Blast Test

Impressões: Anger Foot (PC) é hilário, alucinante, insano e extremamente divertido

Ação rápida, piadas visuais e muita violência são os elementos que embalam o novo FPS da Devolver Digital.


Anger Foot
é exatamente o tipo de projeto que só poderia ter sido apoiado pela Devolver Digital e criado pela mente insana dos desenvolvedores da Free Lives, conhecidos pelo polêmico Genital Jousting (PC). Como o próprio nome sugere, o jogo é uma aventura frenética sobre um criminoso em uma cidade caótica, repleta de outros criminosos, onde ele busca recuperar seus tênis roubados usando muitos chutes e tiros. 

Com uma demo de duas horas, mergulhei na loucura de Shit City e conheci os elementos que tornam este jogo tão cativante e promissor. A ação rápida e visceral, combinando pontapés e tiroteios frenéticos é muito divertida. Apenas alguns problemas técnicos me deixaram preocupados durante a minha jogatina.

Pé na porta, tiro na cara



A ideia de chutar e atirar nas coisas por si só já é divertida para um FPS. Entretanto, é possível que essa simplicidade torne as sessões monótonas depois de um tempo. Entregar complexidade pode ser uma saída para esse problema, mas é na simplicidade, aliada a uma diversidade de elementos, que a Free Lives consegue tornar cada fase um deleite crescente.

A cadência com a qual as novidades são introduzidas ao jogador me agradou muito. Você começa apenas com os chutes, que são extremamente satisfatórios logo no início. Depois, é introduzida a pistola, novos inimigos, armas, tênis e habilidades. Cada fase é uma construção de uma ideia, que é aprimorada e expandida nas seguintes.

Essa junção de novidade e simplicidade torna a tarefa de chutar e atirar engajante do início ao fim. Além disso, existe um grau de dificuldade que torna a jogabilidade desafiadora num ponto bem agradável. Certos inimigos te abatem com apenas um golpe e, como cada cenário pode durar menos de um minuto, cada momento se torna um grande flash de tiros e socos com muita música eletrônica.

Gostou do meu calçado?



Como os calçados e o próprio pé têm grande relevância para o jogo, um grande acerto é tornar exatamente esse aspecto em uma mecânica que adiciona mais uma camada de diversidade na gameplay. Cada fase conta com desafios e uma pontuação em estrelas, que são revertidas em novos calçados. Cada um deles tem habilidades específicas que fazem toda a diferença na hora de eliminar alguns criminosos.

Por exemplo, existe a bota vermelha que dá acesso a um chute carregado que destrói tudo pela frente como um grande dash. As sandálias com meia aumentam seu dano contra chefões, e um calçado que se parece com um All Star adiciona a mecânica de recarregar a munição com cada inimigo eliminado com chutes, uma vez que a forma padrão de recarregar a arma é jogá-la na cara do inimigo e pegar outra.

Os calçados funcionam não apenas como colecionáveis, mas também como uma forma de expandir seu arsenal na destruição de Shit City. Aliado ao sistema de estrelas e desafios das fases, existe um grande potencial de rejogabilidade para aqueles que gostam de ter todos os colecionáveis e completar todos os desafios.

Humor escatológico



Algo que dá o toque final perfeito à loucura é o humor que a equipe da Free Lives utiliza aqui. Vindo de projetos como o já citado Genital Jousting, a equipe tem um olhar muito específico na hora de fazer comédia. Em Anger Foot, o universo em si é carregado de muita ironia e deboche, ambientado em uma grande cidade cheia de gangues onde até os policiais se envolvem em práticas criminosas.

O texto também não desperdiça uma linha na hora de fazer piadas. Entre os tiroteios, existem fases onde você só vaga pela cidade e fala um pouco com seus habitantes inusitados. Cada interação é digna de uma risada diferente. O mais engraçado é que é possível apenas chutar todos sem nem mesmo começar um diálogo.

Além do texto, existem diversas piadas visuais que me pegaram em cheio. Em uma das fases, é possível encontrar diversos inimigos sentados no mesmo vaso, com as calças abaixadas e armas nas mãos. Um dos chefões parece até mesmo ser um pedaço gigante de fezes. Os desenvolvedores realmente queriam deixar toda a experiência passível de risos por segundo. Até quando você morre, a música continua tocando e todos os inimigos dançam. A cereja do bolo é que é o mesmo passinho da dança do famoso meme do Thanos.



Louco e promissor

Anger Foot tem tudo para ser um queridinho dos fãs da Devolver Digital. Sua ação rápida, piadas constantes e cadência na gameplay tornam toda a experiência cativante, engajante e extremamente divertida. Minha única ressalva fica por conta da performance no PC; em diversos momentos, meus quadros caíram de 150 para 26. Isso é algo que precisa ser levado em conta, mas acredito que alguns ajustes de otimização dos desenvolvedores devem resolver. Estou animado para voltar a Shit City e descer o pé em vagabundo.

Texto de impressões produzido com cópia digital cedida pela Devolver Digital

Redator publicitário em tempo integral e amante de games nas horas vagas. Provavelmente aprendi a segurar um controle mais rápido do que uma mamadeira. Cresci com os maiores clássicos da Big N como Zelda, Mario e Pokémon. Hoje aproveito os pequenos momentos de descanso da vida corrida para me perder em Hyrule, em uma Tóquio pós-apocalíptica ou em um mundo de encanadores e cogumelos.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google