Jogatina de FDS

O que estamos jogando: Forza Horizon 5, Cupid Parasite, Backbone e mais!

Sem saber o que jogar no final de semana? Confira os jogos que a equipe do GameBlast jogará neste final de semana.



Olá, queridos leitores! Sejam bem-vindos a nossa Jogatina de FDS. Depois de toda a correria ao longo da semana, nada como dar uma pausa momentânea e relaxar ao aproveitar aquele título pendente em nossa lista. Não importa a plataforma ou gênero, a única regra é curtir esse hobby que tanto amamos da melhor maneira possível. Motivados por isso, pedimos ao nosso time de redatores para compartilhar com vocês os jogos para esse final de semana.

Maurício Katayama



Um novo Horizon!

Hola muchachos y muchachas. Nos próximos dias estarei curtindo as paisagens maravilhosas e cortando em altíssima velocidade as estradas mexicanas em Forza Horizon 5 (XSX/XBO/PC). Pela primeira vez ambientado na América Latina, o festival promete apimentar a velocidade, a adrenalina e a agitação característicos desta franquia que eu tanto amo. Há um bom tempo eu vinha me perguntando “Será que ele conseguirá superar Forza Horizon 4?” É o que vamos descobrir, e você ficará sabendo de tudo na próxima semana aqui, no GameBlast!!!




Ivanir Ignacchitti



Mais robôs gigantes é sempre bom

Neste fim de semana, estarei ainda jogando um pouco de Super Robot Wars 30 no PC. A experiência de ver tantas séries misturadas em uma história competente tem sido bem sensacional. Estou próximo de terminar a campanha do RPG estratégico e minha análise deve sair em breve por aqui. Também estou jogando outro RPG no PC, mas não posso comentar sobre ele ainda. Quem tiver curiosidade, na semana que vem eu revelo.




Do lado do Nintendo Blast, meu final de semana deve ficar por conta de Cupid Parasite. Após uma semana bem exaustiva, devo mergulhar de cabeça na jornada da cupido Lynette e o grupo de rapazes parasitas. A obra é bem colorida e curiosa com um tom um pouco diferente dos títulos da Otomate que costumam ser lançados no Ocidente. Semana que vem eu conto mais detalhes na análise.



Alexandre Galvão



Metendo o focinho onde não foi chamado

Olá pessoas! Antes de qualquer coisa, já vou deixar registrado que cheguei no último capítulo de Final Fantasy VII Remake (PS4), e dessa forma devo finalmente concluir este magnífico jogo. Agora eu consigo entender os motivos que fazem ele ser tão aclamado pelos fãs e tudo mais. Mas ainda sou #TeamDragonQuest porque sou um velho saudosista. Desculpa aê.




Assim que concluí-lo minha próxima jogatina resultará em uma análise que deverá ser publicada no próximo fim de semana. Estarei jogando Backbone (Multi), um interessante título que esbarrou no meu caminho nesta semana e atiçou minha curiosidade por ser um game com foco no aspecto narrativo e com arte e ambientação bem interessantes. Aqui assumimos o papel de Howard Lotor, um guaxinim que trabalha como detetive particular em uma cidade habitada por animais antropomórficos. Durante uma investigação de adultério ele descobre algo que pode se tornar um verdadeiro escândalo na cidade toda e passa a correr risco de vida.

Ficou curioso? Os detalhes eu trago na próxima semana com a análise completa de Backbone.




GameBlast recomenda

A indústria de jogos costuma funcionar como qualquer outra baseada no entretenimento, desenvolvedores, estúdios ou títulos famosos são o grande motor que impulsiona o segmento com base nas expectativas geradas. Como não lembrar do momento em que a Sony trouxe o Hideo Kojima nos palcos para apresentar Death Stranding? E eu concordo totalmente com relação a importância dessa atenção, principalmente com desenvolvedores e estúdios. Essa semana tivemos o anúncio da parceria para desenvolvimento de jogos entre a Microsoft e a Sega. Embora a casa do nosso ouriço favorito não tenha feito nada de grande relevância nos últimos anos, só o nome Sega já carrega um apelo muito forte com o público, especialmente os veteranos. É impossível não criar expectativas com relação ao resultado de trabalho.
Lançamentos para PC da semana de 25/10 a 31/10
Seguindo o trem do hype, essa semana também tivemos um trailer de 19 minutos mostrando mais da jogabilidade de Elden Ring, título que vem da From Software, um estúdio que costuma gerar muita expectativa no público devido ao sucesso e estilo característico de seus jogos. Com a promessa de ser o maior projeto desenvolvido até hoje pela empresa, é impossível para qualquer fã não ficar empolgado com a mostra que tivemos.
Lançamentos de jogos para o mês de novembro de 2021
Essa semana também tivemos o início das comemorações do aniversário de 35 anos da Ubisoft. Embora a imagem da empresa tenha sido atrelada a "jogos bugados" por conta de lançamentos polêmico de alguns títulos, acredito que seja unânime não só o saldo positivo, como a importância de sua trajetória para a indústria dos jogos. O legado com a franquia Assassin's Creed em trazer jogos de mundo aberto com uma inspiração e fidedignidade próximas do real; a mecânica competitiva e viciante de Tom Clancy's Rainbow Six Siege, que até hoje atrai diversos jogadores e fãs no cenário do e-sports; o suporte e aprimoramento contínuo na franquia Just Dance, especialmente com o público brasileiro, que vem aumentando seu número com o passar das edições. Todos esses detalhes são méritos da empresa que, entre erros e acertos, continua investindo pesado no intuito de agradar os jogadores.     
Marvel's Guardians of the Galaxy (Multi) — Guia de troféus e conquistas
Demon Slayer - Kimetsu no Yaiba - The Hinokami Chronicles (Multi) já está disponível em diversas plataformas e é um prato cheio para fãs do anime que curtem jogos de luta. Para quem sentia falta da franquia Naruto: Ultimate Ninja Storm, certamente irá se encontrar com este título que traz muitas semelhanças na maneira como o enredo é contado, além do seu estilo de gameplay que traz intensos combates de duplas repletos de poderes com grande apelo visual em cenários abertos. Como todo jogo de luta, um balanceamento entre os personagens se faz necessário, mas não é nada que não possa ser corrigido em futuras atualizações.
Metal Gear: lutas que marcaram a série - Parte 2
Nosso redator, Mauricio Katayama, teve a honra e o privilégio de analisar o DLC Senna Sempre do título de corrida arcade Horizon Chase. Já havia comentado isso com ele em sua última participação aqui na coluna do Jogatina do FDS e faço questão de repetir aqui, é impossível não se emocionar com o seu relato sobre o título que homenageia, de forma digna, um dos maiores ícones da história brasileira. Ayrton Senna irá carregar não só legado de um esportista exemplar e inspirador, como um exemplo de conduta e determinação. A Aquiris Game Studio não só captou bem essa essência e transportou para a estrutura do seu jogo, como também honrou o trabalho de Senna fazendo referencias e relatos marcantes na trajetória de sua carreira ao longo da jogatina.
Impressões: Darkest Dungeon 2 (PC)
Neptunia x SENRAN KAGURA: Ninja Wars (PS4) é o verdadeiro crossover de respeito! Com o perdão da brincadeira, o título traz uma experiência convidativa não só para os fãs de ambas as franquias, como também sabe apresentar suas personagens e universo sem que a experiência fique desestimulante para os novatos. Embora seu enredo não seja seu ponto forte, ele compensa em trazer batalhas leves e divertidas, além dos mini-games de interação característicos da franquia SENRAN KAGURA.
Análise: Demon Turf (Multi)
Com todas as queixas sobre reciclagem de franquias e, em certos casos, exploração das publicadores que acabam manchando o histórico de determinada série, o lançamento anual de certos jogos esportivos sempre chama muita atenção. eFootball 2022 (Multi) tinha tudo para ser o somatório das experiências passadas da Konami em uma franquia de sucesso, que estava ainda mais impulsionado pela proposta ousada de trazer uma experiência gratuita de jogo como serviço. Infelizmente o resultado passou longe do satisfatório e o que temos é um jogo que parece mais uma versão em fase de testes. A lista de problemas é extensa e vai desde aspectos gráficos, até fluidez e estabilidade na jogabilidade. São detalhes que podem ser corrigidos com o tempo, no entanto, sabemos que esse tempo nem sempre é algo que o público está disposto a dar.
Análise: To the Rescue! (PC/Switch)
Monster Crown (PC/Switch) é outro título que tinha tudo para aproveitar a receita de sucesso de Pokémon. No entanto, a obra passa longe da qualidade de sua fonte inspiradora e peca em aspectos que não são só inerentes ao famoso subgênero de captura de monstrinhos, como também a qualquer título de aventura e RPG em mapas abertos. O título é bem sucedido em desenvolver sua própria identidade, principalmente ao introduzir uma mecânica de combinação de criaturas para a obtenção de outras inéditas, além de trazer um visual pixelado que confere muita vida e carisma ao cenário e monstros. Cabe ao jogador fazer a somatória dos prós e contras e avaliar se a experiência poderá valer a pena.
Halloween: fantasmas, aparições e assombrações no mundo dos jogos
A cultura Brasileira é extremamente rica devida a mistura de povos e tradições que cada um deles trouxe para essas terras. Vê-lá representada no mundo dos jogos é sempre um deleite, especialmente quando o resultado é positivo. Tunche (Multi) nos mostra a luta de cinco jovens contra feras e o vilão Tunche. A proposta carrega forte influência nos mitos regionais ligados a Floresta Amazônica, além de um visual animado encantador. Apesar de sofrer de repetitividade entre os cenários,o carisma e a variação de mecânicas entre os cinco aventureiros eleva positivamente a experiência do jogador.
Far Cry 6 (Multi): Guia de sobrevivência em Yara para iniciantes
E já que estamos falando em lendas, The Legend of Tianding (PC/Switch) nos transporta para a China nos tempos que sofreram opressões durante as invasões do Japão. No controle de Liao Tianding, uma espécie de Robin Hood oriental, iremos combater autoridades e criminosos com uma boa dose de kung fu. A ação aqui é o grande chamariz da aventura, passando por diversas localidades muito bem representadas por um estilo de arte que relembras os mangás chineses.

Como já dizia o saudoso Abelardo Barbosa, o famoso Chacrinha: na TV nada se cria, tudo se copia. A brincadeira com a frase de Lavoisier pode ser facilmente expandida para todos os meios do entretenimento. É comum testemunharmos uma série de plágios, alguns deles causando até certa polêmica e processos na justiça. Evidentemente os jogos também não fogem desse tabu, pensando nisso, Alexandre Galvão trouxe um Top 10 sobre dez trilhas sonoras de jogos que carregam muita semelhança com músicas de filmes e bandas famosas. Fica aqui a recomendação, vocês irão se surpreender com alguns casos.




E encerramos mais uma edição do Jogatina de FDS. Agradecemos pela sua presença e nos vemos no próximo sábado. Tenham todos uma excelente e segura semana!

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google