Top 10

Cidades reais recriadas nos games

Listamos algumas das mais interessantes recriações de cidades que pintaram nos games.


Com bons anos de popularidade de jogos em mundo aberto, contar histórias que se passam em cidades reais se tornou algo ainda mais recorrente. Recriar e representar espaços reais em uma obra é uma tarefa que suscita inúmeros pontos de reflexão. Mais importante é pensar que esses espaços precisam, sobretudo, trazer diversão e uma construção que case bem com a proposta do game em que estão. Não adianta nada uma cidade ser fiel e visualmente impressionante em um game se não proporciona desafios e possibilidades para o que há de jogável na obra.


Dentre as mais interessantes recriações de cidades reais, listamos algumas que nos agradam bastante.

10 - Rio de Janeiro - Driver 2 (PS)

O Brasil já foi representado nos games, e a cidade escolhida para figurar a nossa lista é a cidade maravilhosa, o Rio de Janeiro, que é a última cidade do modo história de Driver 2. No jogo nós podemos visitar alguns dos principais pontos turísticos do mundo real, claro que não é perfeito como os jogos de hoje em dia, já que o jogo foi lançado no ano 2000 e para o PlayStation original.

Os destaques ficam por conta do Cristo Redentor, símbolo máximo da cidade, o Pão de Açúcar, o estádio do Maracanã, o mundialmente famoso Calçadão de Copacabana, dentre diversos outros. Na missão “Lenny Escaping”, nosso personagem precisa se dirigir até o Forte de Copacabana para finalmente capturar Lenny, mas o vilão consegue fugir em um helicóptero.

9 - Nova Orleans - InFamous 2 (PS3)

Em Infamous 2, nós passeamos para cima e para baixo pela cidade de New Marais, mas ela foi baseada na cidade de New Orleans, que fica no estado da Louisiana. Só que em vez de um simulacro baseado na realidade, o jogo nos mostra uma versão destruída e problemática.

No jogo, os produtores se focaram no maior patrimônio da cidade, a música. Por essa razão, vários músicos de ruas foram colocados em pontos da cidade. Isso dá o clima da cidade real. A trilha sonora do jogo é toda montada nos estilos que fazem a cidade conhecida, o Jazz, o Rhythem and Blues e o Rock. Além disso, os prédios da cidade foram feitos utilizando a arquitetura da cidade real, tendo inclusive um cemitério que existe no jogo e na sua contraparte real.

8 - Los Angeles - L.A. Noire (Multi)

Em L.A. Noire nós controlamos um ex-combatente de guerra que se torna policial e rapidamente vira um detetive. Sua missão principal é investigar uma série de acontecimentos que acontecem na cidade de Los Angeles, só que a ação acontece em 1947, dois anos após o fim da segunda grande guerra mundial.

A cidade toda é extremamente fiel a sua contraparte real, o ambiente do jogo traz a sensação do conturbado período pós guerra, incluindo toda a violência das gangues que floresceram naquela época. Alguns pontos turísticos presentes no jogo são a Los Angeles Cold Storage, a Los Angeles Union Station, Chinatown, dentre vários outros que podem ser encontrados no jogo.

7 - Catmandu - Uncharted 2 (PS3)

Em Uncharted 2, Drake passa por diversas localidades do mundo, mas o que chama bastante atenção é a similaridade da Nepal do jogo e a do mundo real, retratada pela  cidade de Catmandu. A arquitetura dos prédios está extremamente similar, além de outros detalhes como, por exemplo, as máscaras características usadas como decoração em algumas casas ou locais. O ambiente todo está muito verossímil e fiel com a realidade.

No jogo nós podemos parar em diversos momentos e apreciar a paisagem e os elementos que compõem o cenário. Andar pelo meio da cidade destruída e interagir com o cenário urbano. Drake precisa se esgueirar pelos pedaços da cidade para concluir a sua missão, a versão remasterizada do jogo deixou ainda mais bonito a beleza do cenário construído.

6 - Nova Iorque - Parasite Eve (PS)

Parasite Eve foi um dos primeiros jogos que fez a incomum mistura de RPG de ação com Survival Horror. A história se passa na cidade de New York, mas aqui a cidade está toda destruída. O título foi o primeiro jogo a ter colaboração conjunta do ocidente e do oriente, além disso a classificação indicativa do jogo é para maiores de 18 anos, sendo o primeiro na história da Square Enix a ter essa classificação.

O jogo apresenta alguns pontos turísticos da cidade de New York, porém a cidade está evacuada devido a ameaça da Mitocôndria Eve. Os pontos que aparecem são o Central Park, o Soho Plaza, Chinatown e a icônica Estátua da Liberdade. A similaridade do jogo com a vida real é grande e a empresa fez um bom trabalho ao criar a cidade utilizando os recursos limitados do PlayStation original.

5 - Londres - Assassin’s Creed: Syndicate (Multi)

Um dos eixos de produção da série Assassin’s Creed é recriar cidades e momentos históricos, confluindo em algo que já foi chamado pela própria Ubisoft como um “turismo virtual”. A série, então, trouxe inúmeras localidades, sendo as mais relembradas Veneza, Florença e Gênova, da popular trilogia do Ezio.

Poucos momentos conversam tão diretamente com a gente como o contexto da Revolução Industrial. Construções maiores, uso de ferro e a viagem por trens fazem da Londres de Syndicate um lugar vivo. Em meio ao trabalho infantil e outras situações lamentáveis vistas como naturais no contexto, os irmãos Frye precisam se esgueirar por fábricas e pular carregamentos no rio Tâmisa para cumprir suas missões. A adição de uma corda com gancho foi muito bem vinda para que possamos nos deslocar rapidamente e ver a pulsante cidade das torres do Parlamento.

4 - Dubai - Spec Ops: The Line (Multi)

E quando uma recriação insere um contexto de guerra no local? Com seus gigantescos prédios e tempestades de areias, a cidade é muito mais conhecida pelo estilo de vida dos milionários. Em Spec-Ops passeamos por um número reduzido de áreas se comparado a jogos de mundo aberto, mas a crueza do deserto está aliado a todo momento com o que se passa no jogo.

Com um visual competente, The Line consegue fazer nos sentirmos no playground dos milionários, ainda que em uma situação de guerra.

3 - Hong Kong - Sleeping Dogs (Multi)

Seja nas grandes avenidas da área mais moderna da cidade ou nos mercados e becos dos bairros tradicionais, Hong Kong é um belíssimo lugar para nos movermos em Sleeping Dogs. Trazendo muitos obstáculos para que possamos correr e desviar com o atlético protagonista, o jogo ainda maravilha pelo aspecto visual.

2 - Miami - GTA: Vice City (PS2)

A série GTA trouxe muitas cidades do mundo real para o mundo virtual de roubos de carros, golpes, tiroteios e exércitos de um homem só. Mesmo com a grandiosidade das três cidades de San Andreas (e com as excelentes representações de Nova Iorque e Los Angeles em GTA IV e GTA V), Vice City (que representa Miami) ainda é um dos locais mais icônicos.

Seja pela trilha sonora e todo o aspecto visual dos anos 80 ou mesmo pela diversão de dirigir em Miami Beach, Vice City traz uma das cidades mais vivas e cheias de conteúdo do mundo dos jogos.

1 - Tóquio - Série Yakuza (Multi)

Que saudades de Kamurocho e da Tóquio da série Yakuza. Temos aqui um mundo aberto (porém bem menor e mais contido, a ponto de não usarmos carro) que traz muita diversão e dialoga diretamente com tudo o que pensamos sobre a cidade. E o mais maluco de tudo é que muitas das pessoas que gostam da série e conhecem a cidade acabam dizendo que Yakuza pinta um quadro real de muita coisa de Tóquio. Se isso é verdade, ainda não sei.

O que não tem como negar são as inúmeras atividades que criam toda uma ideia na gente de como a cidade deve ser e de como tudo ali é pensado para a aventura de membros e ex-membros da centenária organização.

~
Interessantes espaços, como a São Francisco do recente WatchDogs 2, a visão de Tóquio presente em games como The World Ends With You ou mesmo a estilizada Paris de Aviary Attorney acabaram ficando de fora da lista. Não deixe, então, de comentar quais lugares virtuais representantes de locais reais você mais gostou de visitar ou que possui boas memórias.
Revisão: Luigi Santana
Colaboração: Pedro Vicente
Ailton Bueno escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais