Jogamos

Análise: Death’s Door (Multi) é uma elaborada aventura por um mundo sombrio e cativante

Batalhas intensas, ótima ambientação e mapas recheados de conteúdo são alguns dos destaques deste indie excepcional.


Em Death’s Door, um corvo ceifador de almas sai em uma jornada por uma região perigosa depois que sua última missão é interrompida. O jogo se inspira em clássicos, como Zelda, para criar uma aventura com combates brutais, puzzles e inúmeros segredos, focando em desenvolver bem alguns poucos elementos. Além disso, seu universo sombrio cativa com personagens carismáticos, visual exuberante e ótima música. A mescla dessas qualidades resulta em uma experiência memorável e divertida.

Em busca de uma alma roubada

O cotidiano dos corvos ceifadores de almas já passou por dias melhores e agora é pautado na monotonia. O número de mortes do mundo diminuiu significativamente e boa parte dos emissários negros passa o tempo no escritório resolvendo a papelada. Um dia, um dos corvos recebe a tarefa de coletar um espírito valioso, uma oportunidade única que pode garantir a sua aposentadoria.

O corvo vai até o local indicado e derrota o monstro, mas algo dá errado: a alma é roubada. Isso é um problema imenso, pois o ceifador se torna mortal até a tarefa ser completada. Por sorte, a ave negra encontra o ladrão, no entanto aparecem mais complicações. Para completar a sua missão original, o corvo vai precisar se aliar ao larápio e caçar almas de seres gananciosos que vivem muito além do que deveriam.


Death’s Door explora essa premissa em um título de ação e aventura com câmera isométrica. No controle do corvo, desbravamos um mundo repleto de combates, pequenos puzzles e segredos. A estrutura é clássica, com progressão linear e mapas de desenho fixo, porém há muito o que descobrir em áreas fora da rota principal. Muitos trechos, inclusive, só podem ser acessados após adquirir certas habilidades.

O combate é constante e brutal, e boa parte dos embates conta com vários inimigos agressivos. Para enfrentá-los, o corvo usa sua espada em sequências rápidas de ataques; já o movimento de rolar permite escapar de investidas dos oponentes. O herói também é capaz de desferir feitiços, como uma flecha mágica ou uma esfera explosiva, ao custo de pontos de magia, que podem ser recuperados ao acertar ataques físicos.

No decorrer da aventura, o corvo se fortalece de várias maneiras. As almas coletadas dos inimigos podem ser utilizadas para melhorar atributos, como força e velocidade. Fragmentos de vida e magia estão escondidos pelo mundo, e coletar quatro deles aumenta definitivamente essas características. Por fim, com o avançar da jornada, o herói adquire novas habilidades que expandem as opções de combate e de exploração, como bombas e um arpão.



Enfrentando a morte em combates complicados

É difícil jogar Death’s Door e não se lembrar de algum Zelda clássico, afinal o conceito principal e o ângulo da câmera são similares. No entanto, este título indie tem seus próprios méritos e me conquistou com seu design enxuto focado em executar bem algumas poucas características.

O combate me agradou desde o início com sua ação ágil. Pelo caminho, o corvo enfrenta todo tipo de criatura agressiva e bastam poucos ataques para ser derrotado. O foco aqui é a precisão e, para sobreviver, precisamos saber quando golpear ou esquivar, assim como observar os padrões de movimentos dos inimigos. As mecânicas incentivam a ser agressivo: os feitiços são ótimos para atacar de longe, porém o medidor de magia só é recuperado com golpes físicos, logo precisamos balancear esses dois tipos de estratégia.


O mais interessante é que o protagonista não tem muitos ataques à disposição, mas, mesmo assim, os confrontos parecem únicos. Diferentes configurações de inimigos trazem variedade aos embates e precisamos pensar constantemente em como dar conta dos grupos — enfrento primeiro esse monstro grande e poderoso ou é melhor acabar com aqueles bichos lançando feitiços de longe? Novos tipos de oponentes aparecem pelo caminho, o que nos força a repensar as estratégias.

A dificuldade é intensa e atacar de qualquer jeito significa morte certa. Os sistemas são bem balanceados e boa parte das vezes em que fui derrotado foi por ser afobado ou impulsivo. No começo eu morri bastante, porém, aos poucos, entendi as nuances do combate e passei a sobreviver mais — cada embate é como se fosse uma dança mortal repleta de cortes com a espada, esquivas e flechas mágicas. Apreciei, em especial, as batalhas contra os inimigos mais fortes (como chefes), pois eles apresentam padrões de ataques complexos e é recompensador derrotá-los.


Morrer é inevitável, porém a punição em Death’s Door é amena. Depois de ser derrotado, o corvo reaparece na última porta de viagem rápida, o que demanda refazer parte do caminho e derrotar novamente inimigos, entretanto todo o progresso (como atalhos e itens coletados) é mantido. Há leves elementos de RPG, como diferentes armas e melhoria de atributos, mas eles têm pouco impacto. Particularmente, achei essa decisão acertada, pois coloca o foco no domínio das habilidades do jogador.

Em um mundo focado e elaborado

A jornada em Death’s Door tem progressão linear, no entanto isso não significa que ela é enfadonha. Pelo contrário, além do ótimo ritmo da trama principal, os mapas são repletos de elementos e segredos que deixam a experiência interessante. Algumas áreas são mais abertas e com múltiplos caminhos, já outras funcionam como pequenos calabouços com puzzles e desafios temáticos. Os cenários são um pouco labirínticos, mas desbloqueamos vários atalhos para tornar a navegação mais ágil — algo especialmente útil depois de morrer e voltar para o último checkpoint.

Fiquei surpreso com o conteúdo opcional. Cada área conta com muitos segredos e detalhes que incentivam a exploração, e normalmente a câmera nos instiga com algum elemento distante — várias vezes deixei de avançar na história para ir atrás de elementos escondidos. Além de melhorias para o corvo, existem vários colecionáveis espalhados pelo mundo com descrições divertidas ou com alguma informação sobre o universo do jogo. Muitas das melhores partes de Death’s Door estão justamente fora do caminho principal.


A variedade é constante na hora de resolver os enigmas. Alguns deles exigem certas habilidades para serem resolvidos, já outros são puzzles mais elaborados. Para conseguir uma espada, por exemplo, precisei decifrar mensagens enigmáticas em estátuas para encontrar botões escondidos em cavernas. Já o acesso a uma área secreta estava escondida pelo ângulo da câmera. Uma foto antiga que encontrei no sótão de uma mansão tinha passos vagos para abrir uma porta trancada com tesouros. As atividades, no geral, são muito criativas e nos incentivam a ficar atentos aos detalhes dos cenários.

O mundo de Death’s Door conta com vários pontos de viagem rápida, o que permite explorar com agilidade todos os cantos. No entanto, às vezes o backtracking é custoso, pois muitas áreas são labirínticas, visualmente parecidas e não há mapa. Por causa disso, é um pouco difícil lembrar com exatidão onde estão certos locais. É um detalhe que incomoda, mas não muito, pois os cenários são compactos e rápidos de atravessar.



Beleza soturna em um universo envolvente

Além de sua aventura variada, Death’s Door cativa com seu ótimo e carismático universo de fantasia sombria. O visual impressiona com cenários repletos de pequenos detalhes, como um cemitério abandonado, uma fortaleza em uma montanha nevada, uma imponente mansão e uma floresta com várias ruínas. A direção de arte é simples, porém bela, principalmente por causa do uso constante de iluminação dinâmica e reflexões, o que cria cenas elaboradas e agradáveis.

Apreciei, em especial, a sensação de estar explorando uma elaborada maquete, que é alcançada pelo uso da visão isométrica e da profundidade de campo. Curiosamente, há muitos momentos que parecem o contrário, por causa da proporção dissonante entre elementos: alguns cenários e inimigos são imensos em relação ao corvo protagonista, dando a impressão de que estamos enfrentando desafios grandiosos.


Destaco também a trilha sonora, que tem majoritariamente composições suaves no piano. As faixas calmas complementam a atmosfera de fantasia sombria da aventura. Já nos momentos mais intensos, as músicas ganham mais elementos e trazem sensação de urgência. A música-tema, em especial, é bela e memorável, e gostei de como sua melodia é utilizada discretamente em outras faixas.

Pelo caminho, o corvo encontra inúmeros personagens exóticos e divertidos. No escritório dos ceifadores, há funcionários que fazem todo tipo de comentário, como reclamações sobre a burocracia excessiva. Em um jardim, o protagonista é auxiliado por um cavaleiro que tem uma panela de sopa no lugar da cabeça. A Senhora das Urnas, uma das vilãs, parece ter saído diretamente de um filme do Studio Ghibli com sua aparência e personalidade bondosas, mas cheia de ganância por trás. O próprio protagonista, inclusive, esbanja carisma e personalidade com sua movimentação, mesmo sendo silencioso.


A trama se revela mais complexa do que parece e conta com algumas reviravoltas, assim como questionamentos sobre a vida e a morte. Mesmo com a atmosfera sombria, o tom é leve, com diálogos e situações bem-humoradas. Como é de praxe da Devolver Digital, o jogo está completamente em português do Brasil e a localização é impecável.

Uma jornada inesquecível

Death’s Door se concentra em algumas poucas ideias para criar uma experiência excepcional e bem balanceada. A aventura do corvo apresenta muitos combates intensos e pautados em precisão, e é muito recompensador dominar as mecânicas de luta para derrotar os inimigos. Além disso, seu elaborado mundo nos convida a explorar todos os cantos com inúmeros segredos e enigmas. A dificuldade é constante, no entanto a agilidade do andamento reduz a frustração da derrota.

É notável também o esmero na construção de seu universo de fantasia sombria, que aborda o tema da morte com humor, suavidade e personagens carismáticos. Não só isso, a ambientação é complementada com visual belíssimo e trilha sonora marcante. A pouca complexidade de alguns sistemas e a ausência de ideias únicas podem incomodar, mas a execução impecável se sobrepõe a esses detalhes. No mais, Death’s Door é uma aventura envolvente e singular.

Prós

  • Aventura de ação que executa muito bem alguns poucos conceitos;
  • Combate ágil e empolgante com várias situações intensas;
  • Mundo elaborado e repleto de segredos que convida à exploração;
  • Trama simples, mas com ótimos personagens e uma pitada de humor;
  • Audiovisual excepcional com visuais belíssimos e trilha sonora suave.

Contras

  • Revisitar certas áreas é um pouco custoso.
Death’s Door — PC/XBO/XSX — Nota: 9.0
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela Devolver Digital

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google