Halloween: terror no mundo dos games, suas origens, reciclagens e um possível futuro

O gênero está presente nas principais mídias de entretenimento, seja a música, literatura, teatro, quadrinhos, cinema e, claro, nos jogos.

É estranho que o terror seja uma das temáticas mais empolgantes para os seres humanos, especialmente considerando o fato de que, em geral, nos afastamos daquilo que nos traz medo ou repulsa, sendo uma resposta natural àquilo que pode nos afrontar física e psicologicamente.



Mesmo aqueles que alimentam algum temor sobre determinada temática ainda mantém alguma fixação sobre ela: quantos aqui não conhecem alguém que se treme por inteiro ao pensar sobre atividades paranormais ou extraterrestres (apenas a título de exemplo), mas insistem em acompanhar documentários, filmes ou programas de TV dedicados a esses temas? Curiosos sobre como isso influenciou nosso tão querido hobby? Então apaguem as luzes, acendam uma vela e acompanhem conosco!

Antes de mais nada

Há vários gêneros de terror sendo amplamente explorados na cultura pop e muitos outros antes que se tornassem clássicos cult. O primeiro registro literário de nossos tempos sobre o tema foi “O Castelo de Otranto”, do inglês Horace Walpole — o primeiro a explorar elementos sobrenaturais ao invés do realismo utilizado em outras obras, isso ainda no século XVIII.
No centenário seguinte, Mary Shelley, com seu “Frankenstein ou o Prometeu Moderno”, estabeleceu os pilares do que seria o terror científico, em plena era em que a ciência ocupava um espaço ainda maior na sociedade. Isso foi seguido pelos contos de Edgar Allan Poe; “Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde”, do escocês Robert Louis Stevenson (que seguia a temática da ciência) e, finalmente, o horror sobrenatural do irlandês Bram Stocker:" Dracula", que restabeleceu o mito do Vampiro — cujas origens que remontam o mítico arquétipo se originaram ainda na Grécia Antiga.

Antes mesmo do lançamento do primeiro console caseiro (Magnavox Odyssey, em 1972), a música já explorava elementos do terror sobrenatural, especialmente bandas de Rock. O Black Sabbath, formado em 1966, induzia em suas canções temas como “magia negra” e terror”.
Não se enganem: a voz e a atuação desse cavalheiro são incríveis. 


Em 1956, Jalacy Hawkins, mais conhecido como Screamin' Jay Hawkins, lançou sua canção de maior sucesso, I Put a Spell on You — inserida no Rock and Roll of Fame como uma das 500 canções que moldaram o Rock and Roll. Musicalmente falando, Hawkins interpretava a canção de forma magnífica. No aspecto visual, se lançava de subterfúgios como uma caracterização do voodoo haitiano e, não à toa, é um dos precursores do Shock Rock, inspirando artistas como King Diamond, Marilyn Manson, Kiss, W.A.S.P. e Alice Cooper.

Atualmente, no Brasil, o maior representante do gênero talvez seja a banda carioca Gangrena Gasosa, que incorpora de forma “macabra” e humorística (sem soar pejorativa) elementos da Umbanda em suas canções e shows.

Bacana, mas e quanto aos jogos?

Há pouco mencionamos o Odyssey e, como primeiro console caseiro multijogos comercialmente lançado — considerando todas as suas limitações técnicas —, é seguro afirmar que seu Haunted House seja o primeiro jogo de terror já lançado.

Para aqueles que desconhecem o funcionamento do console, ele nada mais é senão do que um produto acompanhado de quatro cartões numerados de 1 a 6, que não passam de instruções pré programadas de como duas luzes brancas piscantes na tela da TV funcionarão. Os “gráficos”, se é que podemos assim chamá-los, são folhas plásticas desenhadas que são postas junto ao televisor, simulando o jogo. Manuais de instruções impressos como livros acompanhavam o pacote e estipulavam regras e eventuais enredos. A despeito de atualmente ser algo próximo à “tosquice”, o jogo possuía seus elementos de mistério e terror.
Hunted House (Odyssey).


O Atari 2600 possuía diversos jogos de terror, seja por sua adaptação dos cinemas de títulos como “O Massacre da Serra Elétrica”, seja por “Haunted House”, lançado em 1982, um dos precursores do gênero Survival Horror, que estabeleceu padrões com Resident Evil (Multi) 14 anos após. No entanto, o primeiro jogo conhecido do gênero foi Monster Maze, lançado em 1981 para o computador Sinclair ZX81.

Basicamente o aplicativo consiste em fazer com que o jogador tente encontrar a saída de um labirinto enquanto é perseguido por um Tiranossauro Rex. Os elementos de terror se manifestam a todo o momento em que um personagem informa a proximidade do réptil ou, mesmo quando encontra a saída, o jogo informa que o usuário está condenado a ficar preso eternamente no labirinto. Há uma opção para “apelar” da condenação, com 50% de chances de ser negada. Neste caso, o jogador terá de tentar novamente sua fuga.
Monster Maze.


Mesmo jogos de ação se deixaram levar pelo terror, como Doom. Em 1993, a id Software impôs aos jogadores a difícil missão de controlar um soldado preso em uma base militar repleta de seres infernais e criaturas medonhas. A despeito de se tratar de um título voltado estritamente ao combate, aparições como Spider Mastermind, Baron of Hell e, principalmente, Cacodemon, impunham um certo grau de nervosismo no jogador.

O gênero foi tão popular que até mesmo a familiar Nintendo se rendeu: adaptações do longa “Tubarão”, de Steven Spielberg, além de “Sexta-feira 13”, “A Hora do Pesadelo” e “Nosferatu” foram lançados para NES (o “Familiar Computer”), além de adaptações literárias de “Frankenstein”. Jogos com temáticas ainda mais obscuras, como Uninvited (lançado originalmente para Macintosh) e Maniac Mansion estiveram presentes no console da Nintendo. A própria empresa desenvolveu seu próprio jogo de terror psicológico, Sweet Home, que se inspira em um longa japonês homônimo, no qual os visitantes de uma casa assombrada precisam encontrar uma saída antes que todos sejam mortos.

O terror continua na era 32/64 bits e nas gerações seguintes

Um clássico.
Com o avanço dos consoles caseiros para gráficos em 3D, o gênero se tornou ainda mais popular, especialmente o survival horror. Sequer
precisaríamos mencionar novamente a série Resident Evil, o primeiro título do gênero que nos vem à mente sobre o tema.

Jogos como Silent Hill e Alone in the Dark (por sinal, muito aprimorado desde sua primeira aparição no console 3DO) marcaram presença como títulos obrigatórios de terror e arrebataram uma parcela considerável de fãs. A Nintendo, por sua vez, não ficou para trás, recebendo em seu Nintendo Shadow Man (também lançado para Dreamcast, PlayStation e PC), além de Nightmare Creatures e mesmo Resident Evil 2.

No cinema, os anos 1990 trouxeram um novo gênero, o scary jump, baseado em falsos documentários, especialmente diante do sucesso de “A Bruxa de Blair”, sendo seu ápice a partir dos anos 2010, com longas como “Atividade Paranormal”. A fim de acompanhar o ritmo das novas audiências, jogos como Outlast (Multi) ou Slender: The Arrival (Multi) se inclinam mais para os sustos repentinos e na tensão causada ao jogador para se manterem e, a despeito do esforço em se manterem relevantes, logo caem no esquecimento passado o frisson inicial entre jogadores, especialmente no mainstream.
(Bocejo)


Por outro lado, outra série de jogos que mantém sua relevância associando o medo a um ótimo enredo e jogabilidade refinada é Dead Space (Multi), que se aproxima muito mais do título cinematográfico “Alien: O 8º Passageiro” do que muitos dos jogos que foram adaptações do filme.

As 7ª e 8ª geração de consoles, no entanto, foram as menos representadas pelo gênero terror, recebendo uma avalanche de títulos que seguem a tendência de Outlast e Slender, como Agony (Multi), Amnesia: The Dark Descent (Multi) e Layers of Fear (Multi). No entanto, Until Dawn (PS4), Dying Light (Multi) e The Evil Within (Multi) seguem uma estrutura narrativa bem definida, bons gráficos e boa jogabilidade, sendo um alento para jogadores que buscam produtos sólidos no gênero.

De mesmo modo, filmes cuja temática giravam em torno de homicidas sociopatas, muito populares no cinema nos anos 1970 e 1980, como “Sexta-feira 13” e “Jason”, obtiveram um retorno minimamente curioso com jogos como Dead by Daylight (Multi) — que, além de seus próprios antagonistas, resgata Freddy Krueger (A Hora do Pesadelo),  Myke Myers (Halloween), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica), apenas para citar alguns, todos antagonistas de filmes de terror tipo “B” — e Friday the 13th: The Game (Multi), baseado no filme homônimo.

Jogos como estes somam o gênero terror ao “sobrevivência em grupo”, como Left 4 Dead, em que os assassinos são controlados por um quinto jogador, que deverá perseguir e subjugar outros quatro personagens controlados também por humanos ou bots, sendo basicamente a estrutura destes títulos. No entanto, possuem um público cativo e  cada nova expansão lançada (geralmente acompanhada de um novo personagem famoso do cinema ou da cultura pop) é recebida de braços abertos pelos fãs.
64 uma versão de

O que o futuro reserva para o gênero?

No cinema, filmes de terror vão do ápice à mesmice: gostos particulares à parte, o último Halloween lançado em 2018 se provou a verdadeira continuação do título lançado originalmente em 1978 e obteve críticas razoáveis. Aparentemente, filmes de terror que exploram a temática “forças diabólicas VS fé humana” como “Invocação do Mal” e “Anabelle” ainda terão algum espaço no mercado, embora todos estejam muito aquém do impacto causado por “O Exorcista” (lançado em 1973, inspirado em seu livro homônimo).
Aos maiores de 18 anos, apenas assistam.


No campo musical, Marilyn Manson, King Diamond, Rob Zombie e Alice Cooper seguem firmes em suas respectivas carreiras, mas, infelizmente, Black Sabbath encerrou oficialmente suas atividades em 2017. Aparentemente o público não se deixa impactar mais com tanta facilidade, logo as gravadoras não se mostram tão inclinadas a novas apostas no gênero.

Quanto aos jogos, títulos tradicionais como Silent Hill e Resident Evil (que fez novamente história com RE VII e o remake de RE 2) eventual e inevitavelmente serão lançados, logo, basta-nos aguardar se estarão à altura dos títulos que os originaram. Outros produtos equivalentes a Dead by Daylight talvez busquem seu lugar ao sol, embora haja um público cativo para o mesmo.
Rumores apontam para um remake, mas também dê-nos algo novo para tremermos!
Caberá às novas gerações oportunizar a desenvolvedoras, consolidadas ou novatas, entregar ao público algo que realmente valha a pena. Talvez dispositivos em realidade aumentada contribuam (e deveriam) na experiência e recebam maiores incentivos para tanto. O que mais importa é: queremos nos divertir. E que mal há em nos arrepiarmos ou suarmos frio um pouco para que isso seja necessário?

Revisão: Farley Santos

Mineiro, apaixonado por livros, música, filmes, discussões, Magic: The Gathering e, claro, jogos eletrônicos.

Comentários

Google
Disqus
Facebook