Dicas e Truques

Elden Ring: Shadow of the Erdtree: o que você precisa saber para começar

Saiba como acessar o novo conteúdo, relembre quem é quem na história e descubra os primeiros passos de uma trama obscura.


Quando joguei o DLC de Dark Souls III, The Ringed City, eu sabia que aquele momento era o importante clímax de toda a trilogia. Eu só não fazia ideia de que lugar era aquele, por que estava ali e quem era aquele tal de Gael que eu precisava enfrentar em uma luta fantástica para pôr um ponto final na saga. Quem nunca?

Elden Ring: Shadow of the Erdtree também pretende finalizar uma história que, na tradição souls, é contada de forma propositalmente vaga, fragmentária e obscura. Por isso, preparei aqui um resumo para que você não tenha que entrar no Reino das Sombras às cegas. Caso não tenha conferido, nossa análise da expansão já está publicada e explica o porquê o DLC é bem-sucedido em expandir seu jogo-mãe. 

Não se preocupe, a intenção aqui é resumir as partes da colcha de retalhos de Elden Ring que estão relacionadas a SotE e, ainda, descrever os passos iniciais da nova história. Pretendo limitar as revelações da expansão ao que é dito em trailers e por NPCs que aparecem no começo. Portanto, o foco é contextualizar a premissa do épico, enquanto evito spoilers do desenrolar da trama e especulações.

Antes de chegarmos a isso, passaremos por um tópico de importância prática: como acessar o DLC?



Uma passagem para o Reino das Sombras, por favor

É possível acessá-la antes do final e o vai e vem entre o mapa original e o novo é livre e rápido, mas não vejo SotE como algo que se experimenta paralelamente à campanha. Uma evidência disso está nos requisitos para acessar o Reino das Sombras: ter derrotado Radahn e Mohg.

Radahn é encontrado sem dificuldades no Castelo da Juba Vermelha, no sudeste de Caelid, uma luta que pode ser difícil no começo, mas fica bastante fácil após a metade da jornada. Em todo caso, esse chefe é opcional, então certifique-se de tê-lo enfrentado.

Mohg é bem diferente disso, sendo um dos oponentes mais terríveis (“Nihil!”) que o Maculado encontrará (“Nihil!”), entocado em uma das áreas mais escondidas (“NIHIL!”). Ter que derrotá-lo para acessar o DLC parece uma decisão limitante por parte da FromSoftware, porém, além de fazer sentido com a história, já serve de filtro para determinar se a pessoa está pronta para encarar o que vem pela frente.

Após derrotá-lo, surgirá uma opção de interagir com o braço que pende de um casulo repousado sobre uma enorme bacia óssea, como se fosse um útero. Essa é a porta de entrada para o Reino das Sombras.



No entanto, nem todo mundo que jogou Elden Ring chegou até Mohg. Pela estatística de quantos conseguiram o troféu por derrotá-lo no PS5, apenas 35% completaram o feito, então vale a pena explicar os passos para chegar até ele. Há duas maneiras.

O caminho do invasor

A forma mais rápida é seguir as missões de Varré da Máscara Branca, o primeiro NPC que encontramos assim que chegamos a Limgrave. Fale com ele até terminar os diálogos. Após obter qualquer Grande Runa (a primeira provavelmente será a de Godrick, em Tempesvéu), fale com Varré novamente e ele dirá para ter uma audiência com os Dois Dedos, na Mesa Redonda.

Após a tarefa, reencontre Varré na Igreja da Rosa, ao sudoeste da Academia Raya-Lucaria, em Liurnia, para receber um estoque de Dedo Sangrento Fétido e a missão de invadir três jogadores ao usar o item (alternativamente, é possível usar o sinal de invasão de Magno Garras de Fera, que fica nas Ruínas do Sangue Exaltado, no Platô Altus).



Ganhando ou perdendo nas invasões, basta retornar a Varré que ele dará o Favor do Lorde do Sangue, um tecido branco que deverá ser tingido no sangue de uma donzela. Como o Maculado não tem donzela, deverá procurar outra para executar, mas é melhor não matar nenhuma e buscar uma já morta. Há uma na Igreja da Antecipação (onde o jogo começa) e na Igreja da Inibição (ao norte de Liurnia, passando pelo Vilarejo da Chama Frenética).

Com a missão cumprida, volte a Varré e ele recompensará com uma Medalha de Cavaleiro Sangue Puro, que concede uma audiência com Mohg. Basta usar o item para ser transportado para o Palácio Mohgwyn e, no final da área, enfrentará Mohg, o Lorde de Sangue.



Portal no Campo de Neve Consagrado

O Campo de Neve Consagrado é uma área secreta, então primeiro é preciso chegar até ela. Para isso, você deverá obter o Medalhão Secreto da Árvore Sacra.

Dividido em duas partes, a da direita está em posse de Albus, na Vila dos Aubináuricos, em Liurnia. Ele está disfarçado como um jarro luminoso no lugar mais alto da vila. Fale com ele até receber o item.

Já a parte da esquerda fica no Castelo Sol, no ponto mais ao norte da Montanha dos Gigantes, muito mais tarde no jogo. Antes de chegar à peça, porém, há o Comandante Niall, um chefe perigoso que luta acompanhado de duas invocações.

Em posse dos dois itens, retorne ao Elevador dos Rolds e repare na opção “Trocar ação” para fazer aparecer a opção “Colocar o medalhão secreto”. Isso fará o elevador descer em vez de subir.

Chegando ao Campo de Neve Consagrado, siga até o local de Graça chamado Campo de Neve Consagrado Interno e, dali, vá para o oeste até a beira do precipício. No local exato da imagem abaixo, você encontrará um portal para o Palácio de Mohgwyn e, no final da área, enfrentará Mohg, o Lorde de Sangue.



Cumpridos os requisitos, vamos à história.

Anteriormente, em Elden Ring…

Marika, a Eterna, é a deusa e rainha que estabeleceu a Ordem Áurea nas Terras Intermédias, manifestada na enorme Térvore. Ela teve filhos semideuses com várias pessoas diferentes e… bem, é uma novela complicada. O que importa é que ela está no centro de toda a trama que envolve suas muitas crias. Uma delas é Miquella.

Tudo em SotE gira em torno de Miquella, alguém tão importante em Elden Ring que, mesmo sem aparecer pessoalmente, é muito referenciado ao longo do jogo. Ele não é pouca coisa: é amado por todos, que o chamam de Miquella, o Bondoso, e é tão engenhoso que tentou criar sua própria Árvore Sacra. 

Ele tem a devoção da poderosa Malenia, sua irmã gêmea. Ela nasceu amaldiçoada com a doença da Podridão Escarlate, que consumia seu corpo. Já Miquella tem a sina de estar preso à forma de criança para sempre. Um cuida do outro, e o semideus buscou com afinco uma maneira de curar sua irmã.



Ainda por cima, os gêmeos estão entre os Empíreos, os raros seres com o potencial de se tornarem o deus de uma nova ordem. Além deles, apenas sua meio-irmã Ranni e a própria Marika fazem parte desse grupo seleto. Nas palavras de Malenia, segundo consta nas descrições de seus equipamentos:
“Meu irmão cumprirá sua promessa. Ele possui a sabedoria, o fascínio de um deus. Ele é o Empíreo mais temível de todos.”
Miquella alimentou sua Árvore Sacra com o próprio sangue e se trancou em um casulo nas raízes dela para fazê-la crescer. Desse lugar, ele foi raptado por Mohg, mais um meio-irmão, e levado para um palácio nas profundezas. O Lorde do Sangue entrou em repouso dentro das veias de Miquella e esperava induzir a ascensão do semideus à divindade completa para, com ele ao seu lado, erguer uma nova dinastia, mas seu ritual sangrento falhou e ele foi derrotado pelo Maculado.



Sob os véus da Umbrárvore

Não se sabe a intenção final de Miquella, mas o fato é que ele abandonou seu corpo no casulo das Terras Intermédias e foi até o secreto Reino das Sombras, onde deixou para trás todo o resto de si, parte por parte.

Semelhante a um reflexo sombrio, o Reino das Sombras é um local quase desprovido da Graça que abunda nas Terras Intermédias, como uma sombra lançada pela luz dourada da Térvore. Dominando a paisagem, há a enorme e retorcida Umbrárvore, de cuja copa saem os véus que encobrem aquela terra. Ainda assim, podemos ver que sua seiva retém o ouro, e há muitos Locais de Graça espalhados nas cercanias, onde o Maculado pode repousar.

Nesse reino afastado, uma guerra foi travada há muito tempo, liderada por um filho oculto da rainha-deusa Marika. Ele é Messmer, o Empalador, que destruiu com fogo tudo o que viu pela frente em uma cruzada para extirpar as coisas desprovidas de luz. Muitas de suas gigantescas fornalhas andantes ainda vagam à solta pelos campos, queimando o que ainda resta. Não é de se admirar que Marika seja abominada pelos habitantes originais de lá.



No entanto, a guerra de Messmer foi inglória e mantida em segredo por sua deusa-mãe, assim como a própria existência do filho piromaníaco, que não é mencionado em Elden Ring — o que acontece no Reino das Sombras fica no Reino das Sombras.

De alguma forma, Miquella descobriu sobre esse lugar oculto e como chegar até lá. Seu plano não é claro, mas ele convocou seguidores para pô-lo em prática. São vários, de origens e lealdades diferentes, movidos por um encantamento do semideus, que é conhecido não apenas por ser amado, mas por saber como compelir esse afeto. Entre os que atendem ao chamado estamos nós mesmos, o Maculado Sem Renome, que, na jornada para se tornar Lorde Prístino, encontrou o casulo roubado e deu fim a Mohg.



Cada parte do Bondoso que foi deixada para trás formou uma cruz dourada, como o passo a passo de uma trilha que seus seguidores devem percorrer. No meio do caminho, porém, está Messmer, o tirano exilado no Reino das Sombras.

O que Miquella pretende? O que o Maculado precisará fazer para descobrir? Como Marika e as árvores estão envolvidas? Qual será o destino dos reinos? As respostas de Elden Ring: Shadow of the Erdtree merecem um novo artigo e espero poder escrevê-lo um dia.

Fique abaixo com uma imagem de Leda, Cavaleira da Agulha, uma das seguidoras de Miquella, e também com dois trailers focados em história.



Revisão: Alessandra Ribeiro

Admiro videogame como uma mídia de vasto potencial criativo, artístico e humano. Jogo com os filhos pequenos e a esposa; também adoro metroidvanias, souls e jogos que me surpreendam e cativem, uma satisfação que costumo encontrar nos indies.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.