Hands-on

Adrift (Multi) - Uma aventura espacial sufocante

Durante a E3 2015, nossa equipe pode testar o jogo Adr1ft, para PlayStation 4 e Xbox One, onde descobrimos o espaço com a realidade virtual.


Ao entrar no enorme espaço onde ocorria a E3 2015, em Los Angeles, era possível perceber a importância que a realidade virtual teria no evento: dezenas de óculos e equipamentos estavam disponíveis para testes, criando enormes filas de pessoas curiosas e ansiosas para testar algo que promete revolucionar a maneira que jogamos. Em um pequeno quiosque estava Adr1ft, que foi anunciado no final de 2015 para PlayStation 4, PC e Xbox One, e colocaria o jogador em uma situação complicada.


Desenvolvido pela empresa threeonezero, o jogo é ambientado no espaço, em uma nave orbitando o planeta Terra. Em um vídeo publicado na internet, vemos a riqueza de detalhes e a enorme sensação de imensidão que ele tenta passar, e um objetivo complicado e muito comum na realidade: a sobrevivência. Claramente inspirado por filmes como Gravidade, algum problema ocorre e o jogador se vê solto de seus equipamentos, lutando contra a falta de oxigênio, tendo que coletar tubos com a substância antes de desmaiar. Sem saber ao certo como seria vivenciar isso com a realidade virtual, resolvemos testar e compartilhar a nossa experiência.

Sem ar 

Não sei se foi feito de maneira proposital, mas o equipamento do Oculus Rift utilizado pela equipe estava extremamente apertado. Mesmo após ajustar, fomos obrigados a respirar pela boca, enquanto nosso nariz era pressionado contra os visores. Já não é a primeira vez que isso ocorre, e é uma das preocupações recorrentes em relação à realidade virtual: seria ela confortável o suficiente para manter o jogador entretido por tantas horas seguidas?
A reação de todos ainda é a de surpresa. A realidade virtual realmente impressiona.

O jogo iniciou-se rapidamente, e com um controle de PlayStation 4 passamos a movimentar um astronauta em primeira pessoa. Os primeiros segundos, obviamente, são utilizados para que nos acostumemos com a imersão: o pouco peso do óculos na nossa cabeça aumenta a realidade, já que no jogo estamos com um enorme capacete. É possível ver diversos reflexos, e a profundidade é impressionante. Lembramos, então, que nosso oxigênio está acabando, e corremos para o lado de fora da nave.

A Terra acima de nós

A primeira reação ao sair da nave é a de espanto. Nunca havíamos visto o planeta Terra acima de nós, e sua imensidão é assustadora. Os controles são difíceis, pois tudo é muito devagar e interagir com objetos é extremamente trabalhoso — seguramos o botão quadrado até que o personagem vá até o objeto e o agarre. Infelizmente, a definição do acessório ainda não estava excelente, tornando difícil distinguir os objetos que estavam longe. Portanto, não sabíamos o que poderíamos pegar para voltar a respirar.
Mesmo sabendo que a morte é iminente, passamos bastante tempo observando o belo cenário ao redor.

Com a tela começando a escurecer, finalmente ouvimos algum som (já que no espaço tudo é enormemente silencioso): nosso personagem está sem ar. O batimento cardíaco começa a acelerar e tentamos nos mover em direção a um pequeno centro espacial, onde deveria haver algo para nos ajudar. No caminho, vemos pequenas partículas flutuando no vácuo, e cabos por todos os lados. Algo muito ruim ocorreu por ali!

Infelizmente, nossa aventura acaba antes de chegarmos onde gostaríamos: o oxigênio acaba e nosso personagem desmaia. Após ter o equipamento retirado do nosso rosto (e voltar a respirar pelo nariz), sentimos que alguns jogos são feitos somente para a realidade virtual — e este é um deles. A imersão e realidade são o suficiente para agradar todos os fãs de ficção científica, e aparentemente diversas situações serão trazidas, e que jamais poderiam fazer parte da nossa realidade.
Uma das sensações mais interessantes é a de olhar para baixo e ver outro corpo. É indescritível!

Ficamos no aguardo de novidades, e torcemos para que, no futuro, possamos encontrar mais conteúdo de qualidade como esse para a realidade virtual. Mesmo que ainda seja apenas uma demonstração, é inegável que haja muito potencial para a área. O lançamento do jogo está previsto para setembro de 2015 e será jogável, também, em monitores comuns.

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google