Blast from the Past

Borderlands (Multi): celebre os 10 anos de um dos FPS mais insanos e divertidos

Tiroteios intensos, habilidades insanas e loot, muito loot! Relembre os detalhes desse incrível jogo!


Trazendo o dinamismo e interatividade do FPS, aliado aos elementos de construção de personagem característicos dos RPG’s, a Gearbox Software conseguiu criar uma receita marcante em Borderlands 1 (Multi) e que 10 anos depois continua fazendo muito sucesso. Junte-se a nós para mais uma vez desbravar a ameaçadora terra de Pandora em mais uma edição de Blast from the Past!

Terra sem lei

Um futuro distópico, o universo é disputado por grandes corporações brigando pelo maior número de planetas colonizados e repletos de recursos. A corporação Atlas consegue acesso a uma arca repleta de tecnologia alienígena, aumentando seu poderia e colocando-a na frente de seus rivais. Em meio a essa briga, encontramos o planeta Pandora, que apresentava arquiteturas alienígenas semelhantes, o que rapidamente atraiu a atenção da Atlas que rapidamente iniciaram o processo de colonização.



Entretanto, a ambiciosa corporação é obrigada a abandonar o planeta por não encontrar nem vestígio da arca e por estar despreparada para os perigos inesperados da vida selvagem de Pandora. Aproveitando a deixa, a empresa Dahl Corporation assume o local, focando na extração dos minérios abundantes do lugar, enquanto mantém as buscas pela arca de forma sigilosa. A equipe de pesquisa responsável por encontrar os vestígios do artefato alienígena é liderada pela doutora Patricia Tannis, contudo, ela vê seus companheiros sendo mortos um a um pelas criaturas de Pandora, enquanto perde a sanidade no processo.



Permanecendo resiliente em sua busca, a pesquisadora encontra indícios e uma possível localização da arca alienígena, segundo sua pesquisa, seria possível abrir o artefato a cada 200 anos e esse ciclo estaria perto de se completar, trazendo uma nova oportunidade descobrir os segredos guardados em seu interior. A informação, no entanto, acaba interceptada pela corporação Atlas, que imediatamente envia o grupo militar conhecido como Crimson Lancers.



Frente a ameaça, a Dahl não vê outra saída senão abandonar o planeta, deixando para trás uma Pandora desolada, repleta de lixo industrial e a grande maioria de seus trabalhadores que, abandonados, acabam formando gangues de bandidos. Esse acontecimento acaba virando uma lenda que ecoa por todo universo e passa a atrair a atenção de caçadores em busca de tesouros.

Atire, exploda e desintegre primeiro, pergunte depois

A jogabilidade de Borderlands traz uma mecânica simplificada e de rápida assimilação até mesmo para os jogadores mais casuais. Iniciamos em um vasto mundo aberto a ser explorado, repleto de criaturas, bandidos e mercenários perigosos prontos para te derrubar. Escolha o Vault Hunter que mais se identificar e inicie sua jornada de missões primárias e secundárias.



Um dos maiores atrativos já começa aqui, pois da mesma forma que você pode agir como um lobo solitário e dar cabo de tudo por conta própria, o jogo te permite criar uma equipe com até quatro jogadores no modo online ou em dupla com um parceiro em tela dividida. Se a tensão entre você e os outros players esquentar, basta resolver as coisas ali mesmo ou em locais específicos através de disputas PVP. Feito isso, está tudo pronto para pegar sua primeira arma, pegar missões com os NPC’s de Pandora ou no quadro de recompensas e partir para aventura repleta de tiroteios e explosões. Tudo para juntar o máximo de dinheiro, novas armas e experiência, que podem ser gastas em melhorias para sua habilidade especial.

Super poderes? Presente!


Aqui é um dos pontos em que o jogo mais brilha. As habilidades especiais são um show à parte e dão um belo fôlego ao gameplay, trazendo mais estratégias e alternativas durante os confrontos. Cada aventureiro possui uma habilidade única desbloqueada ao chegar no nível cinco, a partir daí, acumulamos pontos para gastar com upgrades que se dividem em três árvores.



Cada árvore irá trazer aspectos diferenciados para seu poder: adição de dano elemental, maior cadência de tiro, velocidade na movimentação, maior recuperação de escudo, entre muitos outros. Cabe a você optar pela melhor ordem a seguir na construção do seu personagem.

Em um de seus aprimoramentos, Lilith é capaz de criar asas de fogo e incendiar inimigos próximos.






Gosta de armas? Que tal milhões delas?

A Gearbox apelou bonito ao trazer outro elemento viciante para a franquia de Borderlands: o sistema de loot. O jogo trabalha com um gerador randômico de armas semelhante a jogos de RPG como Diablo, MU Online, etc. Por conta disso, a chance de você encontrar a mesma arma na mesma jogada são mínimas, e a grande variedade de armas nos instiga a buscar cada vez mais pelo equipamento mais poderoso.



As armas em sua essência são tipos já conhecidos da maioria dos FPS: pistolas, revólveres, metralhadoras, escopetas, rifles de combate, snipers e bazucas. São armas para todos os gostos e combinações de personagens. A quantidade é tão impressionante que tal feito rendeu um espaço no Guinness World Records como o jogo com a maior quantidade de armas, sendo mais preciso, são cerca de 17.500.000 armas!

Solta o turbo!

Para balancear o tamanho dos mapas e não deixar que o jogo perca seu ritmo acelerado, a Gearbox inseriu um veículo nos trechos mais abertos e voltados para exploração. Essa medida caiu como uma luva na hora de percorrer grandes distâncias com o turbo, além de esquentar a experiência com combates contra veículos inimigos e criaturas selvagens.



Aqui também entra um toque de customização do jogador, sendo possível trocar a cor do possante e o tipo de arma utilizada: metralhadora ou lança mísseis.

Conheça os Vault Hunters

Os personagens da vez tem uma tarefa árdua, pois todos são figuras desconhecidas em Pandora e ainda precisam construir sua fama. Mesmo assim, considero os aventureiros desse título os mais carismáticos da franquia até o momento.



Roland, o líder nato

O representante da classe soldado em Borderlands 1 é um ex-membro dos Crimson Lancers, grupo de mercenários contratados pela corporação Atlas e que acabam se mostrando grandes vilões durante a aventura. Roland é um soldado de muitas habilidades, suas perícias lhe conferem grande proficiência com armas e uma rápida regeneração durante o combate. Somado a isso, ele ainda pode invocar uma torre automática capaz de atacar os inimigos, regenerar nossa munição e energia.



Além disso, o nosso soldado tem um senso de justiça e honra muito alinhados com o bem maior. Tornando-o um dos maiores defensores dos mais fracos em Pandora e futuro líder em Borderlands 2 (Multi).



Mordecai, o atirador

Mordecai é um grande caçador em Borderlands com uma incrível mira e que viaja pelo universo para coletar tudo aquilo que lhe é de direito. Ao seu lado ele tem seu fiel companheiro alado: Bloodwing, uma ave que é na verdade sua habilidade principal durante o jogo.



O melhor atirador de Pandora pode se especializar nas habilidades com o rifle de franco atirador, pistolas ou aprimorar o ataque de Bloodwing.



Lilith, mortal e sedutora

A Siren estreante no universo de Borderlands é a jovem Lilith. A ruiva tem uma personalidade bastante impulsiva no primeiro game e não deixa passar nenhuma briga, principalmente se for por seus companheiros. Ela é uma das integrantes mais poderosas da equipe e isso fica ainda mais em evidência no segundo título quando ela passa a absorver o poder do mineral Eridium.



Lilith possui curvas acentuadas e isso fica ainda mais em evidência com a brincadeira tóxica feita pelos desenvolvedores em seu cartaz de procurado que, ao contrário dos demais, traz foco total no busto da personagem.



Em Borderlands 1, sua habilidade é chamada de phasewalk, poder que a leva para outra realidade, deixando-a imortal, invisível e mais veloz por um breve período. Como se já não fosse bastante, a Siren solta uma grande explosão ao entrar e sair dessa realidade. Em seus aprimoramentos, ela pode melhorar sua regeneração de escudo e vida, melhorar o dano, principalmente o corpo-a-corpo, e adicionar dano elemental em seus ataques. Aliás, queimar, eletrocutar e corroer seus inimigos está entre suas coisas favoritas. 



Brick, a força imparável

O berserker de Borderlands 1 é um grande brutamontes com grande vigor físico e afinidade na luta corporal. Tanto que sua habilidade principal, o gigante guerreiro abandona suas armas e parte com tudo para cima dos inimigos, atacando com os próprios punhos. Em suas três variações, Brick pode focar no aprimoramento de seus golpes corpo-a-corpo, melhorar suas habilidades como tanque do time e, por último, ele pode aumentar seu dano com explosões e mísseis.



Não se engane pelo tamanho de Brick. Apesar da aparência mal encarada, ele é uma pessoa extremamente leal a seus amigos, não tolerando ações que possam, de certa forma, feri-los. Mesmo expulso do Santuário em Borderlands 2, por se vingar de forma violenta do traidor que vendeu a localização de um dos refúgios do grupo, ele não pensa duas vezes em deixar o passado para trás e ajudar seus companheiros.



O início da caçada

Os quatro Vault Hunters chegam ao planeta Pandora atraídos pelos contos envolvendo a arca alienígena. Trazidos pelo famoso vendedor de armas, Marcus Kincaid, à cidade de Fyrestone, onde somos apresentados ao icônico robô que amamos odiar: Claptrap. Guiados por ele, também passamos a receber instruções de uma figura misteriosa intitulada como Guardian Angel. No interior da cidade conhecemos o médico Dr. Zed. Com o apoio dos nossos novos aliados passamos a construir nossa fama em Pandora através de missões contra bandidos e tarefas secundárias.



Eventualmente, em uma das missões em que precisamos eliminar o líder de uma das gangues de bandidos, encontramos o que seria uma das chaves para a arca. Tal feito acaba atraindo a atenção da Dr. Tannis, que estabelece contato conosco e explica que as chaves servem para abrir o artefato alienígena. A partir daí, começamos receber a cooperação da excêntrica pesquisadora na busca pelas demais chaves.



Da mesma forma que nossos feitos atraem novos aliados, eles também chamam atenção de novas ameaças. A mais perigosa delas fica por conta do grupo militar da corporação Atlas: os Crimson Lancers, liderados pela comandante Steele.

Governando com punhos de Siren

 Steele é uma mulher pálida, com longos cabelos brancos e de personalidade radical, que deixa claro não tolerar as ações dos recém-chegados Vault Hunters. Para cada grande feito realizado, novas ameaças para recuar e até deixar o planeta são feitas por ela.



Um fato curioso sobre a líder dos Crimson Lancers são suas tatuagens azuis pelo corpo, característica marcante daquelas pertencentes a classe Siren. Apesar de confirmado pelos desenvolvedores, infelizmente o potencial da vilã não foi devidamente aproveitado, permanecendo desconhecida a funcionalidade de seus poderes. Ainda assim, a porta voz da Atlas em Pandora toma as rédeas no planeta, prevalecendo sempre suas vontades e o objetivo de localizar a arca.



Refúgio da sanidade

Enquanto mantemos a busca pelas chaves restantes, com a ajuda de Tannis, descobrimos a fortaleza chamada New Haven, a única cidade fora da influência dos Crimson Lancers. Nela conhecemos Scooter, criador do terminal Catch a Ride, responsável pelos veículos utilizados durante o jogo.



Na sequência somos apresentados a Helena Pierce, uma mulher de rosto desfigurado com uma prótese metálica no braço. Inclusive, só conseguimos entrar na cidade, pois estávamos portanto o braço metálico dela roubado por Tannis com o propósito de chantagem. O que a leva a ter ainda mais raiva da pesquisadora e dos Vault Hunters. Após muitas missões passadas por ela, é que iremos conquistar sua confiança e respeito. Uma curiosidade sobre sua aparência, é que tudo não passou de um engano de seu finado namorado que a presenteou com uma joia Skag (criatura de Pandora), o problema é que a luz irradiada do presente atraia a presença das criaturas, o que quase lhe custou a vida.



Apesar do seu jeito ríspido, ela tem seus motivos para ter raiva de Tannis, dos nosso personagens e tudo relacionado a arca alienígena. Como residente de Pandora, ela viu sua terra e povo serem explorados pela corporação Dahl e, com a ameaça dos Crimson Lancers, testemunhou a saída da empresa, abandonando seu povo ao acaso do destino, além de todo lixo e dano colateral proveniente da operação de extração de minérios. Na tentativa de criar um refúgio para os mais fracos, ela passa a governar a cidade de New Haven, sendo o único obstáculo entre os bandidos e mercenários do grupo de Steele contra os bons cidadãos de Pandora.



Com um time de aliados mais robusto, nossa busca pelo artefato alienígena passa a ser melhor assessorado. Ao eliminarmos o bandido que estaria em poder da quarta e última chave, de acordo com Tannis, descobrimos que a informação não passava de uma mentira. A pesquisadora da Dahl teria se aliado a Steele, essa por sua vez nos dá um ultimato: deixe o planeta agora ou o preço será alto demais para os Vault Hunters e a população de Pandora.

Angel entra em contato conosco para nos ajudar e avisar que deveríamos nos apressar, pois o prazo de abertura da arca estava próximo do fim, mas é interrompida com o aviso da líder dos Crimson Lancers sobre a paralisação de todo o sistema de comunicação do planeta, convenientemente realizada para evitar que qualquer informação sobre a iminente abertura da arca vazasse para outra corporação. Cabe a nós invadir o covil do grupo da vilã em busca de respostas.

 É tudo ou nada!

Ao invadir a base de operações dos Crimson Lancers, descobrimos que Tannis era prisioneira do grupo. A pesquisadora explica que tudo foi articulado pela Siren que agora possuía a chave completa e estava prestes a iniciar a abertura da arca. Após restabelecermos a comunicação do sistema ECHO, voltamos a nos comunicar com Angel e ser guiados até o local onde o artefato alienígena estaria guardado.



No local, nos deparamos com os soldados da Atlas em conflito com guardiões alienígenas incumbidos de proteger a arca. Abrindo caminho em meio a briga entre as duas forças, conseguimos localizar Steele na entrada da arca, porém é tarde demais para impedi-la. A Siren imediatamente insere as chaves no artefato, liberando uma gigantesca criatura que a engole junto com o restante de sua tropa.



Angel nos avisa que o terrível ser se chama Destruidor e que havia sido aprisionado no artefato pelo alienígenas Eridians para impedir a destruição do universo. Os guardiões estariam ali para prevenir que alguém abrisse o artefato e libertasse a criatura. Na luta final do enredo, os Vault Hunters conseguem eliminar a criatura e selar a arca por mais duzentos anos. O que seria um final feliz, torna-se uma reviravolta na trama ao mostrar que a Guardian Angel, aliada durante todo o jogo, estaria transmitindo as informações a partir de um satélite da corporação Hyperion, infectando Claptrap de forma suspeita e que teria sua conclusão em dos DLC’s do título: Claptrap’s New Robots Revolution.



 Após os créditos, é possível continuar o jogo, entregando a chave da arca para a Dr. Tannis, garantindo uma bela recompensa, além de poder finalizar missões secundárias pendentes. É possível também iniciar um novo gameplay. Ao optar por essa alternativa, o jogador mantém seus equipamentos, level e poderes e recomeça a campanha com inimigos com nível ajustado para 34, progredindo a partir dessa marca conforme avançamos. Essa operação pode ser realizada até três vezes, sempre ajustando a dificuldade (e o nome) dos inimigos na medida que completamos o jogo atual e iniciamos uma nova campanha.



Mistura que veio para ficar

A receptividade de Borderlands foi extremamente positiva, conquistando uma base de fãs, além de arrancar elogios das principais mídias especializadas. Não é a toa que a franquia rendeu mais três títulos, entre continuações diretas e prequels, além de ganhar uma caprichada edição em 2019 chamada Borderlands: Game of the Year Edition (Multi), trazendo texturas aprimoradas, a opção de jogá-lo em 4k, dentre outros extras. Em 13 de setembro de 2019, a Gearbox Software promete levar as aventuras e humor insano presentes em Pandora para o resto do universo com a continuação: Borderlands 3 (Multi).

Esperamos que tenham apreciado esse especial, tanto quanto nos divertimos ao elaborá-lo. Tem alguma curiosidade ou experiência interessante com a franquia Borderlands? Não espere por mais 200 anos e compartilhe conosco aqui nos comentários!


Revisão: Henrique Moreno

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google
Disqus
Facebook