Jogamos

Análise: Heavy Metal Machines (Multi) combina rock, futebol e combate em um divertido MOBA de carros

A mistura de elementos é original e oferece partidas legais e repletas de ação.


Embora a sua febre não esteja mais no ápice, o gênero multiplayer online battle arena, ou MOBA, continua a apresentar uma significativa base de jogadores. As partidas são repletas de tensão, estratégia e habilidade, alguns dos fatores-chave para qualquer jogo interessante. Heavy Metal Machines (Multi) é um dos mais novos concorrentes no mercado e conta com várias dessas qualidades importantes. Pegue seu capacete e monte sua equipe, pois a análise vai começar!

Se destacar é preciso

A popularidade de jogos do tipo MOBA é digna de respeito na indústria. Títulos como Dota 2 (PC), Smite (Multi) e League of Legends (PC) conquistaram verdadeiras legiões de fãs e jogadores. O último game, aliás, continua como um dos mais famosos, contando até com um campeonato brasileiro, o CBLoL. Ele proporciona premiações em dinheiro e apresenta equipes famosas como KaBuM! e paiN Gaming.
LoL é um sinônimo de sucesso na indústria
Logo, devido a esses verdadeiros gigantes do gênero, novos títulos precisam trazer qualidades e inovações suficientes para alcançar o sucesso. Lançado originalmente para computadores em 2018, Heavy Metal Machines chegou em fevereiro de 2021 para os PlayStation 4 e 5 e os Xbox One e Series X. Basta olhar para o game que é possível notar a clara proposta inovadora, com vários elementos originais.
 
Ele é uma curiosa mistura dos jogos Rock n’ Roll Racing (Multi), Rocket League (Multi) e Twisted Metal (Multi). Do primeiro, ele pega emprestado a pegada roqueira e o sistema de controle dos carros; do segundo, temos a presença de uma espécie de futebol eletrônico; do terceiro, temos um elenco repleto de personagens e seus carros, todos com habilidades incríveis.
Muita ação e caos em partidas muito divertidas
Heavy Metal Machines, ou HMM para encurtar, foi produzido pela Hoplon, uma produtora e publicadora brasileira fundada em 2004, sediada em Santa Catarina. É sempre uma satisfação experimentar títulos made in Brazil, sobretudo os que possuem boa produção e oferecem muita diversão. Além disso, vale frisar que o game é gratuito e as compras valem somente para cosméticos; ou seja, nada da famigerada política de pay-to-win.

Uma mistura improvável que deu certo

Num primeiro momento, os elementos dos jogos citados anteriormente poderiam parecer incompatíveis. Confesso que, em teoria, eu fiquei cético quanto ao funcionamento de HMM; porém, conforme as partidas eram disputadas, ficou claro que o título, na prática, é divertido, cheio de ação e bem construído.
Atirar, chutar e dirigir: tudo numa só partida
Além dos jogos citados anteriormente, HMM também é inspirado por League of Legends. A jogabilidade e as tomadas de câmera são semelhantes, assim como outros pequenos detalhes. Essa mistura inusitada, no entanto, não é uma mera junção de coisas copiadas de outros games: o produto brasileiro tem alma própria e oferece desafios como nenhum outro.
 
A ideia das partidas é a seguinte: dois times de quatro jogadores precisam marcar um gol, levando a Bomba (uma espécie de bola) pelo cenário até a “goleira” adversária. Enquanto uma equipe leva a pelota por um caminho específico, a outra precisa impedir o avanço e roubá-la para também poder marcar pontos. Os mapas consistem em uma grande área e dois trechos que parecem pistas de corridas, um para cada quarteto. Armadilhas e itens para recuperar a vida estão espalhados pelo cenário, aumentando ainda mais o caos durante as rodadas.
Gooool!
Antes de a partida começar, cada jogador escolhe um dos 17 personagens e seus carros disponíveis, que contam com várias habilidades, incluindo passivas e especiais. Além disso, eles apresentam personalidades, histórias e visuais bem interessantes. Mesmo que alguns se baseiem em premissas clássicas como “xamã” ou “cientista maluco”, a qualidade do elenco é louvável.
 
Os lutadores/corredores são divididos em três categorias principais, de acordo com as suas funções preferidas nas partidas. Primeiro, temos os Transportadores, que são especialistas em carregar a Bomba até a base inimiga, com veículos mais resistentes, velozes e ágeis do que os demais. Já os Interceptadores são responsáveis por impedir os oponentes de transportarem a Bomba. Possuem armas que causam mais dano e devem proteger os Transportadores.
Derrotar os inimigos é imprescindível para vencer
Finalmente, temos os Suportes, cujo objetivo é proteger os Transportadores e ajudar a transportarem a bomba. Seus veículos são equipados com ferramentas para reparo e proteção dos membros da equipe. As habilidades de cada corredor são condizentes com o seu papel preferido, tornando o equilíbrio uma parte importante do time (embora nem sempre respeitada, como veremos a seguir).

Produção roqueira de qualidade

Como o seu próprio título sugere, Heavy Metal Machines tem uma forte inspiração no rock. A trilha sonora, obviamente, é a mais influenciada, com canções frenéticas de alta qualidade. Cada personagem também tem sua própria batida, variando de ritmos pesados até pegadas mais próximas da música eletrônica.
As artes do game são belas e originais
Todas elas, entretanto, sempre variam dentro do universo do rock. Os visuais de HMM são bonitos e se valem do gênero musical para oferecer temáticas radicais e cheias de energia. Os cenários, com suas pistas e armadilhas, são bem legais, embora pudessem vir em uma quantidade maior. Os personagens e carros são igualmente interessantes.
 
Um maior número de modos de jogo também seria uma boa pedida. Mesmo sendo bem divertida, a forma de jogar básica apresenta mecânicas com potencial para serem usadas em outras ideias. A ausência de uma campanha, por exemplo, desperdiça o carisma e a história de cada personagem, algo que poderia gerar ótimas aventuras.
O caos em cada partida aumenta o desafio
A narração em inglês conta com a mesma voz por trás de Rock n’ Roll Racing, Larry Huffman. Se por um lado ele é divertido e nostálgico, o narrador brasileiro, em minha opinião, ficou devendo. O Detonator, interpretado pelo artista Bruno Sutter, usa uma voz estridente que, além de tornar certas frases ininteligíveis, não combina com o ritmo das partidas.

Monte sua equipe, mas com ressalvas

A cooperação entre os membros do time é fundamental para vencer em HMM. Seja com jogadores aleatórios, seja com amigos, a diversão aumenta muito jogando em grupo, sobretudo com o chat ligado. Como as tarefas para vencer, tais como carregar a Bomba, atirar no adversário, escapar das armadilhas e dos disparos inimigos, são numerosas, conversar com a equipe ajuda bastante no processo.
Monte o seu time e enfrente os adversários
O único problema é que, enquanto alguns carros possuem habilidades simples e facilmente aproveitáveis, outros têm recursos mais circunstanciais e menos chamativos. Entendo que tais escolhas tiveram o claro e necessário propósito de balancear as opções no elenco; infelizmente, na prática elas tornam certos veículos complicados ou mesmo chatos de usar.
 
Nomes como Rampage e Windrider são bem legais de jogar, enquanto Photon e Dirty Devil ficam devendo. No geral, personagens de suporte são os menos interessantes, já que eles não contam com poder ofensivo significativo. Ressalto que jogar com uma equipe organizada minimiza esse efeito, pois assim é possível ser útil nos momentos certos em meio ao caos das partidas.
Muitas opções para escolher antes de jogar
Aliás, quero registrar que eu já experimentei diversos games com misturas curiosas, como Dino Galaxy Tennis (PC/Switch), Persona 5 Strikers (Multi) e Sakuna: Of Rice and Ruin (Multi). HMM, entretanto, ganha fácil como o mais inusitado, combinando elementos diferentes que resultam em partidas malucas e divertidas. O título também conta com um bom suporte à comunidade e com diversos eventos que ajudam a manter o interesse do público.

Jogue grátis sem complicação

Ao me deparar com a gratuidade de Heavy Metal Machines, logo me veio à cabeça a expressão pay-to-win. Afinal, essa política é muito comum em jogos sem custo, pois assim os produtores obtêm lucro por meio de transações dentro do próprio game. Felizmente, aqui não é o caso: HMM funciona muito bem sem você investir nada monetariamente.
Caso o jogador queira, existem várias skins e colecionáveis para obter
O jogo conta com o Metal Pass, que nada mais é que um clássico passe de temporada. Ele proporciona itens e moedas de acordo com os níveis do jogador, que por sua vez são obtidos com a experiência conseguida no jogo. Disputar partidas, destruir oponentes e completar missões são as formas de ganhar pontos e garantir as recompensas.
 
HMM oferece o Metal Pass Premium, uma versão paga do passe de temporada que proporciona recompensas extras. Também é possível investir dinheiro diretamente na moeda do jogo e comprar somente os itens preferidos. Todas essas opções, no entanto, ficam somente no campo dos cosméticos e, portanto, em nada atrapalham a jogatina de quem não está disposto a investir financeiramente no game.
O Metal Pass reserva recompensas valiosas
A jogabilidade também é do tipo sem complicações. Os carros são facilmente controlados pelo cenário, enquanto as habilidades são descritas de forma clara e podem ser usadas sem maiores problemas. Embora, como qualquer MOBA, o jogo tenha bastante coisas para se aprender, a atmosfera do game torna esse processo orgânico e agradável.

Rock + futebol + carros + destruição = diversão

Em uma das misturas mais inusitadas do mundo dos games, Heavy Metal Machines (Multi) se sobressai graças a várias qualidades. Visuais muito bonitos, personagens cativantes, boa jogabilidade e mecânicas de jogo originais e bem executadas são alguns exemplos. Além disso, o título é gratuito e não prejudica quem quiser curtir essa gratuidade. Sendo você um fã de carros malucos, de destruição, de rock n’ roll ou de futebol, vale a pena experimentar essa ótima produção brasileira.
Let the carnage begin!

Prós

  • Game mistura elementos como combate e esporte em um MOBA divertido;
  • Jogabilidade é simples e sólida, com todos os comandos bem explicados;
  • Gratuito e com compras somente para cosméticos;
  • Visuais são bonitos e têm um estilo que casa perfeitamente com a proposta;
  • Há muitas opções para montar seu time e jogar de acordo com o seu estilo;
  • Trilha e efeitos sonoros no estilo rock são ótimos.

Contras

  • Modos de jogo extras seriam muito bem-vindos;
  • Apesar da grande quantidade de personagens, nem todos são realmente úteis ou divertidos.
Heavy Metal Machines – PS4/XBO/PS5/XSX/PC – Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Ives Boitano

é produtor de conteúdo sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google