Jogamos

Análise: Fate of Kai (PC) encanta com uma experiência breve e diferenciada

Embarque em uma narrativa interativa nos moldes das revistas em quadrinhos enquanto resolve quebra-cabeças manipulando palavras-chave.



Em Fate of Kai acompanhamos a jornada do jovem Kai após acordar misteriosamente em uma terra fantasiosa. Seu grande atrativo fica pelo desenrolar da trama apresentada em quadrinhos, nos moldes das revistas de super-heróis, além de um esquema de manipulação de ações peculiar. Sua curta duração é um ponto desfavorável, mas acaba sendo compensada com uma bela lição para a vida.

Manipulando palavras

Ao despertar em um vasto campo de girassóis, o protagonista Kai encontra uma simpática criatura semelhante a um coelho. A curiosidade do rapaz atiça sua vontade de pegá-lo, porém, a agilidade do animal acaba sendo superior. Adiante nos deparamos com um velho baú aparentemente sem dono, em meio ao nada, e aqui acabaria a aventura de Kai. 

A priori parece um começo sem relevância, mas é aqui que somos apresentados à principal mecânica do jogo, pois no quadrinho em que avistamos o coelho é notável um balão de texto contendo a ação “pegar”. É possível coletar essa palavra, ignorando o desfecho do enredo que acabei de relatar a vocês. Dando continuidade, o baú que antes apenas observamos de longe também possui um balão de texto que se encontra vazio. Ao clicar nele, temos a opção de adicionar a palavra “pegar” coletada no quadrinho anterior e, mais uma vez, alterar a linha do tempo.




A história que antes terminava com um final sem graça é completamente alterada para uma aventura, pois o baú revela uma corrente que magicamente se atrela ao braço de nosso protagonista, indicando na algema em seu pulso a direção para um castelo distante. A partir daí, resta ao nosso jovem aventureiro desvendar o mistério por trás do baú preso ao seu braço e, quem sabe, descobrir o porquê de ter parado naquela terra tão incomum. 

Neste título, que pode ser enquadrado perfeitamente como uma história interativa, iremos essencialmente testemunhar o desenrolar dos fatos, optando pelos melhores desfechos possíveis, sempre evitando que a história se acabe antes de chegarmos ao destino final no castelo. A proposta de manipular as ações de Kai ao retirar ou adicionar palavras coletadas, além de inusitada, confere quebra-cabeças divertidos à experiência e que instigam a criatividade do jogador.




Além dessa ação, teremos momentos em que uma lupa estará destacada em um quadrinho como ferramenta ideal para dar proximidade em itens de maior importância dentro da cena. Em outras ocasiões teremos a presença de uma ampulheta com efeito ainda mais interessante. Ela permite voltar no tempo e entender tudo o que aconteceu para deixar as coisas na situação que encontramos; mais importante, ela permite alterar esses fatos passados a fim de mudar nossa situação no presente. Objetos quebrados e até ações de personagens podem ser reformulados diante de outras possibilidades e criar novos caminhos para o futuro.

Explorar múltiplas possibilidades não é só algo divertido, mas também necessário para se ter acesso ao máximo de opções possíveis. Infelizmente elas não trazem desfechos muito prolongados, levando rapidamente ao game over ou ao começo do momento em que os caminhos se dividiam. Outro aspecto que deve ser levado em consideração é a curta duração do jogo, podendo ser finalizado em cerca de três horas. 




Em contrapartida, à medida que a história avança, acompanhamos relatos escritos do que parece ser uma vida alternativa do Kai, em um mundo muito mais próximo da nossa realidade. Inicialmente serão relatos vazios, mas que ao longo da jogatina vão se encaixando com um grande dilema na vida envolvendo as escolhas que tomamos ou a ausência dessas tomadas de decisões. 

Não quero me aprofundar muito, pois a mensagem realmente toma uma forma muito mais bonita e impactante ao acompanharmos a evolução do nosso herói. Infelizmente essa parte está toda em inglês, mas é facilmente traduzível em ferramentas na internet. É certamente algo que muitos de vocês irão se identificar e eu espero que cause a mesma reflexão que eu tive.

Ainda há espaço para referências da cultura pop


Um ensaio sobre a vida

Fate of Kai é um ponto diferenciado na linha de jogos baseados inteiramente na narrativa. Seu ritmo é totalmente leve e muito acessível a diversas idades. Em determinada situação, ele pode ajudar até como ferramenta educativa dada a necessidade de interpretar as situações e aplicar corretamente cada ação através das palavras encontradas. 

Levando em conta a sua curta duração e a falta de bifurcações mais prolongadas no roteiro da campanha, veteranos e novatos terão oportunidade de acompanhar uma bela história  de uma linda mensagem.

Prós

  • Interação da história acontece de forma criativa e intuitiva;
  • Abordagem de um tema muito tocante e presente em nosso cotidiano;

Contras

  • Campanha com curta duração;
  • Rotas alternativas poderiam ter um desfecho mais duradouro.
Fate of Kai — PC — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PC
Revisão: Ives Boitano
Análise produzida com cópia digital cedida pela TheGamePublisher.com

Escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.


Disqus
Facebook
Google