Jogamos

Análise: eFootball 2022 (Multi) entrou em campo perdendo de goleada, mas ainda tem tempo e potencial para uma virada histórica

O lançamento, que mais parece uma versão demo, é apenas funcional e deixou muito a desejar.


Com nome inédito e proposta ousada, eFootball 2022 é o novo lançamento da Konami para o mundo do futebol eletrônico. Infelizmente, as mudanças foram capengas e o jogo falha naquilo que mais importa: oferecer partidas divertidas, competitivas e plenamente funcionais. O estrago não é absoluto, mas com certeza deixou uma péssima impressão e vai requerer muito trabalho para ser desfeito. Vista o fardamento e não se esqueça das caneleiras, pois foi dado o apito para essa complicada análise começar.

Camisa pesada, mas futebol ruim

Anteriormente chamada de Pro Evolution Soccer, ou simplesmente PES, a franquia de futebol da Konami tem bastante tradição no gênero. Também conhecida antes como Winning Eleven, sobretudo no Japão, a série recebeu um lançamento morno no ano passado com eFootball PES 2021 Season Update (Multi). O game foi, de forma geral, uma atualização quase direta de eFootball Pro Evolution Soccer 2020 (Multi), que por sua vez foi um ótimo game.
Mais um daqueles casos em que o lançamento não superou o título anterior

Esse pequeno incremento em relação ao original foi justificado com um preço mais baixo e a promessa de grandes novidades neste ano. Com a expectativa enorme (da minha parte, pelo menos), eFootball 2022 chegou em 30 de setembro com uma proposta promissora: gratuito para jogar, o game contaria com alguns times e opções liberadas que poderiam ser complementadas com DLCs pagas.

Uma boa teoria, mas na prática o problema do lançamento foi a essência ruim do game, que desestimula qualquer investimento em mais conteúdo. Todos os aspectos do título apresentam problemas, mesmo aqueles nos quais a franquia tinha qualidades reconhecidas. Visuais, jogabilidade, mecânicas, apresentação e todo o resto ficaram devendo e, em certos casos, muito.

Nada monstruoso, mas ainda assim decepcionante em termos atuais
Creio que o maior problema foi realmente a forma de chegada do game: o ideal seria lançá-lo como uma demonstração (ou acesso antecipado, etc), ou então adiar por algum tempo até que o jogo estivesse mais redondo. Uma discussão pertinente, mas que agora pouco importa para eFootball 2022; é como diz o velho ditado “não adianta chorar sobre o gol perdido”. O jeito é pensar no futuro, que irei discutir rapidamente ao final do texto. Por enquanto, vamos seguir a análise do jogo que temos em mãos.

Olha o que ele (não) fez

O jogo começa com um amistoso entre Argentina e Portugal, servindo como uma espécie de tutorial inicial. Logo de cara é possível ver que os gráficos estão bem diferentes das versões anteriores. O novo visual se deve principalmente à mudança no motor gráfico, que agora utiliza o Unreal Engine 4. Bastante popular, ele é encontrado em jogos para todos os consoles da atualidade, incluindo também smartphones (logo essa informação será ainda mais relevante).
Ficou faltando mais capricho nos modelos, texturas e animações

Infelizmente, parece que a Konami não teve as condições necessárias para aprender a utilizar o novo motor gráfico adequadamente. Várias animações estão pouco naturais, o gramado é um tapete comum, a torcida parece ter saído diretamente do primeiro PlayStation, entre vários outros problemas. Os visuais, com exceções pontuais, são de nível médio para baixo.

Ao menos os elencos estão atualizados bastante verossímeis
Entretanto, não confie demais nos memes da internet, que fazem parecer que o game é um festival de horror, com jogadores contorcidos e faces deformadas. Cenas assim são muito raras (eu mesmo nunca fui agraciado com elas), mas a qualidade geral é tampouco satisfatória. Os menus também estão precisando de cuidados, pois os últimos títulos da franquia PES, hoje eFootball, já não eram unanimidades. Agora, com os novos designs e paletas de cores escolhidas, as coisas estão bem desagradáveis.

Grupo curto para pouca qualidade

No momento, somente as seguintes equipes estão disponíveis: Corinthians, Flamengo e São Paulo (Brasil); Bayern de Munique (Alemanha); Barcelona (Espanha); Arsenal e Manchester United (Inglaterra); Juventus (Itália); argentino River Plate (Argentina). Somando-se às várias inconsistências do game, as seleções da Argentina e de Portugal, presentes no tutorial, não podem ser acessadas.
eFootball 2022 não compensa quantidade com qualidade
As partidas podem ser disputadas de duas formas diferentes. A primeira é por meio de eventos limitados, que trazem desafios com opções de clubes e campeonatos especiais. A segunda opção são as partidas tradicionais, usando um dos times disponíveis. Atualizações futuras prometem outros modos, pagos ou não, como o Creative Team, que substitui o antigo myClub (semelhante ao Ultimate Team do FIFA).
 
No final, pasmem, é só isso que eFootball 2022 tem a oferecer. Embora a questão do conteúdo fosse entendível dado o modelo gratuito com compras extras, a combinação desse fato com os visuais ruins e a jogabilidade duvidosa comprometem, e muito, a experiência. Aliás, chegou a hora de falar como as partidas de futebol se desenrolam no game.

Batalha dos Aflitos

As partidas de eFootball 2022, muitas vezes, são quase uma luta ingrata. Anteriormente, a franquia PES era conhecida pela jogabilidade mais cadenciada e jogadores “pesados”, com choques e interações mais realistas. Comparando com a série FIFA, é como se os jogos da EA fossem voltados para a casualidade, enquanto os da Konami para o realismo. Nada muito exagerado, mas a diferença era nítida para quem jogava os dois títulos.
Dadas as novas mecânicas e físicas de jogo, confusões assim são frequentes

Parece que agora o peso dos jogadores é maior do que nunca. Na verdade, tudo é mais lento e pouco responsivo, não importa se usamos um atleta habilidoso ou não. Erros de passe acontecem em excesso e muitas jogadas resultam em movimentos errôneos ao correr em direção à bola, seja por parte dos atacantes, seja por parte dos defensores.

A inteligência artificial do título também deixa a desejar em vários aspectos, talvez em parte pelas mecânicas ruins do jogo. Como nem tudo está perdido, assim como aquele jovem atleta promissor em um time rebaixado, eFootball 2022 tem algumas valências em meio aos problemas. O sistema de dribles é bem interessante e alguns recursos de marcação apontam para duelos 1x1 bem legais.

Pelo menos ainda é possível se divertir (minimamente)
Chutes e cruzamentos não estão de todo ruins, assim como os goleiros, que normalmente são um tabu em games de futebol. A sensação que o título passa é a de que faltou tempo para um aprimoramento das mecânicas de jogo, sobretudo no quesito online. Partidas a distância são ainda piores, sofrendo bastante com o famigerado input lag. No momento, vale mais jogar a versão gratuita do ano passado, eFootball PES 2021 Lite (Multi).

Partindo para o tempo extra

O lançamento no dia 30 de setembro trouxe eFootball 2022 com modos multijogador do tipo PS4 contra PS5 e Xbox One contra Xbox Series. Ou seja, somente disputas na mesma família de consoles. De acordo com o calendário do game, que é pouco preciso e já sofre com adiamentos, até o mês de dezembro devem chegar vários modos novos, passes de temporada e cross-play entre PC, PlayStation e Xbox.

Prazos vagos e atrasos podem comprometer ainda mais um possível sucesso do game

Finalmente, entre dezembro e março devem começar os torneios e-sports, assim como uma introdução às versões mobile. Em minha opinião, a chegada de partidas cross-platform entre consoles, PC e dispositivos mobile é, ao mesmo tempo, interessante e perigosa. Ampliar o público é uma boa política, mas isso certamente poderá limitar a produção geral do game.

Passes de temporada, tradicionais em jogos com foco online, farão a sua estreia em breve
Genshin Impact (Multi) teve sucesso em uma situação semelhante, mas aqui temos um jogo com caráter competitivo e não cooperativo. Um bom indicador é que o game exigirá um controle dedicado para quem quiser jogar nos smartphones contra os consoles. Isso, em teoria, tornaria a experiência mais nivelada e menos sujeita a simplificações exageradas para comportar todo tipo de plataforma. Só o tempo dirá onde o game chegará com essa ideia ousada.

É teste pra cardíaco!

Infelizmente, eFootball 2022 ficou aquém de todas as expectativas, fossem elas boas ou ruins. O jogo de futebol mudou drasticamente a sua proposta ao aderir a um formato gratuito, mas parece não ter planejado bem como aproveitar a ousadia. Com uma construção digna (ou não) de uma demonstração, o game tem problemas nos visuais, na jogabilidade, no conteúdo e nas mecânicas em geral.

Lionel Messi não parece muito feliz com o estado atual de eFootball 2022 (e com razão)
O título não chega a ser um completo desastre, ao contrário do que foi amplamente noticiado, e até esconde algumas qualidades. A ideia de um game de futebol gratuito e com atualizações constantes é muito atraente, sobretudo dados os altos custos relativos ao mundo dos videogames. É uma pena que a entrada em campo foi um verdadeiro chocolate amargo. Felizmente, o formato que (provavelmente) causou esses problemas também poderá ser a salvação, com atualizações que poderão mudar o rumo dessa conturbada partida e, finalmente, mostrar o bom futebol que a franquia já apresentou no passado recente.

Prós

  • Título de futebol digital funcional e com opções razoáveis para jogar;
  • Modelo gratuito corajoso e com méritos para o gênero de games esportivos;
  • Ainda que prejudicada por vários problemas, a jogabilidade tem algumas qualidades interessantes;
  • Potencial para se tornar uma boa pedida no gênero esportivo e como um jogo grátis.

Contras

  • Lançamento parece uma versão de demonstração em praticamente todos os quesitos;
  • Visuais inferiores a versão do ano passado;
  • Jogabilidade capenga e pouca quantidade de conteúdo;
  • Ausência de um calendário claro sobre atualizações futuras.
eFootball 2022 — PC/PS4/PS5/Switch/XBO/XSX — Nota: 5.0
Versão utilizada para análise: PS5
Revisão: Thais Santos


é produtor de conteúdo sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google