Top 10

Confira mais dez temas marcantes dos chefões dos jogos - Parte 2

Todo chefe de respeito tem que ter um tema legal, e aqui você confere mais alguns.

E aí, meu povo! Tudo bem? Demorei mais de um ano, mas voltei com uma segunda parte das canções que embalam os personagens mais chatos dos videogames: os chefes!

Como na primeira eu só coloquei nomes de jogos de luta, agora eu resolvi tratar de qualquer outro gênero exceto este, para dar uma variada. Lembrando que essa lista é orientada pelas vozes na minha cabeça com base em tudo que joguei, então se o seu favorito não estiver aqui, me conte qual é nos comentários. Quem sabe não rola uma parte 3? Bom, vamos lá! 

10 - Ronald Theme (Pokémon Trading Card Game)

Lançado para Game Boy Color, Pokémon TCG não chegou nem perto da complexidade da franquia principal, mas conseguiu apresentar o jogo de cartas dos monstrinhos de maneira didática, que naquela época - 1998 - contava com as coleções Selva e Fóssil, além do set básico.

Por mais que seja um título rápido de fechar e conseguir todas as cartas disponíveis, é mais um típico exemplo de jogo com músicas chiclete, e o tema do Ronald, nosso rival pentelho, se enquadra muito bem nisso.

9 - Crash vs. N. Cortex (Crash Bandicoot: N. Sane Trilogy)

Neo Cortex não é lá dos chefes mais desafiadores dos games. Tanto que o que torna essa batalha especial são Aku Aku e Uka Uka, que ficam brigando no mesmo ambiente e podem desintegrar o marsupial com um simples toque.

A trilha sonora de Crash Bandicoot: Warped é bacana e tem ótimos temas, como das fases Orient Express, Bone Yard, Road Crash e Future Frenzy, para citar algumas. Além disso, as versões do Remake N. Sane Trilogy as deixam ainda mais intensas. Essa especificamente traz uma tensão diferente para a batalha, que torna a briga entre todos eles bem mais empolgante, com direito até a riffs de guitarra.


8 - Yugi/Henry Tudor VII (Yu-Gi-Oh! The Duelists of The Roses)


Jogar Yu-Gi-Oh! nos consoles sempre foi uma bagunça, devido ao card game ter regras bem específicas que variavam de título para título, e com Duelists of The Roses não foi diferente. Além de invocar as criaturas, magias e armadilhas, eles deviam se locomover em um tabuleiro, como se fosse um misto de xadrez e Monstros de Duelo. 

Outra parte totalmente inesperada, foi a escolha da Guerra das Duas Rosas (1455-1485) para ilustrar a narrativa por trás de cada batalha. Enquanto Seto Kaiba liderava as Rosas Brancas (Rosenkreuz), Yugi encarnava o papel de Henrique Tudor VII, à frente das Rosas Vermelhas (Lancasters).

Antes da derradeira batalha contra o duo Nitemare e Darknite, tínhamos que superar o líder de cada casa em um duelo pelo lado o qual escolhemos defender. Por mais que a trilha sonora de Duelists of the Roses surpreenda no geral com melodias muito boas, o tema da batalha contra Yugi é simplesmente épico e superá-lo com certeza dá um sabor diferente ao jogo.

7 - Gangplank Galleon (Donkey Kong Country)


Eu não tive um Super Nintendo para poder aproveitar os títulos da época, mas conseguia jogar vez ou outra na casa de alguns amigos. Em um enfadonho final de semana que não deu para alugar Street Fighter II e Mario Kart, optamos por Donkey Kong Country, para jogar no esquema de “perdeu a vida, passa o controle”. E foi desse jeito que Gangplank Galleon ficou cravada na minha mente.

Demoramos a tarde inteira para derrubar King K. Rool, mas a missão foi bem recompensada. No fim, zeramos um jogo que viria a se tornar um clássico, e de quebra ainda conhecemos um dos temas mais legais da história do DK.

6 - Dancing Mad (Final Fantasy VI)

Kefka Palazzo era apenas um vilão com um sonho simples: explodir o mundo todo. O antagonista de Final Fantasy VI é considerado até hoje um dos melhores que já apareceu em toda a franquia de RPGs, e seu tema, Dancing Mad, também faz por onde, criando um ar de tensão bastante pesado durante a batalha.

Particularmente, este é um dos meus temas de chefes de Final Fantasy favoritos, dentre muitos.

5 - Live and Learn (Sonic Adventure 2)

Alguns jogos tridimensionais do Sonic podem não ter sido unanimidade, mas isso não se aplica às suas trilhas sonoras, ainda mais quando envolvem o rock frenético da banda Crush 40.

Live and Learn marca o clímax da batalha entre o chefão Finalhazard contra a dupla improvável Sonic e Shadow, ambos em sua forma Super. A ação acelerada e a canção fazem o hype explodir até o boss ser aniquilado pelos ouriços.

4 - Floral Fury (Cuphead)

Não preciso falar do quanto Cuphead é amado e odiado por uma legião de jogadores, seja pela sua dificuldade insana ou por seu estilo único. E a trilha sonora também dá um show à parte, graças à criatividade de Kristofer Maddigan, que compôs todas as músicas do jogo.

Como toda a inspiração vem de meados da década de 30, as canções são recheadas de influências de blues, jazz e big bands. A surpresa ficou por Floral Fury, do chefe Cagney Carnation, que usou com maestria a identidade do samba daquela época, com instrumentos de metais e uma percussão bastante característica.

3 - One-Winged Angel (Final Fantasy VII)

Antes, uma leve trivia: One-Winged Angel, é originalmente  o tema da batalha final contra a criatura Safer Sephiroth. O tema real do antagonista de FFVII é a canção Those Chosen by the Planet, mas sinceramente, ninguém liga para esse detalhe.

Por mais que eu particularmente goste mais de Dancing Mad, coloquei esta aqui na terceira posição porque Sephiroth e One-Winged Angel transcenderam a própria franquia e tornaram-se homônimos do casamento perfeito de vilão e música tema para jogos:


Para tornar o "clássico" ainda mais marcante, a animação Advent Children trouxe uma versão mais pesada, com direito a solos de guitarra, que acabou virando um dos destaques da apresentação Distant Worlds.

2 - MEGALOVANIA (Undertale)

Toby Fox realmente criou algo notável com Undertale, e a trilha sonora tem até sua base de fãs cativos. Independentemente de os favoritos sempre variarem entre Hopes and Dreams, Death by Glamour, ou até His Theme, tem uma faixa que nunca é deixada de fora de lista nenhuma: MEGALOVANIA (sim, em caixa alta).

O ritmo acelerado da música enquanto Sans fica continuamente tirando um barato da sua cara deixa qualquer jogador pilhado. Sem contar que este é o tema que rege a batalha mais difícil do jogo. Uma combinação bastante adequada.

1 - vs. Champion Lance/Red Theme (Pokémon Gold/Silver/Cristal)


O primeiríssimo lugar dessa lista vai para as duas batalhas finais de Pokémon G/S/C. E só para explicar uma coisa para vocês: esse jogo é de 2000, um ano em que todas as informações que tínhamos sobre games eram encontradas em revistas, e eu tinha muitas. Ainda assim, elas eram lançadas um bom tempo depois dos jogos, e eu consegui meu cartucho de Gold praticamente na data em que o jogo saiu.

Então imaginem a surpresa que foi ganhar a Liga Pokémon contra o Lance, e descobrir que tinha um pós-jogo para refazermos as lutas de Poké Red/Blue, para no fim irmos em uma caverna remota. Eu tinha certeza que era o Mewtwo, ou algum lendário novo, mas de repente tinha um avatar bastante conhecido com a famosa fala "...".


Para quem curtia o desenho, era praticamente uma batalha final contra o Ash. Para quem acompanhava desde Red/Blue, era como ver o que nosso primeiro personagem se tornou para depois superá-lo. E a trilha sonora do embate era simplesmente épica demais para passar despercebida.

Vale uma menção à versão refeita para Heart Gold e Soul Silver, que o tornam um dos maiores remakes da história dos games, na minha humilde opinião:


Sentiram falta de algum tema nessa lista? Deixem nos comentários e até a próxima!

Revisão: Juliana Piombo dos Santos

é amante de joguinhos de luta, corrida, plataforma e "navinha". Também não resiste se pintar um indie de gosto duvidoso ou proposta estranha. Pode ser encontrado falando groselhas no seu twitter @carlos_duskman
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.