Blast from the Past

Como Lollipop Chainsaw (X360/PS3) resgata a narrativa clássica dos games em uma era moderna

É interessante como um outsider veio de Hollywood e concebeu um jogo virtualmente desprovido dos vícios da indústria cinematográfica que incorporamos ao longo do tempo.


Muito antes de James Gunn se tornar um nome conhecido do grande público — para o bem e, mais recentemente, para o mal —, ele começou a traçar seu caminho no meio nerd e da cultura popular. Junto de trabalhos bem aceitos no cinema como o remake de Madrugada dos Mortos (2004) e outros nem tanto, como o live action de Scooby Doo (2002) ele ajudou na concepção do roteiro e atuou em Lollilove, um falso documentário a respeito de um casal californiano que acredita estar fazendo a diferença na vida dos sem-teto ao lhes distribuir pirulitos.


O filme de 2004 não seria o único de seus trabalhos em que o doce em questão seria um recurso temático de relevância para a obra. Em 2012, James Gunn, ao lado da Grasshopper Manufacture de Suda51, foi responsável pela história e concepção geral de Lollipop Chainsaw (X360/PS3). O resultado dessa união foi um estiloso e nonsense game de ação hack and slash recheado de referências a cultura pop de trilha sonora memorável e jogabilidade envolvente.



O game é protagonizado por Juliet Starling e se passa no dia de seu aniversário de dezoito anos. Atrasada para o seu colégio onde iria se encontrar com seu namorado, Nick, ela se depara com uma invasão zumbi de outro plano de existência. Para sua sorte, caçar essas criaturas é um negócio de família e, munida de sua motosserra, consegue abrir caminho até a escola, mas era tarde demais. Seu amado Nick havia sido mordido e apenas um ritual de bruxaria poderia salvá-lo, mas isso o transformaria em uma cabeça falante sem corpo — lembrando bastante as personalidades históricas representadas em Futurama.

A verdade é que essa invasão zumbi foi promovida por Swan, um gótico recluso cansado de sofrer chacota de seus colegas de sala. Além de promover o caos ao trazer os habitantes do mundo pútrido para a sua realidade, ele invoca também quatro zumbis supremos, dotados de inteligência. A graça por trás deles é que cada um é a encarnação de um gênero musical específico, o que reflete nas fases que chefiam e na trilha sonora correspondente a cada uma.


Zumbis, Motosserras e Rock and Roll

Ao todo, contando com o prólogo, são sete estágios temáticos. O primeiro inimigo a ser derrotado, na fase do colégio, é Zed, o Desajustado do Punk Rock. O segundo é Vikke, o zumbi Rei do Viking Metal que domina os céus com seu navio voador. Quando derrotado, ele pousa na fazenda dominada por Mariska, a Rainha da Psicodelia. Durante essa viagem alucinógena, Juliet descobre que sua irmã mais nova, Rosalind, foi sequestrada.

O responsável é Josey, o Mestre do Funk, que fez o fliperama da cidade de San Romero o seu lar. Durante a empreitada, o pai de Juliet, Gideon, também compra a briga contra quem raptou sua caçula. Com a derrota do zumbi da funk music, restava um último oponente a ser batido: Lewis Legend.

O Zumbi do Rock and Roll aparentava ser a ameaça final, com sua motocicleta que lança chamas e se transforma em um robô-elefante, só que tudo não passava de um plano de Swan para invocar o maior dos mortos-vivos: Killabilly. Inspirado por Elvis Presley, o Zumbis dos Zumbis é o desafio gigante e supremo enfrentado por Violet, invocado após a morte dos chefões anteriores, que acabaram servindo como sacrifícios que possibilitaram sua vinda.

Depois de um final apoteótico para a divertida aventura, mais uma terça-feira monótona se encerra na vida dos Starlings. Eles se reúnem junto de Nick, que conseguiu resolver seus problemas de carência corporal, e cantam parabéns à heroína, felicitando-a por seu aniversário.


Com a direção (criativa) de Suda 51

Algo que aconteceu durante o período promocional de Lollipop Chainsaw é que sua autoria foi constantemente atribuída a Suda 51. Apesar de ter sido o seu estúdio, a Grasshopper Manufacture, que o desenvolveu, é notável que o conhecido designer de games trabalhou menos na direção direta e mais na concepção criativa e temática, tendo muito menos influência do que aconteceu em títulos anteriores que carregam seu nome.

Isso não privou, entretanto, que o game carregasse o DNA do estúdio, da jogabilidade visceral à série de referências à cultura popular presente em outros trabalhos, como No More Heroes (Wii) e Shadows of the Damned (X360/PS3). De certa forma, é como se o estilo de Gunn combinasse perfeitamente com a filosofia punk da empresa, resultando em um produto carregado de carisma em que zumbis mortos explodem em sangue e dinheiro, usado para comprar updates e novas roupas para Juliet, tornando o jogo bem diverso nesse quesito da evolução do personagem.



Entretanto, isso também não isentou Lollipop Chainsaw dos problemas recorrentes do estúdio. O gameplay, apesar de divertido, é lento em alguns momentos por conta dos movimentos pesados de Juliet. A trava de mira mais a atrapalha do que ajuda e a câmera é desregulada, ficando completamente confusa com certa frequência. Os cenários também são muito repetitivos e, apesar de ostentarem suas ambientações de forma marcante, o level design em si é bem genérico e linear.

Por outro lado, as batalhas contra os chefões são extremamente divertidas, como se fossem remanescentes dos anos oitenta e noventa, quando havia esforço na concepção de tais combates para torná-los memoráveis. A dificuldade apresentada é na medida, sendo levemente complicadas e até intensas. Contudo, elas não causam frustração, normalmente resultante de mortes ocorridas de maneira sucessiva, algo que é constantemente recorrente nos dias de hoje por conta de games cuja proposta é justamente a dificuldade elevada, mas artificialmente promovida.

Visualmente, o game não impressiona. Afinal, não é como se tal estilo gráfico não tivesse sido realizado antes em algum momento. Entretanto, é injustiça não dar moral para a belíssima temática de gibi que o game traz em sua identidade visual, realizado de forma competente. A atrocidade dos zumbis e o visual fofo e alto-astral de Juliet é a verdadeira junção contrastante do caótico e o sublime em perfeita harmonia. Some isso à trilha sonora que, mesmo trazendo uma penca de músicas licenciadas, consegue brilhar com temas marcantes próprios de gêneros diversificados, espelhando a temática dos vilões roqueiros.


Lollipop Chainsaw foi concebido para ser um jogo de videogame — e isso é lindo

Em tempos de megalomania midiática que assolou a indústria de games ao ponto de se venderem como grandes produtos narrativos complexos, imersivos e revolucionários, Lollipop Chainsaw é um game desenvolvido sem quaisquer pretensões além de simplesmente divertir a partir do esdrúxulo. Uma líder de torcida que utiliza uma motosserra para combater zumbis roqueiros invocados por um gótico recluso após a aula, é uma sinopse que segue na verdadeira contramão de outros enredos que trazem discussões sociais elaboradas e visam promover a mudança na sociedade através do impacto.

Isso tudo é lindo, porque, apesar das tais narrativas elaboradas serem a evolução natural dos videogames — e não há nada de errado com isso, vale ressaltar—, Lollipop Chainsaw não nos deixa esquecer de onde viemos originalmente, de uma indústria cuja narrativa mais simbólica e clássica é um encanador que decide resgatar uma princesa de uma tartaruga gigante que cospe fogo em um reino de cogumelos.

Revisão: Link Beoulve
João Pedro Boaventura é jornalista formado pelo Mackenzie e pós-graduado em teoria da comunicação (como se isso significasse alguma coisa) pela Cásper Líbero. Não perde a chance de usar conceitos acadêmicos para discutir sobre videogame. Se você realmente gosta das groselhas que ele escreve, pode ler mais um pouco de suas asneiras em seu blog particular.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook