Blast Test

Dungelot: Shattered Lands (PC/Mobile) é uma mistura inusitada de RPG e Campo Minado

Explore calabouços e conquiste a glória nesse curioso título independente.


O gênero roguelike e suas variações têm sido muito explorado pelos desenvolvedores independentes, que criam combinações interessantes. Representando esse estilo, temos títulos como o metroidvania Rogue Legacy (Multi), a aventura espacial Risk of Rain (PC) e os labirintos macabros de The Binding of Isaac: Rebirth (Multi). Dungelot: Shattered Lands é um desses títulos que explora o gênero roguelike, mas de maneira bem inusitada: o jogo é uma combinação de Campo Minado, RPG e dungeon crawling. Confira o que achamos de uma versão de demostração exibida na E3 desse título que será lançado para PC, iOS e Android.

Explorando calabouços sombrios

Dungelot: Shattered Lands é na verdade o terceiro título da série, sendo que os anteriores foram lançados somente para dispositivos móveis. A jogabilidade é bem simples. Cada fase é composta de vários andares repletos de blocos e uma porta trancada para o próximo pavimento. Para avançar, é necessário encontrar a chave da porta, que está escondida em algum dos espaços — normalmente guardada por algum monstro. Sendo assim, basta clicar em algum dos blocos para revelar seu conteúdo: moedas, itens e inimigos.

O combate não tem complicações: ataques são executados ao clicar nos inimigos. O herói conta também com habilidades especiais e feitiços localizados em um menu. Fora dos calabouços, é possível melhorar características do personagem e adquirir novas técnicas ao custo das moedas coletadas. Além da energia do herói, é importante ficar de olho em atributos como fome e coragem — descuidar disso pode ser fatal.

Como representante do gênero roguelike, os calabouços são gerados aleatoriamente em todas as partidas. Outra característica é a dificuldade: ser derrotado é algo comum em Dungelot, principalmente nos andares mais profundos. Felizmente todo o dinheiro coletado não é perdido e pode ser utilizado para fortalecer o herói.

Estratégia por trás dos cliques

Em um primeiro momento, Dungelot parece bem casual. No começo eu simplesmente abria todos os blocos e enfrentava todos os inimigos. Por conta disso, eu morria muito rápido e dificilmente conseguia avançar. Entendi, então, que a estratégia está em justamente enfrentar o menor número de inimigos possível. Sendo assim, passei a escolher com cuidado quais blocos revelar. Outro ponto importante diz respeito aos inimigos: ao encontrar um monstro, os blocos próximos a ele ficam bloqueados enquanto eles não forem derrotados. Sendo assim, é importante também avaliar quais inimigos devem ser enfrentados para evitar situações perigosas.


Mas depois de algumas partidas, percebi que não existe muita estratégia ao abrir os blocos: na maioria dos casos basta revelar todos os espaços e derrotar os inimigos necessários. No começo isso pode ser difícil, mas se torna trivial após fortalecer um pouco o herói — o personagem fica tão poderoso que basta um único ataque para derrotar os monstros. Some isso à necessidade de jogar os estágios várias vezes para coletar dinheiro e rapidamente a experiência se torna repetitiva por conta do baixo nível de estratégia.

Dungelot tenta ser interessante. Existem espaços que não têm nada e que impedem liberar mais blocos, mas eles são muito escassos. Há também alguns eventos aleatórios que ajudam a trazer variedade: um andar pode estar todo escuro, o que diminui a precisão dos ataques; já outro pode estar infestado por gás, que envenena o herói. Mas, no fim das contas, isso pouco influencia na jogabilidade. Espero que a versão final ofereça mais situações e variedade.

Simples, porém promissor

Dungelot: Shattered Lands tem conceitos interessantes e únicos. A jogabilidade é simples, porém divertida. A apresentação também é ótima: o jogo tem visual colorido e detalhado, acompanhado de boa trilha sonora. No estado atual o título carece de um pouco mais de profundidade e de mais possibilidades de estratégia, mas é perfeito para partidas rápidas e descompromissadas. Dungelot: Shattered Lands tem lançamento previsto para o segundo semestre.

Revisão: Luigi Santana
Capa: Farley Santos

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de boardgames, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.

Comentários

Google
Disqus
Facebook