Jogamos

Análise: Starlit Adventures (Multi) traz boas doses de fofura e diversão, mesmo sendo refém de microtransações

Ajude Bo e Kikki Starlit a encontrar e devolver as estrelas que Nuru roubou do céu e escondeu pelo Mundo Baixo.

Desenvolvido pela Rockhead Games, um estúdio nacional sediado na cidade de Porto Alegre no Rio Grande do Sul, Starlit Adventures é um jogo gratuito (com microtransações) de ação e aventura em plataforma 2D, originalmente lançado para dispositivos móveis e posteriormente para PlayStation 4 e Xbox One, além de uma versão paga para Nintendo Switch, intitulada Starlit Adventures: Golden Stars.

O jogo traz personagens carismáticos e adoráveis, juntamente com uma ampla variedade de mundos e mecânicas, adequados para enfrentar criaturas amedrontadoras e resolver puzzles desafiadores. Embora a versão gratuita apresente algumas limitações que possam deixar a experiência monótona, este indie game nacional - indicado para todas as idades - é uma boa pedida para quem está procurando por aventuras.

Os guardiões das estrelas e seus trajes especiais

Em algum lugar mágico próximo do céu vivem os Starlits, criaturas fofas e adoráveis semelhantes às toupeiras. Cada Starlit possui um nariz estrelado, bem como uma estrela irmã no céu e, enquanto ambas estiverem brilhando, todos estarão felizes. Para garantir que tudo permaneça em paz, os inseparáveis Bo e Kikki trabalham como Guardiões das Estrelas em um grande farol, mas a harmonia do lugar é interrompida com a chegada do malvado (e também fofo) Nuru, que acaba roubando todos os astros, trazendo tristeza aos Starlits.

A abertura do jogo é pura fofura.
Para tentar restaurar a ordem do céu, Bo e Kikki partem em uma perigosa jornada pelo Mundo Baixo e se aventuram por terras desconhecidas que apresentam uma ampla variedade de quebra-cabeças, inimigos e chefões. Os personagens levam consigo trajes especiais com habilidade distintas, adequados para diferentes desafios. Existem doze peças, sendo que três podem ser desbloqueados normalmente logo no início da aventura e as outras nove posteriormente, através de moedas especiais chamadas de tokens ou por meio de microtransações.

Cada traje disponível no "guarda-roupa Starlit", por assim dizer, apresenta certas habilidades. O jogador pode optar por aquele que mais gosta ou melhor se adapta a cada um dos mundos e fases. O traje de aventura, por exemplo, é indicado quando é preciso saltar sobre obstáculos ou ainda arremessar um Super Bumerangue para eliminar inimigos. Além dele, existem o traje indígena e o de demolição, que são liberados logo no início da aventura e permitem utilizar arco e flecha e lançar bombas, respectivamente. Os demais oferecem outros poderes especiais e podem ser desbloqueados posteriormente, mas são igualmente interessantes e divertidos de se usar.

Embora tenham estes trajes especiais à disposição, Bo e Kikki terão que enfrentar inúmeros inimigos e desafios pelo Mundo Baixo, entre os quais podemos citar estranhos elefantes cuspidores, uma espécie de gato em boias de piscina com canhões e até serras elétricas. Inimigos malucos e extravagantes não faltam em Starlit Adventures, deixando a gameplay com um ar de novidade e diversão.

Além dos inimigos mais prósperos e incomuns - mas igualmente mortais -, existem oito grandes vilões/chefões que estão na fase final de cada mundo: Nuru, Pikke, Muu, Peopeo, Numa, Dodo, Baba e Paco. Todos eles apresentam características cruéis e maldosas, mas foram desenhados para parecer fofos e adoráveis na tela, assim como os Starlits.

Para derrotá-los é preciso se esquivar de seus movimentos e pular em suas cabeças, ou usar alguma habilidade dos trajes para acertá-los. O jogo se assemelha muito a Super Mario World (SNES), onde cada castelo possui um chefão que é eliminado quando Mario pula três vezes em sua cabeça.

Cave, lute, explore e colete

O modo história de Starlit Adventures apresenta 64 fases, divididas em oito diferentes mundos coloridos e autênticos, que compreendem: Picos Paralelos, Montanhas Nevadas, Quedas d'Água, Floresta Verde, Castelo Maquinário, Deserto das Miragens, Câmaras de Lava e Cova das Sombras. Cada mundo é desbloqueado com estrelas especiais prateadas e douradas, que são coletadas nas fases jogáveis anteriores.

As fases exploram o conceito de verticalidade e são realizadas de cima para baixo. O objetivo do jogador é coletar estrelas, joias e chaves para abrir baús, além de escavar, quebrar blocos, derrotar inimigos e resolver quebra-cabeças para levar os personagens em segurança até o final. 

Em dispositivos móveis, é necessário utilizar a tela sensível ao toque para jogar, enquanto nas versões de PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch é indispensável o uso dos controles e dos Joy-Cons.


Utilizei a versão mobile e nela existem três comandos na parte inferior da tela: dois com setas direcionais para a direita e a esquerda, e outro com a seta direcional para baixo. Enquanto os dois primeiros são utilizados para movimentar os personagens de um lado para o outro, o segundo é para realizar escavações, descer de plataformas ou mergulhar.

Além disso, também é necessário clicar em qualquer lugar da parte superior da tela para ativar os poderes dos trajes especiais, como arremessar bombas ou flechas. Mas, se você quiser utilizar um ataque mais poderoso, terá que manter os direcionais da direita e da esquerda pressionados juntos por um breve momento, a fim de carregar um Super Ataque e dispará-lo quando quiser.

Os comandos são fáceis de aprender e é necessário apenas alguns minutos e poucas partidas de treino para pegar o jeito; entretanto, o posicionamento de mãos pode afetar um pouco a experiência, já que em movimentos rápidos é muito fácil se equivocar e acabar tocando em outras áreas da tela que não reagem como o esperado. Apesar do deslize, o jogo não é comprometido por travamentos ou qualquer outro problema extremo de jogabilidade, garantindo diversão por horas.

Brilha, brilha estrelinha, para subir de nível e encontrar as figurinhas

Em sua versão mobile, Starlit Adventures também possui um sistema de gestão de vidas; isso significa que se você morrer com frequência, terá que esperar 15 minutos para ter uma nova chance de jogar, a menos que utilize tokens para encher as vidas ou microtransações para comprar o coração de ouro que oferece vidas ilimitadas ao jogador. Cada partida consome um coração e ao concluir a fase ele é recomposto, tornando a experiência mais dinâmica, diferente de outros títulos no mesmo formato.

O jogo também apresenta um sistema de níveis que vai do 1 ao 100. Para subir de nível são necessários pontos de experiência adquiridos durante as fases ao coletar joias, moedas, eliminando inimigos e quebrando cristais, rochas e outros elementos. Toda vez que os personagens sobem um nível, uma fase bônus é disponibilizada ao jogador, onde ele terá que escolher entre três caminhos para escavar, podendo encontrar tokens ou colecionáveis. Além disso, quanto maior o nível, mais tokens serão deixados no final da fase, então se o caminho não for o certo, ele ainda receberá uma recompensa.

Embora seja uma ideia interessante, o sistema de nível peca por sua simplicidade e não serve para muita coisa além de garantir tokens. O nível dos personagens não afeta a jogabilidade e as outras recompensas são um tanto quanto decepcionantes e repetitivas, não oferecendo quase nenhum diferencial.

Também é possível encontrar pacotes de figurinhas pelas fases de cada um dos mundos, que servem para preencher um álbum digital de 126 colecionáveis. É possível conectar o jogo com a conta do Facebook e trocar os adesivos repetidos com os amigos ou simplesmente trocar grupos de dez figuras repetidas por um novo pacote.

É divertido tentar completar as páginas do álbum e o jogo deixa esse desafio ainda mais empolgante, já que não apresenta uma dificuldade avassaladora, embora seja um pouco difícil de encontrar pessoas pelas redes sociais para realizar trocas. Não que isso seja necessário, mas é uma boa maneira de relembrar períodos dos anos 2000 quando a febre dos álbuns de figurinhas estava em alta.

Coloridas fases verticais com puzzles desafiadores

Starlit Adventures tem uma interface de usuário extremamente elegante e responsiva, com ambientes temáticos e obras de arte atraentes. O design das fases, assim como dos protagonistas e dos vilões, é infantil e colorido, com uma paleta de cores que busca maravilhar os olhos dos jogadores, principalmente dos mais jovens.

A trilha sonora é envolvente e, embora possa se tornar repetitiva durante oito fases de um mesmo mundo, está sempre entrelaçada diretamente ao que acontece na tela. Ela possui um acervo de músicas ambiente, adequadas para cada um dos mundos, e os efeitos sonoros perseguem a movimentação de peças e ações realizadas pelo jogador para superar diferentes desafios.

Os puzzles são desafiadores, interessantes e divertidos, e a cada mundo uma variedade de novos desafios são postos diante do jogador. Por exemplo: no mundo 6, intitulado Deserto das Miragens, existem plataformas de teletransporte, abrindo um leque de novas possibilidades para solucionar determinados quebra-cabeças.

Plataformas de teletransporte no Deserto das Miragens.
No entanto, com a escassez de trajes na versão gratuita, alguns puzzles podem não ser tão intuitivos como outros, pois dependem exclusivamente de certas habilidades. Isso acarreta em vários problemas de jogabilidade, como a impossibilidade de exploração completa de determinadas fases, fazendo com que estrelas e itens especiais fiquem para trás e não possam ser coletados.

À Torre Infinita e além (se puder pagar)

Além do Modo História, Starlit Adventures apresenta outros dois modos de jogo: Modo Desafio e Torre Infinita. No primeiro, o jogador poderá participar de 18 diferentes desafios, cada um com 8 fases e 24 estrelas coletáveis. Os primeiros desafios são referentes aos trajes disponíveis, principalmente os premium como o Traje de Dino, Traje de Unicórnio e Traje de Dragão. No entanto, para realizá-los é preciso ter os trajes específicos em mãos, algo que não será possível se você optar por não pagar.

Depois destes, existem desafios de cada um dos chefões da aventura, onde as fases do modo história sofrem modificações e a dificuldade aumenta de maneira expressiva. Nestes desafios, é irrelevante o traje a ser utilizado e o jogador pode escolher qual melhor se adapta à situação.

Por fim, existem dois desafios bônus, chamados de Desafio do Macaco e Desafio de Natal. No primeiro é necessário coletar frutas que estão espalhadas por cada uma das fases para alimentar uma série de macacos localizados em cada "andar". Ao fazer isso, o jogador é recompensado com moedas, joias e até pacotes com figurinhas. Enquanto que no primeiro é possível escolher o traje a ser utilizado, no Desafio de Natal, por sua vez, é necessário usar o Traje de Neve para completar uma série de fases inspiradas nas festas de fim de ano.

O Modo Desafio traz uma variedade de novas e divertidas aventuras para quem já completou o modo história e é recomendado para quem está à procura de fases mais complexas e com um nível de dificuldade maior. Ainda assim, esse modo é comprometido pelas microtransações na versão gratuita e, mesmo possuindo passes livres, se torna desinteressante.

O segundo modo é chamado de Torre Infinita e apresenta um modelo multiplayer integrado, que infelizmente é muito limitado e escasso, mas não por questões de microtransações, e sim por permitir a competição apenas com amigos conectados ao jogo no Facebook. No entanto, também é possível jogar em um modelo single player, onde o objetivo é chegar o mais longe possível em uma fase que não termina.

Esse é um ótimo modo para coletar joias, moedas, pacotes com figurinhas e obter pontos de experiência para subir de nível rapidamente. No geral, é de certa forma até mais interessante que o Modo Desafio, pois não se limita às microtransações, apesar de pecar em não oferecer um modo multiplayer mais otimizado.

Uma versão free-to-play refém de microtransações

Starlit Adventures adota um modelo free-to-play em dispositivos móveis, no PlayStation 4 e no Xbox One, onde é possível finalizar o modo história sem a necessidade de pagar nada. No entanto, tudo tem um preço dentro do jogo e, quando o jogador opta pelo modelo totalmente gratuito, fica à mercê de limitações como a impossibilidade de jogar com outros trajes especiais, de finalizar o Modo Desafio ou ainda de coletar todas as estrelas de algumas fases.

Nas versões gratuitas é possível juntar tokens para desbloquear os trajes. O jogador pode garantir estas moedas em fases bônus e todo dia ao acessar o jogo. Se você entrar por cinco dias seguidos durante uma semana, por exemplo, receberá 15 tokens ao total, pois no dia 1 você vai receber um token, no dia 2 vão ser dois tokens, e assim por diante até o dia 5.

Por mais que isso ajude o jogador de uma determinada forma, coletar essas moedas é um processo extremamente lento e cansativo, e juntar 240 tokens, que representa o valor do traje mais barato do "guarda-roupa Starlit", leva muito tempo. No fim das contas, Starlit Adventures mantém um certo estigma envolvendo microtransações que acaba sequestrando o jogador. Isso significa que ele é forçado a sempre utilizar as mesmas estratégias e os mesmos trajes, o que consequentemente torna a experiência monótona, maçante e não propicia uma exploração completa das fases.

Acredito que o principal - mas não único - motivo que deixa o jogo desinteressante na versão mobile é a sua própria gratuidade que se torna refém das microtransações. Logo depois de adquirir o Pacote Especial que me deu acesso a todos os trajes, notei que a gameplay se tornou muito mais envolvente, tornando a imersão e a jogabilidade mais fluída e divertida, muito mais do que já era.

Não que a jogabilidade não tenha outros problemas em sua estrutura que afetam a experiência, mas acredito que a versão de Switch possa ser um pouco menos problemática, embora comprar todos os pacotes na versão mobile seja mais vantajoso e mais barato do que no console da Nintendo.

Uma explosão de fofura e diversão, mesmo com limitações na versão gratuita

Starlit Adventures é um indie game nacional apropriado para todas as idades, embora o desenvolvedor possa ter pensado nas crianças como seu principal público-alvo. Ele apresenta personagens fofos e graciosos desenhados especialmente para encantar, além de fases e desafios interessantes através de um visual infantil e colorido.

Apesar de não ser necessário utilizar microtransações, a experiência free-to-play se torna monótona e limitada, e acaba sendo mais convidativo adquirir logo a versão paga ou aderir aos pacotes premium da versão gratuita para uma experiência mais completa e fluida. No entanto, se quiser continuar sem pagar nada, você pode acabar se divertindo, mas talvez não tanto, infelizmente.

No fim das contas, independentemente dos problemas em sua estrutura de microtransações, Starlit Adventures ainda é um bom título de plataforma, que sabe dosar muito bem fofura e diversão.

Prós

  • Três diferentes modos de jogo;
  • Jogabilidade fluída e ótimos controles;
  • Sistema de gestão de vida dinâmico;
  • Fases desafiadoras com puzzles interessantes;
  • Level design infantil, colorido e belo;
  • Trilha sonora envolvente;
  • Personagens criativos, fofos e adoráveis;
  • Opção de finalizar o modo história sem pagar nada.

Contras

  • Sistema de níveis não traz muitos diferenciais;
  • Modo Desafio é limitado no modelo free-to-play;
  • Recurso multiplayer do modo Torre Infinita é escasso e obsoleto;
  • Utilização de microtransações se torna quase obrigatório para explorar e juntar todas as estrelas e itens especiais de algumas fases;
  • Processo de desbloqueio de novos trajes por meio de tokens é lento e exaustivo.

Starlit Adventures - Mobile/PS4/XBO/Switch - Nota: 7.5

Versão utilizada para análise: Mobile

Revisão: Davi Sousa
Análise produzida com cópia digital adquirida pelo próprio redator.

é apreciador de games com conceito artístico minimalista e narrativas de significado profundo. Rayman, Ratchet & Clank, Crash Bandicoot, Celeste e The Last Campfire compõem sua longa lista de jogos favoritos.


Disqus
Facebook
Google