Jogamos

Análise: Cyber Hook (PC/Switch) é um belo e radical jogo de ação e plataforma

Prepare-se para uma aventura cheia de adrenalina e movimentos emocionantes.


Dentre as diversas maneiras de se conquistar um jogador, uma das mais eficientes é oferecer desafios emocionantes e dinâmicos. Cyber Hook (PC/Switch) é um excelente exemplo, apresentando um jogo de ação e plataforma repleto de adrenalina. A sua proposta? Chegar ao final de cada fase no menor tempo possível. Uma premissa simples, mas, graças às suas mecânicas únicas, extremamente divertida, conforme vamos conferir nesta análise.

Um incrível e original desafio

Existem várias formas de um jogo eletrônico cativar um jogador. Alguns apresentam uma história fascinante, enquanto outros focam em experiências multijogador. Uma das maneiras mais eficientes é oferecer uma jogabilidade envolvente, que torne cada partida um novo e emocionante desafio. Cyber Hook se encaixa perfeitamente nessa categoria.
 
Desenvolvido pela Blazing Stick e publicado pela Graffiti Games, o game foi lançado para Nintendo Switch e PC via Steam em 24 de setembro de 2020. A proposta é a seguinte: alcançar um portal no final de cada fase no menor tempo possível. Para isso, o jogador precisa percorrer um cenário em três dimensões utilizando diversos recursos interessantes.

Um jogo radical como você nunca jogou
Eles incluem toda sorte de plataformas, habilidades e construções mirabolantes. Além de correr sobre as estruturas, o jogador tem uma ferramenta extremamente valiosa para utilizar. Um grappling hook, que é uma espécie de gancho com corda no estilo Batman, pode ser utilizado para escalar paredes e se balançar como o Homem-Aranha.
 
A analogia com os super-heróis é acertada, pois o deslocamento pelos cenários é fluido e intuitivo, tornando cada partida uma incrível aventura. O visual é repleto de cores e luzes vibrantes, num estilo semelhante ao retrowave. Dada a alta velocidade em que as fases devem ser completadas, como veremos a seguir, essa escolha gráfica também torna os elementos na tela fáceis de reconhecer e interagir.
Os gráficos do game trazem um visual incrível

Quanto mais rápido, melhor

No canto inferior esquerdo existe uma espécie de velocímetro, que registra quão veloz o jogador está se movendo. Como completar as fases o mais rápido possível é a missão principal, é importante manter o contador o mais próximo do máximo. Além de proporcionar mais chances de obter um recorde, a alta velocidade também faz Cyber Hook ser viciante.
Aqui não existem multas pela alta velocidade

Sair correndo, balançando e “voando” pelas fases é emocionante. A sensação de velocidade é bem representada, sobretudo quando a transição entre plataformas, abismos e obstáculos é corretamente executada. Os movimentos são um misto de parkour e super-heróis e, embora sejam um pouco desafiadores no começo, se tornam naturais com o tempo.

Mesmo quando caímos do cenário e perdemos a partida, o game consegue ser muito competente. Ele rapidamente reinicia a fase e coloca o jogador quase instantaneamente em ação novamente. Como quedas são inevitáveis, principalmente nos níveis mais avançados ou no começo do título, essa agilidade diminui a frustração da derrota e ajuda o jogador a não perder o ritmo.

Jogue do seu jeito

Conforme vamos avançando em Cyber Hook, algumas habilidades secundárias são liberadas. Dentre elas, a mais relevante é a distorção temporal, um poder de tornar o tempo mais lento. Embora o contador da fase continue a funcionar normalmente, esse recurso garante momentos preciosos para pensar no trajeto e mirar o grappling hook com mais precisão.
Reflexos apurados são essenciais para ter sucesso em Cyber Hook

Outra habilidade útil é uma espécie de disparo que destrói objetos verdes. Eles bloqueiam o caminho de diversas formas, tanto limitando as corridas, quanto bloqueando paredes escaláveis. Como não é possível encostar ou utilizar o grappling hook em qualquer superfície, cada novo elemento adiciona uma camada extra de desafio.

É interessante ressaltar que, apesar de o game oferecer todos esses recursos, o jogador tem total liberdade em como agir nas fases. Os cenários são, em sua maioria, construídos de forma que várias táticas possam ser utilizadas. Quer pular em alta velocidade por sobre um abismo? Ou quem sabe tentar contorná-lo utilizando uma série de plataformas com a ajuda do gancho com corda? Seja qual for a escolha, sempre existe uma forma (ainda que algumas sejam mais fáceis) de vencer.

Para liberar novos desafios, é preciso obter joias ao alcançar tempos baixos
São mais de 70 fases diferentes para explorar esse mundo cativante e repleto de caminhos perigosos. É uma pena que o game não conte com um tutorial formal, mesmo que as habilidades sejam introduzidas num ritmo apropriado e o nível de dificuldade das fases cresça de forma adequada. A questão é que um treinamento mais direcionado poderia tornar o título ainda mais acessível aos jogadores, sobretudo os pouco acostumados com o gênero.

Muitos desafios em uma história simples

Cyber Hook conta com um enredo simplório. O jogador entra em uma espécie de Matrix e encontra o simpático robô Dron. A criatura explica que, para escapar, ele deve completar as fases sempre buscando o menor tempo possível e, assim, obter até três joias por nível. Algumas leves surpresas são apresentadas posteriormente, mas nada muito significativo.
Dron é um agradável personagem secundário do game
Na prática, elas servem de justificativa para adicionar novos elementos às fases, tais como inimigos, que podem tanto ser ignorados quanto derrotados. No final, a maior motivação do título é a sua excelente jogabilidade e as suas mecânicas bem implementadas. A qualidade desses elementos é altíssima, sendo suficiente para compensar a “falta de profundidade”.

A trilha sonora e os efeitos sonoros são outros destaques do jogo. Músicas no estilo eletrônico casam perfeitamente com a ideia e os visuais do game. Além disso, cada disparo, corrida e voo pelos ares gera um ruído extremamente agradável, dando vida à movimentada jogabilidade do título.

As sensações de aventura e de emoção são altíssimas
As fases contam com um sistema de rankings global e nacional, sendo que a partida que gerou cada recorde pode ser facilmente baixada e assistida. Ou seja, uma alternativa perfeita para conhecer as táticas dos melhores jogadores. Outro ótimo recurso é o editor de mapas. Embora ainda em versão beta, ele tem potencial para expandir o game e torná-lo uma verdadeira fonte inesgotável de desafios para os amantes do gênero.

Faltou um pouco de “normalidade”

Enquanto Cyber Hook esbanja estilo em uma ótima e divertida proposta, ele deixou a desejar em alguns elementos “convencionais”. Apesar de o desafio de conseguir os menores tempos possíveis ser suficiente para conquistar o jogador, faltaram coisas como customizações e melhorias. Escolher sua cor favorita para o grappling hook ou aumentar a duração da habilidade de tornar o tempo mais lento seriam boas opções.
Cada nova mecânica é uma excelente adição

Claro que para isso seria necessário criar uma distinção entre os recordes com e sem melhorias, mas não creio que seria complexo. Outro exemplo seria a adição de extras, tais como itens escondidos pelas fases. Novamente, ressalto que esses recursos são apenas oportunidades perdidas, sem afetar a ótima qualidade do jogo no que realmente importa.

Caso o leitor ainda esteja em dúvida, vale a pena baixar a versão demo (para PC) e conferir o game na prática. Embora altamente recomendado, é preciso ressaltar que o game é voltado principalmente para aqueles que buscam emoções e muita adrenalina. Logo, faça o download e experimente por si mesmo essa grande aventura; afinal, mesmo que você não seja fã do gênero, quem sabe assim descobre uma nova paixão eletrônica?

Pronto para começar a ação?

Com uma proposta repleta de adrenalina, Cyber Hook (PC/Switch) coloca o jogador contra o relógio em fases repletas de desafios. Com uma jogabilidade que mistura parkour e super-heróis, é possível utilizar diversas habilidades, como o gancho com corda e a distorção temporal, para chegar ao final de cada nível passando por plataformas, escalando paredes e pulando por abismos. Com ótimos visuais e muitos níveis para jogar, esse é mais um título recomendado para a sua biblioteca.

Um belo mundo radical te espera em Cyber Hook!

Prós

  • Corrida contra o relógio em meio a um ambiente 3D vibrante é viciante e divertida;
  • Mecânicas de jogo, incluindo o grappling hook e a habilidade de tornar o tempo mais lento, são muito bem implementadas;
  • Visuais vibrantes e cheios de energia combinam com a proposta;
  • Trilha sonora e efeitos sonoros são empolgantes;
  • Jogo reinicia muito rápido após uma derrota, permitindo ao jogador retornar a ação quase instantaneamente.

Contras

  • Não existem melhorias, customizações ou extras para incentivar mais o jogador a continuar;
  • Ausência de um modo tutorial formal.
Cyber Hook – PC/Switch – Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela Graffiti Games

é redator de matérias sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google