E3 1996 e a vez da Nintendo na segunda edição do evento

Continuamos nossa viagem pela história da E3 relembrando consoles e jogos memoráveis que foram apresentados na feira.

Na semana passada, iniciamos uma série de matérias sobre a E3 aqui no GameBlast. A ideia é relembrar todas as edições desde a sua estreia, em 1995. Se, na primeira edição, Nintendo, Sony e SEGA mostraram grandes jogos, na E3 1996 foi a vez do histórico Nintendo 64 dar as caras ao lado de Super Mario 64. A Big N acabou roubando as atenções do evento, mas se engana quem acha que as outras empresas ficaram paradas: tanto a Sony quanto a Sega trouxeram novos mascotes para a feira. E ainda tinha um certo sétimo título de uma franquia de peso.

A hora e a vez do Nintendo 64

O palco da E3 foi novamente o Los Angeles Convention Center, dos dias 16 a 18 de maio. O grande astro da feira naquele ano foi o Nintendo 64, que antes era chamado de Ultra 64, e ainda antes era conhecido como Project Reality. Com um grande estande atraindo os olhares ao almejado novo console, a empresa ainda apresentou um dos mais importantes jogos de todos os tempos: Super Mario 64.

Além de mostrar o jogo (em um cartucho muito maior do que seria lançado) em uma conferência, existia uma versão beta para ser testada na feira. O jogo deixou jornalistas e fãs impressionados, e não era para menos, já que estamos falando do título que representou a mudança do mundo 2D para o 3D completo sem perder a qualidade.

Mas nem só de Mario se vive, e a Nintendo trouxe outros bons títulos para a E3: Pilotwings 64, Wave Race 64 e Star Wars: Shadows of the Empire e, vejam só vocês, um título ainda desconhecido sobre o filme Goldeneye 007. Se a menina dos olhos da empresa e da feira foi o N64, o lendário e inesquecível Super Nintendo ainda tinha jogos importantes aparecendo.

Ainda estavam lá games da estirpe de Donkey Kong Country 3, Kirby Super Star e Super Mario RPG. Este último produzido pela, então, Squaresoft, empresa que daria o que falar na E3 1996. Além dos jogos, a Nintendo não poupou custos e trouxe uma equipe do Cirque du Soleil para a festa pré-E3.

A E3 dos novos “mascotes”

Se todos estavam alvoroçados com a Nintendo e suas novidades, as concorrentes não podiam ficar atrás. A SEGA continuava apostando em seu Saturn, e apresentou o seu mais novo pretendente a mascote, Nights. O jogo em questão era NiGHTS Into Dreams. Desenvolvido pela Sonic Team, o título acabaria se tornando um clássico cult. Outro game a ser apresentado foi Panzer Dragoon II.
Nights e Sonic X-Treme na área da SEGA.
A empresa também apresentou um periférico que faria o Saturn poder se conectar à “rede mundial de computadores”. Com certeza, tal protótipo acabou sendo aproveitado na produção do Dreamcast.

Mas a SEGA não trouxe nada do Sonic para a feira? Trouxe sim. O instigante Sonic X-treme, título que nunca chegou a ser lançado, mas que na época representava os esforços da empresa em trazer uma nova aventura de seu maior mascote. O jogo, mais recentemente, serviu de inspiração para Sonic and Lost World.

E, falando em mascotes, a Sony também trouxe um: Crash Bandicoot. O primeiro título da importante franquia do PlayStation chegava para competir com Mario, Sonic e Nights. Naqueles tempos, a produtora do game era a Naughty Dog (essa mesmo que faz você suspirar pelo próximo Uncharted e, quem sabe, The Last of Us).
Muito Crash Bandicoot no estande da Sony.
Além de jogos como Ridge Racer, Tekken, e Wipeout, o console da Sony ainda foi agraciado com a presença de Final Fantasy VII. Um belo trailer do título foi apresentando aumentando ainda mais a expectativa dos fãs com a importante franquia que migrava dos consoles Nintendo para o PlayStation.

A tacada de mestre da empresa, entretanto, foi anunciar o corte de preço do console. Passando a custar 199 dólares, o PS acabou ofuscando o Saturn e dificultando a vida do ainda não lançado Nintendo 64, que também anunciariam, em poucos dias, um corte de preço. Desde aquela época, o valor dos videogames era uma das coisa das mais importantes, e podia decidir o rumo da “guerra dos consoles”

E no mundo dos computadores?

Ainda estávamos há alguns anos da entrada da Microsoft no mercado de consoles com o Xbox, mas a empresa esteve presenta na E3 para divulgar sua nova iniciativa em jogos, tudo para mostrar que o Windows podia ser uma plataforma melhor que o saudoso DOS para se jogar.

Nesse sentido, a própria Microsoft trouxe alguns jogos. Close Combat, um jogo de simulação da Segunda Guerra Mundial, e os shooters Hell Bender e Deadly Tide. Ainda para PCs, um importante game era apresentado em uma versão muito incial: StarCraft.
O jogo que fez os fãs de Warcraft sonharem alto!
A E3 1996 ainda foi o palco da apresentação da primeira Unreal Engine, uma linhagem engines muito importante até hoje, que chegou em sua quarta versão recentemente.

A consolidação do evento

Com cerca de 500 desenvolvedoras e publishers apresentando mais de 1500 produtos, a segunda edição da E3 já estava ficando bem grande. Palco de grandes anúncios, consoles e jogos, o evento já era considerado o mais importante do país.
Plano da E3 1996.
Não deixe de acompanhar, semana que vem, nossa matéria sobre a E3 1997, evento ainda maior que o anterior e que ocorreu não mais em Los Angeles, mas sim na cidade de Atlanta. Tantas outros anúncios e jogos fariam a alegria dos jogadores no terceiro ano de E3.
Grandes títulos foram apresentados na E3 de 1996. Não deixe de nos contar sobre sua experiência com eles e se você teve um Nintendo 64, um PlayStation ou mesmo um Saturn.
Revisão: Jaime Ninice
Capa: Victor Pereira

Confiram os artigos sobre as E3 anteriores:

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google