Blast from the Past

Sonic the Hedgehog (Mega Drive) – 30 anos de um dos maiores clássicos dos videogames

Conheça a história da criação do personagem que se tornou o mascote oficial da Sega e um ícone no início dos anos 1990.


Cara, como o tempo passa rápido. Pensar que já faz 30 anos que realizamos loopings radicais, saltos emocionantes, coletamos anéis dourados e lutamos contra um cientista maluco é surpreendente, não é mesmo? Nosso querido ouriço azul sopra muitas velinhas na data de hoje para celebrar seu 30° aniversário.



Para aproveitar a ocasião, trazemos uma edição mais que especial de nossa coluna para relembrar a história de Sonic the Hedgehog, o título que tornou nosso querido amigo espinhudo um sucesso comercial e um eterno clássico em nossas vidas.

Precisamos de um mascote

Com o lançamento do Genesis/Mega Drive em 1989 nos Estados Unidos (1988 no Japão), a Sega deu o pontapé inicial para a nova geração de consoles no início da próxima década. A popularidade do console foi imensa até o lançamento do novo console de seu principal rival, o Super Nintendo/Super Famicom, lançado em agosto de 1991 (novembro de 1990 no Japão).
O Genesis (Mega Drive no Japão) foi lançado oficialmente nos EUA em 14 de outubro de 1989
O lançamento do console da Nintendo trouxe um peso na balança durante a época que ficou conhecida como a Guerra dos Consoles. Antes disso, no cenário, de um lado havia a Nintendo, uma potência no mercado, graças ao NES/Famicom, e que estava prestes a entrar na nova geração. Super Mario Bros. 3, um título robusto que dispensa apresentações, era um dos jogos mais cobiçados e celebrados da época.

Do lado da Sega, o ponto forte do Mega Drive era entregar experiências semelhantes às que tínhamos nos Arcades da época. No lançamento do console, o jogo incluso era um port de Altered Beast, um ótimo jogo, mas se comparado à Super Mario Bros. 3, era extremamente aquém da experiência obtida no console da Nintendo.
Na virada da década, em 1990, a Nintendo era líder absoluta no segmento de jogos eletrônicos graças ao NES
Mas algo que perturbava a alta cúpula da Sega era a falta de um personagem para ser o rosto da marca e de seu novo console, assim como Super Mario foi, e ainda é, o principal rosto que vem à mente dos consumidores quando se fala em Nintendo. Hayao Nakayama, presidente da Sega Enterprises, decidiu então que era hora de seu novo console ter alguém à altura para competir com a popularidade do encanador da Nintendo.

A Sonic Team

Dentre as várias equipes de desenvolvimento na Sega que estavam trabalhando na solicitação de Nakayama, o artista Naoto Ohshima e o programador Yuji Naka acabaram se tornando os responsáveis pela concepção do que seria o jogo estrelado pelo personagem o qual viria a se tornar o mascote oficial da Sega.
Yuji Naka e Naoto Ohshima
O principal intuito do game era se tornar uma referência para o Mega Drive, com o objetivo, principalmente, de catapultar a popularidade e as vendas do console em território global. Após uma apresentação bem sucedida de uma demonstração técnica para a diretoria da Sega, a equipe de Ohshima e Naka recebeu o apoio de outro talento da empresa, o designer Hirokazu Yasuhara. O trio se tornava, então, responsável por criar um dos projetos mais importantes da história da Sega. Nascia a Sonic Team.

Naka criou o escopo do que viria a se tornar o jogo de Sonic. O protagonista deveria se mover em alta velocidade, algo até então pouco explorado por conta das limitações técnicas da época. De quebra, essa premissa serviria também para mostrar o poder do Mega Drive em comparação com seu rival. Para tal, Naka desenvolveu uma técnica que permitia que a rolagem da tela ocorresse de forma mais rápida, permitindo que essa sensação de velocidade fosse possível no console.
Durante o desenvolvimento, Sonic foi se transformando até se tornar a figura que conhecemos hoje
Com a ideia de como o jogo deveria ser, o próximo passo era desenvolver o personagem em si. Por se tratar de uma criatura cuja principal característica é a velocidade, um coelho foi inicialmente projetado para ser o herói. Uma de suas habilidades seria a de usar suas orelhas para agarrar objetos, mas para a época, a equipe ainda não tinha conseguido desenvolver de forma competente a técnica para ser bem aproveitada no jogo. Anos mais tarde, em 1994, essa ideia foi adaptada e aproveitada em outro jogo da Sega, Ristar.

Naka, o programador, também queria que a velocidade não fosse um problema na hora de atacar os inimigos e explorar o ambiente. Sendo assim, a equipe começou a pesquisar animais que pudessem se enrolar como uma bola, e chegaram ao ouriço. Em entrevista para o Gamasutra em 2009, Ohshima revelou que o azul que destaca Sonic foi escolhido por ser a cor da Sega, e que os tênis de cor vermelha foram inspirados na capa do álbum ‘Bad’, de 1989, do cantor Michael Jackson, e que criavam um bom efeito quando Sonic estivesse em alta velocidade.

Genesis does what Nintendon’t


Este era o slogan da agressiva campanha de marketing da Sega of America, na segunda metade de 1990. A ação visava uma série de medidas para tornar o Genesis popular na América do Norte: baixar o preço do console, criar uma equipe local para desenvolver jogos para o público americano, campanhas de marketing mais agressivas e trocar o jogo que vinha incluso com o console.

Pouco tempo depois do lançamento de Sonic the Hedgehog em 23 de junho de 1991, o jogo do mascote da Sega se tornou o título incluso em todos os consoles vendidos nos EUA. O resultado do ataque mercadológico da Sega foi uma generosa fatia de 65% do mercado de consoles no país, num período em que o NES ainda era presente e bem ativo na residência dos americanos.
Sonic the Hedgehog passou a ser o jogo incluso na compra do console
Já no período de festas de fim de ano de 1991, com o lançamento do Super Nintendo nos EUA em agosto, a Nintendo estava entrando em um terreno complicado e praticamente dominado por sua principal rival. Para cada Super Nintendo vendido, dois Genesis estavam sendo levados para as casas dos consumidores, e no início do ano seguinte a Nintendo se viu pela primeira vez fora da liderança no segmento de games no país.

No Brasil uma sólida parceria com a Tectoy, que prevalece até os dias de hoje, garantiu que o Mega Drive também fosse amplamente divulgado e comercializado no país. Era comum ver comerciais na TV e espaços de merchandising nas lojas que vendiam tanto ele quanto o Master System e seus respectivos jogos em território nacional.

Até mesmo um programa de TV em parceria com a Tectoy foi criado. Apresentado por Gugu Liberato, o Play Game surgiu com o intuito de divulgar o console mostrando seus jogos em um game show onde duas duplas de crianças disputavam pela maior pontuação, para que uma delas ganhasse o direito de participar da prova final que premiava-os com um Mega Drive caso vencessem. O Play Game era transmitido aos domingos no SBT e ficou no ar de maio a agosto de 1993.


O objetivo da Sega foi alcançado. Sonic the Hedgehog foi um sucesso de crítica, vendas e popularidade, sendo tão reconhecido quanto Super Mario e Mickey Mouse. Passou a ser o mascote oficial da empresa naquele mesmo ano, encabeçando todas as principais campanhas de marketing do console ao redor do mundo, além de ajudar o Mega Drive a se consolidar em um dos períodos mais competitivos da indústria de games mundial.

A revolução azul

Sonic the Hedgehog é um título de ação em plataforma no qual jogamos com o personagem título em uma aventura para deter o nefasto Dr. Ivo Robotnik (Eggman) de obter as Esmeraldas do Caos e usar seu poder para dominar o mundo. Sonic tem como principal habilidade sua super velocidade, que permite ao ouriço atacar os Badniks para resgatar os animais usados pelo vilão para criar seu exército. Saltos e rolamentos o tornam capaz de destruir obstáculos que podem revelar segredos ou caminhos alternativos em cada estágio.


De forma semelhante a seu principal rival, Super Mario, Sonic coleta anéis que o premiam com vidas extras sempre que soma cem deles. Mas, diferente do encanador, Sonic perde todos ao sofrer algum tipo de dano, e contanto que ainda tenha um deles em seu poder, pode continuar sofrendo novos ataques até que se machuque quando estiver com os bolsos vazios e perca uma vida.


Ao longo de sete níveis divididos em zonas, Sonic também pode acessar áreas secretas chamadas de Special Stages, em que o objetivo é coletar as misteriosas Esmeraldas do Caos. A apresentação destas áreas foi outro ponto que surpreendeu muitos na época, com figuras tridimensionais ao fundo e a rotação da tela.

No primeiro jogo as Esmeraldas têm apenas a função de adicionar um desafio extra de colecionismo, ganhando uma importância maior a partir do segundo jogo, em que o herói pode usar as pedras para se transformar em Super Sonic. Caso você não encontre todas, Robotnik irá provocá-lo na tela final do jogo para que você jogue novamente e colete todas elas.


Green Hill, a primeira zona, se tornou uma das marcas registradas do personagem, com sua estética e a icônica música tema que perpetua com diferentes releituras em jogos posteriores. Na maioria dos jogos de Sonic no decorrer dos anos, a primeira zona sempre possui como inspiração o visual das colinas verdejantes e uma música animada que serve como ponto de partida para a aventura do herói.

Não foi apenas a velocidade de Sonic the Hedgehog que impressionou na época. A estética do jogo e os diferentes desafios enfrentados pelo ouriço também arrancaram elogios de quem jogou a aventura. Se Green Hill é uma espécie de fase tutorial, Marble Zone já começa a desafiar as habilidades de salto do jogador.


Spring Yard Zone é uma verdadeira máquina de pinball gigante, e Labyrinth Zone é um grande desafio subaquático. Starlight Zone vai fazer você alcançar velocidades inacreditáveis e Scrap Brain Zone coloca tudo o que o jogador aprendeu à prova antes da batalha final contra Robotnik, em Final Zone. Um desafio formidável para uma aventura inesquecível.

Eterno e memorável

Sonic the Hedgehog é um título celebrado até hoje pela comunidade gamer e sua importância para a indústria é inegável por conta de tudo o que representou para a Sega no início dos anos 1990. É um título que pode facilmente ser jogado até hoje nas principais plataformas, como PC, consoles e até mesmo nos dispositivos móveis, onde pode ser aproveitado de forma gratuita, distribuído pela própria Sega.

Neste 30° aniversário do ouriço, mesmo com todos os altos e baixos que nosso querido raio azul passou ao longo dos anos, seu legado continua vivo e forte no coração de antigas e novas gerações de jogadores. Parabéns, Sonic!


Revisão: Felipe Franco

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos que acabam em discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google