eFootball 2022 (Multi): versão 1.0 desconta o placar da goleada, mas é preciso mexer mais no time para buscar a virada

Atualização transformou uma quase demonstração em um quase bom jogo.


Lançado em setembro de 2021, eFootball 2022 foi um dos maiores desastres recentes da indústria dos videogames. Com problemas demais e qualidades de menos, o título mais recente da tradicional franquia de futebol da Konami amargou notas ruins e muitas críticas. Mais de meio ano depois, uma grande atualização para a versão 1.0 chegou ao game para melhorar as coisas. Vamos conferir nesta matéria especial quais são as principais novidades e se foram suficientes para mudar o ritmo da partida.

Camisa pesada, estreia frustrada

Antes de abordar a atualização, vale uma rápida retrospectiva do estado da franquia eFootball. Na realidade, até o título anterior ela era chamada de “Pro Evolution Soccer”, ou simplesmente PES. O novo nome “eFootball” surgiu em 2019, retornou em 2020 e ganhou todo o destaque em 2021. Aliás, o game mais recente da série chegou com grandes responsabilidades.
Até o subtítulo do game remetia ao seu propósito de "atualização"
Inclusive, eFootball 2022 precisou de tanto tempo e recursos para ser uma revolução na franquia, que eFootball PES 2021 Season Update (Multi) foi lançado oficialmente como uma mera versão atualizada do seu antecessor. Tudo para que o novo motor gráfico e a proposta free-to-play de eFootball 2022 fosse bem sucedida, com direito a cross-platform e versões para todos os consoles das gerações atual e anterior, PC e até dispositivos móveis.
 
Infelizmente, o game ficou muito aquém do esperado em praticamente todos os aspectos. Os visuais são inferiores aos títulos anteriores, temos uma presença constante de bugs, a jogabilidade é capenga e há pouca quantidade de conteúdo. Até mesmo as versões para Android e iOS foram adiadas e ainda não têm data prevista para o lançamento.
Várias "novidades", mas são poucas as realmente importantes
Desde então, diversas pequenas atualizações chegaram para remediar a situação, mas nenhuma delas chegou perto da versão 1.0, lançada no dia 14/04/2022 (aliás, se pararmos para pensar, lançar um game que não estava nem na versão 1.0 tinha grandes chances de dar errado). O site oficial apresenta uma extensa lista de novidades e modificações na chamada Season 1 (ou Temporada 1), mas o que elas realmente significam na prática? É o que vamos detalhar agora.

Mexe certo quem escalou errado

Uma das maiores críticas sofridas por eFootball 2022 foi a performance técnica. Em particular, bugs visuais, carregamentos “infinitos” e fechamentos inesperados foram os piores. A versão 1.0 teve sucesso em eliminar esses aspectos de maneira geral, com um funcionamento mais estável e conexões mais robustas. Digo isso não só pelo ponto de vista pessoal, mas também ao pesquisar online a recepção dos demais jogadores.
 
Quedas de conexão e loadings longos ainda existem, só que agora de forma bem eventual. Outro ponto  melhorado é a jogabilidade. Os excessivos erros de passe e os domínios de bola deficientes foram corrigidos, resultando em movimentos mais responsivos e precisos. Infelizmente, esse retrabalho tornou tabelas, alguns lançamentos e jogadas de área muitas vezes fáceis demais.
Carrinhos na bola são sistematicamente considerados faltas
Ainda assim, a mudança é positiva e tornou as partidas mais dinâmicas e divertidas. A defesa agora conta a marcação por pressão, inclusive com a possibilidade de chamar mais um jogador para ajudar. Carrinhos, entretanto, quase sempre resultam em falta, muitas das vezes punidas com cartão. A atuação da arbitragem precisa melhorar, pois por vezes choques mais fortes (mas sem carrinho) não dão em nada. Os chutes também foram aprimorados, contando com uma variação maior de opções para serem executados.

É preciso trabalhar mais

Preciso destacar que eFootball 2022 continua com uma produção pobre. Ele não é um jogo feio, pelo contrário: vários jogadores são razoavelmente fidedignos, os uniformes são muito bonitos e os estádios bem construídos. A questão é que ele é inferior ao seu predecessor em quase todos os aspectos, algo que beira a incoerência ao lançar um novo título.
Isso provavelmente se deve à mudança no motor gráfico da franquia, mas qualquer explicação é inútil dado o resultado final modestíssimo. Na realidade, elementos como textura dos gramados, torcedores na arquibancada e algumas animações estão bem piores do que antes. Ser gratuito não justifica esses problemas, e a versão 1.0 não contribuiu nesse sentido.
 
A atualização disponibilizou as ligas japonesa e norte-americana, licenciou novos jogadores e trouxe novos uniformes oficiais. Por outro lado, ainda temos um número (bem) limitado de opções para escolher em partidas diretas: somente nove (9). As seleções da Argentina e de Portugal, presentes na partida de abertura, continuam inexplicavelmente não acessíveis no restante do game.
As equipes francesas da Ligue 1 só podem ser acessadas via evento
A única forma de jogar com outras equipes é por meio dos eventos especiais, limitados a partidas online contra a IA ou outros jogadores. Mais uma crítica é a ausência de disputas online com os amigos, sendo o modo local (offline) a única opção disponível para isso. Aliás, a persistente falta geral de opções para jogar e conteúdo, mesmo após a versão 1.0, merece uma seção especial da matéria.

Plantel reduzido

Modo clássico e icônico da franquia, a famosa Master League ainda está ausente em eFootball 2022. Na realidade, as únicas opções de jogo são os modos Authentic Team e Dream Team: enquanto o primeiro guarda os eventos especiais e as partidas locais (com elencos e clubes fidedignos), o segundo é uma espécie de Ultimate Team, o famoso modo FUT da franquia FIFA. Infelizmente, a Konami não conseguiu adaptar o maior destaque do jogo de futebol eletrônico da EA.
Obter um novo jogador é sempre divertido
O custo dos atletas é razoavelmente alto e exige um investimento de tempo razoável. É possível melhorá-los, mas não espere mudar de patamar só com isso. Faltam partidas especiais, mercado de negociações, sistemas de desafios, enfim, opções para obter mais recursos e, principalmente, jogadores interessantes. É louvável não focar excessivamente em mecânicas pay-to-win (estou olhando pra ti, FIFA), mas só isso não basta.
Os melhores jogadores, como esperado, estão "escondidos" pelas famigeradas microtransações
Apesar dos anúncios de cross-play, da já citada versão mobile, do passe de partida (uma espécie de passe de temporada, que rende recursos conforme são completados desafios), entre tantas outras atrações, eFootball 2022 não tem previsões para elas. Esse silêncio e aparente falta de planejamento pós-versão 1.0 são frustrantes e só prejudicam potenciais novos jogadores ou os fãs fiéis que ainda continuam jogando.

Placar “empatado”: e a vitória?

Considerando que agora (finalmente) temos a versão 1.0, ou seja, a versão básica do jogo e a base para melhorias e atualizações posteriores, podemos tirar algumas conclusões. Apesar de decepcionante, o motor gráfico não deve mudar e, portanto, os visuais continuarão medianos. Já a quantidade de conteúdo, mesmo após críticas pesadas, deverá continuar minguada com poucos clubes e opções de jogo, sobretudo devido ao formato free-to-play.
 
A jogabilidade deve ser ainda mais aprimorada com os próximos updates, mas é difícil prever se será suficiente para bater de frente com a consolidada série FIFA (que coincidentemente – ou não – chegou na PS Plus neste mês) e o promissor UFL. Seja como for, hoje eFootball 2022 pode ser considerado um game decente, praticamente “bom” se o jogador gostar de futebol eletrônico. É como se o placar negativo do lançamento tivesse sido descontado, podendo até ser considerado como um empate.
O chamado "Chute Fenomenal" é um exemplo de bom caminho
Se eu tivesse que revisar a minha nota 5.0 para o game, ela agora seria 5.5, deixando a ressalva que somente modificações profundas poderão levar a uma avaliação futura melhor. A perspectiva para isso não é positiva, mas o mundo dos videogames, assim como o futebol, é uma caixinha de surpresas, não é mesmo? Mesmo sem muitas esperanças, fico na torcida por essa franquia tão querida para uma multidão de fãs que vem desde os tempos do Winning Eleven e do PES.

Revisão: Thais Santos

é produtor de conteúdo sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: KH, Borderlands, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google