Jogamos

Análise: Overcooked 2 (Multi) traz, mais uma vez, incríveis mecânicas e trabalho em equipe

A continuação de um dos melhores multiplayers locais dos últimos anos traz mais receitas, mais variedade e o mesmo caos divertido.

Overcooked foi lançado em 2016 pela Ghost Town Games e recebeu inúmeros prêmios, principalmente pelo seu multiplayer estupendo. Agora, em parceria com o Team 17, a Ghost Town retorna com Overcooked 2 (Multi) para repetir o feito de trazer um multiplayer digno que traduza todo o caos e a pressão que o ambiente gastronômico pode ter, de forma exagerada, cômica e, principalmente, muito divertida.


Jogos focados em multiplayer não são tão incomuns, principalmente quando pensamos em desenvolvedoras independentes: No Heroes Here (Multi), Runbow (Multi) e Super Dungeon Bros (Multi) são alguns exemplos dignos de serem citados. Mesmo que a falta de foco no jogador individual continue sendo um problema, a experiência multijogador compensa bastante nesses títulos. É exatamente nessa lógica que Overcooked 2 segue.


Salvando o mundo dos pães zumbis

Em uma premissa que lembra um pouco o primeiro jogo, aqui já somos exímios cozinheiros que, afinal, salvaram o mundo de um monstro gigante de espaguete com almôndegas. Porém, por motivos sombrios, uma horda de pães zumbis levantou dos cemitérios e precisa ser alimentada o quanto antes, para evitar mais um apocalipse. Assim, o Rei Cebola convoca novamente os heroicos cozinheiros para impedir o fim do mundo.

Claro que não vamos direto ao ponto, como de costume. Isso porque a fome dos pães zumbis é surreal e, para dar conta de cozinhar para estes monstrengos, o Rei Cebola envia seus cozinheiros em uma jornada por terras distantes para treinar ainda mais suas capacidades gastronômicas, a fim de evitar a destruição. Sim, essa é a premissa que nos faz começar nossa jornada pelas diversas fases e mundos de Overcooked 2.



Mesmo que pareça forçado, esse é realmente o tom de humor do jogo. Simples, forçado e bastante cômico, ninguém joga Overcooked pela sua história, mas sim pelas suas incríveis mecânicas que combinam simplicidade e agilidade. Aqui o enredo cabe muito bem, com um tom que remete  ao primeiro jogo mas sem repetições preguiçosas, com o mesmo humor característico e muitos diálogos hilários.

Novas receitas e desafios criativos

Falando de mecânicas, vamos falar daquelas que são a espinha dorsal de todo o jogo: as receitas. Comparado ao primeiro game, agora temos muito mais receitas para serem feitas, com combinações mais diversificadas. São vários tipos de macarrão, sushi, sashimi, saladas, pizzas e tantos outros pratos que vão surgindo num ritmo muito bom ao longo da jornada. Muitos desses pratos começam a ser combinados em fases adiante, fazendo uma verdadeira bagunça na cozinha.



Claro que a exigência de tempo continua, o que torna o ritmo do jogo caótico aos poucos. Se no início começamos dominando facilmente as cozinhas pelas quais passamos, ao avançarmos cada vez mais pelas fases, esse domínio vai evaporando, tornando tudo muito corrido e complexo.

Para completar, o design das fases recebeu uma repaginada muito boa. Além dos desafios já conhecidos do primeiro jogo, como mesas que mudam de lugar e partes da cozinha móveis, agora temos esteiras que mudam de direção, portais mágicos que ligam e desligam ao longo da jogatina e até fases que possuem transição entre ambientes. Tudo para deixar as partidas ainda mais dinâmicas e animadas.


Melhorias nas mecânicas de jogo

Além dos novos cenários e receitas, Overcooked 2 recebeu também algumas modificações em sua jogabilidade. Alguns detalhes que acabam por influenciar bastante a jogatina, tornando-a mais orgânica e divertida. Coisas simples como a possibilidade de arremessar alimentos para o parceiro e agarrá-los no ar são o tipo de mecânica perfeita para esse jogo.

Isso porque, ao mesmo tempo que ajuda bastante e permite que os jogadores bem treinados tenham uma melhoria em sua produção, coordenando perfeitamente suas funções na cozinha, também serve como um distrator quando a mecânica não é dominada perfeitamente. Assim, ao invés de simplesmente colocar um ingrediente na panela, você pode acabar arremessando-o longe no desespero, o que acaba gerando várias gargalhadas.



Infelizmente, nem tudo são flores nas mecânicas, pois alguns pontos precisam ser melhorados com futuras atualizações. Entre eles, o principal e que mais atrapalha a experiência de jogo é o contato do avatar com as tábuas e bancadas. Muitas vezes esse sensor fica sensível demais e por milímetros acabamos pegando um item errado ou deixando a panela no campo imediatamente ao lado do fogão, o que pode causar algumas frustrações.

Felizmente, a equipe da Team 17 entrou em contato dizendo que a maior parte desses bugs já foi identificada pela desenvolvedora e eles serão corrigidos muito em breve. Então tenha em mente que são problemas temporários que não atrapalham tanto assim a experiência de jogo.


Multiplayer hilário, mas precisa de conversa

Os modos multijogador sempre foram a melhor parte de Overcooked e isso se repete nessa continuação. Jogar em modo cooperativo com até quatro jogadores em modo local ou online é, sem dúvidas, a melhor experiência possível. O mais interessante é que, independente do número de jogadores (dois, três ou quatro), a experiência é sempre muito caótica e engraçada, o que torna Overcooked 2 um excelente jogo para os amigos.

Porém, com exceção do hilário modo versus (no qual é possível até sabotar a cozinha do adversário roubando panelas e pratos prontos), a comunicação é essencial em Overcooked 2. Por isso, tenha em mente que se for jogar online com algum amigo, é praticamente imperativo que você esteja em um chat de voz com ele para poder berrar em seu ouvido quando uma panela estiver prestes a queimar ou quando você precisar de algo que está do lado oposto na cozinha.



Logicamente, no modo local isso funciona muito melhor. Overcooked sempre foi um jogo com multiplayer ao estilo “anos 1990”, com os jogadores juntos no sofá trocando cotoveladas e berrando o que precisa ser feito. Parte disso acaba se perdendo no modo online, porém é inevitável. Felizmente esse modo funciona com imensa excelência de precisão, sem travas ou delays, deixando a experiência tão orgânica quanto a presencial, mesmo que sem o seu coleguinha do lado para berrar.

Ainda sem um modo single player digno

Aqui temos o “calcanhar de Aquiles” de praticamente todos os games focados em um multiplayer divertido: a falta de atenção para o modo solo de jogatina. Existe sim o modo para um jogador em Overcooked, e ele funciona basicamente com dois cozinheiros sendo controlados alternadamente pelo mesmo jogador. O modo funciona bem, mas nem de longe é tão divertido como o versus, que segue a mesma lógica, mas com dois jogadores disputando quem entrega mais pratos.



Talvez se o modo single player tivesse uma campanha própria, com fases com dificuldades e desafios pensados para um único jogador, ele ficaria melhor. Além disso, não seria nada que tirasse todo o brilho que o modo multijogador possui. Bom, ainda não foi desta vez, então ficamos na esperança para um possível “Overcooked 3”.

Caos, correria, estresse e muita diversão

Mesmo com alguns probleminhas que precisavam ser citados, Overcooked 2 é uma das melhores experiências multijogador dos últimos tempos. O jogo traz toda a criatividade do primeiro título, mas sem repetições desnecessárias, esbanjando assim muita criatividade, inovação e variedade.



Jogar Overcooked 2, assim como jogar o primeiro game, é ter uma experiência hilária que mistura estresse, ansiedade, organização, risadas, confusão e desespero. Por mais incrível que essa combinação possa parecer, o resultado é uma diversão única que poucos games dão hoje em dia. Porém, fica a dica: tenha sempre pessoas com quem jogar, pois, além da experiência solo não ser tão boa, jogar Overcooked em equipe é uma vivência muito mais completa e divertida nas cozinhas inusitadas que o jogo nos apresenta.

Prós

  • Novas receitas aumentam a dinamicidade de fases;
  • Extensa quantidade de missões no modo história;
  • Modos multiplayer muito divertidos;
  • Curva de desafio muito bem construída;
  • Mecânica de arremesso de itens foi um ótimo acréscimo;
  • Modo arcade e versus aumentam a longevidade do título.

Contras

  • Alguns bugs de contato com bancadas;
  • Jogar sozinho ainda não é interessante, nem mesmo para treinar.
Overcooked 2 — PC/PS4/XBO/Switch — Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4

Revisão: Vitor Tibério
Análise produzida com cópia digital cedida pela Team 17
Gilson Peres é Psicólogo e Mestrando em Comunicação pela UFJF. Está no Blast desde 2014, onde é Redator e Diretor. Começou sua vida gamer bem cedo no NES e hoje divide seu tempo entre games antigos e novos. Pode ser visto por aqui sempre escrevendo algum texto polêmico, instrutivo ou nostálgico. Geralmente é visto em alguma discussão no Facebook ou no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook