Blast Test

Impressões: Hive Jump 2: Survivors entrega muito desafio ao custo de bastante dedicação e paciência

Sobreviva em um planeta hostil infestado de insetos alienígenas em mais um roguelike de sobrevivência estilo bullet heaven.


Hive Jump 2: Survivors
é mais um dos chamados roguelikes estilo bullet heaven. O gênero vem ganhando cada vez mais popularidade graças ao sucesso de Vampire Survivors, jogo independente que conseguiu romper sua bolha e está inspirando outros desenvolvedores a criar experiências parecidas com o premiado vencedor do prêmio de jogo do ano pela BAFTA.

Em Hive Jump 2: Survivors, o objetivo é sobreviver a ondas incessantes de ataques de insetos alienígenas hostis em um planeta desolado. Após a tripulação ser dizimada por essas criaturas, você se vê como o último membro sobrevivente do grupo e, utilizando upgrades de armas e equipamentos, deve resistir o máximo de tempo possível  esperando o resgate em meio a este verdadeiro caos espacial.

Resgate à jato

A jogabilidade de Hive Jump 2 é bastante simples. O jogador pode se movimentar pelo cenário enquanto executa ataques de forma semiautomática contra os inimigos. O termo "semiautomática" refere-se à possibilidade de desativar o ataque automatizado ou mantê-lo ativo, mas ainda priorizando a direção dos ataques com o uso do mouse ou do analógico direito, caso o jogador assim queira.
A regra é simples: adapte-se e sobreviva
Conforme derrota inimigos, o Jumper, nosso herói, coleta Goo, uma substância usada tanto para ganhar pontos de experiência quanto para adquirir melhorias de armas e equipamentos. Além de atacar, o Jumper conta com um jetpack que auxilia na mobilidade e, posteriormente, recebe atributos de ataque para ajudar nos confrontos contra os monstros insectoides.

O objetivo é sobreviver a 15 ondas de ataques dos monstros. Cada onda adiciona novos tipos de inimigos e objetivos extras que rendem recompensas, como defender uma área, evitar dano até o fim da onda ou destruir um alvo específico. Cumprir esses objetivos adicionais rende valiosos upgrades que aumentam significativamente os atributos do herói, como a taxa de ataque, velocidade de ataque, eficiência de equipamentos ou alguma nova habilidade passiva. Caso falhemos, apenas deixamos de ganhar algo que poderia ajudar muito lá na frente.
Ao subir de nível ou finalizando uma onda, adquira aprimoramentos e equipamentos para ficar mais forte
O Jumper pode melhorar seu arsenal de duas maneiras: ao subir de nível ou ao final de uma onda. As melhorias obtidas ao subir de nível são gratuitas, enquanto as oferecidas ao fim de uma onda têm um custo em Goo.

Na tela de compra de equipamentos ao fim de cada onda, podemos escolher um ou mais itens ofertados, desde que haja recursos suficientes. Se as ofertas não forem satisfatórias, é possível, ao custo de mais Goo, gerar uma nova rodada de itens. Recomenda-se gastar os recursos disponíveis para construir uma build eficiente, aumentando nossas chances de sobreviver o máximo de tempo possível. Re-rolar a tela para ver novos itens é essencial para conseguir o que precisa o quanto antes.

Uma mecânica interessante em Hive Jump 2 é a capacidade de fundir armamentos do mesmo tipo para aumentá-los de nível. Cada arma é classificada em cinco níveis de raridade, representados por cores: verde, azul, roxo, vermelho e amarelo. Ao obter duas armas do mesmo tipo e cor, é possível fundi-las para aprimorá-las.

Contudo, a quantidade limitada de espaços para equipar (três) adiciona uma camada extra de estratégia. Em determinado momento, o jogador pode ser forçado a vender uma arma para abrir espaço para uma nova ou para realizar aprimoramentos. Isso incentiva a experimentação de diferentes armas, nos permitindo construir nosso personagem de maneira mais diversificada.

Prepare-se para dedicar muito tempo

Assim como outros roguelikes bullet heaven, Hive Jump 2: Survivors é um jogo que requer bastante tempo para revelar todo o seu potencial. Esse tempo é ainda maior devido à forma como os desenvolvedores vincularam o acesso aos upgrades permanentes às conquistas.

O sistema funciona da seguinte maneira: ao desbloquear uma conquista, algumas delas liberam aprimoramentos na tela de upgrades permanentes. Esses perks podem incluir aumentos fixos de defesa ou velocidade, regeneração de vida, alcance de coleta de itens, entre outros. Além disso, a compra dos aprimoramentos também está associada ao desbloqueio de novos personagens jogáveis e outros tipos de melhorias.
As conquistas atreladas aos aprimoramentos permanentes deixam a progressão mais trabalhosa e lenta
Por exemplo, o Aerial Jumper, um dos primeiros personagens extras, é liberado após a compra de cinco melhorias quaisquer na tela de upgrades. A próxima melhoria, que permite causar dano com o jetpack, é desbloqueada após a compra de 15 melhorias, e assim por diante.

Esses upgrades são adquiridos com Amber, um segundo tipo de recurso coletado durante as incursões. Embora seja relativamente abundante, o Amber não é tão comum quanto o Goo, exigindo mais partidas para acumular o suficiente para gastar na loja.

Se você é do tipo que gosta de ver novidades após cada partida, Hive Jump 2 pode ser frustrante, pois é provável que você precise jogar muitas vezes até conseguir desbloquear novos personagens, armas ou relíquias.
A conclusão de objetivos adicionais fornece melhorias muito poderosas e importantes para nos deixar aptos a sobreviver por mais tempo
A apresentação em pixel art é bem-vinda, com uma arte simplista e animações básicas, mas bem-executadas, tanto do protagonista quanto dos inimigos. No entanto, o áudio ainda não parece ter encontrado seu caminho de forma eficiente. Os efeitos sonoros são básicos e muitas vezes baixos, dificultando a percepção de ações, como a coleta de itens, mesmo quando a tela não está muito povoada de inimigos.

A trilha sonora também deixa a desejar, com uma melodia repetitiva e pouco envolvente que não consegue transmitir toda a adrenalina da ação, especialmente nas ondas mais avançadas, onde a tela já está cheia de inimigos e mal conseguimos ver o que está acontecendo.

Tornar a progressão mais ágil e eficiente, além de aprimorar a imersão sonora, são pontos que considero dignos de melhorias futuras. Afinal, mesmo que a essência deste tipo de jogo seja realizar diversas partidas em sequência, é importante tornar essa repetição menos tediosa e fazer a experiência ser mais agradável e divertida.

A colmeia ainda pode crescer mais

Hive Jump 2: Survivors já apresenta uma base sólida e cativante, com vários aspectos positivos que merecem destaque. A jogabilidade acessível e dinâmica, combinada com a arte em pixel art bem-executada, cria uma experiência visualmente atraente e divertida. A mecânica de fusão de armas e o sistema de upgrades adicionam profundidade estratégica, incentivando a experimentação e personalização da build do personagem.


No entanto, há áreas que podem ser aprimoradas para tornar o jogo ainda mais envolvente. A progressão atual, vinculada fortemente às conquistas, pode ser lenta e frustrante, especialmente para jogadores que buscam novidades constantes. Tornar a progressão mais ágil e recompensadora pode aumentar o engajamento e a satisfação do público.

Além disso, o áudio do jogo necessita de refinamento. Melhores efeitos sonoros e uma trilha sonora mais envolvente poderiam aumentar significativamente a imersão e a adrenalina durante as partidas. A implementação de um sistema de feedback sonoro mais claro ajudaria os jogadores a perceber melhor as ações em curso, como a coleta de itens e os ataques.

Em suma, Hive Jump 2: Survivors tem um grande potencial e já oferece uma experiência divertida e desafiadora. Com ajustes na progressão e melhorias na qualidade do áudio, o jogo pode se tornar um pouco maior dentro do gênero roguelike bullet heaven, mas ainda necessitando de uma boa dose de dedicação e paciência do jogador. Veremos como os desenvolvedores continuarão a aprimorá-lo durante seu período de Acesso Antecipado.

Hive Jump 2: Survivors está disponível para PC via Steam.
Revisão: Davi Sousa
Texto de impressões produzido com com cópia digital cedida pela Midwest Games

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.