Bloober Team desiste do terror psicológico, estúdio pretende criar títulos que agradem um público maior

O remake de Silent Hill 2 será o primeiro jogo da nova fase da companhia, que continuará apostando no terror, mas com ênfase na ação em vez da trama.


A desenvolvedora Bloober Team está entrando em uma nova era. E quem revelou essa informação foi o próprio co-fundador do estúdio durante entrevista cedida ao site Engadget. No encontro, Piotr Babieno comentou que os futuros games da empresa não irão se encaixar no gênero terror psicológico, pois a companhia deseja atrair os jogadores que preferem uma vertente do horror mais voltada à ação.

Por mais que a Bloober Team tenha ficado conhecida pela forma que retratou o quão assustadora pode ser a mente humana em Layers of Fear, a desenvolvedora decidiu apresentar esse tema nos seus jogos após ter lançado Basement Crawl em 2014, título similar a Bomberman que chegou ao mercado com o objetivo de chamar a atenção dos donos do PlayStation 4, que possuía poucas opções de games naquela época.

O jogo acabou mudando o futuro da empresa não por conta de ter alcançado um grande sucesso, mas sim pelas inúmeras críticas que recebeu, de tal forma que é um dos títulos com piores notas do console da oitava geração no Metacritic até hoje. Desejando remediar a péssima imagem que o game deixou na indústria, a desenvolvedora lançou Brawl, jogo gratuito que corrigia diversos problemas de Basement Crawl.

No entanto, essa não foi a única estrategia adotada pela Bloober Team para conquistar uma boa reputação entre os gamers. Uma vez que os colaboradores se reuniram para discutir o futuro da companhia, com Babieno alegando que a decisão tomada pelos envolvidos foi a de que os funcionários “precisavam criar alguma coisa que trouxesse orgulho para eles." E, pelo fato de que o co-fundador teve contato com histórias de terror desde pequeno, esse gênero pareceu o mais adequado para o estúdio.

Decisão que fez com que a desenvolvedora deixasse sua marca no mundo dos jogos eletrônicos ao lançar, dentre outros títulos, ObserverBlair Witch e The Medium. Porém, por mais que tenham recebido notas altas e até gerado o interesse de outras mídias, a ênfase na história em detrimento da jogabilidade trouxe algumas críticas a esses games, situação que levou parte da comunidade os classificar como “walking simulators".

What Remains of Edith Finch, Everybody's Gone to the Rapture e The Vanishing of Ethan Carter são alguns exemplos de “simuladores de caminhada”. E, mesmo que possuam um público fiel, títulos tão focados na trama não têm o mesmo alcance de experiências que exigem maior interação por parte dos jogadores. Dessa forma, o co-fundador da Bloober Team entende ser necessário mudar novamente o estilo dos games da desenvolvedora para aumentar a popularidade dos seus trabalhos.

Trocar de estratégia após anos de sucesso traria apreensão para a maioria das empresas, mas o estúdio parece confiar nessa aposta. Já que o remake de Silent Hill 2 será o seu primeiro jogo com um maior foco na ação. Ainda assim, a companhia não abandonará as características que a tornaram reconhecida no mercado de videogames. Isso porque irá usar a jogabilidade para transmitir suas ideias nos títulos. Confira a seguir algumas das falas mais relevantes da entrevista de Babieno para o Engadget, em tradução livre:
“Nós focamos na história, focamos no sentimento, focamos na qualidade dos gráficos e da música, mas não prestamos muita atenção às mecânicas de gameplay. Esse não era o nosso alvo. Mas nós decidimos que havia obstáculos que não conseguiríamos superar se não apresentássemos algo estimulante, algo novo.

Decidimos que os nossos próximos títulos deveriam ser muito mais voltados para o mercado de massa. [...] Nós gostaríamos de transmitir as nossas ideias, com nosso DNA, não pela história ou pela ambientação, mas pela ação. Então, todos os nossos próximos títulos terão muitas mecânicas de jogabilidade. Eles serão muito maiores.

[Em relação ao remake de Silent Hill 2] nós estávamos com tanto medo de tocar nele. Nós entendemos, desde o primeiro dia de conversação [com a Konami], que a metade do mundo nos amaria e metade do mundo nos odiaria. Estamos mexendo em algo sagrado.

Nós estamos em um momento muito específico na história [mundial] porque temos muitas crises. Como seres humanos, gostamos de estar preparados para coisas inesperadas. Esses medos nos cercam. [Então] nós gostaríamos de entregar games nos quais possamos lidar com nossos medos.”
Mesmo a Bloober Team não tendo divulgado a data de lançamento do remake de Silent Hill 2, os fãs do estúdio podem aproveitar o seu mais recente projeto com Layers of Fear (2023). Disponível para Xbox Series X/S, PlayStation 5 e PC, o jogo faz uma releitura da franquia ao não somente apresentar os dois títulos da série e seus conteúdos extras atualizados para as plataformas atuais como também adicionar um capitulo inédito que exibe uma nova perspectiva para a história do primeiro game. 

Fonte: Engadget

Apaixonado por games e tudo que envolva cultura pop.


Disqus
Facebook
Google