Blast from the Past

Metal Slug (Multi) completa 25 anos repletos de muita destruição e diversão

Vamos relembrar um pouco sobre o título de sucesso que garantiu o começo da franquia.


Surgida nos arcades e popularizada nos consoles, a pérola Metal Slug (Multi) é um verdadeiro clássico do gênero run and gun. Com o sucesso da sua estreia, tivemos várias sequências e spin-offs que formaram uma enorme série de jogos. Neste mês de aniversário, vamos recordar sobre o primeiro título, suas qualidades e os seus principais sucessores. Pegue o cantil, equipe as granadas e não se esqueça das chaves do SV-001, pois vamos começar!

Começo nos arcades, sucesso no geral

Metal Slug foi lançado em abril de 1996 para os bons e velhos fliperamas, posteriormente com versões para os consoles da época chegaram nos meses seguintes. Também conhecido como Metal Slug: Super Vehicle-001, os belos visuais cartunescos, a ação frenética e a dificuldade exigente, mas justa, tornaram o game um verdadeiro sucesso.
Um dos gabinetes clássicos do jogo
Vale lembrar que os videogames da época tinham um hardware inferior ao dos arcades, o que normalmente levava a adaptações com algumas limitações. No caso de Metal Slug, elas incluíram queda na taxa de quadros e telas de carregamento demoradas. Mesmo assim, era possível curtir todo o caos e o humor que ele tinha a oferecer.
 
Falando em versões, é legal ressaltar que Metal Slug foi lançado para uma série de consoles diferentes. Depois dos arcades, tivemos os Neo Geo AES e CD, o Sega Saturn e o PlayStation. O jogo também foi portado para vários outros videogames, incluindo as gerações mais recentes, por via de emuladores oficiais e coletâneas (mais sobre elas no final da matéria), além de receber várias continuações e spin-offs.
A capa original do game para Neo Geo
O primeiro game da franquia teve como foco o Peregrine Falcon Squad, um pequeno grupo de soldados altamente habilidosos, cujo propósito é cumprir missões especiais. Nesse caso, temos a tentativa de golpe do General Donald Morden, vilão mais clássico da série, que busca criar uma nova ordem mundial usando seu numeroso exército e suas temíveis máquinas de guerra.

Um legítimo run and gun

Metal Slug tem um lugar especial no meu coração gamer, pois ele era um dos poucos jogos que eu tinha disponível quando adquiri um PlayStation. Graças ao modo cooperativo, eu e meu irmão pudemos lutar lado a lado contra as (quase) infinitas hordas de inimigos e suas várias artimanhas. Essa diversão do game, em grande parte, vem da sua simplicidade.
Cada partida é repleta de tiroteios caóticos e divertidos
O objetivo das seis fases da campanha principal, que é basicamente todo o game, é chegar ao final de cada nível, em que um poderoso chefe está à espera. No caminho, é preciso passar por algumas seções de plataforma e derrotar uma grande quantidade de vilões, incluindo alguns subchefes bem interessantes. Inicialmente, o jogador tem à disposição uma pistola, uma faca e granadas.
 
Embora a tarefa seja simples e objetiva, ela exige habilidade e bons reflexos. Se por um lado o major Marco Rossi e o capitão Tarma Roving não sofrem dano por encostar nos inimigos, por outro temos uma grande quantidade de disparos e explosões por todos os lados. Basta um acerto para perder a vida e precisar usar um dos valiosos créditos, lembrando que o game é original dos arcades.
As armas especiais são um dos destaques do game
Apesar da dificuldade bem exigente, a jogabilidade e as mecânicas são sólidas e justas, deixando na mão dos jogadores a tarefa de vencer. Além disso, Metal Slug oferece vários power-ups valiosos, sobretudo na forma de armas poderosas. Obtidas em caixas com a primeira letra da respectiva munição, elas incluem a Heavy Machine Gun (metralhadora), o Rocket Launcher (lançador de foguetes) e a Shotgun (escopeta, a popular “12”).
Salve os prisioneiros de guerra para ganhar pontos e bônus
Para obter esses recursos, além de outros itens como granadas e objetos engraçados que garantem pontos extras, é essencial salvar os prisoners of war, conhecidos como POWs. Esses prisioneiros de guerra, além de conceder aumento na pontuação, podem ofertar itens valiosos para os jogadores. Vale a pena tentar salvar todos, pois cada recurso é útil para conseguir vencer as fases.

Produção humorada e bonita

Outro recurso vital do game são os Super Vehicles, também chamados de Slugs. Essas máquinas garantem duas vantagens importantes: a capacidade de receber dano dos inimigos sem morrer instantaneamente e um maior poder de fogo. O veículo mais famoso é o SV-001, comumente visto em artes envolvendo os games da série, sendo até mesmo utilizado em títulos mais novos em meio a outras opções mais “modernas”.
Utilizar os veículos torna as partidas ainda mais divertidas
O destaque deles, e das demais máquinas, no entanto, fica nos visuais. O design de cada um é sempre um misto de alta tecnologia e uma certa antiguidade, como se aparelhos modernos fossem montados a partir de peças brutas. Na verdade, é melhor dizer que o visual é uma qualidade geral de Metal Slug, pois o estilo cartunesco bonito e cheio de charme também aparece nos inimigos, heróis e cenários.
Belos efeitos especiais com arte que parece feita à mão
Aliás, esses últimos são ótimos, incluindo localidades como florestas, cidades destruídas, montanhas nevadas e bases militares, todas com elementos destrutíveis. Se a produtora e publicadora SNK, responsável pelo primeiro título e boa parte das suas sequências, fez um trabalho particularmente marcante no quesito visual, o mesmo pode ser dito no tom dos jogos. O bom humor permeia toda a série, seja com gritos engraçados ou palhaçadas dos inimigos.
Os personagens de Metal Slug são carismáticos e cheios de charme
Isso, entretanto, não tornou o game casual ou infantilizado. Os tiroteios repletos de ação, com batalhas que muitas vezes beiram o caos, e a trilha sonora emocionante tornam a experiência equilibrada e envolvente. Somando-se a dificuldade afiada, como nas batalhas contra o subchefe Allen O'Neil, e a ótima jogabilidade, e temos um verdadeiro clássico do gênero run and gun, que influenciou jogos como Cuphead (Multi) e Bite the Bullet (Multi).

O início de uma longa franquia

Assim como temos o aniversário de Metal Slug, também podemos comemorar o surgimento da série como um todo. Afinal, no ano de 1996 tivemos o começo dessa longa aventura repleta de humor e ação que rende títulos até os dias atuais. Por exemplo, temos Metal Slug Code: J (Mobile), que deve chegar ainda em 2021 e já tem divulgado um trailer com o seu gameplay.
As artes promocionais são sempre muito legais
Lançado dois anos depois, Metal Slug 2 (Multi) seguiu a fórmula mais segura para uma continuação: manter o que é ótimo, melhorar o que é bom e consertar o que ficou devendo. Tivemos a adição das personagens sargenta Eri Kasamoto e sargenta de primeira classe Fiolina Germi, recursos inéditos como a arma laser, e diversos novos POWs. Os inimigos agora incluem alienígenas, em uma reviravolta em que heróis e vilões se unem para derrotar os extraterrestres.
A adição de novos personagens, como a Eri Kasamoto, trouxe um novo frescor a série
O título mais recente da série principal foi Metal Slug 7, lançado em 2008 como um exclusivo para o Nintendo DS. A maior novidade do game veio graças à estrutura do portátil: com a tela superior mostrando a ação, a inferior foi usada como um mapa contendo detalhes como a localização de power-ups e POWs. Um modo de treinamento com missões especiais foi outra adição interessante.
O jogo manteve boa parte da pegada original com algumas novidades pontuais
A franquia também teve spin-offs, como o já citado Code: J, Metal Slug Advance (GBA) e Metal Slug Defense (Mobile/PC). Finalmente, algumas compilações e remakes foram produzidos, incluindo Metal Slug X (Multi), nova versão do segundo título, e Metal Slug Anthology (Multi), que reúne seis títulos diferentes. A popularidade da série também se estendeu a easter eggs e participações especiais em vários outros games ao longo dos anos.

Mission Complete!

Aniversariante ilustre de maio, Metal Slug merece ser lembrado por duas razões importantes. Em primeiro lugar, pela sua qualidade, sendo um jogo viciante, bonito e desafiador, perfeito para curtir ao lado de um amigo. Em segundo, temos a sua importância para começar uma nova e rica franquia, repleta de bons títulos espalhados por vários consoles. Vamos torcer para que a SNK mantenha viva a tradição da série e continue trazendo novas aventuras repletas de caos e diversão.
Um verdadeiro clássico do gênero run and gun
Revisão: Davi Sousa

é produtor de conteúdo sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google