Jogamos

Análise: Angry Birds Star Wars (iOS/Android)

De um lado, uma das mais famosas séries de filmes da história da humanidade. Do outro, uma das mais revolucionárias e populares franquias ... (por Unknown em 30/12/2012, via GameBlast)

De um lado, uma das mais famosas séries de filmes da história da humanidade. Do outro, uma das mais revolucionárias e populares franquias de jogos dos últimos tempos. É claro que a união disso não podia ser ruim, não é? Angry Birds Star Wars é um jogo lançado para iOS e Android que traz o universo de Star Wars para dentro do jogo dos pássaros irritados, transformando os protagonistas em uma série de aves incapazes de voar mas plenamente capazes de defender o Universo. Mas, será que essa união realmente só trouxe bons frutos? Continuem lendo e vamos descobrir juntos!

A long time ago, in a galaxy far, far away...

A história de Angry Brids Star Wars se passa na trilogia original da série de filmes – os capítulos IV, V e VI –, narrando as aventuras de Luke Skywalker em busca de trazer a paz para o Universo e encerrar a tirania dos Sith e seu império. No caso, os personagens foram adaptados aos passarinhos, cada um deles recebendo um dos muitos papéis dos filmes e poderes adaptados dos originais.

Embora o jogo não possua dublagem ou mesmo legendas, a história é bem retratada e traz um estilo mais cômico que o original dos filmes. Cenas que normalmente seriam carregadas de tensão são muito aliviadas no jogo e com justa causa: imaginem assistir a um pássaro vermelho sem asas e mãos empunhando um sabre de luz e destruindo tudo a sua volta?

"AINDA não podemos voar?!"

Claro que nem tudo são rosas. Esse estilo engraçado e descontraído pode acabar desagradando aos fãs de Star Wars por gostarem da climatização deste, totalmente alterada no título da Rovio. Além disso, se você nunca assistiu a série de filmes (em que planeta você vive?) não vai poder entender totalmente só jogando o jogo, o que pode afastar um determinado público. Mas, de uma maneira ou de outra, vamos tentar simplificar e mostrar o que o jogo tem a oferecer!

A fauna espacial 

Como citei antes, os personagens de Star Wars foram adaptados aos estereótipos de Angry Birds, e assim cada pássaro ganha um novo tipo de poder de acordo com o personagem o qual foi selecionado. Outra coisa interessante é que os personagens ganham atualizações em determinados pontos do jogo, tendo seus poderes ampliados e sua usabilidade estendida. Vamos acompanhar quais são os protagonistas!

Luke Skywalker: Sob a aparência do Red Bird, Luke é um aprendiz de cavaleiro Jedi que quer livrar o Universo do Império. A princípio ele é igual ao Red Bird normal, sendo disparado sem nenhum efeito, mas posteriormente ele ganha o uso do sabre de luz – a arma icônica de Star Wars – ao clicar na tela após dispará-lo, permitindo que ele empunhe o sabre e destrua objetos e inimigos no seu (curto) raio de alcance.
Obi-Wan Kenobi: O antigo mestre Jedi e mentor de Luke aqui assume a aparência do Black Bird, mas diferente do seu normal efeito de se autodestruir numa explosão, Obi-Wan tem o poder de usar a Força – que nada mais é que um pulso psicocinético que lança blocos do cenário na direção que o jogador tocar na tela, mas é preciso estar perto dos blocos para o efeito ocorrer.
Han Solo: O caçador de recompensas é interpretado pelo Yellow Bird, e assim como o personagem utiliza-se de pistolas de energia, o pássaro vai disparar três tiros de energia consecutivos na direção que o jogador tocar na tela.
Chewbacca: O peludo parceiro de Han Solo não poderia aparecer com outro pássaro senão o colossal Big Brother Bird. Chewie (como é chamado pelos íntimos) não possui nenhuma habilidade especial a ser ativada, mas seu tamanho colossal causa um estrago assustador no cenário e nos inimigos.
Rebelde: Como um dos muitos pilotos da Aliança Rebelde contra o Império Sith surge o Blue Bird. Seu poder continua sendo o mesmo, de se transformar em três ao ter seu efeito ativado pelo jogador, provavelmente sob a justificativa de chamar reforços – já que a aliança rebelde não conta com somente um piloto, não é?
Princesa Leia: É claro que a representante feminina dos pássaros não poderia faltar nessa aventura, não é? A Pink Bird interpreta Leia, a princesa sequestrada pelo Império. Mas não se engane pelo estereótipo de donzela em perigo! Leia pode usar um feixe de energia que puxa objetos para perto de si, o que se mostra particularmente útil contra os oponentes gigantes.
C-3PO: O robô humanoide mais hilário dos filmes assume a aparência de White Bird, e tem o poder que é provavelmente o mais hilário do jogo: detonar-se em várias peças que voam em várias direções, quebrando blocos, acionando TNTs e derrotando alguns inimigos no processo.
R2-D2: O último personagem também é o único a não ser baseado em algum pássaro previamente. O robozinho carismático e multiuso tem a capacidade de eletrocutar todos os inimigos – e somente inimigos – em sua área de alcance ao ter o seu poder ativado. Ele e o C-3PO só costumam aparecer em telas especiais, ativadas ao fazer certos movimentos durante a jogatina.
Além dos protagonistas empenados, os próprios porcos (Bad Piggies) que assolam a vida dos pássaros nos outros jogos receberam designs novos exclusivamente para esse jogo, dentre eles o temido Darth Vader e o seu poder de controlar o lado negro da força. E isso tudo apenas adocica mais o que falaremos a seguir.

Guerra nas estrelas, literalmente 

Um dom que a Rovio tem é o de fazer seus jogos inovarem sempre. Desde o primeiro Angry Birds, nós contamos com fases que, apesar de possuir elementos repetitivos, tinham sempre diversas soluções para um único problema. Essa história se repete em Angry Birds Star Wars.

O jogo conta com elementos da jogabilidade de todos os jogos da franquia até hoje. As físicas terrestres estão boas como nunca, e ainda temos as telas de física espacial (abusando dos efeitos gravitacionais dos astros) criadas para Angry Birds Space. A diversificação de inimigos e de novos dispositivos a serem acionados no cenário, como prensas e armas de laser, apenas aumentaram a quantidade de maneiras com as quais podemos nos livrar dos porquinhos verdes.

E que a força esteja com você!

Para exemplificar, temos alguns inimigos que ficam disparando constantemente com uma arma laser. Utilizando-se da Força de Obi-Wan ou do sabre de luz de Luke é possível defletir os disparos, e isso é muito usado para engatilhar reações em cadeia em algumas telas. Esse tipo de ação também é usada em telas dentro de estruturas com muitas placas de metal, onde os tiros de Han Solo podem ser refletidos e atingir diversos ângulos antes de se dissiparem e exigem muita destreza do jogador para utilizar-se deles da melhor forma possível.

Outro fator que torna a jogabilidade muito inteligente é o uso dos efeitos sonoros da trilogia original de modo remasterizado e adaptado ao estilo do Angry Birds. Eu particularmente acho que uma boa escolha de efeitos sonoros e músicas tornam o jogo muito mais divertido e instintivo, por exemplo, nos momentos em que os inimigos se utilizam de suas pistolas de energia e o som te ajuda a definir o timing correto de agir.

O ovo podre 

Mas é claro que nenhum jogo passa sem as suas falhas, por mais insignificantes que sejam. No caso de Angry Birds Star Wars, o problema é o mesmo que assola toda a franquia, por mais genial que ela seja: a repetição. Alguns dos desafios encontrados no decorrer da jogatina se mostram pouco criativos às vezes, refazendo o uso de certas dinâmicas e causando uma constante sensação de déjà vu. “Eu já não passei por isso antes?”.

Quantos Obi-Wans.

Outro problema é que por vezes um simples esbarrão pode comprometer toda sua jogada. É necessária uma precisão milimétrica para fazer determinadas jogadas, e se você acaba por ter qualquer tipo de espasmo antes do disparo definitivo, pode ter certeza que terá de recomeçar a tela.

O único ponto que vale ressaltar é a polêmica previamente citada sobre dar comicidade à história complexa e tensa de Star Wars. Este ponto é delicado de se falar porque é puramente por questão de opinião; eu, como jogador, acredito que isso não prejudicou em nada o jogo e vale a pena investir nele nem que seja apenas para experimentar. É um ponto “negativo” bobo demais para enfraquecer toda a obra.

Ao infinito e além 

No fim das contas, o jogo apenas se provou uma maneira competente e inovadora de aproveitar elementos já mostrados e levá-los ao próximo nível. Apesar das pequenas represálias e o peso da crítica, Angry Birds Star Wars com certeza merece uma chance caso seja fã de qualquer uma das duas franquias – e se for de ambas, o que está esperando pra jogar?

E fico no aguardo dos capítulos I, II e III.

Requisitos: 

  • iOS 4.3 ou posterior: tanto a versão normal quanto a versão HD (exclusiva para iPad); 
  • Android 2.2 ou superior: tanto a versão normal quanto a versão HD (exclusiva para tablets com Android). 

Prós:

  • Jogabilidade inovadora ao mesclar os elementos de Star Wars; 
  • Demonstração divertida dos eventos dos filmes; 
  • Quantidade colossal de fases com muito conteúdo; 
  • Dificuldade progressiva que exige esforço para atingir maiores pontuações; 
  • Viciante. 

Contras: 

  • A abordagem da história pode incomodar alguns “fãs”; 
  • Reciclagem de puzzles; 
  • Viciante². 

Angry Birds Star Wars - iOS/Android - Nota Final: 9.0
Visual: 8.5 | Som: 8.0 | Jogabilidade: 9.0 | Diversão: 10.0
Revisão: Catarine Aurora



Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google