Balanço Blast: confira as principais notas das nossas análises de abril de 2022

Os destaque de abril são Lego Star Wars: A Saga Skywalker, Valley of the Dead: MalnaZidos, Tiny Tina's Wonderlands e o remaster de Chrono Cross.


Aqui, no Balanço Blast, trazemos a você, leitor, uma curadoria com as nossas principais análises do mês que se passou e, de quebra, te convidamos a ler e conhecer mais sobre os games que analisamos, sejam eles grandes AAA que decepcionaram (ou não), jogos independentes de exímia qualidade que poderiam passar batido ou ainda nosso aviso para fugir de alguns títulos de qualidade extremamente questionável — além de compilar uma tabela completa com todas as notas que publicamos ao longo do período. 
Confira também outros destaques de meses anteriores
Janeiro | Fevereiro | Março

LEGO Star Wars: A Saga Skywalker

Autoria: Alexandre Galvão
Data da Publicação: 16 de Abril
Plataformas: PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox Series, Xbox One, Switch
Versão utilizada para análise: PlayStation 4
Nota: 9.0

Prós

  • O maior jogo de LEGO disponível atualmente;
  • Mais de 300 personagens para jogar;
  • 28 planetas com diversas atividades para realizar;
  • Excelente localização para o português;
  • Modificadores de jogo adicionam um estímulo para sair em busca dos colecionáveis e estender a vida útil do jogo.

Contras

  • Os desafios de gameplay são ligeiramente menores se comparados a outros jogos LEGO;
  • A imensa quantidade de colecionáveis pode desanimar quem não curte muito essa atividade para completar o game;
  • Ausência de um modo para criar seu próprio personagem.




LEGO Star Wars: A Saga Skywalker é realmente o maior jogo de LEGO já feito. Um dos principais destaques, além do humor e da jogabilidade, é a exploração que está mais engajadora do que nunca, estendendo nossa viagem por este universo por incontáveis horas descobrindo coisas que até mesmo o fã mais ferrenho da franquia pode ter esquecido. Se você nunca teve uma experiência com um jogo de LEGO, esta é a melhor opção para começar. Leia a análise completa.

Valley of the Dead: MalnaZidos

Autoria: Gustavo Souza
Data da Publicação: 5 de Abril
Plataformas: PC, PlayStation 4
Versão utilizada para análise: PC
Nota: 2.0

Prós

  • Cutscenes desenhadas ao estilo de HQs, com belas artes e animações;
  • Possibilidade de ver o ponto de vista de diferentes personagens no pós-jogo.

Contras

  • É um jogo de tiro que não permite usar mouse e teclado;
  • Os sistemas de mira, combate físico e movimentação são terríveis;
  • Muitos bugs que somem com zumbis e deixam o protagonista preso no cenário;
  • Não há dublagem ou legendas em português;
  • A história é muito mal contada, principalmente quando levamos em consideração o filme no qual o game se baseia;
  • O level design é genérico e malfeito;
  • Pouca variedade de zumbis;
  • O combate contra os chefes é tedioso e desinteressante.


Valley of the Dead: MalnaZidos é uma das piores experiências que já tive com videogames. A jogabilidade é ruim em todos os sentidos, a história é mal contada e os bugs deixam a experiência insuportável. As poucas qualidades passam pelas cutscenes e pela possibilidade de ver diferentes pontos de vista da história pela perspectiva dos outros guerrilheiros — o que também é subaproveitado. Caso se interesse pela trama, melhor investir seu tempo em alguma das outras mídias disponíveis. Leia a análise completa.

Tiny Tina’s Wonderlands

Autoria: Matheus Senna de Oliveira
Data da Publicação: 7 de Abril
Plataformas: PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox Series, Xbox One
Versão utilizada para análise: PlayStation 5
Nota: 8.5

Prós

  • FPS que mistura armas de fogo, magia e fantasia de forma única e divertida;
  • História principal é envolvente e repleta de bom humor;
  • Jogabilidade e mecânicas de jogo são sólidas, assim como os desafios e suas recompensas;
  • Novidades na fórmula de Borderlands, como personagens customizáveis, mais equipamentos e mapa principal, são ótimas;
  • Grande quantidade de missões e conteúdos para explorar, inclusive com a ajuda dos amigos.

Contras

  • Novidades são insuficientes para quem não curte a fórmula de Borderlands;
  • Visuais e desempenho, sobretudo na nova geração, poderiam ter sido um pouco melhores.


Mesmo sendo uma hipérbole (ou um exagero), a expressão "Felizes para Sempre" representa bem Tiny Tina’s Wonderlands. Mantendo boas e tradicionais mecânicas de Borderlands, ele inova o suficiente para entregar uma aventura com desafios e conteúdo para aproveitar por muito tempo. A campanha principal é repleta de bom humor e surpresas. As missões secundárias são igualmente interessantes, incluindo as recompensas e os desafios disponíveis. O FPS é muito bem otimizado e traz diversas ideias inéditas, como um mapa principal e um sistema de classes completo. Embora não seja suficiente para mudar a opinião de quem não curte a franquia, fãs do gênero têm um mundo cheio de magia, fantasia e tiros para curtir. Leia a análise completa.

Chrono Cross: The Radical Dreamers Edition

Autoria: Ivanir Ignacchitti
Data da Publicação: 26 de Abril
Plataformas: PC, PlayStation 4, Xbox One, Switch
Versão utilizada para análise: PC
Nota: 7.0

Prós

  • História fascinante sobre viagem entre mundos paralelos;
  • Gameplay rico em opções de acordo com a exploração do jogador;
  • Sistema de combate único e curioso com uma lógica estratégica própria;
  • Inclui a aventura textual Radical Dreamers, uma história alternativa ousada que chega oficialmente ao Ocidente pela primeira vez;
  • Opções de qualidade de vida que incluem acelerar o gameplay, evitar inimigos e ficar mais forte para as batalhas.

Contras

  • Performance deplorável para o relançamento de um jogo antigo, especialmente em alguns combates;
  • Vídeos cheios de artefatos;
  • Certas animações durante a história sofrem lentidão;
  • Alguns aspectos da narrativa são subdesenvolvidos;
  • Novas músicas ficam relegadas a um menu opcional.


Chrono Cross: The Radical Dreamers Edition é uma coletânea com dois títulos imperdíveis para fãs de RPGs e boas narrativas. Infelizmente, a edição deixa a desejar em seus aspectos técnicos, sendo difícil recomendá-la para jogadores em geral. Mesmo com seus problemas, porém, trata-se de uma experiência que vale muito a pena. Fica a expectativa para que a empresa corrija a situação atual e Chrono Cross possa brilhar com toda a pompa que merece. Leia a análise completa.

Listão de Análises GameBlast — Abril/2022


Data do
Review
Autor Jogo Nota
02/abr Alexandre Galvão Imp of the Sun 7.5
05/abr Gustavo Souza Valley of the Dead: MalnaZidos 2.0
06/abr Carlos França Jr. Slipstream 9.0
07/abr Matheus Senna de Oliveira Tiny Tina’s Wonderlands 8.5
08/abr Alexandre Galvão Aeterna Noctis 8.0
09/abr João Pedro Boaventura Lost Judgment — The Kaito Files 8.0
12/abr Alan Murilo Coromon 8.0
13/abr Gustavo Souza Aztech Forgotten Gods 7.0
14/abr Gustavo Souza Sephonie 7.5
14/abr Carlos França Jr. MLB: The Show 22 8.5
15/abr Farley Santos Insurmountable 6.5
15/abr Carlos França Jr. Agent Intercept 7.0
16/abr Alexandre Galvão LEGO Star Wars: A Saga Skywalker 9.0
16/abr Ivanir Ignacchitti Doukyuusei: Bangin’ Summer 8.0
18/abr Ivanir Ignacchitti Ikai 7.0
19/abr Vítor M. Costa Uuultra C 8.0
19/abr Ivanir Ignacchitti Chinatown Detective Agency 6.5
21/abr Farley Santos Revita 8.0
26/abr Ivanir Ignacchitti Chrono Cross: The Radical Dreamers Edition 7.0
27/abr Matheus Senna de Oliveira Road 96 8.5
29/abr Farley Santos Anuchard 7.0
29/abr Vítor M. Costa NORCO 9.0
30/abr Ivanir Ignacchitti Lila’s Sky Ark 7.0
Total de Análises 23
Média Geral 7,50
Moda (nota que mais se repete) 8.0
Nota mais alta 9.0 (Slipstream, LEGO Star Wars: A Saga Skywalker, NORCO)
Nota mais baixa 2.0 (Valley of the Dead: MalnaZidos)

 

Ressaltamos que as análises e as notas aqui atribuídas variam de acordo como critério e justificativas aplicadas pelos próprios analistas, sendo elas de total responsabilidade de seus autores.

É jornalista formado pelo Mackenzie e pós-graduado em teoria da comunicação (como se isso significasse alguma coisa) pela Cásper Líbero. Tem um blog particular onde escreve um monte de groselha e também é autor de Comunicação Eletrônica, (mais um) livro que aborda história dos games, mas sob a perspectiva da cultura e da comunicação.


Disqus
Facebook
Google