Jogamos

Análise: Bravery and Greed (Multi) testa nossa ganância em um divertido roguelite

Encha os bolsos de ouro, ou morra tentando, neste divertido beat ‘em up com temática medieval.

Bravery and Greed é um beat ‘em up com elementos de roguelite com suporte para até quatro jogadores localmente ou em um ambiente online. No comando de heróis representando classes conhecidas de histórias com temática medieval, desafie sua ganância em diferentes modos para obter riquezas que vão além do que se possa imaginar. Aqui a regra é simples: enriqueça ou morra tentando.

Grandes tesouros o aguardam

A premissa do jogo gira em torno de um grupo de heróis que desejam adentrar em uma antiga fortaleza anã para colocar as mãos em tesouros que os deixarão mais ricos do que reis. Entretanto, para abrir a imponente entrada do local, quatro runas mágicas são necessárias para destrancar a porta que dá acesso a esse cobiçado tesouro.

Sendo assim, o jogador pode tentar a sorte sozinho ou com a ajuda de mais companheiros para desbravar os perigosos territórios em que as runas estão localizadas e realizar essa grandiosa tarefa. Escolha sua classe e prepare-se para inúmeros perigos e segredos em uma jornada que testará sua ganância em meio a florestas, cavernas congeladas e minas abandonadas infestadas de inimigos que não darão sossego.

São quatro classes distintas disponíveis para escolher. Cada um com habilidades únicas para atender a diferentes perfis de jogo. Mesmo em uma sessão com mais pessoas, uma mesma classe pode ser selecionada por mais de um jogador. São elas:

  • O Ladino: um lutador rápido, armado com um arco e punhais. Mortal, mas com um corpo frágil, ele depende de furtividade, velocidade e mobilidade para se manter vivo.
  • O Guerreiro: um lutador experiente e resistente que confia em sua espada e seu escudo para resistir e infligir punições severas. Um especialista em curta distância que depende de aparar ou desviar de ataques à distância.
  • O Mago: um usuário de magia que usa seu cetro para conjurar ondas de energia e convocar seu fiel familiar. Embora não seja muito resistente, ele depende do teletransporte e de sua invocação para causar dano enquanto fica fora de perigo.
  • A Amazona: empunhando uma impressionante espada bastarda e seu chakram, ela é uma força a ser reconhecida. Letal a curto e médio alcance, ela tem pouca ou nenhuma consideração por sua própria segurança.
Além das classes, cada jogador também pode escolher um caminho baseado em uma das runas que está buscando. Cada uma vai guiar o caminho do jogador durante a partida por meio das habilidades extras que ele vai desbloquear ao encontrar altares de evolução:


  • Caminho da Vida: Domine poções e aumente sua capacidade de sobrevivência. Você descobrirá novas habilidades para curar seus amigos e aprenderá a usar a força da natureza contra seus inimigos.
  • Caminho do Caos: Lute bravamente e viva perigosamente. Mecânica de alto risco e alta recompensa para aumentar seu dano e sua agilidade.
  • Caminho da Ordem: Abra sua mente e aprenda a usar habilidades técnicas. Os seguidores deste caminho precisarão usar de paciência e tática para explorar plenamente suas possibilidades.
  • Caminho das Trevas: Torne-se um com o ouro! A ganância é mais recompensada do que nunca se você escolher este caminho, e táticas mais astutas estarão disponíveis.
Essa mistura de classes e caminhos traz um alto fator de replay que dá ao jogador a liberdade de experimentar diversas combinações de construção de personagem para cada sessão. Um bom estímulo, mas nada de realmente inovador se observarmos o que o gênero roguelite vem apresentando nos últimos tempos.

Os heróis têm acesso a várias áreas durante sua jornada, sendo que, ao finalizar uma, ela já fica desbloqueada para que você possa começar sua nova tentativa diretamente na que foi derrotado, por exemplo. O progresso é reiniciado, mas é possível recomeçar de qualquer área que já esteja liberada. O nível de dificuldade é balanceado de tal modo que permite que em uma nova tentativa você possa começar em um mapa com os inimigos ainda em um nível mais baixo. A dificuldade vai aumentando conforme concluímos os cenários.


Cada área possui seus temas fixos, como a floresta, a mina ou a caverna de gelo, por exemplo. Porém, a cada nova aventura o cenário é gerado de forma procedural; ou seja, não adianta decorar os esquemas dos locais pois eles vivem mudando de forma a cada nova tentativa fazer de cada jornada uma nova oportunidade de enriquecer, ou morrer mais uma vez tentando.

Durante as investidas os heróis coletam equipamentos com efeitos variados que vão ajudá-lo a avançar o máximo que puder em cada nova tentativa de chegar ao tão sonhado tesouro. Alguns deles são bem inúteis, por adicionarem efeitos pouco eficientes ou vantajosos, mas isso é algo já esperado nesse gênero de jogo.

Em alguns momentos alguns aliados na forma de NPCs podem ser resgatados para ajudar no combate contra os inimigos. Desde fiéis lobos de caça até criaturas como goblins e outros humanos estão entre as ajudas que encontramos no caminho.

Enchendo os bolsos enquanto evolui o jogo

A dinâmica de Bravery and Greed se dá em um ambiente com elementos de roguelite que evolui de acordo com nossa ganância a cada partida. Durante a jornada, o jogador coleta moedas de ouro que, além de serem usadas para adquirir equipamentos e itens durante a rodada, somam a um medidor de ganância sempre que a partida acaba com a derrota do jogador.


Conforme esse nível sobe, mais recompensas são desbloqueadas na forma de itens que entram no rol de coletas que podemos obter a cada nova partida. Em resumo: quanto mais ouro você coleta, mais desbloqueios são realizados e novas coisas surgem a cada vez que você parte em uma nova investida pelo mundo do game.

Outro elemento que manipula a dinâmica do jogo são as Arcanas. No formato de cartas de tarô, cada carta conta com algum modificador de jogo e pode trazer uma ótima vantagem junto com uma desvantagem que vai dificultar um pouco mais sua vida. Prevalece a clássica regra do risco e recompensa. Muitas cartas trazem como vantagem o aumento na taxa de coleta de ouro, mas em contrapartida podem fazer os inimigos causarem o dobro de dano, por exemplo.

Há cards que só trazem benefícios, mas, se colocarmos na balança com outros com vantagens mais “gordas”, equipá-los chega a ser pouco interessante dependendo do quanto você quer fazer sua partida render, lembrando que quanto mais ouro você coletar, e menos gastar, melhor. Desse modo, mesmo sendo derrotado, você pode obter muitos desbloqueios e deixar o jogo melhor a cada nova tentativa.


A jogabilidade é simples, divertida e viciante. Só não é tão gostoso por conta da movimentação pesada dos heróis. Para um jogo de plataforma, ela não é muito precisa, e isso fica evidente nos segmentos em que precisamos abusar dos saltos ou na luta contra muitos inimigos. A precisão dos pulos é ruim e as animações de ataque aparentam um atraso. Dá para se adaptar depois de algum tempo, mas é algo que poderia ser melhorado para deixar o gameplay mais redondinho.

Um rolê que poderia ser mais fácil de organizar

O que deixa a jogatina de Bravery and Greed mais engajadora é a capacidade de jogar com mais pessoas. Até quatro jogadores podem se reunir para jogar a campanha principal ou os demais modos disponíveis no jogo, seja localmente ou em um ambiente online.

O modo aventura é o principal, e sua dinâmica segue o que já mencionei até então. O modo horda, como o nome já sugere, coloca os jogadores em uma sala em que hordas de inimigos surgem em ondas, desafiando-os em um teste de resistência em uma luta contra diferentes grupos de inimigos até que eles sejam derrotados.


Há também um modo PvP em que os jogadores lutam cada um por si ou em grupos. Todos rendem boas horas de distração e diversão que, obviamente, também fornecem moedas para o medidor de ganância. O modo aventura é o que rende mais por conta do sistema de Ganância, por isso sempre dê prioridade para ele quando for jogar, seja só ou acompanhado. Os demais servem mais para matar o tempo ou jogar partidas mais rápidas.

Falando em companhia, uma dificuldade que tive ao jogar o multiplayer foi justamente encontrar partidas. Se você não tem amigos com o jogo, a chance de encontrar desconhecidos com sessões abertas para jogar é pequena. Sem suporte ao cross-play, uma característica que favorece jogos com foco no multiplayer online atualmente, ficamos limitados a contar com amigos na mesma plataforma para marcar uma sessão de jogatina em busca de tesouros.


A única vez que encontrei uma partida, a conexão falhou no início e a sessão foi encerrada. Com amigos esse problema é facilmente resolvido criando uma sala e enviando convites para que entrem na partida e se possa rapidamente partir para o quebra-pau contra goblins, esqueletos e afins.

Bolsos cheios de diversão

Bravery and Greed é uma ótima pedida para uma jogatina divertida e viciante com os amigos em uma experiência roguelite engajadora, apesar de não inovar dentro do gênero. A vontade de jogar uma nova partida é sempre grande depois de encher os bolsos a cada nova tentativa de ficar podre de rico.

Prós

  • Jogabilidade viciante;
  • As combinações de classes, caminhos e Arcanas favorecem o fator replay;
  • Multiplayer local para até quatro jogadores.

Contras

  • A movimentação dos personagens é imprecisa;
  • Nenhuma novidade relevante dentro do gênero roguelite;
  • Os modos extras de jogo são pouco interessantes;
  • Ausência de cross-play desfavorece o multiplayer online;
  • Dificuldade em encontrar partidas com jogadores que não estejam na sua lista de amigos.
Bravery and Greed — PC/PS4/XBO/XSX/Switch — Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PlayStation 4
Revisão: Ives Boitano
Análise feita com cópia digital cedida pela Team17

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege
Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google