A série Monkey Island e o papel da Lucasfilm nos jogos point and click

O início dos jogos de narrativa interativa nas mãos de George Lucas.

O anúncio da terceira temporada de The Walking Dead (Multi) da Telltale colocou novamente em voga um gênero de game em ascensão, os jogos de point and click e narrativa interativa. Esse gênero de game popularizou-se com mais força através da desenvolvedora estadunidense e sua série de jogos ambientados no universo de apocalipse zumbi de The Walking Dead. Contudo, os jogos de point and click não são uma peculiaridade do século XXI, os primeiros games com tal mecânica surgiram na década de 1980 e a série Monkey Island foi uma das pioneiras a ter o recurso.


Neste ano, o título criado pelo programador e designer de games Ron Gilbert completa 26 anos e seu legado se mantém vivo até hoje. Distribuída em cinco jogos, que vão desde o Atari ST ao PlayStation 3 e mobile, a franquia de aventura carrega consigo um papel representativo no cenário dos games. E aqueles que acham que a junção entre videogame e cinema é algo recente irão se surpreender com a produtora da franquia de Ron Gilbert, a Lucasfilm, anteriormente pertencente ao cineasta George Lucas, criador e diretor de Star Wars e Indiana Jones.

As aventuras de Guybrush Threepwood... na Terra do Nunca?

Inspirada pela atração “Piratas do Caribe” dos parques temáticos da Walt Disney Parks and Resorts, a série Monkey Island lançou seu primeiro título em 1990, The Secret of Monkey Island, para Atari ST, CDTV, FM Towns, Classic Mac OS e outros consoles da época. O game narra as aventuras do adolescente Guybrush Threepwood em sua busca para tornar-se um pirata, explorar ilhas desertas e caçar tesouros com seus amigos.

A premissa do jogo é muito próxima da animação do canal infantil Disney Junior, Jake e Os Piratas da Terra do Nunca (Roberts Gannaway, 2011), onde o menino Jake é um aspirante a pirata que viaja pela Terra do Nunca com seus amigos Cubby, Izzy e o papagaio Skully, enquanto enfrentam o Capitão Gancho e sua tripulação. A história semelhante da animação infantil coincide com o momento em que a aquisição da LucasArts pela Walt Disney ocorreu, em 2012, negociações essas que já ocorriam desde o ano anterior.
Jake e Os Piratas da Terra do Nunca, a nova versão de Guybrush Threepwood?
A mera semelhança entre o pequeno pirata do universo de Peter Pan e o adolescente da Lucasfilm não é por acaso. O título mais recente da série produzido pela Telltale em 2009, Tales of Monkey Island (Multi), não nos dá perspectivas de uma futura continuação desde a venda dos direitos do game para a Walt Disney. O próprio CEO da produtora, Dan Conners, se pronunciou sobre a situação da franquia e o desejo da Telltale de continuar a saga de Guybrush e a sua esposa Elaine.

Da mesma forma, o criador da franquia Monkey Island, Ron Gilbert, manifestou publicamente o desejo de comprar da Walt Disney os direitos da série, porém nada mais foi mencionado desde então. Apesar do futuro incerto nos consoles, a verdade é que o jogo constitui parte da base e inspiração para o sucesso infantil, Jake e Os Piratas da Terra do Nunca. Ambos trilharam seus caminhos inspirados em “Piratas do Caribe”, e a animação da Walt Disney presta uma homenagem ao pirata Guybrush, o Jack Sparrow da Lucasfilm.


Lucasfilm, de Maniac Mansion a The Secret of Monkey Island

Feita a contextualização do game com a sua relação com a Walt Disney e a Lucasfilm, podemos entender melhor a história da série e o seu legado nos jogos de point and click. Produzida pela Lucasfilm Games ‒ divisão da produtora cinematográfica para o mercado de jogos eletrônicos ‒ em quatro dos seus cinco títulos, Monkey Island expressa o sonho criativo da interação de narrativas de George Lucas.

O primeiro título da série, The Secret of Monkey Island, já apresentava a mecânica de diálogos e escolhas de respostas ou perguntas ao comando do jogador. Contudo, em seu formato preliminar, as consequências para as ações escolhidas eram poucas. Porém, elas foram o suficiente para revolucionar o cenário dos games anos depois, levando à evolução do gênero para os jogos de múltipla escolha.


A franquia Monkey Island pertence ao gênero point and click de aventura, trazendo vários diálogos e puzzles para cada situação. O único game da série que foge a essa regra é o Escape from Monkey Island (Multi) em 2000, o jogo é o único da pentalogia que não apresenta uma jogabilidade em point and click, porém a mecânica de narrativa interativa está presente.

A engine utilizada para a série Monkey Island foi a SCUMM (Script Creation Utility for Maniac Mansion). Ela foi desenvolvida em 1987 pela Lucasfilm para o seu primeiro jogo em visual novel, Maniac Mansion, para as plataformas Commodore 64, Apple II, IBM PC, Amiga, Atari ST e NES. Maniac Mansion foi criado e desenvolvido pelo mesmo criador da série Monkey Island, Ron Gilbert, especializado em games com narrativas interativas.

Maniac Mansion, onde tudo começou.

Moldando o futuro através de vários caminhos

A Lucasfilm inovou o segmento dos jogos eletrônicos ao ser uma das primeiras desenvolvedoras a criar games com narrativa interativa. Na época, inspirada e impulsionada pelo sucesso do terceiro título da franquia Indiana Jones, Indiana Jones e a Última Cruzada (Steven Spielberg, 1989), George Lucas resolveu continuar as aventuras em templos perdidos, ilhas desertas e tesouros raros no videogame.

Com o auxílio do programador Ron Gilbert, integrante da equipe técnica da Lucasfilm Games desde o início da produtora, o cineasta foi capaz de unir a narrativa cinematográfica à jogabilidade dos videogames, conseguindo o melhor dos dois mundos. Então, se você curte jogos point and click, você tem muito a agradecer à série Monkey Island e ao seu mestre jedi, George Lucas.

Revisão: Érika Honda
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no DeviantArt., MGC. ou Twitter. ela aparece.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais