Jogamos

Análise: Jamestown+ (Multi) — explodindo marcianos em um variado shoot ‘em up

Grande variedade de armas e dificuldade ajustável são os destaques desse intenso jogo de tiro vertical.


Uma Marte colonizada pelo império britânico é o cenário de Jamestown+, um jogo do gênero shoot ‘em up de progressão vertical. O título não esconde sua inspiração nos clássicos com visual em pixel art e ação descompromissada, no entanto ele apresenta mecânicas e conceitos próprios que o torna bem interessante e acessível. O plus no nome indica uma versão melhorada em relação ao original na forma de mais conteúdo e ajustes.

Defendendo uma colônia britânica em Marte

Na história, Jamestown foi o primeiro assentamento britânico no solo do continente americano, em um local que hoje é o estado de Virgínia nos Estados Unidos. O jogo explora o mesmo conceito em um século XVII alternativo com temática steampunk. No shoot ‘em up, Jamestown é uma colônia britânica em Marte, e o último bastião da rainha. A paz no lugar está ameaçada: os espanhóis se aliaram aos marcianos, e eles pretendem tomar o planeta à força. A última esperança da Inglaterra é Sir Walter Raleigh, um cavaleiro desonrado que vai fazer de tudo para acabar com a ameaça.

Jamestown+ é um shoot ‘em up de progressão vertical cujo o conceito é bem simples. Controlando uma nave, o objetivo é destruir os inimigos que aparecem pelo caminho, sendo que há um imenso chefe no final de cada estágio. Os veículos têm à disposição uma arma principal, que normalmente lança projéteis rápidos e não muito fortes, e uma habilidade especial, como um poderoso raio, granadas explosivas, tiros carregados e mais. Os dois tipos de armamentos podem ser utilizados livremente e há grande variedade de naves com diferentes tipos de jogabilidade.


Os estágios estão constantemente infestados de inimigos e tiros, mas, por sorte, as naves contam com um recurso especial chamado Vaunt. Para ativá-lo, é necessário coletar dinheiro deixado por inimigos derrotados para preencher uma barra. Ao ativar a habilidade, um escudo aparece por alguns segundos e destrói projéteis dos oponentes. Após isso, o medidor é drenado lentamente e enquanto isso o poder das armas da nave são aumentados, o que permite destruir mais rápido os inimigos. O efeito pode ser prolongado ao coletar mais itens.

A jornada é dividida em cinco estágios principais e duas fases com o epílogo da história, que são jogadas uma de cada vez. Há também o Gauntlet, um modo em que os estágios são jogados em sequência. Por fim, é possível testar as habilidades em um modo de desafio, que conta com estágios com condições de vitória específicas, como coletar anéis espalhados pelo cenário, alcançar uma pontuação específica ou sobreviver a um trecho extremamente complicado. O dinheiro coletado durante as partidas pode ser utilizado para liberar novas naves, fases e recursos.


Um shoot ‘em up flexível

Quem já experimentou algum “jogo de navinha” no passado vai se familiarizar rápido com Jamestown+, pois seu conceito principal é muito fácil de entender. A fórmula sempre foi divertida e não é diferente aqui: é muito legal explodir tudo à bordo de veículos steampunk poderosos. Falta um pouco de identidade ao título por investir somente em mecânicas consagradas, no entanto a execução é competente. O jogo pode ser aproveitado por até quatro pessoas no multiplayer local cooperativo — uma vida só é perdida quando todos morrem, sendo que há a opção de reviver os companheiros.

Um dos destaques de Jamestown+ é a dificuldade ajustável. O modo mais fácil oferece desafio balanceado e ótimo para iniciantes, sendo perfeito para entender os conceitos do jogo. Já as dificuldades mais avançadas são bem complicadas e apresentam inimigos mais resistentes e uma quantidade imensa de projéteis na tela bem ao estilo bullet hell. Nos modos mais complexos é imprescindível dominar a habilidade Vaunt: ativar o escudo na hora certa pode ser a única maneira de sobreviver à chuva de balas. A dificuldade aumenta suavemente ao jogar os estágios na ordem, porém as últimas fases não apresentam os níveis mais básicos — mesmo dominando as mecânicas, tive um pouco de trabalho nos estágios finais.


A minha característica preferida no jogo é a grande quantidade de armas: mais de 30 diferentes tipos de armamentos estão espalhados por inúmeras naves. A variedade é grande, e há tipos simples (como tiros retos ou espalhados) e alguns mais avançados (como uma arma que muda de direção conforme o movimento ou outra capaz de atirar para trás em certas situações). Já as armas especiais são bem criativas: um laser que pode ser posicionado em diferentes pontos da tela, tiros normais que explodem ao toque de um botão, uma poderosa espada de energia que circunda a nave, uma projeção astral capaz de atrair inimigos e mais. Me diverti bastante testando as várias possibilidades e muitas vezes consegui superar um trecho ou desafio difícil ao utilizar uma nave diferente.

A variedade também se estende aos estágios. Em um deles, exploramos uma região rural com criaturas lutando contra as forças britânicas. Em uma mina, a dificuldade é conseguir destruir trens que carregam inimigos. Um lago tóxico está infestado de plantas que cospem ácido em momentos bullet hell. Já um antigo templo apresenta um labirinto de difícil navegação. Mesmo assim, Jamestown+ é uma experiência curta, e seus sete estágios podem ser concluídos em poucas horas. Os modos e dificuldades adicionais dão sobrevida ao título, no entanto eles são mais interessantes para jogadores entusiastas.


A ambientação de Jamestown+ é acertada ao apresentar uma realidade alternativa steampunk. O visual apresenta pixel art bem trabalhado e boa variedade de cenários e inimigos, sendo que a ação é bem clara e fácil de entender, mesmo nos momentos mais frenéticos. A trilha sonora conta com composições orquestradas que combinam bem com a atmosfera steampunk, por mais que ela não apresente faixas memoráveis.

Tiroteio steampunk divertido

Jamestown+ é um shoot ‘em up clássico muito empolgante. O conceito principal apresenta mecânicas básicas, mas nuances trazem profundidade ao título, que é acessível ao apresentar várias opções de dificuldade. Uma grande variedade de armas criativas é seu maior destaque, e parte da diversão é dominar as várias naves disponíveis sozinho ou com amigos. Assim como boa parte dos shoot ‘em ups, o título não é longo: o seu conteúdo pode ser conferido em algumas poucas horas, por mais que alguns extras e diferentes dificuldades ajudem a amenizar esse problema. Sendo assim, Jamestown+ é para aqueles que gostam de uma experiência clássica, breve e intensa.

Prós

  • Grande variedade de naves;
  • Dificuldade ajustável;
  • Boa variedade de conteúdo;
  • Visual e música caprichados.

Contras

  • Quantidade limitada de conteúdo.
Jamestown+— PC/PS4/Switch — Nota: 7.5
Versão utilizada para análise: PC
Análise produzida com cópia digital cedida pela Batterystaple Games

é brasiliense e gosta de explorar games indie e títulos obscuros. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de roguelikes, game music, fotografia e livros. Pode ser encontrado no seu blog pessoal e nas redes sociais por meio do nick FaruSantos.


Disqus
Facebook
Google