Jogamos

Análise: D&D Lords of Waterdeep (PC/Mobile) — Intrigas no universo de Dungeons & Dragons

A versão digital de um dos mais cultuados jogos de tabuleiro modernos não deixa nada a desejar em relação à obra original.


Aproveitando o entusiasmo da crítica e público em torno de Baldur’s Gate 3, na análise de hoje quero apresentar a versão digital de um dos meus jogos de tabuleiro prediletos. Meu objetivo não é apenas examiná-lo em mais detalhes, mas também recomendá-lo a você, caso esteja interessado ou curioso em explorar mais materiais relacionados ao universo de Dungeons & Dragons.

Em D&D Lords of Waterdeep, deixamos de lado os dados e as fichas de personagens e embarcamos em uma uma jornada um pouco mais estratégica, porém igualmente intrigante. De fato, as intrigas constituem um dos pontos culminantes dessa excelente experiência, frequentemente mencionada nas conversas entre os entusiastas dos jogos de tabuleiro modernos. A qualidade não se perde na adaptação para o mundo digital, conforme veremos a seguir.

Bem-vindo a Waterdeep



Waterdeep, a Cidade dos Esplendores – a joia mais resplandecente dos Reinos Esquecidos e um covil de intrigas políticas e negócios obscuros em becos clandestinos. Neste jogo, os jogadores são senhores poderosos que disputam o controle desta grande cidade. Os seus tesouros e recursos estão prontos para serem tomados, e aquilo que não pode ser obtido através de truques e negociações deve ser tomado à força!
Esta é a introdução de Lords of Waterdeep, lançado em 2012 pela Wizards of the Coast e criado por Peter Lee e Rodney Thompson. Vencedor de diversos prêmios, este jogo de gerenciamento é projetado para 2 a 5 jogadores, onde cada um assume o papel de um dos Senhores Mascarados de Waterdeep, governantes secretos da cidade.

Através de seus agentes, sua missão é recrutar aventureiros para completar missões em seu nome, obtendo recompensas e aumentando sua influência na região. Você pode expandir a cidade adquirindo edifícios, que introduzem novas ações no tabuleiro. Além disso, você pode usar cartas de Intriga para atrapalhar ou ajudar outros Senhores ao implementar seus planos estratégicos.
Componentes do jogo Lords of Waterdeep. Fonte: BoardGameGeek
No decorrer da campanha, pontos e recursos são obtidos por meio da conclusão de missões, construção de edifícios, uso de cartas de Intriga e direcionamento de outros jogadores a usar os novos espaços criados para gerar bônus para seus donos. Após 8 rodadas, quem tiver mais pontos vence.

Antes do início da partida, cada jogador seleciona uma carta aleatória que determina o Lorde que eles representarão e a cor de suas peças. É fundamental ressaltar que essa carta determina quais tipos de missões devem ser realizados para ganhar pontos bônus no final, potencialmente levando à vitória.
Fonte: BoardGameGeek
O tabuleiro é uma representação de Waterdeep, com várias localidades que oferecem diferentes ações. Para executar uma ação, você deve posicionar um de seus agentes, representados por peças em formato de uma pessoa, em uma localidade específica.

A localidade principal é Cliffwatch Inn, centralizada no topo do tabuleiro. Nesse local, adquirimos as missões que devem ser concluídas para obter pontos. Elas se dividem em quatro categorias, baseadas nos tipos de aventureiros necessários para a conclusão: Guerreiros (laranja), Ladinos (preto), Magos (roxo) e Clérigos (branco).
Fonte: BoardGameGeek
Além dos aventureiros, algumas missões exigem ouro para ser concluídas. Uma vez que todos os requisitos são atendidos, você pode concluir a missão durante sua vez e receber recompensas. Algumas missões mais complexas oferecem recursos adicionais e ações extras no tabuleiro.

A cada rodada, os participantes alternadamente posicionam seus agentes em diversas localidades para obter aventureiros, dinheiro e construir novas estruturas para alocar seus peões. Um espaço chamado Waterdeep Harbor é o único que permite usar cartas de intriga, que oferecem ações especiais, desde trocar recursos por pontos até forçar outros competidores a realizar missões indesejadas.

Após todos colocarem seus agentes disponíveis e realizarem ações, as peças retornam às mãos de cada um, e uma nova rodada começa. Ao longo de oito rodadas, os recursos são coletados e missões para acumular pontos são completadas.
Fonte: BoardGameGeek
Ao final da oitava rodada, regras adicionais entram em vigor, atribuindo mais pontos aos jogadores com base nos aventureiros e ouro remanescentes em sua posse. Os Lordes são revelados e os bônus associados a cada um são calculados. Por fim, quem possuir mais pontos é declarado vencedor.

Traduzindo para o ambiente virtual

Inicialmente, D&D Lords of Waterdeep foi lançado no formato digital para dispositivos iOS em 2013. Somente quatro anos depois, o jogo chegou a outras plataformas. Em 1 de setembro de 2017, a Playdek lançou versões para Android e PC via Steam. A especialidade da empresa é criar adaptações digitais de jogos de cartas e tabuleiro para dispositivos Android, iOS e PC.

Assim como em Scythe: Digital Edition, outro título com a mesma proposta que também tive a oportunidade de analisar, um dos aspectos mais marcantes no Lords of Waterdeep digital é a notável fidelidade visual em comparação com a opção física. Toda a arte, desde o tabuleiro até as cartas e ilustrações dos lordes, foi meticulosamente reproduzida, o que atrai tanto quem está descobrindo o jogo por meio dessa versão digital quanto quem já está familiarizado com a edição física. Animações e até pequenas artes em 3D enriquecem ainda mais a experiência visual.

Tal como o jogo de tabuleiro, D&D Lords of Waterdeep pode ser tranquilamente jogado localmente por até cinco pessoas. Obviamente, nesta abordagem, perdemos o encanto e a dimensão social de montar o tabuleiro, distribuir as peças e manipular as miniaturas e componentes na área de jogo; no entanto, essa abordagem elimina preocupações como perder peças após uma partida ou a necessidade de uma mesa grande para uma experiência confortável.


Com tudo apresentado na tela, os participantes alternam suas jogadas, semelhante à versão física. Além disso, é possível jogar sozinho, com bots assumindo os papéis do resto do grupo. O digital ainda tem a vantagem de garantir que cada etapa da rodada seja cumprida, evitando que alguma ação importante seja esquecida. Ícones iluminados e animações evidentes orientam o jogador quanto às ações disponíveis antes de finalizar a sua vez.
O modo tutorial simula uma partida para apresentar todas as dinâmicas que podem ocorrer durante o jogo.
Para ampliar a conveniência da experiência, Lords of Waterdeep também inclui uma funcionalidade online, permitindo que até cinco pessoas joguem juntas. O anfitrião pode criar uma sala, seja pública ou privada, e estabelecer algumas regras, como o tempo para terminar um turno, além de possibilitar um simples chat em texto para comunicação entre os jogadores.

Outro atrativo é a possibilidade de jogar com pessoas em diferentes plataformas. Quando comecei digitalmente, em meados de 2019, primeiramente adquiri o game para Android, enquanto meus amigos jogavam no PC. A jogabilidade no celular destaca-se pela praticidade, enquanto o PC leva vantagem na comodidade do uso do mouse e no preço, sendo quase metade do valor da sua contraparte mobile.

Deixando a experiência completa e substancialmente melhor

Outra consideração relevante é a presença das duas expansões na versão digital de Lords of Waterdeep: Undermountain e Skullport. Enquanto Undermountain adiciona três espaços extras para alocar agentes, destacando-se por introduzir uma nova opção para jogar cartas de intriga, Skullport é a expansão que realmente intensifica a experiência.
A aquisição das duas expansões, Undermountain e, principalmente, Skullport, se fazem necessárias para deixar o jogo completo e mais interessante.
Essa expansão incorpora uma regra inédita associada às caveiras. Cada uma acarreta uma penalidade de pontos a quem a mantiver em seu estoque, área representada na ficha usada para administrar seus recursos. As caveiras são colocadas em uma área específica do tabuleiro de expansão e, à medida que deixam essa área, a penalização de pontos negativos associada a cada uma aumenta.

Ademais, novas cartas de missões, lordes, espaços para compra, cartas de intriga e espaços adicionais também foram inseridos. Os espaços estreantes são atrativos, proporcionando recursos valiosos, como a oportunidade de recrutar até quatro aventureiros de uma vez ou a escolha seletiva de dois aventureiros desejados, mediante a inclusão de uma caveira em seu estoque.

As novas cartas de missão incluem, entre suas recompensas, a capacidade, em algumas delas, de devolver as caveiras ao tabuleiro ou mesmo eliminá-las da partida, causando um impacto duradouro no desenrolar das partidas. Adicionalmente, alguns dos novos lordes tiram proveito desses elementos onerosos, convertendo-os em pontos ao final da disputa, caso um número específico de caveiras seja coletado, por exemplo.
A Quests disponíveis nas expansões fornecem recompensas bem mais tentadoras e trabalhosas para se conseguir.
Recomendo fortemente a adição da expansão Skullport, pelo menos no formato digital, para intensificar a intriga e a tensão das partidas. As expansões estão disponíveis como conteúdo para download através da loja interna de Lords of Waterdeep na versão mobile ou diretamente na plataforma Steam, no caso do PC. Assim como mencionado anteriormente, esta plataforma leva vantagem, uma vez que o conteúdo está disponível pela metade do preço pedido nas versões para Android e iOS.

Um dos poucos pontos negativos que preciso ressaltar é que, assim como no original da Wizards of the Coast, a Playdek não disponibiliza o suporte a outros idiomas na versão digital. Para tirar proveito máximo da experiência, é necessário ter um conhecimento substancial da língua inglesa ou então contar com a ajudinha de um dicionário ou tradutor do celular.

Para quem gosta de RPGs e board games

D&D Lords of Waterdeep é altamente recomendado aos entusiastas de board games modernos que não têm acesso ao formato físico, seja por limitações financeiras ou pela falta de parceiros de aventura.

Com uma relação custo-benefício notável, especialmente na edição para PC, esta versão oferece um elevado grau de autenticidade em comparação com a sua contraparte física. Isso ocorre devido à reprodução fiel de todas as dinâmicas e regras presentes na obra original, além da fidelidade visual totalmente reproduzida e até aprimorada no ambiente digital.

Prós

  • Aparentemente complexo, mas muito fácil e divertido de jogar;
  • Altíssimo grau de fidelidade com a versão física do jogo de tabuleiro, tanto em visuais quanto em jogabilidade;
  • As especificações técnicas não exigem um PC ou celular muito potente;
  • Possibilidade de jogar sozinho, contra oponentes controlados pelo computador, e localmente ou online em grupos de até cinco pessoas;
  • Crossplay entre PC e mobile.

Contras

  • A versão mobile é mais cara;
  • A aquisição das expansões se faz necessária para valorizar a experiência geral do jogo;
  • Sem suporte para o idioma português.
D&D Lords of Waterdeep — PC/Android/iOS — Nota: 8.5
Versões utilizadas para análise: PC e Android
Revisão: Davi Sousa
Análise produzida com cópias adquiridas pelo redator

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.