Neo Geo Pocket: 20 anos, 20 jogos essenciais do portátil

Conheça algumas das pérolas do obscuro portátil da SNK.


Como o Hadan F. destacou em seu texto, o Neo Geo Pocket Color completou 20 anos em 2019. Como entusiasta de portáteis, eu não podia ficar de fora da comemoração. Boa parte da minha infância foi jogando alguns dos títulos do portátil da SNK, então gostaria de deixar aqui um registro de algumas das melhores obras que ele tem.

Mesmo com suas baixas vendas e com dificuldades para atrair empresas third-party, existe um grupo bem interessante de jogos que merecem destaque. Sem mais delongas, confira uma seleção de 20 títulos bastante especiais do NGPC que ainda hoje se mantêm divertidos. Ao invés de organizá-los por alguma preferência, esta lista segue uma ordem alfabética.

Biomotor Unitron


Biomotor Unitron é um dos poucos RPGs presentes no portátil. Após escolher seu personagem entre versões masculinas e femininas de várias raças (human, forester, mariner, birdian e lizardman), o jogador começa a participar de um torneio de robôs. Tendo em mãos o seu próprio Unitron, cuja afinidade elemental varia de acordo com a raça escolhida, você logo começa a lutar contra criaturas em dungeons, ganhar dinheiro, comprar/desenvolver novas peças para customizar o seu robô e torná-lo mais forte e apto a vencer as etapas do torneio.

O jogo só tem uma cidade, representada apenas por menus, mas todos os personagens e locais são visualmente interessantes e ricos em detalhes. Inclusive, é conversando com um desses personagens menores que se consegue as melhores habilidades do robô em pontos específicos da história. Além disso, as dungeons mudam seu layout toda vez que o jogador entra nelas. Enfim, é um RPG muito bem feito e que pode render horas e horas de diversão, especialmente para quem quiser conseguir todas as peças.

Cotton: Fantastic Night Dreams


Apesar de shoot’em up ter sido um gênero bastante comum em arcades e consoles japoneses em geral no período, Cotton é o seu único representante no Neo Geo Pocket. Nele, controlamos a bruxinha homônima que decide ajudar um grupo de fadas a lutar contra criaturas malignas que invadiram o lar das pequenas, mas seu objetivo é apenas conseguir doces.

O jogo é uma adaptação do título que foi lançado para arcade, PS1, Turbografx-CD e Sharp X68000. O jogador controla a bruxinha, que voa em sua vassoura pelas áreas da Terra das Fadas, e precisa atirar bolas de magia para acertar as criaturas inimigas. Ao longo das fases, é possível conseguir cristais que servem como upgrades e mudar as áreas dos ataques mágicos (além de poder adicionar ajudantes fadas como as tradicionais “Options” desse tipo de jogo).

Crush Roller



Adaptado dos arcades, Crush Roller é um grande clone de Pac-Man com uma aparência fofa e bastante colorida. Na pele de uma criatura não-identificada com aparência molenga, sua missão é colorir o chão com a sua tinta e evitar os outros seres que te perseguem. É possível derrotá-los usando os rolos compressores da fase, mas eles voltam mais rápidos, então o ideal é só fugir.

Ao cobrir uma certa porcentagem do chão com a sua cor (que muda a cada fase), um colecionável (usualmente um animal) aparece na fase. Para pegá-lo, o jogador precisa apenas ir atrás dele e passar por cima . Além disso, ele pode escolher a próxima fase a cada vez que passa por uma, tendo a possibilidade de montar caminhos diferentes a cada repetição.

Dark Arms: Beast Buster


Spin-off do rail shooter de arcade Beast Buster, Dark Arms é um jogo de tiro com ambientação sombria e elementos de RPG. Na pele de um exterminador de criaturas como zumbis e esqueletos, o jogador pode utilizar um arsenal especial (as Dark Arms) para enfrentá-las.

O interessante é que elas podem ser fortalecidas utilizando como sacrifício os inimigos capturados com uma arma mais fraca, a Catcher. As áreas também variam de acordo com o horário do dia, mudando a disposição dos objetos e os inimigos que podem ser enfrentados.

Dive Alert


Desenvolvido pela Sacnoth (Koudelka, Shadow Hearts), Dive Alert é um RPG bastante peculiar. O jogo é basicamente sobre combates entre submarinos, e a visão do jogador é a do sonar do navio, sendo necessário se guiar por ele para se movimentar e planejar suas ações.

Vale destacar também que ele é dividido em duas versões (Becky e Matt), cada uma com seus próprios personagens e variações da história. Chega a ser curioso que o jogo teve a oportunidade de ser lançado em inglês, mesmo sendo tão exótico para a plataforma.

Faselei!


Assim como Dive Alert, Faselei! é um dos jogos mais obscuros do Neo Geo Pocket. Lançado pouco tempo antes da inevitável morte do portátil, esse RPG de estratégia também desenvolvido pela Sacnoth coloca o jogador no controle de um piloto do grupo mercenário Faselei, que é contratado por um grupo de rebeldes para derrotar o ditador de um país do Oriente Médio.

Além de uma história bem interessante, Faselei! também tem um gameplay bem específico. Ao invés de executar uma ação por turno, o jogador tem a seu dispor vários comandos que devem ser encadeados em grupos de 5 ações (incluindo movimentação e ataques). Isso faz com que seja importante planejar bem os seus movimentos, antecipando o que o inimigo irá fazer em paralelo.

Fatal Fury: First Contact


É um videogame da SNK, então é óbvio que ele teria títulos de luta de alta qualidade. O primeiro deles que eu gostaria de destacar é a versão de Neo Geo Pocket de Fatal Fury. Baseado em Real Bout: Fatal Fury 2, o jogo recria boa parte da experiência no estilo próprio do portátil.

Os fundos são bastante detalhados e a trilha é uma versão sintetizada que adapta a do jogo original. O elenco jogável tem algumas omissões e o gameplay é simplificado em comparação com o jogo original, mas ainda conta com controles sólidos e potencial competitivo.

Gals Fighters


Próximo do fim da vida do portátil, a SNK decidiu investir em um jogo de luta bastante específico. Nele, algumas personagens femininas da empresa decidem participar de um torneio chamado QOF, cujo prêmio, o K Talisman, realizaria qualquer desejo da vencedora. Assim como em The King of Fighters, o jogo mistura personagens de vários jogos da empresa, sendo jogáveis Mai, Athena, Nakoruru, Yuri, Shermie, Leona, Shiki, Akari, Whip, Yuki e Miss X (Yori vestido de mulher).

Além de contar com alguns dos melhores gráficos e trilhas do sistema, o jogo apresenta cada personagem com um estilo de luta próprio e bem definido. Shiki, por exemplo, pode teleportar durante as batalhas, enquanto Leona tem contra-ataques ferozes usando dinamite, ataques de fúria, entre outros. Também é bem fácil realizar combos, e durante o torneio são ganhos itens que podem ser usados para obter vantagens nas próximas competições, como encher a barra de especial mais rápido, por ex..

Magical Drop Pocket


Jogos de puzzle são alguns dos mais comuns no Neo Geo Pocket depois de títulos de luta (e os de cassino, que foram muitos). A série Magical Drop funciona assim: pilhas de cores diferentes caem do teto, e você guia um palhaço no chão, que pode sugar uma linha horizontal de uma determinada cor e depois jogá-la em outra pilha para fazer combos. Assim que escolher uma pilha, o jogador precisa se livrar dela para pegar uma de outra cor, mas pode sugar outras peças da mesma cor que estejam ao seu alcance.

Apesar desse simples conceito parecer fácil, a movimentação das peças pode variar bastante, adicionando um bom nível de dificuldade ao planejamento de ações. A versão de Neo Geo Pocket tem visual e trilha mais simples do que outros jogos da série, mas isso funciona a favor de Magical Drop Pocket, permitindo o foco no gameplay. Há também uma mini-história engraçadinha e alguns elementos de humor.

Metal Slug First Mission / Second Mission


A famosa série de tiro da SNK não poderia deixar de aparecer no portátil. As versões de portátil têm uma boa variedade de inimigos, armas e veículos. O primeiro jogo é mais simples, pensado para ser compatível com o Neo Geo Pocket original, chegando ao ponto de não ter saves.

Já o segundo jogo é vastamente superior, usa melhor a paleta de cores disponíveis e inclui o característico voice-over da série (“Heavy Machine Gun!”). Também oferece a possibilidade de escolher entre dois personagens (cujas fases são um pouco diferentes) e um log de personagens resgatados, além de ser possível conversar por rádio com seus companheiros antes de iniciar uma missão para saber mais sobre ela.

Neo Turf Masters


Apesar de não ser muito fã de esportes, eu estaria sendo muito relapso em não mencionar esse jogo de golfe. Com seis personagens, cada um com atributos diferentes que afetam a movimentação da bola pelo campo, o jogo é surpreendentemente divertido.

No início, ainda distante do buraco-alvo, o jogador tem um grande mapa a percorrer e precisa escolher a direção geral para onde vai arremessá-la, se a jogará de forma direta ou fará um efeito de curva, a força e a altura de sua jogada. Ao chegar na área próxima, a questão passa a ser apenas dependente da barra de força que oscila para cima e para baixo, forçando o jogador a ter bom timing para se aproximar do alvo.

Picture Puzzle


Apesar de simples, Picture Puzzle é um título bastante divertido no estilo Picross. Existem 200 puzzles, cada um gera uma figura diferente. Nem todas são detalhadas o suficiente para a forma final realmente se assemelhar à fala proposta, mas ainda assim é um excelente passatempo.

A ideia básica é preencher os quadrados corretos de acordo com os números oferecidos. Quanto maior o número, mais quadrados devem ser coloridos. Se há números separados (2 2 1, por exemplo) é porque há espaços entre eles. Ao contrário de jogos mais recentes do gênero, ele não te pune por colorir erroneamente, o que faz com que seja possível assumir algo errado como certo e isso atrapalhar todo o puzzle. Algo especialmente fácil de acontecer nas últimas fases, que são maiores e mais complexas. Vale destacar que o jogador pode optar por fazer os puzzles em qualquer ordem.

Puzzle Link / Puzzle Link 2


Similar a Magical Drop, Puzzle Link é um jogo de puzzle em que a ideia é dar match nas peças de mesma cor, mas ao invés de sugá-las, você cria canos que conectam as peças. O início do jogo é bastante fácil e serve muito bem para aprender como se joga, mas ao longo do tempo a dificuldade vai aumentando de uma forma bem balanceada. Ao contrário de outros jogos do gênero, qualquer quantidade é suficiente para fazer o link, desde que as peças não estejam conectadas antes.

Além disso, conforme vai acumulando pontos, ao final das fases o jogador obtém cartas colecionáveis de criaturas. Assim como no caso de Metal Slug, o segundo jogo utiliza muito melhor o hardware e até adiciona funcionalidades como um modo “endless”.

Rockman Battle & Fighters


Apesar de só ter saído no Japão, esse jogo de luta do Mega Man é um título indispensável do portátil. Ele é na verdade uma coletânea que reúne Mega Man: The Power Battle e Mega Man 2: The Power Fighters, mas ambos em versões próprias do Neo Geo Pocket (com visual mais cartunesco e simplificado). Apesar de boa parte dos menus ficar de difícil acesso pela barreira da língua, as disputas são muito boas, sendo possível pular contra as paredes e explorar bem a movimentação dos personagens.

Existe uma boa variedade de inimigos, é possível jogar com Megaman, Protoman, Bass e Duo, e as áreas são bastante detalhadas e interessantes. Há inclusive um interessante cruzamento entre a série original e a X, com imagens de um protótipo de Zero sendo desenvolvido pelo Dr. Wily.

Samurai Shodown / Samurai Shodown 2


Dos jogos de luta da SNK, Samurai Shodown é um título interessante de nicho em que os personagens usam lâminas e usualmente abaixar sua guarda pode ser fatal. A série teve duas versões para Neo Geo Pocket: uma para o console original, monocromática; outra para a versão Color.

O segundo jogo em especial usa muito bem o hardware. Entre os trechos de batalha, há pequenas animações de alta qualidade, seus fundos e o seu uso de cores são sensacionais e as fases até variam entre dia e noite nas mudanças de turnos do duelo.

Sonic The Hedgehog: Pocket Adventure


Durante o período do Neo Geo Pocket, a SEGA firmou parceria com a SNK, e isso rendeu uma versão do Sonic para o portátil. Com fases inspiradas em Sonic 1, 2 e Sonic & Knuckles, o jogo consegue transmitir bem a sensação de jogar um título do ouriço com sua alta velocidade.

Com apenas duas áreas por zona, ele pode ser um tanto punitivo às vezes (especialmente em sua segunda área, cujo level design é bastante restritivo), mas ele permite começar de qualquer fase alcançada previamente. Além disso, o jogo também possui as Chaos Emeralds, alcançáveis através de um minigame que pode ser desbloqueado ao fim da fase, dependendo da quantidade de anéis que o jogador possui.

SNK vs Capcom: Card Fighters Clash


Tanto a SNK quanto a Capcom são empresas que investiram fortemente no mercado de jogos de luta, a ponto de terem vivido uma boa rivalidade. Em um certo momento, as duas empresas decidiram aproveitar isso para fazer um crossover entre os títulos da empresa. Além dos jogos de luta, o mais interessante foi que elas investiram também em um TCG (trading card game).

Card Fighters Clash é um jogo de cartas muito interessante, que apresenta representantes de várias obras de ambas as empresas. Com um campo compacto em comparação com outros jogos do gênero, os jogadores podem colocar apenas 3 personagens em campo para atacar e defender. Também há cartas de uso instantâneo e os personagens podem ter habilidades especiais, mas o mais interessante é que o jogador pode optar por bloquear os ataques (com 1 ou vários personagens) ou não, e usar outras cartas na mão para fortalecer os que estão no campo, algo que só pode acontecer se elas mencionarem a carta de “back-up”. Além disso, fora das batalhas, o jogo tem uma curiosa aparência similar a Pokémon.

SNK vs Capcom: Match of the Millenium


Com toda certeza, esse é o jogo definitivo do portátil. As batalhas são bem fluidas, os fundos coloridos e muito detalhados, e existe uma grande variedade de personagens para escolher, incluindo personagens da Capcom, como Ryu, Chun-Li, Morrigan e Zangief.

SNK Vs Capcom conta até mesmo com um modo “Olimpíadas”, em que o jogador escolhe entre o lado SNK e Capcom, além de outras 5 modalidades: Survival, Time Attack, First Blast e 2 minigames específicos da equipe. Dentre os minigames, destaco o Cat Walk, um jogo rítmico em que é necessário apertar os botões no timing correto para que Felicia ganhe energia. Com vários níveis de dificuldade de acordo com a escolha da música (que são as trilhas dos personagens), errar muito implica em perda do HP da personagem e no eventual fim do minigame caso ela desmaie.

The King of Fighters R-1 e R-2


Em se tratando de um videogame da SNK, não podia faltar o crossover que é o grande carro chefe da empresa. R-1 e R-2 são baseados em The King of Fighters ‘97 e ‘98 respectivamente, explorando bem as capacidades do portátil com batalhas fluidas e, mesmo sendo jogos simplificados, não deixam a desejar em qualidade.

Com modos team e single, além da possibilidade de escolher entre controles mais simplificados ou “profissionais”, ambos são títulos de peso e não deveriam ser descartados como “cópias inferiores” dos jogos em que são baseados. Existe bastante profundidade em montar seu time ideal e dominar as habilidades dos personagens.

The Last Blade ~Beyond the Destiny~


Apesar de bem menos conhecido dentre os jogos de luta da SNK, The Last Blade é honestamente um dos melhores do portátil. Baseado no título homônimo lançado para arcades e Neo Geo CD, ele se passa no período japonês conhecido como Bakumatsu, incorporando vários aspectos históricos e mitológicos).

Isso é incorporado no gameplay de uma forma sensacional nos efeitos visuais. Para passar uma sensação quase tátil de uma luta entre samurais, ataques fortes fazem a tela escurecer por um tempo mais longo enquanto é tocado o efeito sonoro do corte da espada. A trilha sonora também é um show à parte, com músicas cujo tom se associa perfeitamente ao clima de época, ao mesmo tempo em que se torna algo muito diferente de outros jogos do gênero. Ele também tem um modo Survival e Time Attack, além das batalhas normais.

Considerações finais

Este é um panorama geral do Neo Geo Pocket. Óbvio que da lista ficam de fora outros jogos bastante interessantes, especialmente aqueles lançados apenas no Japão e cuja natureza tornam apreciá-los quase impossível para quem não compreende a língua. Dentre eles, é possível mencionar os RPGs Biomotor Unitron 2 e Ogre Battle Gaiden, as visual novels Infinity Cure (uma versão anterior do clássico Never7) e Memories Off Pure, o jogo de cartas SNK vs Capcom: Card Fighters 2 Expand Edition e o título de ritmo Cool Cool Jam (que tinha lançamento ocidental planejado e uma demo em inglês).

Há também alguns títulos em inglês que não foram mencionados, como Bust-A-Move Pocket (também conhecido como Puzzle Bobble Mini), o RPG dungeon crawler Evolution: Eternal Dungeons e o puzzle Puyo Pop (baseado em Puyo Puyo 2). Junto com os destacados acima, todos esses títulos têm alta qualidade e merecem ser descobertos por mais jogadores, assim como essa pequena pérola que foi o Neo Geo Pocket.

Pessoalmente, joguei todos eles na infância, e escrever um pouquinho sobre isso me deixa com muita vontade de voltar a jogá-los. Espero que você, leitor, tenha curtido, e aproveite para conhecer ou reviver esses fantásticos títulos.

Revisão: Davi Sousa

é formado em Comunicação Social pela UFMG e costumava trabalhar numa equipe de desenvolvimento de jogos. Obcecado por jogos japoneses, é raro que ele não tenha em mãos um videogame portátil, sua principal paixão desde a infância.

Comentários

Google
Disqus
Facebook