Jogamos

Análise: To the Rescue! (PC/Switch) e a nobre missão de incentivo à adoção

Gerenciar um centro de adoção é uma tarefa mais complicada do que parece.


É muito comum os donos de pets, principalmente cães e gatos, cogitarem a possibilidade de adotar um animalzinho. To the Rescue! nos coloca do outro lado, o das instituições que cuidam de animais de rua e os preparam para adoção. Temos a missão de gerenciar e manter nossa instituição de adoção financeiramente saudável para que os cachorros de rua encontrem um novo dono.

À procura de um novo lar

To the Rescue! possui dois modos de jogo disponíveis. No modo história, seguimos uma curta narrativa que nos guia ao longo de nossa administração do local. O modo treino é mais direto ao ponto e já nos coloca diretamente no nosso serviço. Na prática, não há muita diferença entre as duas opções, porém o modo treino é mais amigável no início que o modo história.

Iniciamos com um pequeno saldo em dinheiro para os primeiros gastos básicos e esse recurso precisa ser gerenciado com cautela para não causar a falência da empresa. Dentre os gastos mais comuns está a compra de ração e remédios, além da construção e da manutenção do espaço físico do estabelecimento. É possível conseguir mais dinheiro com adoções bem-sucedidas e com doações de terceiros, de acordo com a sua taxa de avaliação.




A empresa possui espaços de recepção, canis, área externa, enfermaria e local para banho. É possível expandir a área útil construindo diferentes tipos de salas. Em determinado ponto, a expansão é necessária para atender à demanda de adoção, além de permitir a contratação de novos funcionários.

To the Rescue! é um jogo simples e seu gameplay segue um ciclo relativamente repetitivo. Ao receber um cachorro de rua, devemos colocá-lo em um canil e dar água e ração. Se necessário, podemos dar banho e levá-lo para brincar na área externa. Ao recebermos um visitante, ele irá expor as características que deseja no animalzinho e devemos apresentar-lhe um cão compatível com seu desejo.

Alguns eventos dentro do jogo quebram um pouco essa rotina e dão uma diversificada no seu dia de trabalho. Alguns visitantes podem estar procurando algum cão específico ou até mesmo habitantes da cidade aparecem para conversar. Ainda assim, não há muita variedade nas ações.



O processo de adoção

Há uma grande variedade de raças disponíveis e cada animal possui uma série de características próprias, como porte, idade e traços de personalidade. Os futuros donos de cães procuram animais com determinadas características e atendê-las permite uma maior chance de sucesso. Sempre apresentamos cinco cachorros aos candidatos e a chance de adoção de cada um é representada por estrelas. Para que uma adoção ocorra, o somatório de estrelas deve ser maior que a rejeição do visitante à ideia de adoção.




Essa mecânica mostra muito bem a realidade de algumas pessoas. O ato de adotar traz uma insegurança em relação à adaptação do animal às suas necessidades e rotina. Nesse sentido, precisamos convencer as pessoas a realizar o procedimento atendendo suas preferências em relação aos cachorros. Cães bem-tratados e com personalidade atrativa aos adotantes aumentam o número de estrelas de cada um.



Várias etapas de gerenciamento

Junto a esse tratamento dos cachorros e a séria mensagem de responsabilidade de adoção, To the Rescue! apresenta um jogo de gerenciamento completo em que nossas ações devem ser feitas com cautela. Além do controle financeiro, temos a responsabilidade de contratar e gerenciar funcionários, construir canis confortáveis aos animais, conferir redes sociais, entender quais ações são boas e ruins, e controlar a taxa de aceitação da comunidade.

São muitos os fatores que influenciam no funcionamento da empresa e em certos momentos as coisas acontecem ao mesmo tempo. O ritmo frenético é atenuado pela jogabilidade simples, em que com poucos comandos conseguimos realizar as ações. Jogando com mouse e teclado, senti que os comandos poderiam ser melhores com algumas pequenas mudanças. Quando múltiplos itens estão próximos, por exemplo, a seleção ocorre através da roda do mouse e seria muito mais simples realizar os comandos com a seta do mouse.




Mesmo com um aspecto simples e belos visuais, To the Rescue! alerta para a seriedade de todo o procedimento. Cuidar de animais é uma coisa séria e isso é transportado para o gameplay. Os cachorros podem ter sérias doenças, machucados graves ou até mesmo precisar de eutanásia. 

Não compre, adote!

To the Rescue! é um jogo simples, porém completo. É fácil de jogar e é excelente para passar o tempo, apesar de ser um pouco repetitivo e ter alguns comandos confusos. Ele funciona muito bem em retratar a realidade do trabalho de lares de adoção, apresentando todos os detalhes dos procedimentos e não deixando a seriedade de lado. É um jogo de gerenciamento competente que atenderá às expectativas dos interessados, além de possuir o carisma de dezenas de animais em seu canil.

Prós

  • O jogo se propõe a incentivar a adoção de animais;
  • A realidade dos lares de adoção é muito bem retratada;
  • A jogabilidade é simples e acessível;
  • Há uma grande variedade de cachorros com diferentes tipos de personalidade.

Contras

  • Alguns comandos com o mouse são meio confusos;
  • Em determinado ponto, o jogo se torna muito repetitivo.
To the Rescue! — PC/Switch — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela Freedom Games 


Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google