Jogamos

Análise: Shantae and the Seven Sirens (Multi) é uma aventura com menos encanto mas muita diversão

O quinto título da meio-gênio encanta nos visuais e na jogabilidade, mas faltou magia na hora de inovar.

A meio-gênio Shantae volta em 2020 com um novo game, divertido e bonito como suas aventuras anteriores. Mas parece que a WayForward, desenvolvedora e distribuidora do game, se acomodou um pouco em algumas coisas e não deixou que Shantae and The Seven Sirens ousasse mais, podendo se reinventar e até surpreender, caindo em pequenas armadilhas que felizmente não tiram totalmente o encanto da personagem. Vamos entender melhor o que aconteceu na análise deste título que tem uma carinha de desenho animado de sábado de manhã.

#PartiuPraia

Depois de várias aventuras, Shantae e seus amigos finalmente estão prestes a desfrutar de merecidas férias em uma cidade resort em uma ilha tropical. Shantae, seu tio, Bolo e Sky estão super animados em desfrutar de uma semana inteira de sol, calor, piscina e relaxamento. Mas Shantae é convidada a se apresentar com outras cinco meios-gênios em um festival que acontece na ilha. É neste momento que as férias dela e de seus amigos estão prestes a morrer na praia.


Durante o festival, as meninas são misteriosamente raptadas, com exceção de Shantae, levando nossa meio-gênio de cabelo roxo a interromper suas tão merecidas férias para resgatar suas novas amigas e descobrir quais as reais intenções que levaram ao sequestro das meninas, que tem como principais suspeitas antigas criaturas malignas chamadas sirens.

Em busca das meio-gênios perdidas

Shantae and the Seven Sirens é um título de aventura em plataforma 2D, estilo metroidvania, onde devemos ajudar Shantae a obter habilidades que vão ajudar a heroína a transpor obstáculos que limitam seu progresso na história.

O mundo do game é dividido em áreas dentro de um grande mapa, representando a ilha. Cada área conta com uma dungeon, aqui chamado de labirinto, onde Shantae deve explorar para encontrar suas amigas perdidas e enfrentar uma das sirens. Ao longo de sua jornada, a heroína encontrará velhos inimigos que não vão dar sossego a ela, além de novos aliados que a ajudarão oferecendo informações e itens, alguns em troca de favores como encontrar objetos específicos.
"Me dá uma ajudinha aqui, minha filha!"
Shantae tem como ataque básico seu cabelo, que pode receber upgrades permanentes de ataque e velocidade adquiridos nas lojas das principais cidades da ilha, onde também são obtidos poções de cura, de magia e os feitiços. Suas habilidades mágicas são conseguidas cada vez que encontra uma de suas amigas perdidas dentro dos labirintos.

No primeiro encontro após resgatar uma das meio-gênios desaparecidas, Shantae recebe uma fusion coin, que permite que ela realize movimentos especiais por meio de rápidas transformações, como uma pequena salamandra para realizar movimentos rápidos e andar nas paredes, um sapo para nadar em águas mais profundas, e um polvo para realizar saltos duplos e triplos.


No segundo encontro, Shantae faz uso de uma fusion stone para receber o poder de suas amigas, permitindo que isso a ajude a continuar sua busca. Cada uma delas oferece uma habilidade especial que Shantae consegue executar usando seus poderes de dança:

  • Seer Dance: permite que Shantae revele objetos, passagens secretas, armadilhas invisíveis e inimigos ocultos na tela;
  • Refresh Dance: recupera uma parte da vida de Shantae e realiza ações de cura ou ressuscitação em elementos do cenário;
  • Spark Dance: causa dano aos inimigos e energiza baús ou objetos que necessitam de eletricidade para funcionar;
  • Quake Dance: causa muito dano aos inimigos e move estruturas do cenário, revelando passagens antes inacessíveis, além de desenterrar tesouros em pontos específicos.
Além destas novas habilidades, um sistema de cartas de monstros também está presente para permitir que Shantae possa aprimorar até três atributos de seu arsenal, dependendo do tipo de carta que equipar. As cartas são obtidas ao derrotar os inimigos na ilha, e em alguns casos exigem que uma certa quantidade seja coletada para desbloquear o uso da carta em seu inventário.

Uma ilha cheia de belezas e mistérios

A exploração na ilha recompensa o jogador com heart squids e pepitas de ouro. Cada uma das cidades possui uma espécie de ferreira que usa os heart squids para aumentar os pontos de vida da heroína. Cada quatro deles adiciona um coração extra. Os heart squids estão espalhados por toda a ilha nos mais variados locais, alguns podendo ser obtidos sem dificuldade e outros apenas com uso de astúcia e das habilidades de Shantae. As pepitas de ouro são usadas para comprar cartas de monstros especiais com alguns nativos nas cidades locais.


Apesar de apresentar bons elementos de exploração, algo comum neste gênero de jogo, a linearidade domina em Shantae and the Seven Sirens, fazendo com que ele tenha uma estrutura previsível, que transforma a rotina do jogador em um ciclo que pode ser resumido em:
  1. Descubra uma nova área;
  2. Acesse o labirinto desta área;
  3. Enfrente Risky Boots;
  4. Salve uma das meio-gênios e ganhe uma fusion coin;
  5. Derrote a siren do local;
  6. Encontre uma fusion stone e aprenda uma nova dança;
  7. Continue a aventura.
Enfrentar Risky Boots se torna uma atividade corriqueira
Isso cria um clima de previsibilidade e tira o “tesão” em jogar e descobrir por conta própria aonde ir e o que precisa ser feito após determinada etapa. As telas de carregamento quando novas áreas são acessadas também quebram um pouco o ritmo do jogo, principalmente quando estamos com certa pressa para chegar a um determinado local ou, acontecendo também ao usar as plataformas de viagem rápida.
As plataformas de viagem rápida agilizam as andanças de Shantae pela ilha
A falta de um minimapa na tela de jogo nos faz checar excessivamente o mapa no menu para confirmar a direção que devemos seguir. A dificuldade relativamente baixa pode frustrar alguns jogadores. No meu caso, finalizei o jogo sem problemas, com muitos itens de cura sobrando e, se não me engano, sem morrer nenhuma vez.

Felizmente, a jogabilidade fluida e bastante responsiva do game, acompanhada de um belíssimo visual ajudam e não o deixam ser desinteressante. Além de uma trilha sonora animada que casa bem com o estilo do jogo e que você pode conferir logo abaixo.



Apesar da linearidade, mesmo após terminar o game, é possível retornar para explorar o restante da ilha em busca dos itens restantes e almejar os 100% de conclusão. Ao finalizar Shantae and the Seven Sirens pela primeira vez, um modo New Game Plus é liberado, permitindo ao jogador vivenciar todo o jogo novamente, mas com um novo visual para Shantae e uma redução na defesa, fazendo com que tome mais dano e adicionando um desafio extra.

Férias não tão frustradas

Shantae and the Seven Sirens soube aproveitar tudo que as plataformas atuais têm a oferecer, proporcionando gráficos belíssimos, jogabilidade simples e intuitiva e uma ótima performance. Contudo, a sensação que passou ao jogar é de que a WayForward preferiu contar mais com a popularidade e carisma da personagem, a fim de vender seu game, a querer ousar um pouco mais e entregar algo realmente novo. O game em geral não é ruim, mas a impressão deixada é que ele não evoluiu, algo que deveria ser natural para uma franquia que chegou ao quinto título.

O jogo ainda é bem divertido, uma boa recomendação para quem quer uma experiência mais leve dentro do estilo metroidvania, além de uma jogabilidade de plataforma ótima. Mas pra quem já acompanha a série há tanto tempo, Shantae and the Seven Sirens é um divertido dia no clube para quem queria mesmo tomar água de coco na praia e curtir o aroma do mar até o sol se pôr.

Prós

  • Direção de arte traz gráficos belíssimos e cutscenes animadas muito legais;
  • Jogabilidade fluida e responsiva;
  • Novas habilidades de Shantae deixam o jogo mais rápido e dinâmico;
  • New Game Plus adiciona um desafio extra, mas nada excepcional.

Contras

  • Estrutura de jogo linear demais;
  • Exploração é pouco aproveitada;
  • Ausência de um minimapa para auxiliar na navegação;
  • Telas de carregamento incômodas ao acessar novas áreas e ao usar as plataformas de viagem rápida;
  • Dificuldade baixa pode frustrar alguns jogadores.
Shantae and the Seven Sirens – PC/PS4/XBO/Switch – Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS4
Análise feita com cópia digital cedida pela WayForward
Revisão: Thiago Monte

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos multiplayer que causam discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege


Disqus
Facebook
Google