Fallout 76 (Multi): A importância do Vault 76

Fallout 76 está diretamente ligado ao Vault 76 e vice-versa.



O universo de Fallout chama a atenção pela sua atmosfera pós-apocalíptica desde o seu primeiro lançamento. É bem verdade que as previsões catastróficas presentes em nossa cultura acabam por atrair um grande número de entusiastas e os resultados disso são grandes franquias cinematográficas, séries e games.


Claro que somente isso não constitui o atrativo aos players. Há muitos jogos de sucesso que se apoiam em um futurismo pessimista. Pode-se dizer que a somatória das mecânicas presentes, o estilo FPS tão em alta ultimamente e uma história envolvente são os responsáveis pelo sucesso dos games da Bethesda.

Assim, um dos grandes impulsionadores dos mais diversos acontecimentos dos jogos são os chamados Vaults. É por meio deles que a história começa e se desenvolver. Com Fallout 76 não foi diferente e o Vault 76 é o início da jornada de todos ali presentes. Para chegarmos no tão falado Vault é preciso entendermos um pouco da história do jogo e o que são essas coisas.

O que aconteceria se…

A grande pergunta a ser feita nas produções distópicas é “o que aconteceria se…”. E se os gregos não tivessem sido conquistados pelos romanos? E se o Brasil não tivesse sido colonizado pelos portugueses? E se Hitler tivesse vencido a guerra? Perguntas como essas podem gerar plots interessantes como, por exemplo, a série inspirada na obra de Philip K. Dick, The Man in the High Castle, que imagina a vitória dos nazistas e japoneses e, como consequência, os Estados Unidos é dividido em dois territórios: oriental e ocidental.





Com Fallout a pergunta “o que aconteceria se…” é feita sobre a Guerra Fria. Nesse contexto, o conflito entre União Soviética e Estados Unidos teve suas tensões aumentadas e uma bomba atômica atingiu os estadunidenses em 2077.

É um pouco antes desse acontecimento que entra em ação uma empresa chamada Vault-Tec, responsável por criar refúgios ou abrigos nucleares preparando os habitantes para o dia em que as bombas nucleares chegariam e destruiriam tudo. Nos Vaults, com uma tecnologia de ponta para a época, as pessoas estariam protegidas das explosões e possíveis radiações e, além disso, seriam informadas quando poderiam sair dos seus “casulos” e acessar a superfície.

Além de um local de proteção os Vaults funcionam como uma espécie de treinamento, a fim de preparar os seus integrantes para o novo mundo que viria. Seria preciso aprender a sobreviver e repovoar, mas esse não era o único objetivo da Vault-Tec . Uma outra atribuição da empresa que se dispôs a proteger os cidadãos era promover a cultura americana a partir dos valores conhecidos na década de 50.

American Way of Life

Você já deve ter visto esta expressão nos livros de história, certo? Caso se recorde do seu significado, o game retoma o termo e ele é executado a partir dos mesmos princípios originais com a diferença de estar em um contexto diferente e, claro, fictício.

O American Way of Life foi utilizado por muito tempo nos Estados Unidos para mostrar ao mundo como o jeito americano de viver era o melhor. Baseado nas premissas capitalistas de consumo a expressão, utilizada inicialmente por volta dos anos 30, retorna com força durante a Guerra Fria.





Não é preciso explicar que a propaganda se encaixa perfeitamente no game principalmente por afunilar ainda mais o conflito entre o país socialista com os capitalistas americanos. Entretanto, não pense que o jogo faz uma defesa do American Way of Life ou mesmo dos soviéticos. Por trás do embate entre duas potências reina a hipocrisia de uma empresa preocupada com seus negócios e pesquisas de caráter duvidoso.

O American Way of Life é, portanto, a principal ferramenta da Vault-Tec para docilizar os seus consumidores-sobreviventes em um mundo dominado por uma tecnologia retro futurista.

Vault-Tec e o domínio da tecnologia

Se na propaganda prevalece uma filosofia de exaltação dos padrões de vida americano, um segundo elemento ressalta o poderio dessa empresa: o domínio da tecnologia. E não se trata de uma tecnologia digital, movida por portáteis e computadores de última geração.





A Vault-Tec tem o controle de recursos de ponta do universo de Fallout e isso também dá o tom visual dos Vaults construídos. Imagine uma tecnologia que compreenda computadores, armas atômica e bioquímicas de última geração, mas com a grande diferença de funcionarem por meio de recursos como carvão ou manuseios analógicos.

Em outros termos, é como se o seu computador hoje operasse em uma tela de TV dos anos 50. Ela continua fazendo tudo o que está acostumado a fazer, com a diferença de que não há telas com brilho elevado e ícones e imagens coloridas. Além disso, seu teclado provavelmente pareça uma máquina de escrever.





Sabemos por meio do que foi apresentado, que a Vault-Tec é uma grande empresa que atua no ramo da segurança e que ofereceu refúgios de proteção localizados no subsolo e que são capazes de resistir a ataques nucleares. Ela domina as tecnologias retrofuturistas presentes no universo da franquia. Chegou a hora de conhecermos os Vaults, o principal produto da empresa.

Os Vaults e seus mistérios

Como foi dito acima os Vaults são abrigos nucleares e é preciso esclarecer que, embora o objetivo principal seja proteger os seus clientes, cada Vault possui finalidades específicas. A Vault-Tec criou seus refúgios selecionando determinados candidatos e alocando cada um deles Vaults espalhados pelo território americano.

Sendo assim, cada game da franquia se passa em um período diferente do pós-guerra, chegando a quase um século de diferença do dia em que as bombas atômicas atingiram os Estados Unidos. Além da diferença cronológica, cada período traz histórias que envolvem abrigos distintos e com histórias também distintas. Afinal, a empresa de segurança tinha dois tipos de Vaults, os chamados Vault de Controle e os Vaults de Experimentos.

Os abrigos voltados para experimentos possuem algumas histórias bizarras. No Vault 11, os habitantes deviam sacrificar em certos períodos um dos integrantes a fim de evitar a morte de todos. Após vários sacrifícios e conflitos, os dois últimos sobreviventes descobrem que tudo não passava de um teste e bastava que todos chegassem a um consenso e não eliminassem ninguém que tudo continuaria funcionando normalmente.





O Vault 77 ficou conhecido por ter um único residente. A Vault-Tec procurou saber o que aconteceria caso uma única pessoa ficasse confinada por muito tempo. O resultado foi o enlouquecimento por conta da solidão e do isolamento.





No Vault 106 as coisas foram mais radicais. Foram feitos diversos testes com drogas nos moradores. O local estava completamente sujo e destruído, os habitantes eram agressivos  por conta das alucinações provocadas pelas drogas disparadas nos dutos.





Os três Vaults são exemplos de experimentos realizados pela Vault-Tec e renderam histórias macabras para os fãs da série. Já o Vault 76 é conhecido por ser um Vault de Controle, diferente dos apresentados acima.

Um abrigo de verdade

O Vault 76 é um abrigo de controle, isto é, nele não há nenhum tipo de experimento e o seu objetivo é realmente preparar os refugiados para viverem no mundo pós-apocalíptico quando o clima da superfície estiver mais limpo e habitável.

O abrigo tem sua construção iniciada em fevereiro de 2065 e termina em outubro de 2069. Sua capacidade é para 500 pessoas, com duração de 240 meses. Seu sistema computacional é o Brainpower e as fontes de energia (primária e secundária) são: Light Life Geo-Thermal e General Atomics Nuclear Power.

O Vault 76 é aberto em 2102, isto é, 25 anos depois da guerra (sendo este o seu início no Fallout 76). E uma característica importante desse Vault é que, além de ser um Vault de Controle, ele é ocupado apenas por membros da elite escolhidos pelo governo americano e pela Vault-Tec.

Isso significa que seus integrantes compõem o alto escalão intelectual dos Estados Unidos sem passarem por experimentos como os outros Vaults. Eles são considerados os novos conquistadores e o seu início em campo, no ano de 2012, é chamado de “Dia da Retomada”.





Em outros termos, o Vault 76 reuniu os melhores dos melhores para cuidarem do futuro da civilização pós-guerra. Ele foi o primeiro abrigo aberto após o ataque nuclear, o que dá a esse Vault uma dupla importância, seja pelo seu pioneirismo ou pelo objetivo distinto dos demais.

Aparecimento em outros jogos da franquia

Sabemos que Fallout 76 tem sua história atrelada aos propósitos do Vault 76. Entretanto, essa não foi a primeira vez que vimos aparecer esse abrigo. Ele já era referenciado muito antes do último game da franquia ser lançado.

Em Fallout 3 e na DLC Mothership Zeta vemos aparecer algumas referências aos jogadores com relação ao Vault 76. Mas será em Fallout 4 que saberemos mais detalhes a seu respeito (como o ano de criação, capacidade e fontes de energia) por meio do  ncora.

Sobre este último, em um dos vídeos da Vault-Tec, o  ncora elogia a construção do Vault 76 em comemoração ao tricentenário dos Estados Unidos:

“Desde a construção do Vault 76 ano passado, em homenagem ao tricentenário dos EUA, a Vault-Tec continua a expandir para mais de 100 Vaults pelo país”  (Âncora)

Sem dúvida, o Vault 76 se caracterizou como um dos principais Vaults da franquia e, além disso, há alguns mistérios a serem revelados que apenas ao jogar Fallout 76 e seguirmos os caminhos da supervisora é que vamos descobrir alguns dos mistérios que ainda não estão esclarecidos sobre ele.

Revisão: Flávio A. Priori

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook