Tibia (PC): conteúdo detrás da porta 999 foi revelado

Após um desenrolar cheio de reviravoltas, o mistério da lendária Ilha de Schrödinger foi, enfim, revelado.



Tibia
, o interminável MMORPG da Cipsoft, continua cativando a imaginação de muitos jogadores por aí com seus mistérios. O maior de todos, talvez, foi revelado na última sexta(23).


O game contém um portal na região de Banuta que só pode ser acessado por personagens que alcançaram o nível 999. Quando foi implementada, em 2009, a entrada não levava a lugar nenhum. Contudo, a desenvolvedora lançou uma atualização em 2015 que inseriu uma ilha misteriosa no mapa do jogo — apelidada de Schrödinger’s Island —, que só pode ser acessada de lá.

O primeiro jogador a atingir o level requerido foi o brasileiro Kharsek, mas este não quis revelar o que havia detrás da misteriosa porta.

Enfim, os segredos do portal de Banuta foram desvelados pela usuária Dev Onica, que fez uma transmissão ao vivo no Twitch para mostrar a ilha.


O conteúdo do lugar, no entanto, pareceu frustrar as expectativas de muitos curiosos. Assemelhando-se a uma colônia de férias, o local conta com uma série de NPCs. Um, por exemplo, vende frutas e sacolas ao jogador. Parece algo decorativo, como um sinal de que, enfim, o final de Tibia foi encontrado.

No entanto, restam ainda algumas perguntas acerca de Schrödinger’s Island. Como explica o YouTuber Cateroide, outros NPCs oferecem coisas aos personagens de nível 999, 1000 e 1003 que chegarem à ilha, mas estes diálogos não foram mostrados na stream de ontem. Especula-se que o local guarde as lendárias Boots of Waterwalking, único item do antigo lore do game que ainda não foi obtido por qualquer usuário.

Tibia completou 20 anos em janeiro. O auge de sua popularidade foi atingido em meados dos anos 2000.

Luiz Roveran é mestrando em música pela UNICAMP. Busca em sua produção promover a interdisciplinaridade entre os games e outras mídias, como o cinema e a literatura. É um dos fundadores do Pulo Duplo, toca com o Co-Op Players e é ostensivamente são-paulino.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook