O Exterminador do Futuro: a história e a evolução dos jogos da franquia

Vamos conhecer um pouco sobre esses games originados da famosa série de filmes.


Dentre as franquias de filmes de ficção científica, uma das mais clássicas a lidar com futuros pós-apocalípticos é O Exterminador do Futuro. Apesar de algumas películas não terem sido um grande sucesso, a fama de nomes como Skynet e T-800 é inegável. No mundo dos games, entretanto, a série não tem uma reputação tão significativa. Nessa matéria, vamos falar um pouco sobre a história e a evolução dos seus títulos mais relevantes.

O início da franquia

A nossa história começa com o lançamento do filme O Exterminador do Futuro, em 1984. Nele, somos apresentados às principais premissas da série, que iriam permear todas as mídias lançadas posteriormente. Sem ir muito a fundo nos detalhes, o enredo gira em torno de um futuro pós-apocalíptico em que as máquinas dominaram o planeta e mantêm a humanidade sobre grande perigo.
 Arnold Schwarzenegger é a estrela do primeiro filme e a maior da série
O domínio das máquinas começou com a rede artificial de defesa chamada Skynet, que se tornou consciente e se rebelou contra seus criadores humanos. Com grandes dificuldades, a humanidade conseguiu se organizar, sobretudo graças ao seu líder John Connor, e virar o jogo contra os inimigos cibernéticos. Reconhecendo sua derrota, a Skynet lançou o seu plano derradeiro.

Um robô assassino, chamado Exterminador (ou T-101, T-800, entre outros nomes), é enviado ao passado com o objetivo principal de matar Sarah Connor, mãe de John, e assim evitar que a rebelião vença no futuro. Sabendo desse plano, a resistência humana também envia um guerreiro para proteger a mulher e evitar que a história seja alterada.

O primeiro game da franquia foi baseado nesse filme, com o nome The Terminator, lançado para computadores com sistema DOS em 1991. O jogo permitiu ao jogador escolher entre proteger e atacar Sarah Connor, tendo à disposição um (limitado) cenário em três dimensões para ser explorado. A produção do game teve a participação da Bethesda, hoje conhecida por games como The Elder Scrolls e Fallout.
O game para DOS impressiona pela sua proposta em uma época de jogos limitados
Vários outros consoles receberam um game baseado nesse primeiro filme: NES, Master System, Mega Drive, SNES, entre outros. A maioria deles consistiu em jogos do tipo plataforma e tiro em duas dimensões, algumas vezes contendo seções de corrida. Dentro das possibilidades da época, todos eles continham animações e músicas saídas diretamente da película. Infelizmente, esses títulos sofreram por serem genéricos demais.
The Terminator (Mega Drive)

Dando continuidade ao sucesso

Com o lançamento de O Exterminador do Futuro 2 - O Julgamento Final, em 1991, novos jogos começaram a ser lançados. Todos eles seguiram a história vista no filme: com o insucesso no assassinato de Sarah no primeiro filme, Skynet envia para o passado um robô mais moderno, T-1000, para liquidar um John Connor agora criança. A resistência humana também tomou providências, enviando um T-800 para proteger o futuro líder da revolução.
O segundo filme é considerado por muitos melhor que o primeiro Exterminador do Futuro
Assim como na produção cinematográfica anterior, os games baseados no filme, em sua maioria chamados de Terminator 2: Judgment Day, foram majoritariamente do tipo plataforma e tiro em duas dimensões. E tal como os anteriores, eles nunca receberam grande destaque, principalmente por parecem muito com os demais concorrentes. Ou seja, os títulos utilizavam os visuais e designs da marca Exterminador do Futuro, mas de forma genérica e sem grande profundidade.
Proteja John e Sarah no game (SNES)
As versões de Super Nintendo e Game Boy foram algumas das melhores, mas sempre de forma mais discreta. Destaque para o fliperama Terminator 2: Judgment Day que, assim como os demais arcades da época, possuía uma capacidade de processamento maior do que os consoles. Dessa forma, os games dessas máquinas podiam apresentar gráficos, sons e jogabilidade muito superiores.
Muita emoção no arcade T2 - Terminator 2 Judgment Day
O terceiro filme da franquia foi O Exterminador do Futuro 3 - A Rebelião das Máquinas, lançado mais de dez anos depois do segundo, em 2003. O enredo consistiu, basicamente, em uma repetição do que vimos na segunda película: agora um jovem adulto, John Connor se vê novamente a mercê de um assassino do futuro, T-X, precisando da ajuda de um novo protetor na forma do clássico T-800.
A expectativa para o terceiro filme foi muito grande

Uma queda no padrão

Contando com o terceiro filme, a série Exterminador do Futuro viu  sua qualidade e receptividade sofrerem uma queda significativa. Vários foram os motivos apontados para essa decadência, mas o maior consenso foram as histórias confusas e sem grande profundidade. E essa “superficialidade” também parece fazer parte do universo dos games, tal como citado nos jogos anteriores.
O game Rise of the Machines trouxe várias cenas do filme (Xbox)
Os títulos baseados no filme, tais como Terminator 3: Rise of the Machines (Multi) e Terminator 3: War of the Machines (PC) foram muito mal recebidos. E, mais uma vez, as produções genéricas explorando a famosa marca foram as responsáveis. Os dois títulos, do tipo tiro em primeira pessoa, tiveram produções fracas, com gráficos feios e jogabilidade ruim, parecendo apenas apostar na sua marca conhecida.
Mesmo trazendo atrações como escolher de qual lado lutar, War of the Machines ficou devendo
Na sequência, tivemos os filmes O Exterminador do Futuro: A Salvação, em 2009, e O Exterminador do Futuro: Gênesis, em 2015. Ambos tiveram jogos como Terminator Salvation (Multi), um jogo de tiro em terceira pessoa, e Terminator Genisys: Future War (Mobile), um MMO de estratégia para dispositivos móveis. E mais uma vez, eles foram apenas de qualidade média.
A Salvação trouxe um roteiro que se passa somente no futuro pós-apocalíptico
O último filme da franquia é O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio, lançado no final de 2019. E, ao contrário dos seus predecessores mais recentes, a produção conseguiu atingir um padrão de qualidade melhor e uma maior aceitação por parte dos fãs e da crítica. Terminator: Dark Fate (Mobile) seguiu a linha da película, oferecendo um ótimo MMO de estratégia para dispositivos iOs e Android, sendo o único representante dela no mundo dos games.
Ainda que longe de ser perfeito, Destino Sombrio é um bom alento aos fãs

O futuro não está perdido

Nem todos os games da franquia foram baseados diretamente nos filmes. Infelizmente, eles se mantiveram no caminho dos demais, ficando entre ruins ou apenas OK. The Terminator: Dawn of Fate (PS2/XBOX), do tipo tiro em terceira pessoa, foi uma prequel para os primeiros filmes; RoboCop Versus The Terminator (Multi) trouxe um interessante encontro entre duas máquinas famosas do cinema na década de 90; The Terminator: Future Shock (PC) foi mais um bem sucedido título da Bethesda do tipo tiro em primeira pessoa, no melhor estilo Doom.
Dawn of Fate foi um bom jogo para a sexta geração de videogames (PS2)
Para terminar a nossa matéria, temos o título mais recente da série. Terminator: Resistance (Multi) foi lançado em novembro de 2019 (será em janeiro de 2020 para as Américas) para PC, PS4 e Xbox One. O game se passa no futuro durante o domínio da Skynet e o jogador precisa participar em várias frentes da guerra dos humanos contra as máquinas.
Pronto para mais uma aventura da série Exterminador do Futuro?
Embora o game tenha recebido apenas avaliações OK, ele pode ser considerado um dos melhores da série nos últimos tempos. As qualidades incluem boa jogabilidade, produção técnica interessante e história original, com vários diálogos e missões extras. O problema é que o defeito dos jogos anteriores continua lá.
Resistance tem seus pontos fortes, mas ainda ficou devendo a franquia
Tal como apontado por várias avaliações, o título em si é genérico: sistemas de combate, criação de itens, árvores de diálogos e habilidades são datados e fracos. Ou seja, é como se o game tivesse vindo de um passado pouco inspirado. No final das contas, a sina dos jogos Exterminador do Futuro continua, talvez à espera de um salvador vindo do futuro.

Fica a esperança para que exemplos de sucesso como Star Wars Jedi: Fallen Order (Multi) possam ser usados futuramente. Alguns títulos da série Exterminador do Futuro trouxeram várias boas ideias e elementos interessantes, incluindo o recente Resistance, mas quase sempre ficou faltando mais capricho na implementação final. Se os ótimos conceitos e charme da franquia forem bem usados, certamente um dia teremos um game excelente.

Hasta la vista, baby!

Quem curte um bom filme certamente conhece a franquia Exterminador do Futuro. Com muitos fãs, uma história divertida e constante ação, a série também está presente no mundo dos games desde os seus primórdios. E assim como a maioria das películas, os jogos estrelando o robô T-800 e companhia tiveram pouco destaque na indústria e com os fãs. O negócio é esperar que o futuro seja mais generoso e faça jus aos melhores momentos dessa querida franquia.
"I will be back"
Revisão: Davi Sousa

é redator de matérias sobre games desde julho de 2016 e um grande fã da décima arte, embora não tenha muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, COD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank.


Disqus
Facebook
Google