Jogamos

Análise: Yu-Gi-Oh! Duel Links (iOS/Android) é inovação e nostalgia na dose certa

Com personagens clássicos e uma jogabilidade mais dinâmica adaptada para smartphones, o novo jogo da série encontra o equilíbrio perfeito entre o nostálgico e o moderno.



Yu-Gi-Oh! é um dos maiores fenômenos mundiais e isso nem Gilberto Barros conseguiu impedir ao convocar nossas mães para queimar todas aquelas cartinhas demoníacas que nos possuíram lá no início do novo milênio. São mais de 20 anos na ativa, renovando-se a cada geração com novas regras, novas cartas, novos personagens (e seus penteados pra lá de irreverentes) e, claro, novos jogos. Afinal, estamos falando de uma franquia que anos a fio define o Rei dos Jogos, mais precisamente o de Monstros de Duelo.


Claro que, nesse quesito, o mercado mobile não poderia ficar de fora e a Konami logo tentou garantir seu espaço com o lançamento de Yu-Gi-Oh! BAM Pocket (iOS/Android) em 2012 e Yu-Gi-Oh Duel Generation (iOS/Android) em 2014. O primeiro, portabilizado do PC para os smartphones, nos apresentou uma nova perspectiva de Monstros de Duelo que simulava uma espécie de Super Trunfo, no qual os jogadores tinham que apostar e comparar seus monstros mais poderosos ao lado de suas cartas mágicas e armadilhas. O jogo possuía uma interface mega simplória para a época, mas dispunha de uma mecânica nova, acessível e bastante variada. Ainda assim, dividiu opiniões e passou despercebido por muitos. Já o Duel Generation permaneceu na zona de conforto e nos possibilitou percorrer por diversas gerações da série duelando de acordo com as regras oficiais de Monstros de Duelo, o que fez com que o jogo não fosse muito além do público fiel da franquia.

Agora, com Yu-Gi-Oh! Duel Links (iOS/Android), a Konami parece ter finalmente encontrado o equilíbrio entre o moderno e nostálgico, conseguindo agradar tanto os fãs mais fiéis ao dinamizar a jogabilidade sem alterá-la demais, como também cair nas graças dos mais saudosistas pela acessibilidade e volta de personagens clássicos. Um grande reflexo disso é a marca de 30 milhões de downloads atingida pelo jogo recentemente. Duel Links se mostrou de fato um jogo mais abrangente, com um visual agradável, mecânicas bem executadas e eventos instigantes que, mesmo com suas falhas, oferece uma das experiências mais marcantes da série. Escondam seus celulares, pois a grande febre de Yu-Gi-Oh! voltou com tudo e eles podem acabar parando na fogueira.


Um Mundo de Duelo um tanto maçante...

Bem-vindos ao Mundo de Duelo, o mais novo universo virtual criado pela corporação Kaiba que conecta duelistas de todo o mundo com o propósito de decidir o novo Rei dos Jogos. Nele, somos recepcionados pela risada icônica do próprio Seto Kaiba ao desafiar Yami Yugi para um duelo. Ao assumir o papel de um deles e duelar, somos enfim levados a conhecer o Mundo de Duelo que traz consigo diversas arenas, lojas e, claro, duelistas. O objetivo da campanha principal é coletar uma variedade de chaves, seja encontrando-as nos cenários ou vencendo duelos, para ter acesso ao Portão que te permite enfrentar duelistas lendários como Téa Gardner, Mai Valentine, Weevil Underwood, entre outros a fim de chegar ao topo do mundo.
Mundo de Duelo, a nova realidade virtual criada por Kaiba



Até aqui nada novo sob o sol, não há muito que se esperar das premissas dos jogos da série já que o propósito mesmo é duelar. Menos ainda quando estamos falando de um jogo de mobile, em que a praticidade e agilidade são peças chaves. Ainda assim, o sistema de missões que deveria compensar a impossibilidade de uma trama mais consistente nesse tipo de game não é nada interessante, fornecendo desafios repetitivos e pouco criativos que dificilmente te motivam a avançar nas fases que compõem a campanha principal.

São 60 fases no total e é preciso avançar nelas para liberar mais duelistas lendários no Portão. Em praticamente todas, as missões se resumem a enfrentar  duelistas específicos inúmeras vezes ou usar um determinado número de cartas mágicas ou armadilhas nos duelos, o que torna a experiência demasiadamente enfadonha. Prezam pela quantidade e não pela qualidade. Algumas pequenas mudanças, como terminar o duelo com uma carta específica, realizar fusões variadas ou conseguir invocar determinado monstro, poderiam tornar tudo mais interessante nesse aspecto, algo que ainda pode ser feito em atualizações futuras do jogo.
Alguns dos duelistas lendários e Joey Wheeler


O destaque da campanha principal fica por conta dos duelistas lendários, que estão muito bem caracterizados e com dublagem original em inglês. Os diálogos são curtos e quase monossilábicos, o que de forma alguma é um ponto negativo, visto que o objetivo mesmo é o duelo. A localização para PT-BR também está muito bem feita, com uma ressalva aqui e ali quanto ao nome e descrição de algumas cartas, mas no geral está mais que satisfatória. Infelizmente não foi dessa vez que tivemos dublagem por aqui também, o que elevaria o sentimento de nostalgia a outro nível com frases icônicas como “Acredite no coração das cartas!”. Mesmo assim, o sentimento final é de dever cumprido no quesito saudosismo já que a vontade de  jogar ou duelar com aquele personagem clássico no jogo é o que realmente motiva a continuar avançando nas fases.

...mas também cheio de Fantasia!

Embora a campanha principal não empolgue muito, o Mundo de Duelo oferece inúmeros outros elementos que compensam, a começar pelos cenários que são simpáticos e interativos, guardando segredos que fornecem recompensas de tempos em tempos. A interface do jogo é bastante clara e concisa sem lotar a tela de informação, com exceção dos momentos de respawn de itens e duelistas nos mapas, que por vezes beira o exagero e dificulta o próprio alcance deles com o toque na tela. As cores são agradáveis, trazendo um belo uso do azul monocromático ao fundo em contraste com as cores deslumbrantes dos personagens.

Além disso, a Arena JxJ traz um multiplayer instigante, com duelos online rankeados, casuais e com amigos. Foram poucas as vezes que eu tive problema de conexão com servidor, seja por desconectar no meio do duelo ou por demorar a encontrar duelistas online. A modalidade Duelos Especiais é a minha favorita dessa arena, pois nela as regras oficiais estão sempre mudando através de eventos diversos.
Modalidades da Arena JxJ


Os eventos também são um show à parte e, diferentemente das missões, têm sido bastante criativos proporcionando uma experiência única no jogo. O Mundo da Fantasia com certeza se destaca ao simular o próprio Reino dos Duelistas, motivando os jogadores a coletarem estrelas para conseguir duelar ninguém menos que Maximillion Pegasus, criador de Monstros de Duelo.
Diga olá ao Mundo da Fantasia, pequeno Yugi!


A atualização mais recente da corporação Kaiba que revela dados interessantes sobre a interação dos jogadores com o jogo, como personagens ou habilidades mais usadas pelos duelistas, também merece destaque.

A constante preocupação em propiciar momentos diversos no Mundo de Duelo faz com que a campanha principal arrastada torne-se algo ínfimo. Os jogadores têm outras atividades para se engajarem, algumas exigindo mais tempo e dedicação. A própria montagem de baralho é uma delas que por si só exige todo um cuidado, paciência e estratégia.

Montando o baralho

O sistema de montagem de baralho em Duel Links é muito diverso e te possibilita criar baralhos poderosos sem precisar investir um único centavo. Diferentemente das regras oficiais, em que se pode ter de 40-60 cartas no baralho (sem contar o Extra), em Yu-Gi-Oh! Duel Links esse número foi reduzido para 20-30, propiciando duelos mais práticos e rápidos.

Há quatro possibilidades de conseguir cartas: vencendo duelistas comuns ou lendários no Mundo de Duelo; aumentando o level de seus personagens; trocando por itens e dinheiro do jogo com o Mercador ou comprando pacotes de cartas utilizando as Gemas coletadas também no jogo. Claro que, para os mais ansiosos, há a possibilidade de investir uma grana real e comprar mais pacotes de cartas, mas o jogo te oferece tantas chances de conseguir que o investimento acaba não valendo à pena. Até o momento, são seis os tipos de boosters que podem ser encontrados na loja, mas esse número continua aumentando a cada atualização.
Mais de 700 cartas disponíveis


A variedade é uma constante quando se trata de montar baralho, mas não posso afirmar o mesmo quanto ao sistema de montagem automática que te oferece pouquíssimas possibilidades. Na verdade, o sistema só me oferecia uma possibilidade de baralho, independente do personagem ou da variedade de cartas que possuía. A inclusão de um filtro que te permitisse escolher entre um baralho mais ofensivo ou defensivo, por exemplo, tornaria essa opção mais dinâmica.  Ainda assim, essa pode vir a ser uma ferramenta útil para duelistas de primeira viagem.

O metagame também não ficou de fora, está bem variado e os mais competitivos poderão se aprofundar nele. Há também a possibilidade de personalização do verso das cartas e da própria arena com seus personagens e monstros favoritos. Apesar do visual simplório, essa opção torna tudo mais divertido e estimulante.

É hora do duelo!

Com uma jogabilidade reduzida para se adaptar ao mobile, as novas regras foram muito bem elaboradas e agrada tanto novatos quanto veteranos. Três espaços no campo para monstros e cartas mágicas/armadilhas ao invés de cinco; 4000 pontos de vida ao invés de 8000; quatro cartas iniciais na mão ao invés de cinco; eliminação da Fase Principal 2; redução das invocações para Normal, Tributo, Fusão, Ritual e Especial; são esses alguns dos pequenos detalhes que tornaram os duelos muito mais dinâmicos e ágeis sem tirar a essência de Yu-Gi-Oh!.



Tudo flui tão bem que os duelos mais demorados não chegam a passar de 20 minutos, permitindo realizarmos aquela partida marota seja no caminho ao trabalho, escola ou casa. Caso o jogo seja fechado ou o celular descarregue durante um duelo, o jogo salvará a partida automaticamente e perguntará se deseja retomá-la ao abri-lo de novo. Assim, o tempo e mobilidade, aspectos cruciais para a plataforma do jogo, foram muito bem executados.

 Outra novidade que torna os duelos de Duel Links únicos é a inclusão de habilidades para cada personagem. Cada um deles possui um conjunto de habilidades que, ao serem ativadas, afetarão diretamente o duelo. A título de exemplo, Yami Yugi pode invocar a carta Yami ao campo automaticamente no início da partida devido a sua habilidade Poder das Trevas, algo que dinamiza e deixa os duelos mais desafiadores.
A habilidade de cada personagem é um grande diferencial em Duel Links


Os duelos ainda proporcionam a ferramenta de duelo automático que se mostrou muito útil para realizar as missões repetitivas e maçantes das fases de uma maneira mais rápida. Infelizmente, essa é uma opção que ainda tem muitas falhas e várias das decisões da ferramenta chega a beirar o absurdo, como colocar um monstro em modo de defesa quando o campo do adversário está completamente livre para o ataque. É algo que precisa ser aprimorado e espero que façam isso o mais breve possível nas atualizações futuras.

Sua vez?!

Yu-Gi-Oh! Duel Links (iOS/Android) recicla muito bem aspectos do arco Duel Monsters trazendo de volta personagens clássicos muito bem caracterizados com citações e releituras da saga. Felizmente, o jogo não só sobrevive da nostalgia e apresenta mecânicas inovadoras até mesmo para os fãs de longa data. É um game que consegue transcender a linha que separa novatos e veteranos, oferecendo uma experiência mais abrangente e marcante para ambos. Portanto, se você estava aguardando um jogo de Yu-Gi-Oh! que conseguisse esse equilíbrio, essa é a sua vez!

Talvez alguns fãs fiquem tristes pelo foco tremendo no primeiro arco da franquia. Mesmo trazendo cartas de gerações posteriores, a prioridade da primeira geração é clara e isso pode vir a ser um agravante para alguns jogadores. Considerando que é um jogo lançado no ano aniversário de 20 anos da série, essa abordagem da Konami é mais que compreensível.

No mais, Duel Links segura a peteca e entra facilmente no pódio de melhores jogos da franquia.


Prós

  • Interface clara e com cores equilibradas;
  • Cenários interativos e com atalhos práticos;
  • Eventos diversos e criativos;
  • Personagens clássicos muito bem caracterizados e dublados;
  • Dinamização das regras muito bem executada;
  • Customização do baralho e da esteira do campo;
  • Possibilidade de montar baralhos poderosos sem investir dinheiro real;
  • Metagame variado para quem quiser se aprofundar.

Contras

  • Campanha principal não empolga devido às missões repetitivas;
  • Duelo Automático mais falha do que ajuda;
  • Criação de baralho automática pouco variada.  
                              Yu-Gi-Oh! Duel Links — iOS/Android — Nota: 8.5                                  Versão utilizada para análise: Android
Revisão: Ana Krishna Peixoto

Marcell Solano é graduado em Letras pela Unisinos e entrou para o Blast como Redator com o intuito de unir duas coisas que ama fazer: escrever e jogar. Além de jogos, coleciona umas action figures e uns mangás com chamequinho transparente. Pode ser encontrado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook