Jogamos

Análise: Nerf Legends (Multi) é um erro e não deveria existir

Esta coisa feita pela FUN Labs falhou miseravelmente como projeto, produto, jogo ou sabe-se lá o quê.


Você com certeza já deve ter visto um modelo dos famosos lançadores Nerf, da Hasbro. Seja na internet, em uma propaganda na TV ou mesmo durante aquele rolezinho no shopping quando passou na porta de uma loja de brinquedos. Nerf é mundialmente conhecido por seu verdadeiro arsenal de disparadores com formatos que lembram armas reais, como pistolas, fuzis e até bazucas, capazes de disparar projéteis de plástico ou isopor por distâncias consideráveis. Você sabia que existem modelos que disparam água também?


Em novembro de 2021, a GameMill Entertainment lançou Nerf Legends para PC e consoles, e em princípio a ideia de reproduzir a experiência de brincar com os disparadores pareceu algo, no mínimo, divertido. O problema é que nem isso o jogo consegue ser. Confira os detalhes desta verdadeira bomba em nossa análise.

O caminho para se tornar uma Lenda

Nerf Legends é uma experiência de tiro em primeira pessoa que traz como destaque a representação de modelos reais dos atiradores de brinquedo em um jogo de tiro em primeira pessoa. O objetivo de nosso personagem no game é passar por uma série de desafios, no formato de fases, em diferentes ambientes e ser testado pelos mestres de cada região. O indivíduo que for capaz de se sobressair nessas provas é consagrado pela comunidade e reconhecido como uma verdadeira Lenda.
Basicamente, devemos correr por aí dando tiros nos inimigos e resolvendo puzzles mal elaborados.
O modo single player nos leva a cinco regiões, cada uma com uma quantidade de fases, nas quais devemos obter medalhas de acordo com nossa pontuação. Ao derrotar inimigos em sequência, um multiplicador é potencializado, possibilitando a obtenção de altas pontuações naquela seção. Esse desempenho é convertido em um outro tipo de pontuação, chamada de N Points, que é usada para a aquisição de novos lançadores. Ao avançar no jogo, novas cores para os brinquedos e também para o itens de customização do avatar do jogador são desbloqueadas.

O modo online traz o básico para qualquer FPS. Modos de jogo cooperativos e competitivos podem ser organizados pelos jogadores para que disputem entre si a maior pontuação e, consequentemente, a vitória. Mata-mata solo, em equipe, morte súbita; enfim, o básico.
Um avatar representará o jogador na campanha e no modo online.
Fechando, temos a área de customização de lançadores e do avatar do jogador, que é onde são adquiridos novos modelos de disparadores, perks (vantagens) para cada um deles, como aumento do dano ou da velocidade de recarga, além da personalização do avatar do jogador, que é usado tanto na campanha quanto no ambiente online. Como já é de praxe, o recomendável é jogar a campanha para liberar o máximo possível de itens para então tirar proveito de todo o arsenal no multiplayer.

Jogo nerfado

Dadas as devidas introduções e explicações sobre como o jogo é, vamos começar a “destrinchar este peru” para entender como ele é problemático — o que chega a ser um pouco estranho, já que a ideia de levar a experiência dos Nerfs para um videogame parece ser algo tão legal, não é mesmo? Nerf Legends é uma experiência deplorável no que se refere a jogabilidade, level design e desempenho. O mínimo que se espera de um jogo, seja ele de qualquer gênero, é que seja divertido, e nem isso ele consegue ser.

Os controles são ruins, muito ruins. Mesmo fazendo alguns ajustes — os poucos que estão disponíveis nas opções do jogo — e alternando a ativação do auxílio de mira, a precisão na hora de dar alguns tiros passa tão longe quanto um dardo lançado pelo modelo mais precário de Nerf. Por mais que você procure um outro modelo para atirar, a precisão inexiste. Já se vê que o problema não está nos atiradores, apenas.
Acertar um tiro pode ser mais trabalhoso do que realmente parece.
Nem mesmo a movimentação do personagem ajuda. Em alguns momentos o comando de corrida não funciona, ou então é interrompido por motivos de “eu quis parar”, do nada, e o personagem não pode se agachar. O botão para agachamento só pode ser usado enquanto se está correndo para executar um deslizamento. Temos um salto duplo, pelo menos.

Os inimigos então, nem se fala. São tão lerdos quanto o próprio jogo em si. Houve momentos em que fiquei literalmente parado atrás de um deles por vários segundos e ele não fez nada. Todos, inclusive os subchefes, possuem pontos fracos que, quando alvejados, fazem com que sofram mais danos. Boa sorte para acertar esses pontos com uma mira imprecisa em 99% do tempo.

As fases, apesar de terem seus temas bem definidos, são muito malfeitas. Algumas contam com trechos labirínticos que nos fazem perder tempo rodando até encontrar um botão que faz parte de algum puzzle que deve ser resolvido para que se possa prosseguir no mapa. Puzzles que são recorrentes e cada vez mais desnecessários. Uma vez ou outra, tudo bem, mas houve momentos em que precisei ativar o mesmo mais de uma vez simplesmente porque sim.
Boa sorte tentando acertar os inimigos por aqui.
Boa parte dos trechos de cada arena conta com desafios em que você precisa sobreviver por um tempo ou derrotar todos os inimigos naquela área para avançar. Alguns trechos demandaram um tempo extra, pois o inimigo restante simplesmente se perdeu pelo mapa. Precisei procurar o coitado e dar um fim em seu sofrimento para avançar no jogo. Quando não estamos atirando nos inimigos, andamos por diversas áreas vazias e com pouca inspiração. Nem a música ajuda.

Pra completar, até o desempenho do jogo consegue ser surpreendentemente ruim. Mesmo não contando com efeitos elaborados de iluminação ou gráficos realistas, a taxa de quadros é instável na maior parte do tempo, chegando a valores baixos em momentos com muitos elementos na tela. É incrível como o jogo parece querer mostrar que é ruim em tudo.

E já nasceu morto

Bom, se o modo single player fica desinteressante bem rápido, que tal descontar as frustrações no multiplayer? Não temos muita escapatória da experiência nerfada de Nerf Legends nem mesmo no ambiente online, pois não há ninguém lá! Sério! O jogo mal foi lançado e o multiplayer já está morto. Se acha exagero da minha parte, convido-o a visitar a página de estatísticas do game no Steam para referência. Na semana da publicação deste texto, o pico de jogadores nos últimos 2 meses foi de impressionantes 10 pessoas.

Felizmente — ou não — a assessoria da GameMill Entertainment nos enviou mais de uma chave do game para análise e pudemos experimentar o ambiente online em algumas partidas. Eu e meu colega de redação Maurício Katayama tivemos a surpresa de encontrar um terceiro corajoso se aventurando no limbo de Nerf Legends e jogamos algumas partidas.
O online até salvaria um pouco o jogo, mas também não deu.
A jogabilidade ruim tira todo o vestígio de diversão que poderia ser obtido nesse ambiente, mas confesso que o design das arenas é ligeiramente melhor do que as fases do modo single player. A qualidade é muito questionável, nos fazendo lembrar que existem várias alternativas, inclusive gratuitas, disponíveis no mercado.

Passe longe!

Nerf Legends falha de forma colossal como produto, jogo ou qualquer outra coisa que tenha tentado ser. Não consegue nem mesmo ser divertido ou tosco o suficiente para ser, pelo menos, engraçado. Não prestaria nem mesmo se fosse gratuito para jogar. E se fosse, talvez tivesse alguma chance por causa do multiplayer. É, inclusive, uma propaganda ruim para um brinquedo legal que existe no mundo real.

Em vez de comprar isto, compre um lançador Nerf baratinho para brincar com seu filho ou irmãozinho, ou dar uma atazanada no seu colega de trabalho. Valorize seu tempo e seu dinheiro.

Prós

  • Nenhum.

Contras

  • Controles imprecisos e com poucas opções de ajustes;
  • Modo single player com ritmo lento e personagens genéricos sem personalidade;
  • Opções de customização muito básicas;
  • Level design ruim, com puzzles malfeitos e atividades repetitivas;
  • A inteligência artificial dos inimigos é bem lerda, deixando o desafio bem pobre;
  • Otimização ruim, com constante queda na taxa de quadros;
  • O ambiente online funciona, mas já está morto.
Nerf Legends — PC/PS5/PS4/XSX/XBO/Switch — Nota: 1.0
Versão utilizada para análise: PlayStation 4
Revisão: Ives Boitano
Análise feita com cópia digital cedida pela GameMill Entertainment

Fã de Castlevania, Tetris e jogos de tabuleiro. Entusiasta da era 16-bit e joga PlayStation 2 até hoje. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora quando as partidas acabam em discórdia e fogo no parquinho. Nas redes sociais é conhecido como @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google