Jogamos

Análise: Knockout City (Multi) é um game de queimada divertido, acessível e de alta qualidade

Com produção de primeira, estilo pra dar e vender, e jogabilidade afiada, o título é obrigatório para fãs de esportes.


Quando pensamos que os jogos eletrônicos já abordaram com competência todo tipo de esporte, eis que chega Knockout City (Multi). O game utiliza a queimada, popularmente conhecida como uma brincadeira de colégio em que dois times, cada um em uma área distinta, buscam eliminar toda a equipe adversária. Para isso, é preciso acertar o rival com uma bola; caso o concorrente pegue o objeto antes dele cair, o lançador é eliminado.


Apesar da simplicidade, algumas das partidas mais concorridas que já disputei na vida foram em jogos de queimada. Com várias boas ideias e uma apresentação incrível, Knockout City captura a essência dessa brincadeira e oferece uma experiência imperdível. Cuidado com as boladas, pois a análise vai começar!

Proposta original e competente

Com produção da Velan Studios e publicado pela EA no dia 21 de maio, Knockout City é um ótimo jogo esportivo. A proposta é a clássica “fácil de jogar, difícil de dominar”, que é seguida à risca em cada ponto do game. As regras simples de uma partida de queimada são adaptadas e expandidas com competência pelo título, resultando em disputas divertidas e desafiadoras.
Ao mesmo tempo familiar e inovador, Knockout City é uma ótima pedida
Em cenários variados e bonitos, mas com limites bem-definidos, cada time precisa encontrar bolas para arremessar nos adversários. Ao ser atingido duas vezes, o participante é eliminado e o time concorrente ganha um ponto. Após uma pequena espera, o jogador derrotado retorna à partida, pronto para tentar novamente.
 
É possível pegar a bola antes de ser atingido e, embora o atirador não seja eliminado, o objeto recebe uma carga de energia ao ser agarrado. Assim, o próximo arremesso será mais rápido, tornando uma nova captura bem mais difícil. Existem outras formas de “carregar”, como realizar passes entre os membros do time e apertar um botão específico para isso.
Paciência e reflexos são essenciais para vencer as partidas
Esse equilíbrio entre risco e recompensa nos arremessos torna as partidas bastante competitivas, em que cada jogada pode se reverter rapidamente. Outro ponto interessante são os tipos de bola: além da básica, elas incluem: a Bola Bomba (autoexplicativa); a Bolar Lunar, que reduz a gravidade do jogador; e a Bola de Precisão, que permite arremessos precisos a grandes distâncias.

Agradável de jogar, olhar e escutar

Antes de continuarmos falando das ótimas partidas Knockout City, quero frisar a produção técnica do título. Ele transborda estilo nos seus visuais coloridos e descolados, com uma pegada que mistura elementos eletrônicos e urbanos. Os mapas são bem variados, mas sempre com temáticas da vida real: construções em obra, ruas movimentadas, topos de prédios e estação de trem.
Cada cenário é único e divertido ao seu próprio modo
Os personagens são bastante customizáveis, incluindo óculos, cabelos e formato do corpo, sem falar em um guarda-roupa completo. São muitas opções para vestir os divertidos jogadores de queimada, que contam com toda sorte de camisetas, jaquetas e chapéus. As customizações não param por aí, pois é possível escolher gestos para apresentações e comemorações, cartão de identificação, entre tantos outros.
É possível criar o seu personagem da maneira que preferir
Tal como no quesito gráfico, Knockout City faz bonito no aspecto do som. As músicas seguem a mesma pegada dos visuais, oferecendo batidas empolgantes e envolventes. Os efeitos sonoros não ficam para trás, assim como o narrador do game, que é carismático e bem-humorado.

Muito mais que um jogo de queimada

A jogabilidade funciona muito bem, seja você ou não um jogador novato em esportes eletrônicos. Além das mecânicas básicas já citadas, Knockout City guarda várias outras igualmente interessantes e acessíveis. Por exemplo: é possível “carregar” um colega de equipe, que assume uma posição fetal simulando uma bola. Esse recurso gera um arremesso muito poderoso, mas que exige cuidado para o seu aliado não ser capturado por um inimigo.
Knockout City tem várias mecânicas do tipo "faca de dois gumes"
Se um adversário pegar o seu companheiro neste estado, poderá eliminá-lo ao jogá-lo para fora do mapa. Arremessos com curva, saltos e empurrões são outras ações bastante úteis para vencer as partidas. Aliás, as disputas têm variações bem interessantes: competições por pontos com 3x3 ou 4x4; capturar diamantes nocauteando os concorrentes; partidas somente bolas especiais; duelos no estilo 1x1; etc.
 
Ao jogar as partidas, pontos de experiência são obtidos de acordo com o desempenho. Elas também ajudam a completar missões específicas, como realizar um determinado número de eliminações ou correr por certa distância. As recompensas incluem moedas para gastar no longo inventário de cosméticos, que também podem ser liberados ao passar de nível com os pontos recebidos.
Nada como aquela sensação de concluir a partida com uma vitória
Mesmo com tantas opções, muitas vezes sair voando pelos céus de Knockout City com o meu planador, em uma partida casual, é diversão suficiente. Claro, caso você seja mais competitivo, pode se aventurar a alcançar o topo dos rankings online. Tudo é uma questão de preferência e o jogo oferece um bom cardápio de opções para os jogadores curtirem as partidas de queimada.

Potencial (praticamente) ilimitado

Falando em curtição, nada melhor do que jogar videogame em grupo com os amigos, certo? Não só Knockout City tem vários modos cooperativos, como também um cross-play completo entre todas as suas plataformas. Ou seja, não importa qual companheiro tem um PlayStation 4, Xbox One, PC ou Switch (ou consoles da nova geração por retrocompatibilidade), pois as partidas vão rolar tranquilamente.
Ação do início ao fim das partidas
A produtora já anunciou que tem muitos projetos e novidades planejados para o futuro do game. Algumas chegarão nos próximos meses, como novos tipos de bolas, novas missões e torneios, além de (ainda) mais opções de cosméticos. Em particular, torço pelas competições, que garantirão a popularidade e relevância do game no mercado (mais sobre isso em seguida).
 
Confesso que, ao olhar para Knockout City, eu não consigo deixar de lembrar de Rocket Arena (Multi). Embora as propostas das partidas sejam bem distintas, os dois guardam várias similaridades (na dúvida, confira a análise do game de foguetes). A maior delas é a qualidade básica do jogo e o grande potencial para se tornar referência no mercado.
Algumas partidas podem ser bem exigentes, então fique ligado
A EA parece ter aprendido a lição com alguns dos problemas de Rocket Arena, como a questão da promoção ao público: ela proporcionou um generoso período grátis para conquistar os jogadores de queimada. O game é gratuito até o nível 25 ser atingido; depois disso, aqueles que se interessaram podem comprá-lo, mantendo o progresso obtido até então. Obviamente, ele também pode ser adquirido antes disso, o que não é improvável graças à sua qualidade.

Cuidado com a bola fora

Se a produtora aprendeu bem com um ponto negativo, infelizmente acabou eliminando um positivo. Com exceção de liberar cosméticos, Knockout City não apresenta objetivos instigantes. Como não existem habilidades ou itens, o senso de progresso é bastante limitado. É claro que os jogadores melhoram com a experiência, mas falta aquela evolução mais concreta dos games tradicionais.
Embora longe de ser um fracasso, a trajetória do jogo poderia ter sido melhor
Rocket Arena, por exemplo, tinha à sua disposição alguns itens para customizar as habilidades dos personagens. Eles tinham funções limitadas, sem causar um impacto considerável nas partidas; ainda assim, liberar, melhorar e equipar esses recursos era bem interessante. Entendo que o jogo de queimada digital tente ser acessível a todos, mas são tantos games no mercado que ele pode acabar sendo esquecido se não “prender” os jogadores.
O game já tem um mundo encantador; basta cuidar bem dele para garantir o sucesso
Antes que o leitor argumente que não existe um concorrente direto, eu quero deixar claro que essa colocação é em um sentido mais amplo. Por um lado, Knockout City realmente é único e não conheço jogos semelhantes; por outro, a sua pegada mais leve e, até certo ponto, simplista dão ao game uma cara de “jogo grátis” ou que não mereça dedicação. A questão do senso de progresso reforça ainda mais esse ponto.
 
Jogar um game somente para liberar cosméticos, como já expliquei, pode ser um pouco frustrante a longo prazo. Claro que diversão, desafios e campeonatos constantes e relevantes podem compensar essa falta de objetivos gerais. Senão, por que pagar por algo quando temos opções mais robustas e gratuitas no mercado? O já citado Rocket Arena sofreu desse mal, inclusive indo parar nos jogos gratuitos para usuários do PS Plus.
Outros modos, como a captura de diamantes, darão mais vida ao game
Vale lembrar que o jogo de batalhas com foguetes demorou meros cinco meses para chegar a esse ponto. Não quero ser um pessimista — muito pelo contrário, torço para que a queimada eletrônica alcance um grande sucesso. Acredito fortemente que ela pode atingi-lo, desde que tenha um suporte forte e receba novidades significativas com frequência, sobretudo na forma de competições, tendo assim um destino melhor que o seu “predecessor”.

Pronto para jogar?

Utilizando como premissa as populares partidas de queimada, Knockout City consegue proporcionar um incrível jogo esportivo. Cada arremesso, pegada e passe é uma diversão, incluindo as várias mecânicas envolvidas no processo. A produção técnica também é ótima, com visuais, som e jogabilidade excelentes para qualquer público. Resta esperar para ver como o game evolui nos próximos meses e se ele irá conseguir atingir todo o seu potencial.
Fortes emoções (e boladas) e muita ação te esperam em Knockout City

Prós

  • Proposta divertida de jogo de queimada, com espaço para jogadores casuais e dedicados;
  • Todas as mecânicas funcionam muito bem, incluindo pegar, arremessar e passar;
  • Visuais, trilha e efeitos sonoros são encantadores e cheios de estilo;
  • Grande quantidade de customizações estéticas, além de vários modos de jogo divertidos e envolventes;
  • Cross-play completo entre todos os consoles que receberam o lançamento;
  • Período de teste grátis e potencial para se tornar um game ainda maior e mais envolvente.

Contras

  • Sensação de progresso é relativamente baixa, pois é limitada somente aos cosméticos;
  • Mesmo com o período de teste grátis, o game vai exigir constantes atualizações e eventos para se manter relevante frente a opções gratuitas mais robustas.
Knockout City – PS4/XBO/PC/Switch/PS5/XSX – Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Davi Sousa

é produtor de conteúdo sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, CoD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. @MatheusSO02


Disqus
Facebook
Google