Jogatina de FDS

O que estamos jogando: Horizon, Breath of the Wild, Persona 5, The Walking Dead e muito mais

Confira o que a equipe do site jogará no final de semana.



Final de semana prolongado é sinônimo de mais tempo livre para aproveitarmos nossos joguinhos tão queridos. Antes do pessoal partir para o feriado, perguntamos para a nossa equipe: O que vocês irão jogar durante o os próximos dias?

Vinícius Veloso

Viva os mundos abertos!

Neste final de semana pretendo aproveitar dois grandes lançamentos que apresentam belíssimos e gigantescos mundos abertos: Horizon Zero Dawn (PS4) e Breath of the Wild (Wii U/Switch). Ambos os games são ótimos e apresentam características bastante marcantes, enquanto Zelda tem foco maior na exploração, a nova IP da Sony conta com enredo sensacional e profundo. Com esses jogos, o feriado prolongado poderia durar um mês inteiro.
Quanta coisa para explorar

Arthur Maia

JRPG escolar, point-and-click apocalíptico e aventura mágica

Variedade de gêneros é o que não falta nesse meu fim de semana. Começarei com uma dose de Persona 4: The Golden (PS Vita), jogo super bem avaliado entre a crítica especializada e que prometi experimentar. Estou com nove horas de jogo e minha impressão é de um jogo sensacional, que equilibra gameplay dinâmico e uma trama misteriosa e viciante. Com minha namorada, vou continuar minha aventura em The Walking Dead: Season Two (Multi), jogo da Telltale Games que dá vida a um point-and-click no mundo apocalíptico da série de mesmo nome. Nas horas vagas e de maneira mais casual, continuarei com Lego Harry Potter: Years 5-7 (Multi), a aventura do bruxo mais famoso de todos no pixelado mundo de Lego.
Tomara que o jogo não seja tão parado como foi a sétima temporada da série de TV

Renan Rossi

Cumprindo velhos objetivos

Depois de finalizar Zelda: Breath of the Wild (WiiU/ Switch), que por sinal é fantástico, vou aproveitar o feriado prolongado para colocar em dia os compromissos no meu querido Xenoblade Chronicles X (WiiU). Ainda falta muito para conseguir os 100%, mas um dia chego lá. Quando não estiver vagando por Mira, estarei comendo chocolate e jogando Horizon Chase (IOS/Android), que pouco conheço mas já considero um amigo de longa data.
O Wii U não está morto

Leandro Alves

Exploração e treinamento em Hyrule

Este final de semana é com certeza mais feliz, pois não tenho aula no MBA, portanto, vou dar uma atenção preciosa em Breath of The Wild (WiiU/Switch). Estou com noventa shrines, e duzentos e trinta e quatro sementes de Korok e marquei uma meta para esse final de semana, vou encontrar e vencer dez shrines e completar cem shrines. meu inventário para armas de ataque precisa de mais 6 sementes, então devo completá-lo também. Como estou com dois amigos em minha casa, também jogaremos 1-2-switch (Switch) e Just Dance 2017 (Multi), nesse último eu sou uma negação, mas, vamos tentar né?!
Você disse shrines?

Herick Henrique 

Relembrar o passado é viver

Fim de semana apesar do feriado ainda está um pouco agitado pelos trabalhos da faculdade, mas isso não vai me impedir de salvar o mundo em Shining Force I (Mega Drive/Genesis), que me marcou muito quando eu era pequeno, e que está me dando ainda mais emoção já que eu não sabia inglês na época e não entendia a história. Se sobrar algum tempo ainda da pra jogar um HearthStone (PC/Mobile) com alguns amigos agora que a nova expansão foi lançada.
Sempre é bom revisitar (ou conhecer) os clássicos

Pedro Vicente

Nos pólos opostos da indústria!

Estou chegando no fim do ano escolar em Persona 5 (PS3/PS4). A experiência até aqui foi bem intensa, já estou com personas de alto nível e diversos Confidants maximizados. Firmei meu namoro com a Ann, mas no decurso da trama acabei gostando mais da personagem Makoto, então devo deixar esse relacionamento para o new game +. Além de Persona 5, um título extremamente bem polido, feito por uma equipe experiente e numerosa ao longo de diversos anos, também estou jogando Cosmic Star Heroine (Multi), um título independente que se inspira e homenageia Chrono Trigger, Phantasy Star e outros JRPGs de 16-bits. Mesmo com ótimas ideias e proposições, faz-se nítida a diferença do produto, já que Cosmic Star Heroine é, por muitas vezes, tosco e cheio de problemas técnicos. De qualquer forma, ambos estão me divertindo e interessando.
Sem dúvidas, um dos grandes títulos desse início de ano

Farley Santos

Saqueando naves e continuando a vida escolar em Tóquio

Meu fim de semana será dedicado a dois jogos. Um deles é Flinthook, um misto de tiro, plataforma e roguelike que sairá em breve para PC, PlayStation 4 e Xbox One. Nele, controlamos um pirata que tem que invadir e saquear naves espaciais repletas de desafios. O diferencial são duas mecânicas: o herói tem um gancho para se locomover rapidamente pelos cenários e seu cinto consegue deixar a ação em câmera lenta (perfeito para sobreviver aos momentos mais frenéticos). Como todo roguelike que se preza, é um jogo bem difícil e intenso, sendo a morte bem corriqueira — e essa é justamente a graça dele. Fora isso, continuarei minha aventura em Persona 5 (PS3/PS4), jogo no qual vou avançando aos poucos.
Isso parece tão divertido!

Karen K. Kremer

Curtindo um loop temporal

As pessoas certamente me acham maluca por jogar tantas vezes Quantum Break (XBO/PC), mas é o que se faz quando você é a fã número 1 da Remedy (admito, meu amor pelo Aidan Gillen também tem culpa nisso). E neste mês de abril em especial... Minha admiração pelo jogo de ficção científica está ainda mais aflorada devido ao aniversário de 1 aninho de Quantum Break. Com um final de semana bonito em comemoração à ressurreição de Jesus Cristo e os chocolates de Páscoa, o plano é mudar minhas decisões das junções temporais, pegar uma pipoca, o refrigerante e o chocolate para assistir todos os episódios da série live action de Quantum Break. Não existe nada mais divertido e relaxante do que um jogo que também é um filme.
É interessante essa integração entre videogames e série de TV

Marcell Solano

Curtindo a vida dupla de estudante e Phanthom Thief em Tóquio

Finalmente consegui fugir do Digimundo. Na semana passada estava sofrendo com  o sistema de treino de Digimon World: Next Order (PS4/PS Vita), mas consegui dominá-lo e avancei até o fim. Agora pretendo platiná-lo, então esse final de semana vai ser de transição entre a vida de Digimon Tamer e a de um Phanthom Thief nas horas vagas da escola em Persona 5 (PS3/PS4). Esse é o primeiro título da série que eu jogo e estou admirado com praticamente tudo: conceito, visual, cenários, personagens, trilha sonora e jogabilidade. No entanto, estou achando o início bastante arrastado e repetitivo, visto que o “tutorial” demora cerca de 10h pra te ensinar basicamente tudo o que tu consegue aprender nos primeiros 10 minutos de jogo. Espero que o quadro mude completamente quando eu finalmente finalizar essa parte e começar a sentir de fato tudo que Persona 5 tem para oferecer (ou não). O que me tranquiliza é que já me falaram que isso é um mal de todo Persona, então estou na torcida para que essa seja apenas uma má impressão inicial.
Até breve Digimundo!


E você, caro leitor, o que irá jogar durante os próximos dias? Compartilhe com a gente nos comentários!
Vinicius Veloso é jornalista e obcecado por games (não necessariamente nessa ordem). Seu vício começou com uma primeira dose de Super Mario World e, desde então, não consegue mais ficar muito tempo sem se aventurar em um bom jogo. Está no Facebook ou Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook