Star Wars: a história e a evolução da franquia nos videogames — Parte 2

Vamos continuar a viagem por essa galáxia muito distante e conhecer todas as aventuras inspiradas na franquia.


Dando prosseguimento a matéria publicada no mês comemorativo de Guerra nas Estrelas, vamos continuar nossa jornada pela franquia Star Wars no universo dos videogames. Enquanto anteriormente nós conferimos os jogos baseados nos filmes da franquia, nesta segunda parte vamos focar nos títulos independentes que trouxeram conteúdo inédito, não baseados unicamente nos longas-metragens.

Mais uma vez, a matéria não vai listar todos os títulos já lançados sobre a franquia. Afinal, nem todos os games são relevantes e a narrativa tem uma quantidade de jogos muito extensa. Ou seja, vamos tratar das verdadeiras pérolas e/ou daqueles lançamentos que foram realmente importantes. Feitas as considerações iniciais, ligue os motores e acelere até a velocidade da luz, pois vamos entrar no hiperespaço!

Do a barrel roll

Inicialmente, os primeiros títulos baseados na franquia procuraram manter as raízes fortemente ligadas aos filmes. Afinal, o sucesso de cinema – e as demais mídias e produtos que resultaram dele – tornava obrigatória a referência. Conforme a franquia foi se solidificando como parte da cultura pop no geral, o lançamento de jogos “independentes” se tornou uma opção não somente possível, mas também recomendável.
X-Wing foi um grande sucesso exclusivo nos computadores
Desta forma, o universo Star Wars pôde ser expandido e trazer experiências inéditas. No começo, entretanto, os lançamentos seguiram propostas mais modestas. Os primeiros games focaram em batalhas espaciais: Star Wars: X-Wing e Star Wars: TIE Fighter chegaram em 1993 e 1994, respectivamente, para os principais computadores da época. Como os títulos sugerem, eles foram simuladores de espaçonaves, com direito a cenários em 3D e muitos tiroteios.
O jogo contou até com um DLC, chamado Balance of Power
Na sequência tivemos Star Wars: X-Wing vs TIE Fighter, de 1997. Com direito a até 8 jogadores simultâneos, o game apresentou visuais bonitos (para a época) e um desempenho competente. Dois anos depois foi lançado Star Wars: X-Wing Alliance, seguindo os mesmos padrões dos anteriores, mas agora com direito a pilotar a famosa Millennium Falcon e com um enredo dublado interligando as missões.
Rogue Squadron permitiu recriar cenas clássicas dos filmes
Ainda no contexto de jogos de nave, temos a série Rogue Squadron, que começou em 1998 com versões para PC e Nintendo 64. A boa recepção motivou a produção de uma sequência, chamada Star Wars Rogue Squadron II: Rogue Leader, em 2001, e depois outra chamada Rogue Squadron III: Rebel Strike em 2003, ambas exclusivas para o GameCube. Embora todos os três games tenham foco em combates entre aeronaves, o terceiro título trouxe também veículos e tropas terrestres.

Sucesso por todos os lados

Mudando de gênero, em 1993 e 1995, respectivamente, tivemos Star Wars: Rebel Assault e Rebel Assault II: The Hidden Empire. Ambos foram do tipo rail shooter (o jogador controla as ações enquanto percorre caminhos de forma automática) e contaram com belos gráficos, incluindo cutscenes e materiais saídos dos longas-metragens. Destaque também para o enredo original trazido pelos títulos.
Muitas emoções em Rebel Assault
Passando agora para os FPS, temos Star Wars: Dark Forces, lançado em 1995 para PC e no ano seguinte para o saudoso PlayStation. Ele foi o primeiro de uma série de quatro títulos, que posteriormente ficou conhecida como Jedi Knight. A franquia tem como personagem principal um mercenário que, depois de descobrir que possui uma ligação com a força, se torna um Jedi.
Dark Forces II começou um enredo completamente inédito
Enquanto o primeiro título se passa durante a primeira trilogia de filmes, o segundo, Star Wars Jedi Knight: Dark Forces II, de 1997, e suas sequências se passam após as películas. A partir do terceiro game, Star Wars Jedi Knight II: Jedi Outcast (2002), conforme o protagonista descobre suas aptidões Jedi, o foco da série deixa de ser os tiroteios e incorpora combate do estilo hack and slash com sabres de luz, além de habilidades com a Força.
Jedi Outcast começou a mostrar a evolução das produções dos videogames
Inclusive, é possível utilizar poderes de ambos os lados da Luz e das Trevas. Em 2003 saiu Star Wars Jedi Knight: Jedi Academy, com versões para PC e Xbox, podendo hoje ser jogado no Switch e no PlayStation 4. A quarta e final parte colocou ainda mais peso na dualidade: a campanha muda de acordo com a escolha por um dos lados. Com exceção do primeiro título, todos os demais contaram com modos multijogador.

Para todos os gostos

Já Star Wars: Galactic Battlegrounds, lançado para os computadores em 2001, é do tipo estratégia em tempo real, semelhante a Age of Empire. Ou seja, o jogador precisa coletar recursos, levantar construções, construir veículos e expandir seu exército. O gênero RPG também foi muito bem representado pela franquia das Guerras nas Estrelas. Star Wars: Knights of the Old Republic chegou em 2003, com uma continuação no ano seguinte em Star Wars: Knights of the Old Republic II: The Sith Lords.
Galactic Battlegrounds exigiu muita estratégia por parte dos jogadores
Esse nome, no entanto, ficou realmente conhecido graças a Star Wars: The Old Republic, um MMORPG lançado em 2011 e que até hoje está ativo. Com uma base sólida de jogadores, conquistada por meio de atualizações constantes e uma ótima produção, o game é uma das referências de sucesso da franquia no mundo dos videogames. Existe um remake dele em desenvolvimento, mas sem maiores detalhes sobre progresso e datas.
Um dos maiores sucessos da franquia nos jogos eletrônicos
Mais um jogo famoso é Star Wars: Force Unleashed, que foi lançado em 2008 para vários dispositivos diferentes. Nele conhecemos a história de um pupilo de Darth Vader, que é criado secretamente pelo vilão Sith para eliminar os últimos Jedi e, por fim, assumir o controle da galáxia ao lado do seu mestre, derrotando o maligno Darth Sidious.
O game contou com versões para vários consoles diferentes
O game de ação e aventura focou em lutas com o sabre de luz e a utilização de habilidades da Força, inclusive com direito a controles de movimento no Nintendo Wii. O título foi bem recebido, de forma que ganhou uma sequência dois anos depois, chamada de Star Wars: The Force Unleashed II, seguindo os mesmos moldes dos combates, agora com mais recursos. Ambos os jogos contaram com a possibilidade de seguir os caminhos da Luz ou das Trevas.

Experiência supera tudo

Para encerrar a segunda parte desse conjunto de matérias, vamos falar um pouco sobre a série Star Wars: Battlefront. Já que ela teve vários títulos diferentes ao longo dos anos, ficaremos com os principais. O primeiro surgiu em 2004 e mostrou a que veio: batalhas intensas entre dois exércitos repletos de soldados, veículos e, é claro, personagens consagrados da franquia. Com foco no multiplayer, ficou claro que as ótimas mecânicas de jogo e o vasto leque de recursos mereciam uma continuação.
Um jogo divertido e com servidores online disponíveis até hoje
A sequência do jogo de ação e tiro veio um ano depois com Star Wars: Battlefront II, que trouxe várias melhorias e novidades ao predecessor: mais personagens, cenários e modos de jogo tornaram o game um verdadeiro sucesso. O terceiro título seria o caminho natural, mas esse novo game nunca chegou. Somente dez anos depois a série ressurgiu com um grande lançamento na forma de uma espécie de remake.
Um recomeço para a série
Chamado de Star Wars Battlefront, ele focou em conteúdos relacionados a trilogia original e ao filme Rogue One. A proposta foi a mesma dos títulos originais, apresentando batalhas grandiosas em planetas clássicos da franquia, com direito a escolher seu exército, vários tipos de veículos e até heróis e vilões como Luke Skywalker, Han Solo, Darth Vader e Boba Fett. Por fim, tivemos Star Wars Battlefront II, lançado em 2017 sob muitas críticas.
Depois de algumas baixas, o título terminou em uma grande alta
Graças a um sistema de microtransações agressivo, o jogo contou uma péssima recepção nos primeiros meses após o seu lançamento. Com a posterior remoção dessas cobranças e a constante adição de conteúdos e expansões, a base de jogadores do título aumentou e solidificou. Atualmente ele conta com a versão Celebration Edition, lançada em 2019 e que traz tudo que foi disponibilizado para o game até então, incluindo todas as opções cosméticas.

Ainda há galáxias não mapeadas

Chegamos ao final de mais uma parte da nossa saga pelo universo Star Wars no mundo dos videogames. Enquanto na primeira focamos nos títulos baseados diretamente nos filmes, aqui falamos de jogos com propostas mais gerais e inéditas. Na próxima matéria falaremos de mais games importantes para a franquia, incluindo os jogos Lego, a recente série Jedi e até mesmo a colaboração com Angry Birds. Até lá e que a Força esteja com você!

Revisão: Juliana Piombo dos Santos

é produtor de conteúdo sobre games desde 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: KH, Borderlands, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.
Também encontra-se no Twitter @MatheusSO02 e no OpenCritic.
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.