Jogamos

Análise: Rainswept (Multi) conta uma história de esperança em meio a um misterioso assassinato

A expressão “menos é mais” resume perfeitamente a experiência deste belo projeto da Frostwood Interactive


Recentemente publicamos uma lista de dez ótimos jogos narrativos, e Rainswept é uma grande adição à categoria. Lançado originalmente para PC em fevereiro de 2019, o título desenvolvido pela Frostwood Interactive acaba de chegar aos consoles trazendo uma aventura policial que apresenta uma tragédia cercada por problemas reais contados de forma delicada e simples.

Uma trágica história de amor e esperança

Em Rainswept assumimos o controle do detetive Michael Stone, que chega à pacata, e chuvosa, cidade de Pineview para ajudar a polícia local a analisar a cena de um potencial crime: o casal Chris e Diane é encontrado morto, em sua residência, com uma arma de fogo no local. Enquanto o chefe de polícia da cidade deseja encerrar o caso como um claro ato de assassinato seguido de suicídio por parte de Chris, Michael está certo de que há muito mais por trás dessa história do que apenas o evidenciado.

Acompanhado da assistência da policial Amy Blunt, o detetive Stone explora Pineview para descobrir mais sobre a chegada recente do casal à cidade, interrogando cidadãos que tiveram histórias e experiências até que curiosas com as vítimas do terrível incidente. Em meio à investigação do crime, Michael Stone ainda precisa lidar com traumas de seu passado que o assombram até hoje, fazendo-o refletir sobre escolhas e sobre sua vida.


A história de Rainswept é apresentada de forma bastante simples e, ao mesmo tempo, envolvente. Durante as quase cinco horas de campanha, que passam muito mais rápido do que parece, o enredo é dividido em duas vertentes intercaladas: a história do casal Chris e Diane, que conhecemos por meio de lembranças contadas pelos moradores de Pineview e por pessoas próximas às vítimas; e a narração de um acontecimento traumático na vida do detetive, que o faz questionar-se sobre seu tempo neste mundo e o impacto que nossas ações têm naqueles que amamos.

O jogo consegue tratar de assuntos muito sérios e reais em nossa sociedade, como depressão, suicídio e abuso, com uma abordagem bastante delicada e realista. A narrativa é extremamente envolvente e nos faz passar por uma montanha-russa de emoções ao apresentar a história do casal de diversas perspectivas, desde textos encontrados pela casa até informações coletadas de cidadãos. Presenciamos um belo conto de dois jovens apaixonados se transformar em uma experiência que nos induz a, de fato, acreditar no potencial e trágico final.


Acontecendo em segundo plano, a história do detetive é apresentada de forma mais resumida sem tirar o foco do enredo principal. Entre noites de pesadelo e momentos reflexivos, tentamos desvendar os inesperados acontecimentos que tanto o traumatizaram, e sua revelação acontece nos momentos finais do título. Enquanto o arco do detetive no enredo tem um ótimo desfecho, com um final esperançoso, a conclusão do caso de Chris e Diane não faz jus a toda a evolução da trama, chegando até a ser um pouco decepcionante.


Menos é mais

Rainswept é, tecnicamente, um dos títulos mais simples que tive o prazer de jogar nesta geração. Baseado no clássico sistema de point and click, a jogabilidade se resume à interação com objetos e escolhas de diálogos, com poucos momentos em que suas decisões resultam em alguma cena diferente sem alterar o desfecho da história. Também são poucos os puzzles presentes no jogo. Temos à disposição o mapa da cidade e um caderno de anotações, para relembrarmos todas as informações e pistas coletadas por meio das entrevistas.


A ambientação é pesada na maior parte do tempo, com uma constante chuva caindo sobre Pineview e uma bela trilha sonora quase inteiramente feita no piano. Apesar de ajudar na construção dessa atmosfera mais tensa, as composições trazem mais emoção e significado aos flashbacks onde conhecemos melhor Chris, Diane e a evolução de seu relacionamento, com diálogos profundos e reflexivos.

Os gráficos são outro grande ponto que destaca a simplicidade por trás de Rainswept. O jogo mantém um padrão de linhas retas nas construções e objetos, como desenhos amadores, mas os momentos mais íntimos e significativos apresentam lindos visuais como plano de fundo para conversas inspiradoras, complementados pela bela trilha sonora.


Vale a pena jogar Rainswept?

O título apresenta uma história de amor, confiança e esperança em meio ao caos. Mesmo com o jogo nos induzindo à conclusão que parece ser a mais óbvia, é inevitável nos apegarmos aos personagens e suas histórias de vida em tão pouco tempo, tanto do casal quanto do detetive. Por tratar de tópicos pesados, mas delicadamente trabalhados, alguns jogadores podem ficar desconfortáveis em certos momentos. O título é apresentado de forma extremamente simples, mas sua bagagem emocional não é feita para qualquer jogador carregar.


Prós

  • Simplicidade é o grande destaque;
  • Narrativa evolui de forma fluida e envolvente;
  • Apesar dos temas abordados, nos entrega uma ótima mensagem de esperança;
  • Trilha sonora e ambientação casam muito bem nos momentos mais reflexivos.

Contras

  • Falta de puzzles;
  • Campanha curta.
Rainswept - PS4/PC/XBO/Switch - Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4

Revisão: Ives Boitano

Análise publicada com cópia digital cedida pela Frostwood Interactive

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.


Disqus
Facebook
Google