Analógico

O Tempo na série Sonic

Vamos entender como funcionam as viagens temporais do ouriço mais rápido dos videogames e que alterações elas trazem.

Trabalhar uma temática centrada em viagem no tempo não é nada fácil; ausentar-se do presente, mudar o passado, melhorar ou prejudicar o futuro… É algo que muitos games já trabalharam, e mesmo assim vez ou outra encontramos “buracos” nos enredos, os quais deixam os jogadores um tanto confuso em relação à história, e nisso os fãs procuram explicações com base em uma ou mais teorias.

Em Sonic the Hedgehog, o tempo é algo simplesmente complexo e instável, e prova disso são os títulos do nosso amigo azulão que mexem com tal temática. Em especial iremos destacar Sonic CD (Sega CD), Sonic the Hedgehog (PS3/X360) e o aclamado Sonic Generations (Multi), que nos levam a crer que o passado do ouriço pode ter sido alterado após o encontro de Sonic com o seu eu de alguns anos atrás, haja vista sua aparição em Sonic Forces (Multi) e as possíveis alterações que este título nos leva a teorizar sobre o futuro na série.

Nota: o texto abaixo contém SPOILERS sobre os jogos citados além de outros, portanto esteja avisado.

Um só Passado, dois Futuros!

Eu vou, eu vou, viajar no tempo eu vou...

Comecemos com o famoso Sonic CD (Sega CD), que foi o primeiro título da franquia a explorar a possibilidade de viajar pelo tempo-espaço. Cronologicamente, a história se passa entre uma fenda que serve de união entre o Episode I e Episode II de Sonic the Hedgehog 4 (Multi), como está explícito no próprio website do jogo. O enredo se passa em outro planeta muito próximo de Móbius (mundo onde Sonic vive), chamado Little Planet, e acredita-se que neste é possível se deslocar pelo tempo-espaço devido ao poder das Time Stones, pedras semelhantes às Chaos Emeralds e que possuem o poder de viajar pelas eras. Outras teorias apontam que no passado esse mundo foi habitado por uma população derivada de South Island (o que pode explicar porque Amy, que vive por lá, e Sonic são da mesma espécie embora habitassem planetas diferentes).

Neste planeta, o Dr. Ivo “Eggman” Robotnik encontra a fonte de poder das Time Stones, e com elas pode retornar ao passado corrompendo-o completamente com suas máquinas-robô, o que comprometeu para que o futuro ficasse totalmente a favor do vilão. Para garantir sua vitória, Robotnik cria Metal Sonic, um robô maligno baseado no Sonic, mas que possui muito mais habilidades, e ainda por cima sequestra Amy Rose.
Sonic viaja pelas Zonas em todos os períodos de tempo possíveis

As máquinas-robô impedem que o futuro seja bom, por isso ele é chamado de “Bad Future”. Para evitar isso, nosso herói deve recuperar as sete Time Stones que foram mantidas escondidas em outras dimensões paralelas (os Special Stages do jogo). Mais do que resgatar Amy, recuperar as Time Stones e derrotar seu clone metálico e Robotnik, Sonic deve retornar ao passado para destruir os hologramas de Metal Sonic e as máquinas-robô que são a única forma para descomprometer o futuro e garantir o “Good Future”.

Em Stardust Speedway (a última zona em que Metal Sonic aparece), se Sonic conseguir coletar todas as Time Stones e, além disso, eliminar todos os hologramas de seu clone bem como as máquinas-robô, as zonas finais (onde se enfrentam os chefes, que no caso, estão no futuro) já estarão na linha temporal do “Good Future”. Porém, caso um dos três objetivos principais não esteja concluído, o “Bad Future” é o que se manterá.
O mesmo lugar em futuros distintos

Isso nos leva a pensar que, muito parecido com a linha cronológica de Zelda, pode ser que alguns jogos da série tenham ocorrido no tempo corrompido pelo “Bad Future”. No entanto nada pode ser 100% comprovado e, como o “Good Future” é o mais aceito como sendo o final verdadeiro do jogo, há bem mais argumentos para acreditar que Sonic de fato tenha obtido sucesso em sua jornada. Em ambos os casos, Sonic consegue libertar Amy e destruir Metal Sonic. No entanto o desempenho com as Time Stones é que decidirão se Little Planet estará livre ou continuará sob o poder de Robotnik.

Um Passado inexistente, diversos Futuros!


Vamos analisar agora um dos títulos mais polêmicos do ouriço: o Sonic the Hedgehog (PS3/X360), também chamado pelos fãs de Sonic the Hedgehog 2006, que abusou do uso das viagens no tempo, criando no final de tudo algo no mínimo intrigante. A própria história já começa de modo tenebroso: 200 anos no futuro, Silver (ao que leva a crer, um descendente de Sonic) e Blaze estão enfrentando num cenário pós-apocalíptico um grotesco ser chamado Iblis, que mesmo sendo derrotado sempre irá renascer dentro de um período de tempo muito curto. Buscando por um fim a este futuro horrendo, Silver dá ouvido a uma criatura muita parecida com Shadow, chamada Mephiles, a qual diz que a única maneira de derrotar definitivamente Iblis é destruindo-o em sua forma inicial, a qual é apresentada como sendo o Sonic. Daí Silver e Blaze são mandados por Mephiles para o tempo presente a fim de derrotar Sonic (chamado por eles de Iblis Trigger) e garantir um futuro melhor para o mundo.
O futuro de Silver nem de longe parece um "Good Future"

Em vários momentos do jogo, Sonic, Shadow e Silver viajam para o passado, retornam para o presente e avançam para o futuro, em que, no final, todos os eventos acabam se convergindo numa única linha que se direciona no mesmo futuro pós-apocalíptico em que Silver se encontra. Contudo é uma história que precisa ser acompanhada com muita atenção (e quem sabe até com um caderno e uma caneta ao lado), pois qualquer coisa ignorada pode dar um baita nó na cabeça.

Após a chegada de Silver no período presente, Mephiles em sua forma original é despertado acidentalmente por Rouge neste mesmo tempo, mandando ela e Shadow para o futuro (e nisso, ele vai para o momento em que se encontra com Silver pela primeira vez). Sonic também é enviado para o futuro juntamente com Tails e Knuckles após serem enganados por Eggman, e lá se encontram com Shadow e Rouge. Depois de conseguirem duas Chaos Emeralds, eles conseguem retornar para o presente usando o Chaos Control, mas Shadow resolve ficar no futuro para enfrentar Mephiles, só voltando ao seu tempo de origem quando a criatura maligna usa um portal temporal fugindo para o presente.

Em outro momento, Silver e Shadow (depois de terem travado uma luta e aberto um portal temporal com o Chaos Control) vão para o passado no qual vivenciam a separação entre Iblis e Mephiles (que antes eram um único ser). Shadow parte atrás de Mephiles com o Cedro da Escuridão em mãos para selá-lo, e Silver persegue Iblis até o momento em que este é selado na pequena Elise. Após entender os planos de Mephiles, Silver retorna ao presente e passa a ajudar Sonic na missão de salvar a princesa de Soleanna das mãos do Dr. Eggman, mas uma tragédia acaba ocorrendo e tanto Elise como Eggman morrem. Nisso Silver e Sonic abrem um novo portal temporal com o Chaos Control, por meio do qual Sonic volta algumas horas no passado para resgatar Elise antes da tragédia. Silver juntamente com Blaze retornam para o futuro, agora já sabendo como derrotar Iblis definitivamente (no caso fundindo-o com outra alma, e Blaze oferece voluntariamente a sua e ambos são selados em outra dimensão).
Os personagens usam o Chaos Control para viajar no tempo

Até aí nenhuma alteração no passado ou presente altera o futuro (que é salvo pelo próprio Silver), contudo a libertação de Mephiles do cedro no presente compromete o tempo-espaço, já que este acabou rompendo o selamento de Iblis quando fez Elise chorar depois de ter matado Sonic em sua frente, convergindo passado, presente e futuro num único momento (aquele em que todos os personagens, com exceção de Blaze, são mandados para o mesmo lugar). Unido com Iblis, Mephiles transforma-se em Solaris, o deus do Tempo, o qual coexiste nas três épocas (passado, presente e futuro), e a única forma de deter Solaris é derrotando-o em cada uma destas ao mesmo tempo. Depois que Sonic é ressuscitado, cada um dos Super ouriços vai para um período de tempo: Shadow no passado, Sonic no presente e Silver no futuro, e então se inicia a batalha final contra a divindade.

Diferentemente de em Sonic CD, o futuro fica um tanto incerto ao término da luta contra Solaris; isso porque Sonic e Elise retornam para 10 anos no passado, apagando a Chama da Esperança antes que esta se tornasse a Chama do Desastre, e consequentemente dando um reboot em toda a história apresentada até então (já que Eggman não surgiria no presente em busca da Chama, pois agora ela não existiria mais). Enfim, o final apaga todos os resquícios de 10 anos atrás deixando aberta a possibilidade de haver qualquer tipo de futuro, excetuando o de Silver num mundo pós-apocalíptico dominado por Iblis.

Diversos Passados, um único Futuro!


Por fim chegamos ao grandioso Sonic Generations (Multi), que apesar de não possuir uma história tão complexa quanto o jogo anterior, conseguiu embasar muito bem a temática de um modo muito mais amplo que os demais: o paradoxo em que passado e presente coexistem. Segundo o enredo, tudo ainda vem a ter início no primeiro Sonic the Hedgehog (Mega Drive), no qual devido à aparição de um monstruoso ser chamado Time Eater, o tempo não prosseguiu, interrompendo assim a história clássica que todos nós já estamos a par do ocorrido. Enquanto isso (provavelmente alguns anos depois do fato citado, mas não se sabe ao certo quantos), os amigos de Sonic estão preparando uma festa surpresa para ele, pois é aniversário do ouriço. No meio da festa, enquanto todos se divertiam, Time Eater aparece sugando cada um deles para diferentes eras em lugares onde o herói já havia se aventurado em tempos atrás. Sonic até tenta impedi-lo, mas é nocauteado pela terrível criatura, e, ao despertar, se vê diante de um cenário completamente vazio e sem cores: Este é o lugar onde o tempo se diverge e todas as eras coexistem.
Dois Sonics podem ocupar o mesmo lugar no espaço?

Logo no começo do jogo, o Sonic moderno percebe que há pequenos “portais” nesse lugar, que o leva para uma fase que ele já vivenciou em tempos atrás, ao ponto que para o Sonic clássico tudo é novidade, pois ele estava iniciando sua vida de aventuras ainda em Green Hill, ou seja, ele ainda não estava a par de todos os momentos perigosos que Robotnik o faria passar. Interessante perceber que não só o Sonic clássico veio a ser levado para essa fenda temporal, mas também o Tails clássico, o que certamente agravaria que o tempo passado de Sonic que foi tomado pode remeter a um período que vai do Sonic the Hedgehog 1 ao Sonic the Hedgehog 2 (Mega Drive), já que todos os demais jogos clássicos em que Knuckles e Amy aparece estão fora de cogitação, pois as versões clássicas destes não aparecem por aqui.

Em detrimento de toda esta história, podemos concluir que o Sonic clássico, o Tails clássico e o Dr. Robotnik do passado (que vem a aparecer em certos momentos do jogo) terão uma visão rápida de como serão suas vidas dali até o período de tempo do Sonic moderno, o que pode acabar fazendo com que esse espaço de tempo que ainda irá ocorrer venha a ser modificado, pois Robotnik, vendo que muitos de seus planos serão arruinados pelo ouriço, recorrerá a outras formas para tentar dominar o mundo, e na certa Sonic terá de tomar outras formas de precaução juntamente com os amigos que ele fará em sua jornada.
Time Eater, o vilão que pode viajar pelo tempo-espaço

Próximo ao final do jogo, os heróis do passado e do presente deparam-se pela última vez com Time Eater para o confronto decisivo. Então é revelado que monstruoso ser nada mais é do que um robô colossal criado pelo Dr. Eggman em parceria com o seu EU do passado (o Dr. Robotnik); e não apenas isso: Time Eater é na verdade uma Máquina do Tempo, o que explica como este conseguiu unir todas as eras passadas e presentes das aventuras do ouriço num único momento. Diferentemente de em Sonic CD, em Generations a história segue para um final definitivo, porém que não abre possibilidades para mais de um futuro como no Sonic the Hedgehog 2006. O motivo? Basta olhar a última cutscene antes dos créditos, que deixa claro que após a derrota de Time Eater todos os personagens (inclusive o Sonic e Tails clássicos) vão para o mesmo local de onde a aventura toda havia se iniciado: na festa de aniversário do Sonic moderno. Mesmo depois que nossos heróis do passado retornam para o seu tempo original, o futuro permanece do mesmo jeito sem nenhuma alteração. Mas por que será? Pode ser que Sonic e Tails clássicos, bem como o Dr. Robotnik, após terem retornado aos seus tempos de origem, tenham perdido aquelas memórias momentâneas vivenciadas dentro daquele lugar, já que provavelmente se eles permanecessem com elas poderiam alterar o curso da história (algo que acabou não acontecendo… ou será que não?).

Um tempo que não pode ser alterado


Mesmo com todas estas situações vistas acima, há diversos períodos de tempo que sempre se preservam intactos na série. Em Sonic Adventure (Dreamcast), o ouriço e boa parte de seus amigos têm o que se pode chamar de “visões do passado”, na qual é possível vivenciar momentos dos habitantes de Angel Island há 4000 anos (antes de Chaos dizimar a tribo dos ancestrais de Knuckles). Já em Sonic Adventure 2 (Dreamcast), podemos ver fragmentos do passado de Shadow e da grande tragédia que ocorreu na Colônia Espacial ARK há 50 anos, o qual fica bem mais esclarecido no jogo Shadow the Hedgehog (GC/PS2/Xbox), em que há fases que se passam exatamente no passado (lembranças do que Shadow vivenciou antes de ser enviado por Maria ao planeta). Além disso, na batalha final de Sonic Heroes (Multi), Metal Overlord utiliza o Chaos Control para afetar o presente de Sonic num curto tempo de 20 segundos, o que não chega a ser tão comprometedor.
A catástrofe de milênios atrás envolvendo Chaos e Tikal nunca sofreu alterações em toda a série

Temos ainda a famosa luta entre as duas faces de Gaia, citada em Sonic Unleashed (Multi), que ocorre num período de tempo entre milhões e milhões de anos. A verdade é que se tratando de mudanças temporais, em nenhum momento na história da série o período de tempo que antecede os 10 anos antes do primeiro jogo da trilogia clássica de Sonic no Mega Drive (em que ocorreu a descoberta da Chama do Desastre) sofre quaisquer alterações. Por um lado isso pode ser considerado algo bom, pois não compromete vários fatos narrados na série, como o ataque de Chaos à Station Square, a neutralidade de Shadow, a criação de Metal Sonic, o selamento de Iblis em Blaze, a invasão dos Nocturnus em Sonic Chronicles: The Dark Brotherhood (DS) entre outras coisas, assim como o reboot de tais fatos poderia resultar numa nova linha temporal na qual nunca saberíamos nem ao certo se Sonic, Eggman e todos os outros personagens estariam presentes.

Onde estamos hoje: Passado, Presente ou Futuro?


Com base em tudo que vimos e com o todas as teorias que estão sendo montadas em torno de Sonic Forces, chega a ser difícil dizer em que tempo Sonic está atualmente. Alguns podem alegar que o ouriço azul já se encontre no “Good Future” de Sonic CD, tendo como base que ele pode muito bem ter voltado para o presente a fim de sua aventura (consequentemente retornando à Móbius e levando Amy consigo), e como no Sonic the Hedgehog 2006 todos os eventos foram considerados momentâneos, o futuro permaneceu sem alterações desde Sonic CD. Mas pode ser que o Sonic clássico teve seu tempo alterado após os eventos de Sonic Generations, já que ele veio a conhecer o Tails antecipadamente (há rumores que defendem o fato do Sonic clássico já ter conhecido o seu amigo de duas caudas, apesar do Tails clássico não deixar muitas evidências sobre isso).
Aquele momento em que pensamos "E se...?"

Já vimos também que há provas claras sobre o presente de Sonic (no caso, o moderno) não ter sido alterado, pois logo ao fim da batalha contra Time Eater todos são enviados para o seu tempo original (com exceção de Eggman e Robotnik… sendo que estes retornam em jogos posteriores aos acontecimentos do Generations). Pode ser que algo venha a ter ocorrido no tempo passado entre Sonic, Tails e Robotnik de antigamente que os fizeram seguir uma linha temporal completamente diferente da que o Sonic moderno e seus amigos se encontram, mas ao que parece, o presente foi mantido sem alterações.

O mesmo Sonic em tempos diferentes!


Seguindo um pouco a proposta do que veremos em Sonic Forces, não podemos ignorar a possibilidade de que toda a série Sonic possa se passar em mais de uma linha temporal. Devemos nos lembrar de que qualquer história é baseada em escolhas, em que pelo que dá a entender, por meio da linha cronológica mais aceita, Sonic garantiu o “Good Future” em Sonic CD, os eventos posteriores de Sonic 2006 foram reescritos e o futuro de Sonic Generations permanece intacto apesar de quaisquer alterações passadas. Mas pode ser que haja uma, duas ou mais linhas futuras alternativas a esta que citamos: uma em que Sonic não conseguiu impedir os planos de Robotnik levando sua história para o “Bad Future”, outra em que os eventos vistos em Sonic 2006 não foram alterados (em que Elise pode não ter voltado ao passado, Blaze não se fundiu a Iblis e Shadow deteve Mephiles antes que este viesse a se encontrar com Silver no futuro) e até mesmo outra em que o Sonic clássico e o moderno foram derrotados por Time Eater. Pode até ser que talvez Sonic Forces nem se passe na mesma timeline do Generations. São inúmeras as possibilidades de futuros alternativos em cada uma dessas histórias.
Talvez isso não tenha acontecido na timeline que estávamos acompanhando até agora

Também pode haver o caso no qual as linhas alternativas ainda se dividem em mais possibilidades para diferentes futuros, tanto bons quanto ruins: E se mesmo tendo obtido sucesso em Sonic CD o ouriço acabasse perdendo feio em Sonic 2006? E se houvesse a possibilidade do futuro visto em Sonic Generations ter sido resultado de uma grande reviravolta do ouriço em cima do cientista após ter caído em derrota no “Bad Future”? Passados alternativos que podem resultar num mesmo futuro e um único passado que pode gerar diferentes possibilidades para o presente. O que me leva inclusive a pensar: será que Infinite (o novo vilão de Sonic Forces) surgiu de uma dessas linhas do tempo alternativas? Sim! Isso chega a dar um baita nó no cérebro, e olhe que nem inserimos as dimensões paralelas da série, mas é certo que mesmo existindo uma forma de se viajar pelo tempo, essas linhas temporais sempre existirão (mesmo que nos jogos as histórias principais da timeline apresentem apenas um único ponto de vista para nós).

Curtindo o tempo com Sonic


Numa brincadeira a parte, se pudessem dar subtítulos consagrados não apenas do mundo gamer, mas também da cultura pop para os jogos do ouriço que mais abusaram dessa temática, tenho certeza que eles seriam mais ou menos assim:

Sonic CD: A Sonic to the Past – Já que nesse jogo é necessário retornar ao passado para alterar um futuro que beira entre ser bom ou mal, a partir do seu desempenho na tentativa de destruir as máquinas do vilão e recuperar as Time Stones;

Sonic the Hedgehog (2006): Days of Future Past – Pois ao final de toda trama, após toda a história ter sido reescrita, é possível perceber que os personagens ainda tendem a manter uma conexão daquilo que “teoricamente” nunca viveram;

Sonic Generations: Back to the Future – Isso porque o enredo deixa bem claro que apesar da alteração promovida no passado do herói, o futuro não ficaria comprometido, pois Time Eater só havia corrompido o espaço temporal até o presente, e Sonic prosseguiria no mesmo futuro antes do ataque inicial da trama;

Mesmo com tantas divergências temporais, uma coisa é certa: Sonic é uma série que soube se utilizar tão bem da temática de viagem no tempo quantos outras grandiosas franquias que aderiram à mesma, como The Legend of Zelda, Kingdom Hearts e o inesquecível Chrono Trigger, além de elaborar uma fantástica mitologia em que o tempo é fator primordial em qualquer aventura. E não importa o quanto o tempo corra; Sonic sempre irá correr contra ou a favor dele para garantir que o mundo sempre tenha um “Good Future”, pois vale lembrar quantas vezes gastamos o nosso tempo na frente de um videogame para ajudá-lo a obter essas velozes conquistas.
Reviva a nostalgia sem deixar de correr em direção ao amanhã. Um “Good Future” para todos!

Revisão: Luigi Santana
Capa: Nibroc-Rock DeviantArt
Áquila Braga escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook