Jogamos

Análise: Daily Espada (PC): enfrente personagens do nosso folclore

Pegue sua espada e combata os ícones do nosso folclore em busca de uma vida melhor para sua família.

Daily Espada é um jogo feito pela desenvolvedora Pidroh, composta por um único membro, Pedro, e é se concentrando nesse fato que vemos o game como uma obra espetacular. Uma produção isolada e extremamente bela, divertida e desafiadora. Não há escapatória, você vai ficar horas martelando os botões, combatendo os vilões folclóricos, lendo suas histórias enquanto ainda tem que se preocupar com a própria, sacrificando a sua vida por uma filha rebelde e uma esposa egoísta manipuladas pela sociedade consumista. Power up!

Botando desordem na casa

Daily Espada, na verdade, é um reality show fictício no qual seus participantes entram com o objetivo de conseguir determinados prêmios desejados. O método oferecido para obtê-los é arriscando a vida com os desafios existentes. A cada chefe derrotado um prêmio é conquistado. Sem sentir fome ou sono, só há uma maneira de sair: vencendo.
O personagem principal não tem nome, tudo o que se sabe é que ele é um pai de uma família conturbada que precisa de dinheiro. A filha vê sua vida se transformar em um caos ao ter que lidar sozinha com sua mãe que critica seu excesso de peso e o seu namoro. A esposa é egoísta, gananciosa, contenta-se com a inveja alheia e ignora os sentimentos da filha. Recebendo e-mails ao longo do jogo, serão as duas que irão lhe atualizar sobre o que está acontecendo fora do programa. Enquanto uma omite os fatos, a outra fala sem pudor, usando xingamentos e praticamente fazendo textos de desabafos. Em quem acreditar?
É impossível não ligar a história contada ao sacrifício humano pela obtenção de produtos de valor material. O conflito doméstico em que há, na realidade de relações corroídas por trás da idealização de família perfeita, uma máscara, é igualmente relacionável ao perturbado vínculo mãe-filha presente no jogo. Desde o começo é perceptível a crítica feita à sociedade capitalista, logo também consumista, que dá aos indivíduos presentes nela a necessidade pura do “ter”.

Treinos aeróbicos para os dedos

Os controles atuais são bastante ergonômicos, a busca para a pegada perfeita. É difícil jogadores reclamarem de dores nas mãos no mundo gamer atual, e isso fica ainda mais improvável com Daily Espada, pois a jogabilidade é simples, o que é ótimo.
Use a espada em um botão, atire em outro. Comandos básicos que inicialmente podem parecer cansativos para os novatos em jogos do gênero, mas logo viciantes e que não se mostram o bastante para derrotar os inimigos. O “segredo” para que as lutas não sejam monótonas é a alternância de espada e pistola, que acontece de maneira rápida e serve bem quando um combo corpo a corpo é finalizado. Não dê tempo para seu oponente.
Para que os combates não sejam realmente monótonos, por mais que se faça a variação mencionada, há os power ups. São cerca de dez liberados de acordo com as vitórias acumuladas. Sua tela ficará repleta de cores e movimentos rápidos que lhe deixarão em êxtase com tais efeitos que não ficará cansativo de sempre repetir os poderes para ver o inimigo sendo destruído por um guerreiro tão veloz que embeleza com seus golpes e atributos toda a violência e dor causada.

Vingando as crianças

Desde pequenos ouvimos histórias do nosso folclore. A “mitologia brasileira”, como chamada no exterior, tem características únicas e marcantes, aliás, nunca nos esquecemos da Cuca quando sempre nos diziam do que ela era capaz de fazer quando nos comportávamos mal. Agora imagine o estado que se fica ao se deparar com todos esses personagens que tanto tememos durante a infância. Sim, você pode vencê-los!
Mesmo com todos os power ups e prática que tenha obtido, ainda será difícil combater o primeiro chefão do jogo. Os movimentos dos chefões devem ser estudados durante a batalha para que na próxima vez (você com certeza vai morrer) saiba como lidar com as investidas e os poderes que serão lançados.
Depois de várias tentativas, você ganha, e tem o direito de saber mais da história da criatura que acabou de derrotar. Ela é contada de forma diferente da que conhecemos, são releituras com o objetivo de deixar o inimigo humanizado, e a partir dessa visão se encontra uma dramaticidade impressionante muito bem aproveitada. A ideia é mostrar que quem o jogador encontrou foi a consequência de diversas ações ocorridas no passado. Por mais que sejam somente textos pequenos sem a presença de imagens ou animações, eles carregam emoção que lhe faz vivenciar e sentir a dor dos personagens. Para tornar o gameplay mais dinâmico, os cenários são muitas vezes repletos de elementos que retratam o passado da vida do chefão que irá enfrentar em breve. Alterna-se o método para causar maior impacto; no andar do Saci, por exemplo, a lenda é contada como um poema; no da Mula sem cabeça, a escrita é informal, sem alguma estrutura literária, e em primeira pessoa, convidando o jogador a fazer parte dos questionamentos feitos pela personagem. E você se vê atento, lendo, parecendo bem a criança que ouvia atentamente as lendas.
São cinco chefões, cada um com sua história, cada um com suas diferenças, cada um com suas fraquezas, isso tudo já foi dito, mas, apesar de tão desafiantes e totalmente eficientes na arte de tomar seu tempo, há um problema: enfrenta-se cada um por quatro vezes (com exceção da última, Iracema). Se derrota um isoladamente, mais na frente vem uma fase para enfrentar os quatro primeiros consecutivamente, então depois de tudo e mais um inimigo derrotado, ainda virão os quatro separadamente em uma dificuldade mais alta, e então os mesmos, novamente, mas com a arte do jogo na versão alfa. Entretanto, é preciso notar que com o desenvolvimento único de uma pessoa, somente, é um problema ligado à limitação do tamanho da equipe e compreensível, aliás, o trabalho feito no geral já supera tal deficiência.

Cada pixel em seu quadrado

Daily Espada saiu anteriormente no Desura e Splitplay. Sua vinda ao Steam, entretanto, não é um mero relançamento. O game foi remodelado e melhorado, principalmente visualmente, com uma visível evolução na arte do jogo se comparado ao original. Os inimigos ganharam formas menos lineares; os cenários, detalhes de sombra, fumaça, melhores cores e mais avivamento das mesmas em contraste com a escuridão.
A trilha sonora foi feita de maneira independente através de um site que qualquer um pode ter acesso, e mesmo assim ela não se mostra fraca em algum momento, o que novamente reforça que a equipe de desenvolvimento do jogo não levou a quantidade de membros como uma barreira.
O uso dos power ups mostra até onde o jogo vai com a sua arte. Efeitos de luz, relampejos, cores azuis e vermelhas se espalhando pelo cenário, e momentos de pausa entre os golpes para evidenciar o tamanho do impacto. Você nunca vai parar de lançar seus poderes, porque sempre eles vão lhe presentear com um show.

Banda de um músico só

Como vem sendo evidenciado nessa análise, o trabalho feito em Daily Espada foi essencialmente por uma pessoa, Pedro. Ele começou o jogo, lançou em lojas independentes e com o sucesso que fez no Steam Greenlight¸ recebeu a oportunidade de melhorar o que parecia promissor. Os recursos foram o bastante para desenvolver um dos jogos indies brasileiros mais viciantes, inovadores e agradáveis já feitos.
A jogabilidade fácil e a possibilidade de mudar a dificuldade durante a campanha tornam o jogo mais atraente até para os menos inexperientes; os chefões podem ser repetitivos, mas são difíceis, interessantes e folclóricos, não havia modo melhor para homenagear nossa cultura; a história com momentos densos envolvem o jogador, tanto nas releituras das lendas, que podem levar a emoção, quanto com os e-mails que recebe da família, mostrando os dois lados daquelas que deveriam lhe amar, mas parecem estar mais preocupadas nas suas conquistas no programa e no conflito que acontece entre si; a arte é bela e aproveita de cores fortes que contrastam com os cenários de má iluminação; mas nada tira o foco das lutas, a maior parte do game, e elas se mostram satisfatórias, dinâmicas e frenéticas, dando uma sensação de que não se pode parar, e não pode mesmo. Daily Espada com certeza vai entorpecer aqueles que estiverem adeptos a viver uma das experiências mais satisfatórias no campo indie brasileiro. Mas só resta saber: você está?

Prós

  • Personagens folclóricos;
  • Releitura envolvente de lendas do folclore brasileiro;
  • Críticas à sociedade atual;
  • Grande número de power ups;
  • Beleza artística nos cenários e nas batalhas;
  • Jogabilidade simples.

Contras

  • Repetição dos chefões.
Daily Espada PC — Nota: 9.5

Revisão: Vitor Tibério
Capa: Daniel Serezane
Janderson Oliveira ainda não chegou ao patamar de universitário por estar no Ensino Médio, entrou no GameBlast com o intuito de unir o que aprendeu em sala com o que andou jogando enquanto deveria estudar para Química. Tem Facebook caso queiram catalogar a espécie.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais