Análise DLC

Análise: Kingdom Hearts III Re Mind (PS4/XBO) amarra pontas soltas, traz mais desafios, mas é raso em novidades

Recontando o final pelo ponto de vista de Sora, Re Mind explica pontos que ficaram em aberto no final da saga.

Kingdom Hearts III chegou em janeiro de 2019 acabando com uma longa espera e trouxe um desfecho para a jornada de Sora. Mas este final ainda contou com algumas pontas soltas que deixaram muitos fãs da série, no mínimo, intrigados com os acontecimentos durante a batalha final contra Xehanort e a verdadeira Organization XIII.


Este é o primeiro DLC da história dos jogos de Kingdom Hearts. Os demais títulos da série sempre contaram com atualizações por meio de relançamentos. Com a comodidade das atualizações e aquisição de conteúdo adicional que temos atualmente, não faria muito sentido lançar um “Kingdom Hearts III Final Mix”, pelo menos agora, então a Square Enix nos oferece como opção a atualização da história por meio de DLC.

No dia do lançamento de Re Mind, uma atualização gratuita para o jogo foi disponibilizada para todos os jogadores, trazendo ajustes na história principal, novas habilidades e keyblades, e ajustes de performance. Para acessar o DLC, é necessário ter finalizado a campanha principal, pois os dados do jogo salvo concluído são usados para acessar o conteúdo a partir do menu inicial.

Os trechos a seguir contém spoilers do enredo da série Kingdom Hearts.

Anteriormente, em Kingdom Hearts III…

É chegado o momento da batalha final dos guardiões da luz contra a verdadeira Organization XIII no Keyblade Graveyard. O objetivo de Xehanort é fazer com que o embate entre luz e escuridão crie a χ-blade, a keyblade definitiva, necessária para abrir Kingdom Hearts. Após uma grandiosa batalha, Sora derrota o vilão e usa a arma para fechar Kingdom Hearts e salvar os mundos. Ao retornar, Sora deixa seus amigos e parte em uma jornada para salvar Kairi, que foi morta por Xehanort momentos antes do embate final.
Luz e escuridão prestes a se cruzar
Re Mind reconta o final de Kingdom Hearts III sob uma outra perspectiva de Sora. Após a batalha final, Sora retorna ao Final World com esperanças de encontrar lá um meio de trazer Kairi de volta. É nesse momento que ele reencontra Chirithy que, após insistência de Sora, explica o que ele deve fazer para salvar sua amiga, mas um alto preço deve ser pago se o herói tiver êxito em sua tarefa: ele desaparecerá para sempre.

Ao retornar pela primeira vez do Final World, Sora criou uma anomalia no fluxo natural do tempo. É neste momento que o herói retorna, usando o Power of Waking nesta jornada para salvar Kairi. Sora deve reviver as batalhas de seus companheiros viajando por seus corações e carregando seus sentimentos durante as fatídicas batalhas contra os membros da Organization XIII, coletando os fragmentos do coração de Kairi e consequentemente auxiliando os guardiões na batalha final.
Sora viajando pelos corações de seus amigos

Recontando um final

Re Mind nos faz reviver as principais batalhas do final de Kingdom Hearts III, além de proporcionar a vivência de outros embates decorrentes neste período durante a primeira metade do DLC. A novidade é a possibilidade de jogar algumas destas no comando de outros personagens, como Riku, Roxas e Aqua. A dinâmica da batalha sob o comando de outro personagem é bem perceptível, fazendo com que alguns combates que antes fossem mais longos e até menos fáceis se tornem bem menos problemáticos ao jogar com outros heróis.
A melhor parte de jogar com outros personagens é ver suas habilidades únicas e seus ataques combinados. Alguns deles são um show à parte e visualmente deslumbrantes. Para quem acompanha a história de Kingdom Hearts, ter a possibilidade de jogar com alguns destes personagens novamente chega a ser emocionante.
Thinking of You
Além de reviver as batalhas, as histórias também são complementadas com novas cutscenes ou cenas estendidas das que já foram exibidas no jogo original, o que esclarece algumas dúvidas sobre acontecimentos no final que ficaram sem explicação como os retornos de Lingering Will no duelo contra Terra-Xehanort, de Xion lutando pela Organization XIII e o regresso de Roxas. As passagens de Sora pelos corações de seus amigos mostram o que realmente aconteceu para que estes e os demais fatos ocorridos durante as batalhas de seus aliados ocorressem.

A segunda metade do DLC é a que mais adiciona conteúdo novo ao jogo. Após forjar a χ-blade, Xehanort abre Kingdom Hearts e os guardiões usam seus últimos esforços para manter a escuridão sob controle. A forma espiritual de Sora então viaja para Scala ad Caelum e, diferente de seu eu do presente que ainda não fez a viagem, tem a oportunidade de explorar o local para coletar os fragmentos do coração de Kairi.
Agora é possível explorar a belíssima Scala ad Caelum
Diferente da primeira visita, onde o local é apenas cenário do início do embate final contra Xehanort, no DLC temos a oportunidade de explorar a belíssima cidade em busca dos fragmentos. É possível trafegar rapidamente pelo local usando técnicas de flowmotion enquanto lutamos contra muitos inimigos. Ao final desta etapa, novamente revivemos o embate contra Armored Xehanort e os acontecimentos do final de Kingdom Hearts III prosseguem.

Novas batalhas sob o comando dos guardiões da luz e uma nova batalha contra o chefe final ocorrem, mas não vamos entrar em detalhes aqui para evitar grandes spoilers.

E ainda não acabou!

O fim de Kingdom Hearts III segue seu rumo normal com um final estendido e logo somos apresentados a mais um conteúdo adicional, desta vez mais voltado para quem busca desafios. Ao terminar Re Mind o jogo adiciona o Limitcut Episode.

Na história, um ano se passou desde que Sora se foi, mas Riku sabe que o amigo ainda existe pois todos ainda têm memórias dele. Em uma nova jornada para tentar reencontrá-lo, ele se encontra com Leon (Squall), Yuffie, Aerith e Cid em Radiant Garden, onde os dados do Garden of Assemblage são coletados e reconstruídos pelo rufião do grupo.

Nesta versão digital de Sora, temos a oportunidade de lutar novamente contra os membros da Organization XIII em formas bem mais desafiadoras. Ao concluir estas batalhas, o episódio secreto passa a ser acessível nos levando a uma batalha contra o chefe mais difícil do jogo.
Verum Rex
Outra função, mais casual, também é acessível pelo computador de Cid em Radiant Garden. O Data Greeting permite montar dioramas com personagens e cenários de Kingdom Hearts para exercitar sua criatividade montando verdadeiros cenários onde o único limite aqui é sua imaginação na hora de compartilhar seu amor pelo jogo.
A Organização do picolé

Para quem pode gastar um pouco mais

A Square Enix disponibilizou Re Mind em dois pacotes: o normal, com todo o conteúdo já comentado; e um segundo, com valor adicional, possuindo todo o conteúdo do DLC mais o concerto Kingdom Hearts Orchestra – World of Tres gravado em novembro de 2019, em Osaka. A apresentação passou por vários países em 2019, incluindo o Brasil, que contou com uma cobertura de nossa equipe na apresentação em São Paulo.

O conteúdo não altera em nada a experiência de Re Mind e é uma adição bem-vinda para quem ama a trilha composta por Yoko Shimomura. A única inconveniência é a de que se você comprou o DLC sem o conteúdo da orquestra, não há uma opção de comprá-lo de forma avulsa, tendo como única opção comprar o pacote completo e, consequentemente, pagar novamente pelo DLC. Portanto, se você tem interesse no pacote “Premium”, opte por comprá-lo de imediato.

Um final retocado

Quando terminei Kingdom Hearts III pela primeira vez, a impressão que ficou foi a de que a saga de Sora finalmente chegou ao fim, apesar das pequenas lacunas que ficaram abertas durante a batalha final. Foram dúvidas e lágrimas de uma história que descobri e me envolvi em 2004 e até hoje mostram que a mistura inusitada de Final Fantasy e Disney de Tetsuya Nomura foi capaz de criar algo inacreditavelmente carismático e cativante.

Re Mind sanou algumas dúvidas, recontando e retocando os detalhes do desfecho do conflito entre luz e escuridão que já beira 18 anos. Apesar de achar meio preguiçoso por parte da Square Enix em me fazer lutar novamente algumas lutas da batalha final, após ver como um todo o que o conteúdo desta aventura tinha para mostrar, fiquei satisfeito.

A conclusão é de que Re Mind é válido apenas para os verdadeiros fãs da série ou para quem busca mais desafios em jogabilidade, como os oferecidos no Limitcut. Fora isso, recomendo esperar uma promoção, pois o preço nada convidativo não corresponde à quantidade de conteúdo oferecido, onde metade dele é reciclado do jogo base.

Prós

  • Rejogar batalhas com outros personagens criando novas dinâmicas;
  • Pontas soltas do final da história foram amarradas;
  • Desafios dos episódios Limitcut e secreto são formidáveis;
  • Data Greeting rende diversão extra de forma criativa;
  • Conteúdo Kingdom Hearts Orchestra – World of Tres proporciona experimentação de um evento pouco acessível.

Contras

  • Rejogar as batalhas na primeira metade do DLC passa sensação de repetição e não de progresso ou novidade;
  • O conteúdo da orquestra poderia ser vendido separadamente;
  • Preço pouco convidativo.
Kingdom Hearts III Re Mind – PS4/XBO – Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PS4
Disponível para o Xbox One em 25 de fevereiro
Análise feita com cópia digital fornecida pela Square Enix.
Revisão: Thiago Monte

Tecnólogo em Gestão Ambiental, produtor do BlastCast e sincero até demais. Jogador casual de muitos e hardcore em poucos. Adora jogos multiplayer que causam discórdia e fogo no parquinho. @XelaoHerege

Comentários

Google
Disqus
Facebook