Top Racer Crossroads traz a chance de acelerar muito em um clássico com o Carro da Firma.

Contras

  • Excesso de telas de carregamento.


Top Racer Collection tinha uma tarefa até que simples: tornar um marco do gênero de corrida acessível para todos. Mas o que foi visto vai além, mostrando que as três décadas de vida da franquia receberam o carinho devido e ótimos recursos atuais para juntar os fãs de Top Gear, digo, Top Racer, ao longo do globo. E ainda tem um Uno com escada em cima como a cereja do bolo! Leia a análise completa.

Final Fantasy VII Rebirth

Autoria: Ivanir Ignacchitti
Data de Publicação: 8 de março
Plataformas: PlayStation 5
Nota: 9.5

Prós

  • Uma expansão significativa da narrativa do clássico Final Fantasy VII, dando mais atenção aos personagens e eventos e modernizando a sua apresentação;
  • Um mundo explorável riquíssimo em missões e motivos para vasculhar todos os cantos, graças ao sistema de Informes Globais;
  • O combate consegue combinar estratégia e ação de forma a aproveitar as qualidades de cada lado em batalhas dinâmicas;
  • As individualidades dos personagens fazem uma diferença significativa em combate, valendo a pena explorar mudanças de equipe;
  • Boa variedade de habilidades, matérias e equipamentos para customizar os aliados;
  • Trilha sonora bastante variada e cheia de músicas memoráveis;
  • As transições excelentes entre cutscenes e batalha ajudam a dar uma sensação de imersão.

Contras

  • Os comportamentos dos personagens às vezes são exagerados demais, o que pode causar um pouco de estranheza, especialmente em momentos de humor e em trechos em que Tifa deveria demonstrar emoções;
  • Os minigames e desvios obrigatórios acabam dando uma sensação de inchaço na campanha;
  • Mesmo com o mapa e o minimapa, nem sempre é fácil se localizar em áreas com múltiplos níveis de altitude;
  • O baixo contraste entre itens e ambientes às vezes dificulta a identificação.


Final Fantasy VII Rebirth traz um excelente trabalho de repensar o universo de um dos maiores clássicos do gênero. Há determinados elementos que mereciam mais polimento, especialmente em nível técnico, mas o resultado geral é uma experiência fantástica e mais uma vez uma referência dentro de seu gênero. Leia a análise completa.

Unicorn Overlord

Autoria: Lucas Oliveira
Data de Publicação: 14 de março
Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5, Switch, Xbox Series
Plataforma utilizada para análise: PlayStation 4
Nota: 9.0

Prós

  • A história apresenta e desenvolve diversos arcos focados em inúmeros personagens interessantes;
  • Diversas opções de dificuldade, oportunizando que diferentes tipos de jogadores possam viver essa experiência;
  • O mundo é vasto e cheio de segredos, com a exploração nos recompensando constantemente com novos aliados e recursos que ajudam a melhorar nossas equipes;
  • O jogo é extremamente fluido e ágil, com carregamentos quase imediatos e opções para acelerar ou pular as animações das batalhas;
  • Os elementos que compõem o cenário fazem com que as batalhas vão muito além dos confrontos diretos, exigindo que tenhamos atenção com a movimentação;
  • As possibilidades estratégicas são vastas, com inúmeras alternativas de personagens, classes, equipamentos, habilidades e condições de ativação;
  • O coliseu oferece confrontos desafiadores para os jogadores se colocarem a prova, com as partidas online não apresentando nenhum problema de conexão;
  • Visualmente deslumbrante, tanto nos momentos de combate quanto nos de exploração, com animações 2D de altíssima qualidade.

Contras

  • Embora seja interessante, a história é cheia de elementos já batidos e não explora a guerra com tanta densidade como já vimos em outras excelentes obras do gênero;
  • Os momentos de interação entre os personagens são muito simplificados, ocorrendo diretamente no mundo explorável e sem dublagem, o que acaba reduzindo o impacto emocional de algumas situações das narrativas individuais;
  • Ausência de legendas em português.


Unicorn Overlord é um RPG estratégico extremamente divertido e viciante. Com um vasto elenco de personagens e um sistema de combate automatizado que encoraja os jogadores a explorar e conhecer profundamente todas as suas opções para construir uma equipe poderosa, o título brilha justamente no que há de melhor dentro desse gênero: as variações táticas. Leia a análise completa.

A Ascensão do Ronin

Autoria: Matheus Senna de Oliveira
Data de Publicação: 22 de março
Plataforma: PlayStation 5
Nota: 9.0

Prós

  • RPG de ação com pitadas soulslike oferece uma experiência única, sólida e abrangente;
  • Visuais em geral são bonitos, com destaque para as animações das lutas e detalhes nos cenários;
  • Jogabilidade afiada, com combates radicais e divertidos;
  • Liberdade para a tomada de decisões e condução do enredo;
  • Grande variedade nos desafios, incluindo campanha, missões secundárias e tarefas das mais variadas;
  • Muitos recursos para customizações estéticas e funcionais, com inúmeras armas, itens e combos diferentes.

Contras

  • Certos pontos do enredo deveriam ter sido melhor desenvolvidos, como a introdução e a escolha de facções;
  • Alguns aspectos do game não receberam o mesmo cuidado que a maioria, como certas animações, excesso de itens pouco úteis, tempos de carregamento e trilha sonora.

Não somente envolvente, a aventura pode ser moldada de acordo com as decisões do jogador. A jogabilidade é ainda mais flexível e satisfatória, com muitos tipos de armas, combos, projéteis, itens e equipamentos para obter e dominar, todos eles bem implementados. São muitas as atividades para se entreter, desde fotografia até caçar bandidos poderosos. Os poucos defeitos de A Ascensão do Ronin são (muito) superados pelas qualidades positivas, tornando o título uma adição praticamente obrigatória para a sua biblioteca. Leia a análise completa.

Dragon's Dogma 2

Autoria: Luan Gabriel de Paula
Data de Publicação: 27 de março
Plataformas: PC, PlayStation 5, Xbox Series
Plataforma utilizada para análise: PC
Nota: 8.0

Prós

  • Combate épico extremamente divertido com diversas opções de builds;
  • Vocações diversas que vão desde as classes mais básicas, como arqueiro e guerreiro, até inclusões como lanceiro místico e ilusionista;
  • Mundo vasto, livre e recheado de ameaças que tornam a exploração a pé parte intrínseca da experiência;
  • Cada monstro conta com mecânicas únicas no combate, ainda tendo variações conforme o ambiente ao seu redor;
  • Os peões fazem seu retorno com um sistema mais robusto de ajuda, dicas e indicações pontuais no mapa. Os diálogos entre eles também melhoraram.

Contras

  • História rasa com poucos desdobramentos de fato contundentes pra trama;
  • Personagens mal-utilizados durante toda a história, com alguns tendo pouco menos que duas aparições;
  • Pouca variedade nos monstros grandes, e menos ainda nos pequenos;
  • Poucos locais diferenciados para deixar o mundo ainda mais vivo com um sistema de narrativa ambiental, como castelos antigos, cemitérios, entre outros;
  • A performance deixa muito a desejar nos PCs.


Dragon’s Dogma 2 mais parece um remake ou reimaginação que aprimora as ideias originais do que de fato uma sequência. Sua trama não continua o enredo original, comete os mesmos erros narrativos e seu design pouco se parece com algo de fato concebido em 2024. Entretanto, a experiência se mantém interessante e divertida a todo momento. O combate épico, direção de arte primorosa que entrega um verdadeiro mundo de fantasia, sistema de vocação e peões aprimorados e o sentimento de liberdade e exploração, com perigos espreitando a cada canto, fazem este RPG ser um deleite para os fãs do gênero. Leia a análise completa.

Listão de Análises GameBlast — Março/2024


Data do
Review
Autor Jogo Nota
01/mar Carlos França Jr. Inkulinati 7.5
02/mar Lucas Oliveira Astlibra Revision 8.0
02/mar Farley Santos Spiritfall 8.5
03/mar Juliana Paiva Zapparoli Ego's Spark 7.0
04/mar Carlos França Jr. Top Racer Collection 9.0
04/mar Gustavo Souza The Mobius Machine 6.0
05/mar Alexandre Galvão CorpoNation: The Sorting Process 8.0
05/mar Alecsander Oliveira Berserk Boy 8.0
06/mar Matheus Senna de Oliveira Foamstars 6.5
06/mar Carlos França Jr. qomp2 8.0
07/mar Alexandre Galvão Ruff Ghanor 7.5
07/mar Carlos França Jr. Expeditions: A MudRunner Game 8.5
08/mar Ivanir Ignacchitti Final Fantasy VII Rebirth 9.5
08/mar João Pedro Boaventura Dragon Ball Z: Kakarot — Goku’s Next Journey 7.0
09/mar Alexandre Galvão GUNVOLT RECORDS Cychronicle 8.0
11/mar Victor Vitório Penny’s Big Breakaway 7.5
12/mar Alexandre Galvão Star Wars: Dark Forces Remaster 8.0
12/mar Carlos França Jr. WWE 2K24 8.5
12/mar Alan Murilo Last Epoch 8.5
13/mar Alexandre Galvão Arzette: The Jewel of Faramore 7.5
13/mar Ivanir Ignacchitti Death Trick: Double Blind 8.5
14/mar Gustavo Souza Highwater 7.0
14/mar Lucas Oliveira Unicorn Overlord 9.0
15/mar Alexandre Galvão Outcast - A New Beginning 6.5
16/mar Gustavo Souza Cricket Through the Ages 7.5
18/mar Ivanir Ignacchitti The Legend of Legacy HD Remastered 6.5
18/mar Juliana Paiva Zapparoli LipTrip ~My Boss Is My Heat Suppressant!? 8.0
19/mar Alexandre Galvão Snufkin: Melody of Moominvalley 8.0
19/mar Carlos França Jr. Juicy Realm 6.5
20/mar Alexandre Galvão Everloop 8.0
21/mar Luan Gabriel de Paula Alone in the Dark 7.0
21/mar Victor Vitório Rebel Transmute 7.5
21/mar Victor Vitório Brothers: A Tale of Two Sons Remake 7.5
22/mar Matheus Senna de Oliveira A Ascensão do Ronin 9.0
22/mar Gustavo Souza Logiart Grimoire 7.5
27/mar Luan Gabriel de Paula Dragon’s Dogma 2 8.0
27/mar Matheus Senna de Oliveira Hi-Fi RUSH 9.0
28/mar Alexandre Galvão Fruit Mountain 7.0
28/mar Farley Santos Pepper Grinder 7.5
29/mar Carlos França Jr. Match Village 6.0
29/mar Lucas Oliveira Valiant Hearts: Coming Home 8.0
30/mar Lucas Oliveira Anglerfish 7.0
31/mar Alecsander Oliveira Contra: Operation Galuga 6.5
31/mar Alexandre Galvão Nyaaaanvy 7.0
Total de Análises 44
Média Geral 7.6
Nota mais alta 9.5 (Final Fantasy VII Rebirth)
Nota mais baixa 6.0 (The Mobius Machine, Match Village)
Ressaltamos que as análises e as notas aqui atribuídas variam de acordo como critério e justificativas aplicadas pelos próprios analistas, sendo elas de total responsabilidade de seus autores.

É jornalista formado pelo Mackenzie e pós-graduado em teoria da comunicação (como se isso significasse alguma coisa) pela Cásper Líbero. Tem um blog particular onde escreve um monte de groselha e também é autor de Comunicação Eletrônica, (mais um) livro que aborda história dos games, mas sob a perspectiva da cultura e da comunicação.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google