Jogamos

Análise: Moncage (Multi) brinca com perspectivas em um puzzle imaginativo e repleto de criatividade

Gire um cubo e tente alinhar os objetos de suas faces para resolver inúmeros enigmas.


Moncage instiga com seu conceito peculiar. No jogo, manipulamos um cubo cujas faces exibem diferentes cenários e, para resolver os quebra-cabeças, precisamos usar truques de perspectiva para alinhar elementos. A mecânica principal é simples, no entanto a grande criatividade e variedade dos puzzles é surpreendente. Além disso, o título conta com uma atmosfera acolhedora e uma trama mais complexa do que parece. A soma de tantas qualidades resulta em uma experiência única.

Mundos em miniatura transformados pelo ponto de vista

Inúmeros universos estão representados dentro de um misterioso cubo e a nossa tarefa em Moncage é descobrir a ligação entre eles. Cada face do objeto mostra um cenário diferente, como um escritório militar, um quarto repleto de brinquedos de criança, um farol ou um parque de diversões. Para avançar, precisamos manipular o objeto para descobrir possíveis conexões e interações entre os objetos das localidades distintas.


Pode parecer estranho tentar encontrar elementos em comum em locais tão distintos. A resposta está na perspectiva: no ângulo certo, objetos de diferentes faces do cubo se conectam e interagem entre si. Em um momento, por exemplo, uma gaveta se torna uma ponte para um carro. Em outro puzzle, conseguimos passar um bloco de um lugar para outro ao formar uma garra com objetos distintos. É um conceito um pouco difícil de explicar, mas basta manipular um pouco o cubo para assimilar a ideia.

Os comandos de Moncage são bem intuitivos: além de girar o cubo, podemos também aproximar a câmera em trechos específicos dos cenários. Um recurso permite destacar os objetos importantes, e os itens necessários para resolver o próximo quebra-cabeça apresentam um brilho mais intenso. Mesmo assim, não é difícil ficar perdido sem saber o que deve ser feito em seguida. Por sorte, o jogo oferece um sistema de ajuda opcional com sutis dicas textuais em português ou até mesmo um vídeo com as soluções dos enigmas.



Surpresas e experimentação em um quebra-cabeças sem igual

Moncage me encantou desde o início com sua ideia singular de puzzle baseado em ponto de vista. É simplesmente deslumbrante ver cenários tão distintos se influenciando entre si quando encontramos o ângulo correto. Parece até mágica ver um objeto indo de um plano para outro como se fosse algo natural: um trem de brinquedo vira um veículo de verdade ao passar para outra face, já um avião em um pôster que se transforma em um jato quando vai para uma região em guerra.

Como quebra-cabeça, o título surpreende com enigmas cada vez mais complexos e criativos. No início, as tarefas são simples, como unir elementos para ativar dispositivos, contudo as coisas rapidamente ficam mais elaboradas e interessantes. Certos recursos nos permitem alterar os ambientes, como mudar a data do calendário em um quarto para transformar a estação no exterior do mesmo prédio ou manipular um relógio para mudar a hora do dia de um local. Em um trecho, por exemplo, precisamos fazer várias ações para conseguir transportar um explosivo por diferentes faces do cubo em sequência.


Os cenários, inclusive, são adoráveis e nos convidam à exploração com seus inúmeros objetos e elementos. O jogo oferece recursos que nos incentivam a observar minuciosamente as localidades, como fotos escondidas e medalhas que são obtidas ao executar tarefas opcionais. Gostei bastante de procurar por esses extras, principalmente por ser necessário um pouco de imaginação e experimentação para conseguir encontrá-los. É também um bom motivo para fazer novamente a aventura, que dura por volta de três horas.

Os puzzles de Moncage são engenhosos, porém alguns deles são um pouco frustrantes. O problema é que certas soluções exigem passos extremamente específicos que nem sempre estão claros, muitas vezes com dicas visuais sutis demais. Algumas vezes, inclusive, eu até tinha uma ideia de como prosseguir, mas continuava preso por causa de algum pequeno detalhe. Por sorte, os recursos de destacar os elementos essenciais e o sistema de dicas ajudam a diminuir esse inconveniente — usei-os em inúmeras ocasiões e isso não impactou minha experiência.



Mergulhando em um conto belo e instigante

Uma atmosfera elaborada e surreal tornam Moncage envolvente. Cada um dos vários universos representados nas faces do cubo são repletos de detalhes, o que os tornam bem convidativos — fiz questão de olhar com atenção os inúmeros cenários, que lembram pequenas maquetes interativas. As cores chapadas trazem identidade aos pequenos mundos e o uso de diferentes paletas ajuda a determinar o tom de cada momento. Uma trilha sonora suave complementa o clima de mistério etéreo.


O que mais me impressionou foi o cuidado na construção da interatividade entre universos. Os elementos em comum dos universos são tão bem colocados que tudo parece bem natural, até mesmo quando um objeto passa de uma face para outra completamente distinta. Não só isso, muitas das interações são surpreendentes e brincam com as possibilidades dos ângulos de câmera e com as nossas expectativas.  

Pode não parecer, mas o jogo tem uma trama elaborada sobre os destinos contrários de um pai e de um filho. A narrativa é fragmentada e não muito clara, e os cenários, a progressão dos quebra-cabeças e as fotos escondidas ajudam a entender o que está acontecendo. Parte da graça está justamente em juntar as informações fragmentadas e desvendar o enigma envolvendo os personagens — precisamos observar tudo com cuidado para entender de fato o que aconteceu.



Multiverso fascinante

Moncage encanta com seu conceito imaginativo. Os quebra-cabeças, que se concentram em manipular o cubo para alinhar objetos de universos distintos, impressionam com sua engenhosidade e diversidade. Às vezes, os enigmas apresentam passos obtusos ou específicos demais, no entanto um recurso flexível de dicas ameniza esse problema. A atmosfera também é notável com inúmeros cenários elaborados e uma narrativa desenvolvida de forma não convencional que nos incentiva a ficar atento aos detalhes. No fim, Moncage é um puzzle excepcional que vale muito a pena.

Prós

  • Conceito principal singular explorado em inúmeros puzzles bem pensados;
  • Ambientação envolvente com vários pequenos cenários repletos de detalhes;
  • Muitas interações surpreendentes entre os elementos dos universos retratados no jogo;
  • Sistema de dicas flexível e acessível.

Contras

  • Alguns passos exigem movimentos muito específicos que nem sempre estão claros o bastante.
Moncage  — PC/Android/iOS — Nota: 9.0
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Juliana Paiva Zapparoli
Análise produzida com cópia digital cedida pela XD

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google