Jogamos

Análise: Habroxia 2 (Multi) é uma viciante homenagem aos clássicos jogos de “navinha”

Os gráficos, os sons e a jogabilidade nos transportam de volta para os tempos áureos dos shoot ‘em ups dos arcades e consoles de antigamente.


Com meus 35 anos de idade, e desde muito cedo apresentado ao universo dos jogos eletrônicos, posso dizer que já experimentei de tudo quando se trata de gêneros de jogos, principalmente os voltados para os arcades. Um dos gêneros que mais me chamava a atenção nos fliperamas, depois dos jogos de luta, eram os shoot ‘em ups, os “jogos de navinha”, como todo bom brasileiro costuma falar.



Habroxia 2 passa um sentimento muito agradável ao representar nos pequenos detalhes muito do que esse gênero proporcionou na época: batalhas contra hordas de inimigos, chefes desafiadores, inúmeros power ups e, claro, gráficos e jogabilidade que remetem fortemente a esse período. Vamos ver tudo isso com mais detalhes na análise a seguir.

Ao resgate, Sabrina!

A humanidade despachou diversas naves de combate para auxiliar em um grandioso conflito no Espaço Livre, ameaçado por uma força alienígena que queria dominar a galáxia. Com a batalha praticamente encerrada, todos os pilotos retornam para casa, com exceção de um. Cabe então à jovem Sabrina, filha do piloto desaparecido, se aventurar por um espaço que ainda enfrenta resquícios do conflito para encontrar seu pai.

Para essa perigosa missão de resgate, Sabrina tem a seu dispor uma das naves da frota para que possa enfrentar as adversidades da viagem até a localização desconhecida de seu pai e ainda garantir a paz definitiva no Espaço Livre. Cabe a nós ajudar a jovem a cumprir sua missão.
A missão de Sabrina é salvar o pai, e a nossa é de ajudá-la
A nave de Sabrina conta, por padrão, com um sistema de armas básico que permite atacar os inimigos em qualquer direção, bastando apontar a mira de sua nave usando o analógico direito do controle. Para jogadores que preferem uma jogatina mais tradicional, o ataque básico também pode ser acionado pressionando um botão dedicado no controle, mas a linha de ataque se limita apenas à vanguarda da nave.

Armas especiais são obtidas conforme os chefes de cada fase são derrotados, permitindo que até duas possam ser equipadas para usar em uma investida. Elas podem ser instaladas nas áreas frontal e traseira da nave, permitindo ainda que o mesmo tipo de armamento possa ser equipado nas duas posições se o jogador preferir. Mísseis, projéteis teleguiados, metralhadoras, lasers e até uma espada. Equipe o que se adequar a seu estilo de jogo.
Escolha sua arma favorita para derrotar os inimigos
Além disso, equipamentos auxiliares também podem ser obtidos por Sabrina ao derrotar os inimigos, proporcionando vantagens ofensivas e defensivas a seu caça espacial: escudos de proteção, defletores orbitais, raios laser com alto poder de fogo e bombas que causam dano a todos os inimigos na tela. Um modo de turbo conclui o arsenal da nave, fazendo com que fique invulnerável por tempo determinado em alta velocidade e destruindo qualquer obstáculo ou inimigo em sua rota. Derrotar inimigos fornece itens para recuperação dos pontos de vida da nave, combustível para a aceleração e créditos para comprar melhorias na estação espacial antes de cada fase.

Viajando pelo espaço sideral

Habroxia 2 é uma aventura não linear, ou seja, o progresso até o final pode tomar vários rumos dependendo do caminho escolhido por Sabrina em cada fase do jogo. Para ilustrar, vamos tomar como exemplo o clássico Star Fox. Lembram que lá algumas fases contam com algum caminho secreto ou rota alternativa que levava para um chefe diferente, consequentemente guiando o jogador por fases alternativas? Aqui o sistema é bem parecido.

Algumas das fases possuem justamente essa mesma mecânica do jogo da Nintendo. Algumas contam com rotas alternativas facilmente – ou obviamente – destacadas e outras com alguns segredos, como precisar destruir um obstáculo para revelá-lo. Cabe ao jogador ficar atento para essas oportunidades ao avançar numa fase. O jeito mais fácil de saber se um nível possui uma rota adicional é antes de entrar nele, observando o número de recompensas disponíveis ao derrotar um chefe.

Essas recompensas premiam o jogador com créditos, usados para a compra de melhorias para a nave: máximo de pontos de vida adicionais, poder de fogo das armas básicas e especiais, poder ofensivo dos equipamentos auxiliares, dentre outras. Recompensas na forma de créditos extras também são obtidas ao derrotar um inimigo específico em cada fase e ao resgatar astronautas a esmo no espaço.
São várias rotas para explorar e muitos objetivos para cumprir
E algumas destas rotas estão escondidas
São pequenas tarefas extras que estimulam o fator replay do jogo e dão uma motivação extra para estender o tempo de jogo para quem quer coletar todas as conquistas e troféus, algo que achei muito fácil e rápido de conseguir. Em cerca de quatro horas eu já tinha conseguido o troféu de platina do game e foi um dos jogos que mais gostei de jogar para conseguir esse feito. Acredito que você também vai sentir isso ao jogar Habroxia 2.

Como disse alguns parágrafos acima, o jogo conta com uma progressão não linear. Cada rota que o jogador escolher fazer, caso não queira voltar para fazer as demais, o leva até o embate contra o que vamos chamar aqui de grande chefe. São cinco no total. Entretanto, para conseguir enfrentar o chefe final, todos os cinco grandes chefes devem ser derrotados para que o acesso ao embate final seja habilitado. Desse modo, diferente do Star Fox que usamos como exemplo, temos a liberdade de escolher qual fase jogar quando bem quisermos.

Uma vez derrotado, o jogo apresenta mais três novos modos de jogo:
  • New Game+: mantendo todo seu progresso da partida anterior, jogue Habroxia 2 novamente enfrentando inimigos ligeiramente mais poderosos e formas aprimoradas dos chefes;
  • Boss Rush Mode: enfrente todos os chefes em suas formas normais e aprimoradas (New Game+) em sequência, fazendo uso de armas especiais aleatórias, sem ser derrotado;
  • Boost Rush Mode: um modo simples em que o jogador deve enfrentar uma longa rota de obstáculos em alta velocidade sem receber dano.

Detalhes que valorizam a experiência

Pelo nome fica óbvio que estamos falando de uma sequência, e como alguém que jogou o primeiro Habroxia, a diferença deste para o primeiro jogo é quase como água e vinho. O primeiro jogo é muito linear, com jogabilidade bastante simples, música sem graça, cenários muito semelhantes e um ritmo que o deixa monótono bem rápido.

Habroxia 2 é o oposto de praticamente tudo que se viu no primeiro. Possui um ritmo mais agitado, conta com composições musicais bem trabalhadas e entrega uma experiência bem mais agradável de um modo geral. Porém, por estarmos em 2021, sempre nos atentamos para pequenas coisas que poderiam ter sido feitas para agregar mais valor ao jogo.
Canhão laser na sua cara!!!
Uma que notei que poderia ser interessante é a de permitir partidas com dois jogadores. Se ele já é legal jogando sozinho, com um amigo ficaria duas vezes mais legal. Outra coisa que também faltou foi um sistema online de ranking de pontos. Acredito que o estímulo para alcançar altas pontuações seria maior, pois teríamos com quem comparar.

Um detalhe que também não me passou despercebido foi a impossibilidade de customizar os controles. A movimentação fica restrita apenas ao analógico esquerdo. Eu, que sempre joguei usando os direcionais ao jogar esse gênero nos consoles, senti falta disso. Bom, não foi nada que me impediu de aproveitar bastante minhas sessões, mas acho que o mínimo que todo jogo deve fornecer é a possibilidade de customizar os controles de alguma forma. Não deixa de ser uma forma de acessibilidade também.

A forma como desenvolveram o crescimento da nave durante o jogo foi algo que me agradou. O game não conta com vidas e continues, como os antigos shoot ‘em ups. Se você morrer, basta tentar novamente. Conforme compramos melhorias para os equipamentos, é possível sentir uma grande diferença em nosso desempenho. A princípio nossa nave parece ser bastante simples e indefesa contra os inúmeros perigos que enfrentamos durante a missão de resgate de Sabrina.

Fases que tive dificuldade em primeiros momentos porque minha nave estava fraca se tornaram mais fáceis depois de adquirir as melhorias que julguei ideais para as ocasiões que enfrentei até ali. À medida que fui avançando, me senti mais preparado para encarar o New Game+, que traz desafios maiores.
Eu que agradeço, por ter me divertido tanto!

Uma excelente aventura espacial

Habroxia 2 faz um excelente trabalho ao nos transportar de volta a uma época quando os shoot ’em ups eram fortes nos fliperamas e nos consoles da década de 1990. Sons, visuais e outros detalhes que nos remetem a clássicos como Galaga, Gradius, R-Type e muitos outros que se tornaram símbolos de uma época que ainda deixa saudades para os fãs do gênero.

Seja casual ou hardcore, temos aqui uma excelente pedida para quem quer o equilíbrio praticamente perfeito de desafio, diversão e qualidade. Embarque sem medo nesta aventura espacial e divirta-se. Habroxia 2 é uma delicinha.

Prós

  • Arte estilo 16-bit charmosa;
  • Trilha sonora empolgante;
  • Jogabilidade viciante;
  • Progressão não linear;
  • Alto fator replay.

Contras

  • Excluindo o New Game+, os demais modos agregam pouco valor;
  • Multiplayer local seria uma ótima adição;
  • Não é possível customizar os controles.
Habroxia 2 – PC/PS4/Vita/XBO/Switch – Nota: 8.5
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Ives Boitano
Análise feita com cópia digital cedida pela Eastasiasoft

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos multiplayer que causam discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google