The Sims: 20 anos possibilitando jogar com a vida (Parte 2)

The Sims completou 20 anos em 2020. Muita coisa já rolou desde o lançamento do primeiro título, e neste especial irei falar sobre esta franquia já consolidada no mundo dos jogos.

Sul-sul, que significa “olá” em Simlish, Simmers! Espero que vocês tenham curtido a primeira parte do especial 20 anos de The Sims, onde contei um pouco sobre a história dos jogos principais da franquia. Nesta segunda parte, irei escrever sobre o modo Simulação, ferramentas de criação fora do jogo, minhas lembranças e o que espero do futuro de The Sims.

O modo Simulução

Quando o jogador vai para o modo Simulação, uma interface fica à sua disposição,  mudando de jogo para jogo. Nela, basicamente se tem todo o controle sobre os Sims e o jogo. Temos acesso a: opções do jogo, mapa, Simoleons, que é o dinheiro do jogo, desejos dos Sims, humor, habilidades, emprego, inventário, celular, painel de relacionamentos e necessidades. O jogador utiliza mouse e teclado para controlar as ações dos Sims.
a interface de cada jogo principal da franquia.
A jogabilidade muda bastante de jogo para jogo. A partir de The Sims 3, ela facilita muito em alguns pontos. Por exemplo, em The Sims 1 e The Sims 2, para o Sim jogar o lixo, tínhamos de realizar a ação. Já em The Sims 3 e The Sims 4, basta o jogador arrastar o mouse até o lixo para que uma mãozinha apareça, e pressionar e arrastar até a lata de lixo. O mesmo exemplo pode ser feito com as roupas e os pratos sujos.

Conforme você vai jogando, poderá decidir se seu Sim terá filhos ou não, se será solteiro, casado ou enrolado, se será rico ou pobre, e muito mais. Você define como será o seu jogo. Os jogos funcionam através dos estágios da vida, que são: recém-nascido, bebê, criança, adolescente, jovem adulto, adulto e idoso. É possível aproveitar o máximo de cada estágio e ver o Sim progredindo durante a jogatina.



Cada estágio tem diferenças na jogabilidade. Os bebês precisam de um Sim adulto para aprender a falar e andar, os adolescentes podem ter emprego de meio-período e os idosos podem se aposentar do trabalho. Eles vivem como nós, com suas necessidades, trabalho, habilidades, oportunidades e muito mais. Cabe ao jogador saber como administrar isso no jogo.

Outro grande foco da jogabilidade são as emoções. Cada jogo apresenta uma forma diferente de lidar com as emoções dos Sims, e todos são únicos neste quesito, com exceção do The Sims 1 e The Sims 2, onde as emoções são mais interpretativas .

Acima da cabeça dos Sims há um Plumbob, que mostra o humor do Sim através das cores. Em alguns jogos da série, ele teve mudanças em sua estética, mas nunca mudando a forma de prisma presente desde o primeiro título da franquia.

Evolução do Plumbob a cada jogo principal lançado da franquia.


Uma coisa que está presente em todos os jogos da série são os NPCs ou na tradução literal, Personagem Não Jogável. Eles são peças essenciais para dar uma emoção a mais na jogabilidade. Em todas as gerações, temos a presença de vários deles: cozinheiro, ladrão, policial, carteiro, empregada, babá, jardineiro e outros mais.



O mais icônico dos NPCs é a Dona Morte. A cada jogo, ela tem um visual diferente e sempre aparece para buscar seu Sim ou bichinho de estimação quando eles morrem. Se o jogador tiver mais de um Sim na família, ele ainda pode implorar à Dona Morte para não levar o Sim morto. Isso pode dar certo ou você pode desafiá-la a uma partida de xadrez para assim salvar a vida do falecido.
O visual da Dona Morte em cada jogo principal lançado da franquia.
Lembram que comentei na primeira parte sobre as criaturas de fantasia que são adicionadas através das expansões no jogo? Pois é, algumas delas têm uma jogabilidade própria e diferenciada dos Sims humanos. Os vampiros morrem se ficarem no sol, já os planta-Sim precisam do sol para sobreviver. Os SimBots precisam ser recarregados, e os bruxos têm uma barra de energia para realizar feitiços. A forma de jogar muda de criatura para criatura, estes são só alguns exemplos. A jogabilidade muda de geração para geração, uma semelhante à outra, mas sempre com uma novidade a mais.

Outra coisa que comentei na primeira parte é sobre a expansão que acrescenta os bichos de estimação. Esta expansão é muito querida pelos fãs da franquia e pelos amantes de animais. A cada jogo, temos uma jogabilidade diferenciada. Em The Sims 3, podemos controlar os cães, gatos e cavalos, enquanto nos outros jogos não temos esta opção. A única exceção é The Sims 2, que permite o controle dos bichinhos apenas através de cheats, e é um controle bem limitado.
Jogabilidade de um cachorro em The Sims 3.


Todos os jogos principais da franquia tiveram também uma expansão relacionada a viagens. Em The Sims 2, temos a expansão Bon Voyage, na qual temos três opções de lugares para os Sims passarem uns dias de férias: a Ilha Twikii, Três Lagos e Vila Takemizu. Cada um dos três destinos é distinto e conta com atividades diferentes para os Sims praticarem. Dentre as atividades, temos aprender a dançar hula-hula, dança bávara, dança oriental, etc. Uma criatura adicionada a esta expansão é o Pé-Grande, que pode ser visitado pelo seu Sim em Três Lagos. 
O famoso Pé-Grande em The Sims 2.


Em The Sims 3, temos a expansão Volta ao Mundo. Nela, os Sims podem viajar também para três destinos: Champs Les Sims, que é um destino com inspiração na França; Al Simhara, que se inspira no Egito; e Shang Simla, que se inspira na China.

A principal adição nesta expansão é o elemento RPG, que permite aos Sims aceitar missões especiais em cada um dos destinos. Dadas pelos moradores locais, elas são acrescentadas no painel de oportunidades, e são focadas em exploração de tumbas ou lugares secretos. O Sim irá receber como recompensa relíquias, Simoleons ou experiência de visto. Com a experiência de visto, ele pode ficar por mais dias em um dos destinos.
Ao explorar tumbas seu Sim infelizmente pode ser amaldiçoado por uma múmia.


A expansão que acrescenta mudanças climáticas no jogo se chama Estações. O mundo do jogo muda a cada estação do ano, e temos a adição de atividades relacionadas a cada uma das estações. Em The Sims 3, há um feriado para cada estação: na primavera é o Dia do Amor, algo como dia dos namorados; no verão é o Dia do Lazer; no outono é o Dia Assustador, algo como o halloween; e no inverno é o Dia do Floco de Neve, que é nada mais, nada menos que o Natal.
As estações do ano em The Sims 4.


Outros temas foram explorados nas expansões, estes são alguns exemplos:

O Vida Noturna adicionou uma vizinhança urbana com clubes de dança, karaokês, casas de boliche, vampiros e carros.



O Ilha Paradisíaca adicionou pela primeira vez na franquia as sereias e uma nova funcionalidade ao modo construção: criar casas barco. 



O Vida de Universitário possibilita aos Sims ingressar na universidade com variados cursos e tendo de conviver em uma república com outros estudantes.



O Aberto Para Negócios possibilita aos seus Sims abrir o próprio negócio. Pode ser um petshop, restaurante ou uma loja onde se pode vender objetos ou a arte criada por eles. O jogador define o preço, contrata funcionários, etc.



No Futuro acrescenta Simbots, que são robôs criados pelos Sims; um Portal do Tempo que os leva a um mundo novo no futuro; e objetos para casa com estilo futurístico, como TVs, cavaletes, plantas, computadores holográficos e muito mais.

Mais ferramentas de criação

Em The Sims 4, temos à nossa disposição o Criar um Sim. Ele foi lançado como uma demonstração antes do lançamento oficial do jogo, mas está disponível até hoje.  Os jogadores, além de criar, podem compartilhar suas criações com a galeria, para assim, quando comprarem o título, jogar com elas.
Demonstração do Criar um Sim de The Sims 4.


Em The Sims 3, temos três ferramentas que não eram incrementadas dentro do jogo, mas fora dele. Existe a ferramenta de Criar um Mundo, que possibilita a criação de mundos para o jogo; a ferramenta Criar um Padrão, que funciona igual à ferramenta Criar um Estilo; e a ferramenta Criar um Filme, que permite aos jogadores criar seus próprios filmes a partir das capturas de vídeo feitas pelo jogo.
Ferramentas Criar um Mundo, Criar um Filme e Criar um Padrão do The Sims 3.
Em The Sims 2, temos a ferramenta The Sims Estúdio de Criação, que permite aos jogadores criar Sims únicos e conteúdos personalizados para serem compartilhados com seus amigos ou com a comunidade de fãs.
Ferramenta Estúdio de Criação do The Sims 2.

Minhas lembranças com The Sims

Eu, Lucas Fábio Rodrigues, sou um grande fã de The Sims. O primeiro jogo que joguei foi The Sims, creio eu que em 2002, quando uma prima minha instalou o jogo no PC da minha avó. Pouco me lembro da época em que joguei, pois eu ainda era uma criança, mas aquilo foi apenas um Sul-sul, do que viria anos depois.
Minha coleção de The Sims.


Em meados de 2007, ganhei um PlayStation 2, e dentre os meus primeiros títulos, tive a versão para console de The Sims 2. Joguei muito ele, desbloqueei as outras casas, tentei fazer Oba-Oba para ter filhos e tudo o mais, mas não tinha jeito: eu tinha que ir para o próximo estágio, que era jogar a versão de PC do jogo, a mais completa. Era um mundo novo para eu explorar. Muitos colegas meus de escola já jogavam na época, e quanto mais comentavam sobre o jogo, mais eu ficava fascinado com as possibilidades. 
O ano era 2008 e eu tinha ganhado um PC novo. Era a hora de comprar The Sims 2. Fui na lojinha de jogos próxima à minha casa e comprei The Sims 2 Deluxe. Nele, vinha o jogo base e a expansão Vida Noturna. Instalei e de primeira torci o nariz, pois estava acostumado com os controles do PlayStation 2. Jogar pelo mouse clicando nos objetos e Sims foi um soco no estômago pra mim, e naquela época as pessoas não buscavam vídeos mostrando a jogabilidade dos jogos no YouTube, então eu não sabia absolutamente nada do que esperar de The Sims 2 no quesito dos controles.
Sims que criei e que nunca irei me esquecer.


Passou-se um tempo e fiquei sem internet, então resolvi dar mais uma chance ao jogo, e fui fisgado. Viciei, joguei as outras expansões e fiquei ansioso pelo lançamento de The Sims 3, que acompanhei desde o anúncio até o lançamento do jogo base e todas as suas expansões e coleções de objetos. 



Fiquei feliz com o anúncio do The Sims 4, e a empolgação foi tanta que até fiz pré-venda dele. Esta franquia fez parte da minha vida, me moldou também como grande fã de jogos e devo muito a ela por ter me divertido por anos. Criei Sims que irão ficar pra sempre em minha memória, e os jogos sempre terão um lugarzinho no meu coração.



Me exaltei um pouco em minha declaração, mas essa é a minha história com The Sims. Sou um fã apaixonado pela franquia, mesmo que hoje eu não acompanhe mais como antes, pois The Sims 4 me frustrou em muitos aspectos. O jogo me encantou no início, mas depois perdi a vontade de jogar. Acredito que a Electronic Arts perdeu um pouco o controle, e não concordo com diversas coisas que vieram a ser lançadas para a franquia desde então.


O futuro de The Sims

Recentemente, o diretor da Electronic Arts, Andrew Wilson, disse que a sequência do jogo já está em desenvolvimento e que seu lançamento está previsto para 2021 ou 2022. Acredito que nesse meio-tempo The Sims 4 deva receber mais conteúdos, mas o que realmente espero de um suposto The Sims 5?

Acho que a resposta direta para esta pergunta é: o menos é mais. Em The Sims 4, tivemos o lançamento exagerado de coleções de objetos desnecessários e que poderiam ter sido incluídas em expansões ou até nos pacotes de jogo. Outra polêmica são conteúdos duplicados, como por exemplo uma árvore que veio numa expansão e  foi lançada em uma coleção de objetos, só que com uma cor diferente. 

O mais agravante é o preço de todos estes conteúdos aqui no Brasil. A comunidade fãs de The Sims sempre questionou seus preços, pois os valores chegam até a ser abusivos se comparados com o preço das gerações anteriores, e também pela relevância do conteúdo neles incluso, que foi aumentando conforme o lançamento. A maior piada foi eles terem lançado a expansão Cães e Gatos e, meses depois, chegar uma coleção de objeto que complementa a expansão. O jogador não pode adquirir um sem ter o outro, sendo forçado a comprar os dois conteúdos.

The Sims 4 poderia ter sido um dos melhores títulos da franquia, mas senti que a sua jogabilidade, com o tempo, se torna repetitiva e pouco intuitiva Eu  jogava no máximo uma hora e já enjoava. Me vejo hoje como não mais o público-alvo do jogo, pois as coisas mudam, até aquelas que amamos por tanto tempo.

O jogo inovou em algumas coisas e regrediu drasticamente em outras no jogo base, algumas ideias já vistas em outras expansões da franquia voltaram e foram inseridas em The Sims 4 com uma mudança aqui e ali. Um exemplo é a expansão Ao Trabalho, que permite ao jogador ir ao trabalho do Sim, algo que muitos fãs queriam e que pouco tinha sido explorado na expansão Ambições, lançada para The Sims 3.

Pelo que Andrew comentou, parece que o grande foco da nova geração de The Sims será o modo online. Isso é bom e ruim ao mesmo tempo, porque não sabemos como irá de fato funcionar, se será algo nos moldes já vistos lá no The Sims Online ou se terá um modo offline.

Uma novidade que veio em The Sims 4 foi a unificação das versões. A versão de PC é a mesma que foi lançada anos depois para os consoles PlayStation 4 e Xbox One. Antigamente, os jogos da série lançados para os consoles sempre vinham com uma jogabilidade diferenciada e limitada, e o foco de The Sims 5 será ser multiplataforma, abrangendo possivelmente a nova geração de consoles PlayStation 5 e Xbox Series X. Isso é bom porque não limita o jogo a apenas uma plataforma.

Só espero que a Electronic Arts aprenda com os erros cometidos com The Sims 4. A franquia hoje é uma das mais relevantes para o gênero de simulação, sendo bem vista pelos jogadores casuais. Que The Sims 5 venha com o conceito de mundo aberto, um multiplayer online interessante para os jogadores, e que ele volte a lançar apenas expansões e coleções de objetos, mas se tratando de Electronic Arts temos de sempre manter um pézinho atrás e esperar que ela nos surpreenda. Confio muito no trabalho do The Sims Studio e sei que coisas boas estão por vir.
E você, Simmer, o que espera da nova geração de The Sims e quais são as suas lembranças da franquia? Espero que vocês tenham gostado deste especial de 20 anos. Chegou um pouco atrasado, mas eu não podia deixar de escrever sobre. Que venham mais 10, 20 ou 30 anos de The Sims, mas que ele seja sempre assim, contemporâneo, engraçado e despretensioso, pois esta é a sua essência: nos fazer esquecer dos problemas da vida real e nos trazer felicidade.
Revisão: Davi Sousa 

Poderia estar dando um rolê na Epoch, ou participando do torneio Mortal Kombat, e quem sabe escapando de alguns zumbis, mas estou aqui, feliz por estar escrevendo sobre games.

Comentários

Google
Disqus
Facebook