Jogamos

Análise: Persona 5 Strikers (Multi) mistura RPG e ação no melhor estilo dos Phantom Thieves of Hearts

Bela, divertida e original, a nova aventura de Joker e sua turma é imperdível.


Atendendo a praticamente todas as expectativas, Persona 5 Strikers (Multi) é um spin-off que aproveita as principais qualidades da série base e inova com elementos originais no estilo hack and slash. A mistura de estratégia com ação é original, divertida e repleta de grandes momentos. Equipe seu Persona favorito e não se esqueça de vestir a sua máscara, pois vamos começar com a análise!

Aliando familiaridade com novidade

Persona 5 Strikers é o mais novo título de uma longa série de RPGs de sucesso. Apesar dela já ter recebido outros spin-offs, certamente o título mais recente carregava a maior responsabilidade. Afinal, fazer jus ao nome de um dos melhores games do gênero, que inclusive ganhou uma versão definitiva ainda mais bem recebida, não seria uma tarefa fácil.

Os fãs mal podiam esperar pela nova aventura dos Phantom Thieves

Para alegria geral dos jogadores, o game lançado em 23 de fevereiro para PC, Switch e PS4 conseguiu obter sucesso na sua empreitada. A proposta de misturar a franquia Persona com a série Dynasty Warriors, conhecida pelos seus jogos hack and slash no estilo musou, era arriscada, mas acabou se revelando um ótimo título sob vários aspectos.

Para quem não sabe, um musou é característico pelos seus combates dinâmicos contra imensas hordas de inimigos espalhadas por mapas. Missões como escoltas, atingir um determinado número de eliminações e jogar contra o tempo são variações comuns desse gênero. Enquanto Strikers contempla esses tipos intensos de combate, ele adquire a sua originalidade ao combinar seus próprios elementos de RPG.

Prepare-se para muita ação em combate incríveis
Essas mecânicas chegam de várias formas: sistema de fraquezas e resistências; customização de equipamentos e armas; habilidades que são liberadas através de interações entre personagens; e missões secundárias. Essa mistura é bem equilibrada, resultando em uma jogabilidade única e que pode abrir as portas para futuros títulos em formato semelhante.

Mais uma aventura digna de cinema

Persona 5 Strikers começa logo depois do final de Persona 5. Portanto, para falar um pouco da história, precisarei abordar algumas definições básicas já conhecidas dos fãs mais antigos (essa dependência será abordada ao final da análise). Ela começa com uma reunião dos Phantom Thieves of Hearts, que se preparam para aproveitar juntos as férias de verão.
Os heróis de Persona 5 se reúnem novamente
O grupo de jovens se formou para combater vilões roubando o coração deles em um mundo paralelo, chamado Metaverse. O protagonista ,cujo nome é escolhido pelo jogador e leva o codinome Joker, é o líder, seguido de Morgana, Ryuji, Ann, Yusuke, Makoto, Futaba e Haru. A relação entre eles é fraternal e divertida, realmente passando a sensação de uma turma unida e amistosa.

Os jovens não se viam desde o final de P5, embora Strikers não entre em detalhes sobre a conclusão do predecessor (até porque traria enormes spoilers do título original). Aliás, vale ressaltar que Persona 5 Royal (PS4), a versão definitiva de P5, e suas novidades são ignoradas aqui (tchau, Kasumi!). Nada muito crítico, mas é bom deixar isso claro para os veteranos.
Além da turma já conhecida, temos a chegada de Sophia, codinome Sophie
Em meio às preparações para curtir o descanso utilizando um aplicativo multiuso chamado EMMA, os então ex-vigilantes acabam se deparando com um surto de pessoas com drásticas mudanças de comportamento. Nesse ínterim, uma agência governamental começa a investigar o grupo de jovens, acreditando que eles possam estar por trás desses misteriosos incidentes.

O investigador Zenkichi Hasegawa entra em contato com o grupo e faz um acordo de mútuo auxílio para investigar e resolver os casos. A primeira missão acaba envolvendo uma jovem e popular artista, que utiliza o EMMA para controlar as pessoas através de um mundo paralelo chamado Jail. Servindo como uma espécie de super tutorial, essa missão introduz o jogador às principais mecânicas de Strikers e prepara o terreno para o restante do game.
Zenkichi e Sophia são duas boas adições ao universo do jogo
Após resolver esse primeiro caso, Joker e companhia acabam investigando outros incidentes parecidos espalhados pelo Japão, além de tentar aproveitar as férias durante a viagem. Como novo membro do time, temos Sophia, uma inteligência artificial amistosa e envolta em mistério. Conforme a história avança, temos desdobramentos interessantes e muita emoção, num enredo digno da série Persona.

Ação e estratégia, unam-se!

Como salientado anteriormente, P5 Strikers combina musou e RPG de forma única e competente. Cada local do Japão investigado pelos Phantom Thieves oferece uma cidade, que precisa ser explorada na busca de pistas, e uma Jail correspondente, que consiste numa dungeon repleta de segredos e inimigos para enfrentar. A dualidade de ação e investigação funciona bem e mantém o jogo fresco e envolvente.
Sophie detonando com seu Showtime!
Chamados de Shadows, os vilões podem ser emboscados antes das lutas, o que resulta em vantagens iniciais importantes. Os combates são do tipo hack and slash, colocando quatro vigilantes ao mesmo tempo nas batalhas. Vários tipos de combos podem ser utilizados e liberados, sendo que a troca de personagens, para utilizar as habilidades únicas de cada um deles, é vital para causar mais dano e manter todos vivos.

Saindo diretamente do RPG original, temos os Personas, que são armazenados na forma de máscaras. Cada jovem conta com uma dessas criaturas, enquanto Joker pode carregar vários deles ao mesmo tempo. Ao disparar um ataque com elas, o tempo do jogo praticamente congela, permitindo ao jogador escolher qual movimento utilizar. Esse elemento estratégico é fundamental, pois além de dar fôlego durante os combates, facilita a utilização de fraquezas e resistências.
Usar os Personas é essencial para vencer
Além dos combates e investigações, o game apresenta outras atividades interessantes e úteis. Através do sistema de BONDS, diversos tipos de efeitos passivos e melhorias podem ser adquiridos, como aumento de dano, descontos na loja da Sophia e maior chance de coletar itens. Também é possível engajar em várias missões secundárias, realizar programas divertidos com os colegas de grupo e aprender receitas culinárias, que são preparadas por Joker e servidas para a delícia dos amigos.
Nada como uma boa refeição entre os amigos
É importante deixar claro que Strikers tem um nível de dificuldade considerável. Caso o jogador não tenha experiência com ambas as séries Persona e Dynasty Warriors, os desafios serão ainda maiores. Mesmo tendo jogado Persona 5 Royal e os jogos musou Warriors Orochi  4 Ultimate (Multi) e Fate/Extella Link (Multi), demorei um pouco para me adaptar ao nível normal, só conseguindo me habituar às mecânicas a partir da segunda Jail.

Uma produção (também) digna de cinema

Tal como é de praxe na franquia, P5 Strikers tem uma produção muito bonita. Visuais e designs são cheios de estilo, incluindo personagens, cenários, cutscenes e até os menus do jogo. A história utiliza isso de forma competente, pois as viagens pelo Japão nos permitem conhecer as belas arquiteturas e paisagens características do tradicional país do Oriente.
São muitas localidades legais para conhecer, como a cidade de Sapporo
Explorar cada novo local, seja durante as lutas nas Jails e seus cenários fantásticos, seja nas cidades baseadas nas suas contrapartes do mundo real, é sempre uma satisfação. O nível de qualidade está um passo atrás de Persona 5, mas ainda se mantém muito alto, sobretudo se considerarmos que o game está disponível em vários consoles diferentes. As cutscenes, várias delas no estilo anime, também merecem o devido destaque pela qualidade.

Cada um dos personagens é devidamente caracterizado, incluindo o estilo de luta e o jeito de falar. A qualidade visual também está presente nos movimentos especiais, sobretudo nos movimentos All-Out Attack e Showtime. Os Personas não ficam para trás, com várias temáticas e tipos diferentes, podendo, inclusive, ser usados em fusões para obter criaturas novas e mais poderosas.
Utilize objetos dos cenários para executar ataques poderosos
O trabalho de som é outro grande destaque de Strikers. As músicas são charmosas e embalam perfeitamente a aventura, enquanto a dublagem manteve as (boas) vozes originais e adicionou novos artistas igualmente competentes. É uma pena que a mixagem do áudio poderia ser melhor, pois ela sobrepõe as canções às falas dos personagens em diversas situações.

Para todos os públicos?

Uma das questões mais controversas do game é sobre o seu caráter de “continuação não-oficial”. Como o seu próprio nome deixa claro, o jogo se passa no mesmo universo de Persona 5, incluindo personagens, localizações e, em particular, eventos já ocorridos. Infelizmente, em minha opinião, esse último item acabou se tornando o maior problema do game, que é vendido como “perfeito” para ambos novatos e veteranos.
Surpresas, desafios e batalhas estão por todos os lados
Strikers traz inúmeras referências a acontecimentos e a informações de P5. Elas incluem (fique tranquilo, evitarei spoilers significativos) a formação dos Phantom Thieves, o passado e as motivações dos personagens recorrentes, além das principais conclusões do final do jogo. Se eu jogasse sem conhecê-las, certamente ficaria com a sensação de que perdi alguma fase ou cutscene de introdução (que inexiste, neste caso).

Se por um lado os novatos saem perdendo, os veteranos também são prejudicados, embora num grau menor. Enquanto saber do enredo original torna as piadas e explicações mais intuitivas, isso gera alguma frustração por não aproveitarmos o progresso feito anteriormente, como ter conquistado uma namorada ou alcançado o nível máximo de experiência. Isso, entretanto, é uma prática comum nos games, mesmo em sequências bastante diretas.
Uma história incrível te espera em Strikers
A questão é que esses jogos normalmente usam de subterfúgios criativos para recomeçar do zero. Strikers faz isso de forma limitada, talvez pela já comentada abrangência que inclui fãs e estreantes. Felizmente, esse problema não compromete a experiência geral, pois o jogo ainda é muito bom por si mesmo. Minha sugestão é que os novatos tentem jogar P5 ou se informem sobre o básico desse belo e rico universo, de tal forma a aproveitar o máximo possível do título mais recente.

Avante, Phantom Thieves!

Persona 5 Strikers (Multi) é uma nova e incrível aventura dos ladrões de coração mais queridos dos games. A tarefa de misturar ação e RPG parecia difícil, mas o título conseguiu equilibrar tudo de forma original e competente. Grande história, combates divertidos, belos visuais e mecânicas bem executadas são algumas das qualidades do jogo. Mesmo que a proposta para novatos e veteranos não funcione completamente, ele ainda é uma recomendação quase obrigatória para a sua biblioteca.
Pronto para mais uma incrível aventura com Joker e companhia?

Prós

  • Proposta de misturar RPG com hack and slash no estilo musou é genuinamente divertida, com ótima história e desafios;
  • Mecânicas de jogo e jogabilidade são competentes, incluindo combates, explorações e coleção de Personas;
  • Visuais bonitos e cheios de estilo;
  • Músicas e dublagens de alta qualidade;
  • Grande quantidade de missões primárias e secundárias para explorar o incrível mundo do game.

Contras

  • Proposta “acessível para fãs e estreantes” é relativamente capenga;
  • Músicas encobrem vozes em diversas situações.
Persona 5 Strikers – PC/PS4/Switch – Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Davi Sousa
Análise produzida com cópia digital cedida pela Atlus/Sega

é redator de matérias sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.


Disqus
Facebook
Google