Blast from the Past

Burnout 3: Takedown (PS2/XB) é o ápice da eletrizante série de corrida

Vamos relembrar esta verdadeira pérola da sexta geração de videogames.


Amantes dos jogos de corrida certamente têm vários títulos e séries de qualidade para se divertir. Entretanto, quando se trata de títulos do tipo arcade, existe um game que não pode ficar de fora: considerado o melhor da sua franquia, Burnout 3: Takedown (PS2/Xbox) revolucionou o gênero com seus belos gráficos e mecânicas de jogo bem acabadas, tão viciantes quanto emocionantes. Aperte o cinto e pise fundo para este Blast from the Past em altíssima velocidade.

Uma referência do gênero de corrida arcade

Para aqueles que não sabem, os games de corrida se dividem em dois tipos básicos. Os chamados “jogos de simulação” são conhecidos pelas mecânicas refinadas e fidelidade aos veículos e às situações reais, levando em conta elementos como clima, tipos de pneus e troca de marchas, sendo preferidos pelos amantes do realismo dos títulos.

Por outro lado, os “jogos arcade” são voltados para um público mais geral, normalmente contando com uma jogabilidade mais simples, marcas de carros famosos, trilhas sonoras agitadas e a presença de elementos como nitros, câmeras lentas e derrapadas espetaculares. E é justamente por reunir todos esses elementos de uma forma acessível e divertida que Burnout 3: Takedown recebeu grande reconhecimento do público e da crítica especializada.
Muita velocidade e destruição em Takedown
Com lançamento em setembro de 2004, o game tinha a responsabilidade de suceder o excelente Burnout 2: Point of Impact (Multi). Lançado no ano anterior, o título já tinha trazido grandes revoluções para o segmento, contando com belos gráficos, ótima jogabilidade e a hoje consagrada mecânica de destruição de veículos, marca registrada da franquia.

Surpreendendo a todos, Burnout 3: Takedown conseguiu melhorar as mecânicas básicas, adicionar ainda mais conteúdo e elevar o nível de produção para um patamar altíssimo. Como o próprio título destaca, a mecânica de Takedown é o grande destaque do jogo. Ela consiste em levar os veículos concorrentes a baterem e sofrerem acidentes, garantindo vantagens cruciais durante os desafios.
Nada como um belo Takedown no adversário!

Graças a um refinado sistema de renderização das deformações e dos fragmentos, assistir o carro se despedaçar em um engavetamento, inclusive em câmera lenta, é diversão garantida (mesmo quando foi você quem bateu). O game conta até com um modo exclusivo para curtir estes “acidentes”. No modo chamado Crash Mode, o jogador deve usar seu carro para causar o máximo de destruição possível em um cruzamento ou outra área cheia de carros e obstáculos.

Levando a produção (e a velocidade) ao limite

O game conta com seis séries de carros diferentes: Compact, Coupe, Sport, Muscle, Super e Special. Todas elas têm várias cores diferentes para escolher, com texturas interessantes e características físicas bastantes diversificadas. Infelizmente, Takedown não conta com veículos licenciados; entretanto, todos possuem belos designs, sendo que muitos deles lembram bastante alguns carros famosos.
Apesar de originais, os carros são bonitos e contam com belos roncos de motor
Como destaque para o jogo, temos o modo campanha chamado World Tour, dividido em três regiões: Europe, USA e Far East. Ao completar os desafios, que incluem corridas, Road Rages (onde ganha quem fizer mais takedowns) e desafios Crash Mode, sua pontuação pode render uma medalha de bronze, prata ou ouro. Quanto melhores as colocações, mais fases e veículos são desbloqueados no jogo. Cada estágio possui as características locais, como as grandes metrópoles nos Estados Unidos, as arborizadas cidades europeias e as belas arquiteturas orientais. Todas as pistas são bonitas, com cenários agradáveis e, principalmente, obstáculos e outros veículos para atrapalhar.
É possível controlar o veículo após a batida para obter ainda mais destruição
Duas mecânicas principais devem ser aprendidas para se ter sucesso em Takedown. A primeira é a Boost, uma espécie de nitro (ou turbo) que aumenta a velocidade do carro além dos limites normais. Este recurso é limitado por uma barra que pode ser preenchida, dentre várias formas, ao se realizar Takedowns, andar na contramão e fazer derrapagens. E são justamente elas, chamadas de Drifts, que compõem a segunda mecânica principal do game.
Fazer boas curvas é essencial para a vitória

Saber o momento de derrapar para fazer uma curva em alta velocidade, ou então para escapar do trânsito e dos adversários, é chave para ser um bom corredor no game. Apesar de fisicamente não ser muito condizente com a realidade (por isso Burnout é do tipo arcade, afinal de contas), os Drifts são muito divertidos e permitem que o jogador execute movimentos bastante arrojados para alcançar a vitória.

Muito além dos carros velozes e da destruição

A sensação de velocidade em Burnout 3: Takedown é quase insana. Eu ainda me lembro de quando o joguei pela primeira vez e das muitas batidas e acidentes espetaculares que sofri. Mas a experiência era tão incrível que foi impossível não continuar. Obviamente, o próprio jogo “controla” a experiência do jogador, disponibilizando carros mais rápidos de forma progressiva para que ele se habitue às mecânicas. Mas mesmo estes veículos são bastante velozes e proporcionam muita emoção.
Pise fundo em Burnout 3: Takedown
Apesar da alta velocidade, do trânsito e dos oponentes parecerem uma combinação caótica (e são mesmo), dirigir os carros não é uma tarefa impossível. Pelo contrário: a jogabilidade é simples, os veículos respondem muito bem e as mecânicas de Boost e Drift são divertidas e fáceis de aprender, embora difíceis de serem plenamente dominadas. É como eu comentei anteriormente: o jogador sofre um pouco até pegar o jeito, mas a adrenalina está sempre presente e te faz querer continuar jogando.

Por exemplo: dirigir um carro a mais de 300 km/h, na contramão de uma rua na hora do rush e com adversários tentando te fazer bater não é para ser uma tarefa fácil, mesmo nos games. Mas conforme o jogador adquire mais experiência, estes desafios em alta velocidade se tornam mais intuitivos. Mesmo que algumas missões sejam complicadas, fica sempre aquele gostinho de tentar novamente, alcançando novos recordes e obtendo novas conquistas.
Muita emoção com os carros voando (literalmente) a mais de 320 km/h

Aliás, este é um dos pontos fortes de Burnout 3: Takedown. Existe muito conteúdo para ser explorado no game, como carros secretos, conquistas e pistas especiais. Os chamados Signature Takedowns, por exemplo, são conquistas obtidas ao fazer oponentes baterem em situações específicas (como em um ônibus escolar). O jogo até mesmo inclui um sistema de estatísticas, que registra informações como quantas vezes você já bateu, quantos adversários já nocauteou, quantos quilômetros já percorreu (inclusive realizando drift), entre outras.

Um dos poucos pontos que pode ser contestado em Takedown é a sua trilha sonora. Para o meu gosto (e de boa parte dos jogadores), ela é excelente, dando ritmo a um jogo frenético com músicas do tipo punk e rock. Entretanto, ela pode ser um pouco limitada para fãs de outros gêneros musicais. Uma solução simples é tirar o volume das canções, e deixar apenas o dos efeitos sonoros, que, inclusive, são incríveis, retratando freadas e batidas de forma bastante convincente.
Realize 3 ou mais Takedowns em sequência para obter um Hot Streak
Para completar o pacote, Takedown tem modos multiplayer online e offline com a tela dividida. Afinal, nada melhor que bater no carro do seu amigo e o fazer explodir após uma colisão frontal com um caminhão, certo? Até hoje me lembro de jogar contra o meu irmão (que, justiça seja feita, nunca gostou muito do game, mas respeitava a minha vez de escolher) e das muitas risadas dos acidentes incríveis. O único problema era quando alguém passava na frente da televisão enquanto você fazia uma curva derrapando a 200 km/h…

Um clássico obrigatório para qualquer biblioteca gamer

Considerado um dos melhores jogos de corrida do tipo arcade, Burnout 3: Takedown realmente merece este título. E a lista de qualidades é grande: as corridas em alta velocidade são emocionantes e, sobretudo, muito divertidas; a jogabilidade é intuitiva e bastante sólida; existem vários carros, pistas e conquistas para serem obtidos ao longo do jogo; a trilha sonora e os efeitos sonoros casam perfeitamente com o clima cheio de adrenalina. E tudo pode ser jogado juntamente com os amigos.
Burnout 3: Takedown é um prato cheio para os gamers viciados em adrenalina

E você? Já experimentou esse excelente jogo de corrida? Deixe os seus comentários!

Revisão: Link Beoulve
Matheus Senna de Oliveira é um grande fã da décima arte, embora ultimamente não tenha tido muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, COD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. Caso tu tenhas gostado da matéria que ele escreveu, é possível encontrar mais algumas no blog dele.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook